O mundo das origens de Israel, segundo Mario Liverani

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008, p. 59-80.

Capítulo 2: A transição (século XII)LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008

Anotações de leitura

 

1. Uma crise multifatorial

Liverani começa o capítulo falando resumidamente das pesquisas sobre a ocupação da terra de Canaã e das principais teorias hoje existentes sobre as origens de Israel

Uma apresentação das teorias pode ser conferida em minha “História de Israel” online, no capítulo sobre as origens de Israel.
. a teoria da conquista
. a teoria da instalação pacífica
. a teoria da revolta
. a teoria da evolução pacífica e gradual

Mas, segundo Liverani este é um fenômeno complexo, e talvez uma só teoria não seja suficiente para explicar as origens de Israel. Ele propõe que os especialistas, deixando de contrapor uma a outra, deveriam utilizá-las todas “para compor um quadro multifatorial próprio de um fenômeno histórico complexo” (p. 60).

Há uma grande crise socioeconômica na Idade do Bronze Recente [Bronze Recente=1550-1150 a.C.].

Observo que Eric H. Cline, em 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. Princeton: Princeton University Press, 2014, faz um ótimo estudo sobre o colapso das grandes civilizações do antigo Oriente Médio no Bronze Recente. Uma apresentação do livro pode ser conferida em 1177 a.C.: o ano em que a civilização entrou em colapso.

Esta crise durou cerca de 3 séculos, de 1500 a 1200 a.C., assim como também cerca de 3 séculos vai durar a construção de uma nova ordem, de 1200 a 900 a.C.

Mas o momento mais agudo da crise foi na primeira metade do século XII (1200-1150 a.C.).

 

2. Fatores climáticos e migrações

Uma severa crise climática na região do Saara fez com que tribos líbias entrassem no vale do rio Nilo à procura de pastagens e água aí pelo fim do século XIII e início do século XII a.C. Os faraós Merneptah e Ramsés III se vangloriam de tê-las combatido.

Também na Anatólia houve uma sequência de anos muito áridos no final do século XIII, com escassas precipitações, provocando uma grave carestia, como atestam textos hititas, ugaríticos, egípcios e a moderna dendrocronologia.

CLINE, E. H. 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. Princeton: Princeton University Press, 2014A tudo isso se somou a pressão dos “povos do mar”, o fenômeno mais impressionante desta época.

Anoto que sobre os “povos do mar” é preferível consultar Eirc H. Cline, resumidamente, em 1177 a.C.: o ano em que a civilização entrou em colapso.

O resultado: Ugarit, Alashiya (Chipre) e toda uma série de reinos e cidades do Egeu, Anatólia, Síria e Palestina foram destruídos. “Todo o sistema político do Bronze Recente no Mediterrâneo oriental ruiu sob os golpes dos invasores” (p. 63).

E acrescenta Liverani: “Certamente, a crise socioeconômica de longa data, a crise demográfica em curso, a indiferença da população camponesa pela sorte dos palácios reais e as recentes carestias foram outros tantos fatores de fraqueza para o mundo siro-palestino diante dos invasores” (p. 63).

Um dos povos do mar é conhecido através de textos bíblicos: os filisteus, que ocuparam a faixa costeira da Palestina entre o Egito e a Fenícia.

Sobre os filisteus, consultar:
. 1177 a.C.: o ano em que a civilização entrou em colapso
. Os filisteus e a crise da idade do bronze
. DNA indica origem europeia dos filisteus

 

3. A queda do sistema regional

O quadro político da Palestina mudou muito com a queda do sistema regional que era estruturado pelos reinos de Hatti, Egito, Assíria e Babilônia.

O império hitita foi totalmente destruído, o Egito recuou de suas possessões na Ásia, Assíria e Babilônia encolheram.

Depois de séculos, a Palestina se viu livre de controle externo que lhe havia sido imposto pelo Egito a partir do faraó Tutmósis III (1479-1425 a.C.)

 

4. A crise dos palácios

Na Palestina, o sistema dos palácios foi destruído e, com ele, desabam as estruturas administrativas, artesanais e comerciais.Batalha naval dos egípcios contra os povos do mar em imagem de Medinet Habu

Diz Liverani: “Muitos palácios reais e cidades palestinas do Bronze Recente foram destruídos durante as invasões ou depois delas: a relação seria longa. Praticamente todos os sítios arqueológicos pesquisados apresentam um quadro de destruição situado no início do século XII” (p. 68).

Como as destruições não estão “assinadas”, várias hipóteses já foram levantadas para explicar o fenômeno, entre elas: povos do mar, tribos proto-israelitas, intervenções egípcias, guerras locais, revolta de camponeses.

Mas o importante é o quadro de conjunto: “Um quadro de destruição geral da instituição palatina e, portanto, de um tipo de reino baseado na centralidade do palácio” (p. 68). Somente uns poucos núcleos de urbanização ficaram intocados pela crise.

Com a redução do tamanho do núcleo palatino, cidades sobreviventes viram povoados (vilas). “A redução é óbvia: basta tirar de uma cidade do Bronze Recente o palácio real, as habitações dos altos funcionários e da aristocracia militar, as oficinas dos artesãos, os arquivos e as escolas para obter uma grande vila semelhante às outras (p. 69).

 

5. O crescimento do elemento tribal

À destruição do sistema palatino segue-se um processo de sedentarização de tribos pastoris, documentado nos novos assentamentos do Ferro I. “À crise do palácio, com suas relações hierárquicas, serviu de contrapeso a consolidação da tribo, com suas relações de parentesco” (p. 70).

Nos povoados consolidam-se grupos de parentesco estáveis, formando unidades territoriais. É o que chamamos de clã. Grupos vizinhos se unem, formando o que chamamos convencionalmente de tribos. Matrimônios cruzados, necessidades de defesa, relações de trabalho, relações de hospitalidade, por exemplo, fortalecem estes laços.

Liverani observa que todas as relações sociais são apresentadas segundo o modelo genealógico: “O nome da vila é (ou pelo menos é assim interpretado) o do chefe de que todos os habitantes descendem por ramos familiares. E todos os epônimos das vilas serão considerados os filhos ou talvez os netos do epônimo tribal” (p. 70). Um epônimo é um fundador real ou mítico de uma família, clã, tribo, dinastia ou cidade e que lhe dá seu nome.

Mas é um modelo artificial: as vilas e as famílias são aparentadas não porque têm um único antepassado comum, mas porque se tornaram parentes através de matrimônios cruzados.

O fato é que assentamentos agrupados por este sistema de parentesco tomam uma dimensão tal que podem se apresentar como alternativa ao sistema político palatino. Este é um fenômeno documentado também na Síria, não é exclusivo da Palestina.

Portanto, a crise leva a uma nova ordem baseada na solidariedade de parentesco.

 

6. A mudança tecnológica

Esta época é marcada por inovações tecnológicas de grande impacto:
. a fabricação de ferramentas e armas de ferro, material mais resistente e mais fácil de ser obtido do que o bronze
. o alfabeto substitui a escrita cuneiforme e torna a escrita mais acessível a um grupo maior de usuários
. a domesticação do camelo e do dromedário e seu uso como animal de carga amplia o comércio
. o uso do cavalo como montaria muda as táticas de guerra
. a navegação em alto-mar é aprimorada
. a agricultura em região montanhosa se torna possível com a construção de terraços que evitam a erosão dos terrenos
. a água é recolhida e guardada em cisternas impermeabilizadas

Escavações no cemitério filisteu de AscalonLiverani, entretanto, nos alerta de que “esse conjunto de inovações não se desenvolveu de repente nem ao mesmo tempo: algumas técnicas foram se firmando progressivamente no tempo (ferro, alfabeto), outras eram recorrentes no tempo (socalcos, cisternas), outras ocorreram mais tarde (sistemas hídricos montanhosos) (…), mas todas juntas caracterizam o período do Ferro em relação ao período do Bronze e devem ser levadas em consideração para compreender a diferente ordem territorial e a diferente cultura material” (p. 78).

O resultado, como notado mais à frente, nas p. 81-82 desta mesma obra, é o crescimento do número de assentamentos nas montanhas, que saltam de 29 sítios no Bronze Recente para 254 no Ferro I na Cisjordânia e de 32 para 218 na Transjordânia.

 

7. Horizontes ampliados

Ocorre a ampliação e a homogeneização no uso do território. Diz Liverani: “Na Palestina foi se configurando uma nova ocupação territorial que se estendeu aos planaltos e às estepes semiáridas, bem diferente da ocupação do Bronze Recente, toda concentrada somente nas áreas facilmente utilizáveis para a agricultura” (p. 78).

Quanto aos assentamentos: cidades menores, povoados (vilas) em crescimento.

Assim a Palestina se vê no centro de uma rede de vias e trocas comerciais de longa distância, tanto na costa mediterrânea como na Transjordânia.

Entretanto a região montanhosa fica à margem deste processo, pois é rodeada, mas não cruzada, pela principais vias por onde circulam as mercadorias.

A invenção da conquista, segundo Mario Liverani

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008, p. 331-355.

Capítulo 14 – Sobreviventes e estranhos: a invenção da conquistaLIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008

Mario Liverani faz uma demolição radical da conquista narrada no livro de Josué. Ele desmantela, ponto por ponto, a conquista de Josué.

Ele diz, por exemplo:

:. Sobre a conquista:
A história narrada no livro de Josué não somente não é confiável ao reconstruir uma mítica “conquista” do século XII, mas nem sequer é confiável ao reconstruir os episódios do regresso dos séculos VI-V. É um manifesto utópico que pretende dar força a um projeto de regresso que naqueles termos jamais se verificou (p. 333).

La storia narrata nel libro di Giosuè non solo non è attendibile nel ricostruire una mitica «conquista» del XII secolo, ma non è neppure attendibile nel ricostruire le vicende del rientro del VI-V secolo. È un manifesto utopico che intende dar forza ad un progetto di rientro che in quei termini non si è mai verificato.

:. Sobre os povos vencidos:
Extermina-se quem não existe – e o fato de não existirem demonstra que foram exterminados (p. 339).

Si stermina chi non c’è – e il fatto che non ci sia dimostra che lo si è sterminato.

:. Sobre o propósito do autor:
Legitimação arquetípica da posse da terra de Canaã (p. 339).

Legittimazione archetipica del possesso della terra di Canaan.

 

Algumas anotações de leitura:

1. As etapas do regresso

Os “pactos” ou “promessas” de Iahweh a Abraão e a Moisés correspondem aos editos dos reis persas no nível jurídico: fornecem a legitimação para o regresso e a posse da terra. As tradições patriarcais podiam ser invocadas como prefigurações de uma primeira presença no país, mas também podiam ser invocadas pelos remanescentes como como modelo de convivência entre grupos diversos e complementares. Assim, as tradições patriarcais fornecem, segundo Liverani, um modelo “fraco” de regresso do exílio, com pequenos grupos que ocupam espaços da terra de Yehud sem maiores conflitos com as populações locais.

Mas este não é o único modelo: a narrativa da conquista, como aparece no livro de Josué, fornece um modelo “forte” de regresso do exílio, permitindo a eliminação das populações estranhas no território de Yehud. Este modelo, defendido por grupos de linha dura, propagandeava um fechamento em relação aos povos “estranhos”.

Mas como ter-se-ia dado o regresso do exílio? Possivelmente nem “fraco” nem “forte” apenas. De modo algum unitário, mas complexo e lento. Agora, um evento militar que teria varrido o território está fora de questão.

A volta não é apenas da Babilônia, como se costuma pensar. A realidade é mais complexa e caótica. Há refugiados também no Egito, nos territórios palestinos antes ocupados pela Assíria e na Transjordânia. Os grupos que voltam do exílio têm motivações e interesses diversos. Voltam aos poucos, é preciso pensar em um regresso escalonado no tempo. Um cenário possível: grupos de pessoas amparadas financeiramente pelos que decidiram ficar na diáspora, mas que apoiam uma reocupação da terra judaíta.

Os textos sinalizam um grupo liderado por Sasabassar; outro liderado por Zorobabel e Josué, que pode ter vindo em 521 a.C., segundo ano de Dario I; outros grupos na época de Artaxerxes, 446 a.C., quando se mencionam Esdras e Neemias; outros mais tarde ainda. Mas, em nenhuma circunstância, aconteceu uma “conquista” do território na volta do exílio.

Por isso, “a história narrada no livro de Josué não somente não é confiável ao reconstruir uma mítica ‘conquista’ do século XII, mas nem sequer é confiável ao reconstruir os episódios do regresso dos séculos VI-V. É um manifesto utópico que pretende dar força a um projeto de regresso que naqueles termos jamais se verificou” (p. 333).

 

2. A Palestina no período dos aquemênidas

Um quadro dos assentamentos na época dos aquemênidas, especialmente no século V a.C., mostra uma faixa costeira mais densamente habitada e uma população bem ativa no comércio e na política local, em oposição a uma rala população na região montanhosa, que é a do assentamento judaico, o Yehud.

Estimativas arqueológicas sugerem uma pequena população judaíta, na região montanhosa, com cerca de 12 mil pessoas entre 550-450 a.C. e com cerca de 17 mil pessoas entre 450-330 a.C. Na região de Samaria: cerca de 42 mil pessoas.

Por que este quadro? Claramente a administração persa investiu na zona costeira da Palestina e, especialmente, da Fenícia, mais estratégica, construindo fortalezas, centros administrativos, urbanística planejada e instalações portuárias, deixando o interior montanhoso ir em frente com seus próprios recursos.

 

3. Os povos intrusos

A terra para onde regressam os descendentes dos exilados estava ocupada por vários grupos, como os que, escapando das deportações, nunca saíram de suas terras, os deportados de outras proveniências, os assentados durante o período assírio, as populações limítrofes que se deslocaram ou se expandiram para a terra.

Com a história de uma antiga conquista que elimina os povos residentes tenta-se negar o direito destes vários grupos à terra.

Os povos citados nesta antiga conquista originária são cananeus, heteus , amorreus, ferezeus, heveus e jebuseus.

Esses povos, com exceção dos cananeus, são fictícios, enquanto os povos reais da época do Ferro I [Ferro I=1150-900 a.C.], como fenícios, filisteus, edomitas, moabitas, amonitas, arameus e árabes não são mencionados.

Por que o destaque dado aos cananeus e por que é o único não anacrônico no final do Bronze Recente [Bronze Recente=1550-1150 a.C.]? Por ser um termo genérico, sem característica etnolinguística e unidade política, usado para as populações da região de Canaã, como o fazem os testemunhos egípcios.

Essas listas de supostos povos pré-israelitas, com exceção dos cananeus, não têm ligação alguma com a realidade histórica da Palestina, seja no século XIII (conquista), seja no século V (reocupação da terra pelos sobreviventes do exílio).

Ou seja: “extermina-se quem não existe – e o fato de não existirem demonstra que foram exterminados” (p. 339).

 

4. A fórmula do êxodo

“Outro elemento fundamental na legitimação arquetípica da posse da terra de Canaã, ao lado da teoria dos povos intrusos, é o da chegada de fora e da conquista armada, em cumprimento da promessa divina. As sagas sobre os ‘Patriarcas’ forneciam uma legitimação insuficiente, já que muito remota e localizada somente em alguns lugares-símbolo (os túmulos, as árvores sagradas). Um protótipo bem mais poderoso da conquista do país é posto em prática com a história do êxodo (ṣē’t, e outras formas de yāṣā’ ‘sair’) do Egito, sob a guia de Moisés, e da conquista armada, sob a guia de Josué” (p. 339).

Mario Liverani (nascido em Roma, em 1939)Saída (êxodo) não implica necessariamente deslocamento físico, mas saída de uma dependência política. Textos do Bronze Recente nas regiões da Síria e da Fenícia, por exemplo, indicam deslocamentos de soberania que não implicam nenhum deslocamento físico das populações envolvidas, mas sim o deslocamento da fronteira política.

Esta linguagem metafórica, porém, fica mais dramática, e passa a significar uma situação concreta, quando os assírios operaram as deportações cruzadas dos dominados no final do século VIII a.C. Liverani calcula que esta prática assíria de “deportação cruzada” de populações, envolveu, ao longo de três séculos, algo como 4 milhões e meio de pessoas no antigo Oriente Médio (cf. p. 193).

A fórmula do êxodo (algo como: Eu [Iahweh] vos fiz sair do Egito para vos fazer habitar nesta terra que vos dei) vai ser ligada a outras fórmulas, como a transumância pastoril patriarcal entre o Sinai e o delta do Nilo e o trabalho forçado dos hapiru nos empreendimentos dos raméssidas no Egito.

Isso faz do êxodo uma história de fundação do povo e do novo êxodo uma saída da diáspora assíria e babilônica. Observe-se que o Israel do êxodo reflete um povo formado, mostrando um quadro muito mais da volta do exílio do que das origens de Israel.

Há muito mais no capítulo:

5. Moisés, o deserto e os itinerários

6. O difícil assentamento

7. Josué e a “guerra santa”

8. Paisagem e etiologia

9. Compromisso e convivência

10. Fronteiras ideais e terras restantes

Morreu Hector Avalos

Nascido em 1958, em Nogales, no México, morreu Hector Avalos em 12 de abril de 2021, aos 62 anos de idade, em Ames, Iowa, USA.

Hector Avalos era professor na Iowa State University, no Departamento de Filosofia e Estudos Religiosos. Avalos publicou trabalhos em áreas como a relação entreHector Avalos: 1958-2021 violência e religião, ciência e religião, saúde no mundo antigo e outros temas.

Há alguns posts sobre Avalos no Observatório Bíblico, como:

Avalos publica livro contra os estudos bíblicos – 07.07.2007

Lemche para Avalos: os estudos bíblicos são necessários – 23.10.2010

Avalos para Lemche: os estudos bíblicos devem mudar – 31.10.2010

Roland Boer: considerações sobre o debate Lemche-Avalos – 17.11.2010

Avalos responde a seus críticos – 04.12.2010

Morreu Hans Küng

Morreu ontem, dia 6 de abril de 2021, aos 93 anos de idade, o teólogo Hans Küng.

Há no Observatório Bíblico muitos posts sobre Hans Küng. Confira aqui.

Quando estudante na Universidade Gregoriana, a partir de 1970, fui cativado pelo pensamento de Hans Küng.Hans Küng: 1928-2021

De 21 a 29 de outubro de 2007 Hans Küng fez, em várias universidades brasileiras, uma série de palestras em torno do tema Ciência e fé – por uma ética mundial.

Leia mais sobre Hans Küng aqui.

 

Comunicado da Stiftung Weltethos:

Faleceu o teólogo Prof. Dr. Hans Küng

Lamentamos a perda de nosso fundador e presidente de longa data, Hans Küng. Ele faleceu pacificamente em sua casa em Tübingen em 6 de abril de 2021 com 93 anos de idade.

Hans Küng viu desde cedo a necessidade de um ethos para toda a humanidade. Com o projeto de Ética Mundial, ele finalmente criou a base para uma consciência dos valores comuns fundamentais em todas as partes da sociedade e para uma coexistência pacífica e respeitosa além das fronteiras de religiões, culturas e nações. Um projeto que hoje é mais importante do que nunca – e que o acompanhou e o manteve ocupado até sua morte.

Tendo em vista a visão de esperança de Hans Küng “para tornar o mundo um lugar melhor”, é uma honra para a Fundação Ética Mundial poder continuar o trabalho de sua vida. Vamos mantê-lo, levá-lo adiante e desenvolvê-lo ainda mais, e nos curvamos em gratidão ao seu grande fundador.

 

Theologe Prof. Dr. Hans Küng verstorben

Wir trauern um unseren Gründer und langjährigen Präsidenten Hans Küng. Er ist am 06. April 2021 im Alter von 93 Jahren friedlich in seinem Haus in Tübingen verstorben.

Schon früh sah Hans Küng die Notwendigkeit eines Ethos für die Gesamtmenschheit. Mit dem Projekt Weltethos schuf er letztlich die Grundlage für ein Bewusstsein grundlegender gemeinsamer Werte in allen Teilen der Gesellschaft sowie für ein friedliches und respektvolles Miteinander über die Grenzen der Religionen, Kulturen und Nationen hinweg. Ein Projekt, das auch heute wichtiger ist, denn je – und ihn bis zu seinem Tod begleitete und beschäftigte.

Mit Blick auf Hans Küngs Hoffnungsvision „To make the world a better place“ ist es für die Stiftung Weltethos eine Ehre, sein Lebenswerk fortführen zu dürfen. Wir werden es in seinem Sinne bewahren, weitertragen und weiterentwickeln und wir verneigen uns in Dankbarkeit vor dessen großartigem Begründer.

06/04/2021

Quem eram os filisteus?

Quem eram os filisteus? – 3 de março de 2021

Um vídeo no canal Patheos do YouTube, onde Andrew Mark Henry explica quem eram os filisteus.

Este episódio faz parte de uma série chamada Excavating the History of the Bible: What Archeology Can Teach Us About the Biblical WorldEscavando a história da Bíblia: o que a arqueologia pode nos ensinar sobre o mundo bíblico. A série começou em 17 de fevereiro de 2021.

O episódio analisa testemunhos arqueológicos egípcios sobre os filisteus, bem como apresenta evidências que demonstram que eles eram migrantes em Canaã, viajando pelo Mediterrâneo a partir do mundo do Egeu. A seção final examina algumas das dificuldades que os estudiosos encontram ao tentar comparar a narrativa bíblica com o registro arqueológico.

 

Who Were the Philistines? March 3, 2021

This episode examines another arch-rival of the Israelites: The Philistines. The episode explores our earliest evidence of the Philistines from Egypt as well as lays out the evidence demonstrating that they were migrants to Canaan, traveling over the Mediterranean from the Aegean world. The final section examines some of the difficulties scholars encounter trying to compare the biblical narrative with the archaeological record.

O quebra-cabeças das origens de Israel

1962

MENDENHALL, G. The Hebrew Conquest of Palestine, The Biblical Archaeologist 25, 1962, p. 66.

Não existe problema da história bíblica que seja mais difícil do que a reconstrução do processo histórico pelo qual as Doze Tribos do antigo Israel se estabeleceram naGeorge Emery Mendenhall: August 13, 1916 - August 5, 2016 Palestina e norte da Transjordânia.

De fato, a narrativa bíblica enfatiza os poderosos atos de Iahweh que liberta o povo do Egito, o conduz pelo deserto e lhe dá a terra, informando-nos, deste modo, sobre a visão e os objetivos teológicos dos narradores de séculos depois, mas ocultando-nos as circunstâncias econômicas, sociais e políticas em que se deu o surgimento de Israel.

 

There is no problem of biblical history which is more difficult than that of reconstructing the historical process by which the Twelve Tribes of ancient Israel became established in Palestine and northern Transjordan.

The historical traditions in the Bible emphasize the religious significance of narrated events to the virtual exclusion of the kinds of information which the modern historian looks for and utilizes in his reconstruction of the past. This biblical emphasis upon the “acts of God” seems to modern man the very antithesis of history, for it is within the framework of economic, sociological and political organization that we of today seek understanding of ourselves and consequently of ancient man.

 

1995

DAVIES, P. R. In Search of ‘Ancient Israel’. Sheffield: Sheffield Academic Press [1992], 1995, p. 47-48, 51 e 56.

Philip R. Davies (1945-2018)Para quem se empenha numa pesquisa histórica, o Israel bíblico é um problema e não um dado (p. 47-48).

Nós não podemos transferir automaticamente nenhuma das características do ‘Israel’ bíblico para as páginas da história da Palestina (…) Nós temos que extrair nossa definição do povo da Palestina de suas próprias relíquias. Isto significa excluir a literatura bíblica (p. 51).

É simplesmente impossível pretender que a literatura bíblica ofereça um retrato suficientemente claro do que é o seu ‘Israel’, de modo a justificar uma interpretação e aplicação históricas. Desta forma, o historiador precisa investigar a história real independentemente do conceito bíblico (p. 56).

 

The biblical Israel is a problem and not a datum, when on engages in historical research.

We cannot automatically transfer any of the characteristics of the biblical ‘Israel’ onto the pages of Palestine’s history (…) We shall have to draw our definition of the people of Palestine from their own relics. That means excluding the biblical literature.

It is impossible to pretend that the biblical literature provides a clear enough portrait of what its ‘Israel’ is so as to justify an historical interpretation and application. The historian thus needs to investigate the real history independently of the biblical concept

 

2001

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. The Bible Unearthed: Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts. New York: The Free Press, 2001, p. 118.

O processo que nós descrevemos aqui é, na verdade, o oposto daquele que temos na Bíblia: a emergência do Israel primitivo foi uma consequência do colapso da culturaIsrael Finkelstein (1949-) e Neil Asher Silberman (1950-) cananeia, não a sua causa. E a maior parte dos israelitas não veio de fora de Canaã – eles emergiram de dentro desta terra. Não ocorreu um êxodo em massa do Egito. Não houve uma conquista violenta de Canaã. A maior parte das pessoas que formaram o primitivo Israel eram moradores locais – as mesmas pessoas que vemos nas montanhas nas Idades do Bronze e do Ferro. Os israelitas primitivos eram – ironia das ironias – eles mesmos originariamente cananeus!

 

The process that we describe here is, in fact, the opposite of what we have in the Bible: the emergence of early Israel was an outcome of the collapse of the Canaanite culture, not its cause. And most of the ‘Israelites did not come from outside Canaan-they emerged from within it. There was no mass Exodus from Egypt. There was no violent conquest of Canaan. Most of the people who formed early Israel were local people-the same people whom we see in the highlands throughout the Bronze and Iron Ages. The early Israelites were- irony of ironies-themselves originally Canaanites!

Sobre as origens de Israel, leia mais aqui e aqui.

O caso Shapira foi reaberto

Um resumo

O Manuscrito de Shapira era um conjunto de tiras de couro com inscrições em grafia paleo-hebraica. Foi apresentado por Moses Wilhelm Shapira em 1883 como um antigo texto bíblico e quase imediatamente denunciado pelos estudiosos como uma falsificação.

O manuscrito consistia em quinze tiras de couro, que Shapira afirmava terem sido encontradas em Wadi Mujib, região do Arnon, na Transjordânia, perto do Mar Morto. O texto hebraico sugeria uma versão diferente de Deuteronômio, incluindo o acréscimo de uma nova linha aos Dez Mandamentos: “Não odiarás teu irmão em teu coração: Eu sou Deus, teu Deus.” O texto também não traz nenhuma lei, exceto os Dez Mandamentos, apresentados na primeira pessoa, ou seja, do ponto de vista da divindade. Os estudiosos levaram pouco tempo para rejeitá-lo como uma farsa, e a vergonha provocada pela acusação de falsificação levou Shapira ao suicídio em 1884.

O manuscrito, na ocasião deixado em Londres, reapareceu alguns anos depois em um leilão da Sotheby’s, onde foi vendido para Bernard Quaritch, livreiro em Londres. Relatórios contemporâneos mostram que o Dr. Philip Brookes Mason exibiu o manuscrito em uma palestra pública em Burton-on-Trent, Staffordshire, Inglaterra, em 8 de março de 1889. O paradeiro atual do texto, se sobreviveu, é desconhecido.

Para lugares, personagens e documentos, recomendo: Shapira & I – By Yoram Sabo, 2014. Documentário em hebraico e inglês, com legendas em inglês.

 

A história

Moses Wilhelm Shapira nasceu em 1830 em uma família judia na cidade de Kamianets-Podilskyi, onde hoje é a Ucrânia. Com vinte e poucos anos ele emigrou para a Cópia do Manuscrito, publicada por Christian David Ginsburg em The Athenaeum, em 8 de setembro de 1883 Palestina otomana, convertendo-se ao cristianismo anglicano. Algum tempo depois de se estabelecer em Jerusalém, ele abriu uma loja na Cidade Velha, onde vendia novidades variadas, como cartões-postais, flores prensadas e madeira de oliveira gravada. Em um cômodo nos fundos ele guardava suas mercadorias mais preciosas, manuscritos e antiguidades.

Shapira se envolveu em um escândalo quando as estatuetas de cerâmica moabita que ele vendeu ao governo prussiano foram consideradas não autênticas pelo epigrafista e arqueólogo francês Charles Simon Clermont-Ganneau. Após este caso, Shapira viajou para o Egito e Iêmen, onde adquiriu muitos manuscritos, que depois vendeu a várias instituições e colecionadores em todo o mundo. O Museu Britânico sozinho comprou centenas de manuscritos de Shapira.

De acordo com o testemunho de Shapira, foi no verão de 1878 que ele ouviu pela primeira vez sobre alguns fragmentos de manuscritos antigos de couro que tinham sido descobertos por beduínos em uma gruta perto do Mar Morto, acima do Wadi al-Mujib. Com a ajuda do sheik Mahmud Erekat, de Abu Dis, Shapira adquiriu esses fragmentos em vários lotes. Assim, ele veio a possuir o que parece ter sido porções de três manuscritos: um quase completo, outro um pouco menos, e um pequeno fragmento de um terceiro. Dizia-se que esses manuscritos foram encontrados embrulhados em linho e cobertos com uma substância betuminosa.

Em 1878 Shapira enviou cópias para Konstantin Schlottmann, que erroneamente autenticara as falsificações moabitas de Shapira em 1870. Schlottman consultou Franz Delitzsch e então denunciou o texto como uma invenção. Delitzch chamou-o de farsa.

Em 1883 Shapira escreveu uma carta ao orientalista Hermann Strack, dizendo que confiaria no seu julgamento quanto à autenticidade do manuscrito. Strack respondeu dizendo que não valia a pena levar uma falsificação tão evidente para a Europa. Ainda em 1883 Shapira mostrou uma parte do manuscrito a Paul Schröder, então o cônsul alemão em Beirute, por um breve período e com pouca luz. Ele se recusou a autenticá-lo sem estudar melhor todos os fragmentos.

Em 1883 Shapira levou seu manuscrito em uma viagem pela Europa, que começou em Leipzig. Shapira desejava persuadir um grupo de estudiosos qualificados a examinar coletivamente o manuscrito e publicar suas opiniões sobre seu valor e especialmente sua autenticidade. O desejo de Shapira foi atendido quando vários dos principais estudiosos do mundo se reuniram em Berlim para examinar seu manuscrito. Eles levaram apenas noventa minutos antes de chegarem a um veredicto unânime: falsificação.

Shapira viajou da Alemanha para a Inglaterra, onde ofereceu seu manuscrito ao Museu Britânico por 1 milhão de libras. O governo britânico parece ter considerado seriamente essa oferta, enquanto aguardava a autenticação do manuscrito. Esta tarefa foi delegada a Christian David Ginsburg, que passou várias semanas estudando os documentos. Enquanto isso, dois fragmentos foram colocados em exibição, atraindo grandes multidões, incluindo o primeiro-ministro, William Gladstone, que se encontrou com Shapira pessoalmente para discutir o assunto.

Enquanto Ginsburg trabalhava na transcrição e avaliação do texto, Clermont-Ganneau chegou ao museu, tendo viajado à Inglaterra expressamente para ver os fragmentos com seus próprios olhos. Ele tinha certeza de que eram falsificações. Ele solicitou acesso ao texto, mas lhe foi permitido apenas alguns minutos com dois ou três dos fragmentos. Isso, de acordo com a equipe do Museu Britânico, foi com a condição expressa de que Clermont-Ganneau se abstivesse de publicar um relatório até que Ginsburg houvesse publicado o seu. Na manhã seguinte, porém, Clermont-Ganneau anunciou à imprensa que o manuscrito era uma falsificação. Depois disso, Clermont-Ganneau teve seu acesso aos textos recusado.

Pouco depois do pronunciamento de Clermont-Ganneau, Ginsburg publicou seu relatório, no qual ele concordou com a avaliação de Clermont-Ganneau.

Após esse veredicto, Shapira foi embora, abandonando seu manuscrito no Museu Britânico. Shapira nunca mais voltou para sua casa e para sua família em Jerusalém. Depois de vagar pela Europa, ele deu um tiro na cabeça em um hotel de Rotterdam, na Holanda*.

 

Caso reaberto

Um artigo e um livro disponíveis para download gratuito:

:. Idan Dershowitz, The Valediction of Moses: New Evidence on the Shapira Deuteronomy Fragments. ZAW 133, 2021, p. 1-22.

Idan Dershowitz, Professor de Bíblia Hebraica na Universidade de Potsdam, Alemanha

Idan Dershowitz, nascido em 1982, Professor de Bíblia Hebraica na Universidade de Potsdam, AlemanhaNeste artigo apresento novas evidências e argumentos contra a teoria predominante de que Moses Wilhelm Shapira forjou seus infames fragmentos de Deuteronômio.

Começo fornecendo um pano de fundo histórico sobre Shapira e seus manuscritos.

Em seguida, discuto a avaliação negativa dos manuscritos em 1883, reviso as objeções existentes aos argumentos que diziam ser falsificação e ofereço novas objeções de minha autoria.

A seguir, abordo os argumentos paleográficos mais recentes contra a autenticidade dos manuscritos e mostro que eles se baseiam em evidências duvidosas e são metodologicamente problemáticos.

Depois disso, volto-me para alguns documentos pessoais esquecidos de Shapira, que desafiam a narrativa dominante da falsificação.

Concluo com um resumo dos resultados de minha análise filológica do texto contido nos manuscritos de Shapira, que chamo de “The Valediction of Moses” [significa “A despedida de Moisés” ou “O discurso de despedida de Moisés”]. Longe de ser derivado de Deuteronômio, este texto é, na verdade, o ancestral do Deuteronômio.

 

:. DERSHOWITZL, I. The Valediction of Moses: A Proto-Biblical Book. Tübingen: Mohr Siebeck, 2020, 216 p. – ISBN 9783161606441.

Os infames fragmentos de Deuteronômio de Moses Wilhelm Shapira – que há muito se acredita serem falsificações – são manuscritos antigos autênticos e têm um significado muito maior do que jamais se imaginou.

A obra literária que esses manuscritos preservam – que Idan Dershowitz chama de “The Valediction of Moses” ou “V” – não é baseada no livro de Deuteronômio. Pelo contrário, V é uma versão muito anterior do Deuteronômio. Em outras palavras, V é um livro proto-bíblico, de um tipo nunca visto antes. Essa conclusão é apoiada por uma série de análises filológicas, bem como por documentos de arquivo até então desconhecidos.

Um excurso em coautoria com Na’ama Pat-El avalia o perfil linguístico de V, descobrindo que é consistente com o hebraico epigráfico da Idade do Ferro. V contém versões anteriores de passagens cujas contrapartes bíblicas refletem uma atualização pós-sacerdotal substancial.

Além disso, ao contrário das narrativas canônicas do Deuteronômio, esta obra antiga não mostra sinais da influência do Código Deuteronômico (Dt 12-26). Na verdade, V preserva uma estrutura literária anterior, e dramaticamente diferente, para toda a obra – uma que carece do Código Deuteronômico por completo.

Essas descobertas têm consequências significativas para a história da composição da Bíblia, linguística histórica, história da religião, paleografia, arqueologia e muito mais. O volume inclui uma edição crítica completa e tradução para o inglês de V.

 

Um busca detetivesca

Entrevista com Chanan Tigay no jornal português Sapo, em 2017:

:. ‘Shapira foi um trapaceiro, um burlão e um mentiroso. Mas também foi um Génio’

Filho de um rabino, Chanan Tigay nasceu em Jerusalém e cresceu nos Estados Unidos, onde estudou sempre em escolas judaicas. Um dia, à refeição, o pai contou-lhe a história de Moses Shapira (1830-1884), um negociante de antiguidades que em 1883 anunciou ter descoberto o exemplar original do Deuteronómio.

A notícia provocou comoção quer no mundo académico, quer nos meios mais populares, e Shapira, que nascera pobre e queria ascender socialmente, propôs vender o manuscrito ao Museu Britânico pela soma fabulosa de um milhão de libras.

Fascinado pelo relato do seu pai, Chanan Tigay tentou ir à descoberta da verdade sobre o manuscrito de Shapira. Até porque, embora na altura a relíquia tenha acabado por ser considerada falsa pelos especialistas, a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto, em 1947, perto de onde Shapira afirmava ter sido encontrado o seu manuscrito do Deuteronómio, veio reabrir a questão.

Durante cinco anos Chanan Tigay, que cobriu o conflito israelo-palestiniano como repórter, andou no encalço de Shapira e do pergaminho desaparecido. O relato da sua busca e as conclusões a que chegou estão no livro The Lost Book of Moses: The Hunt for the World’s Oldest Bible. New York: Ecco, 2016, 368 p. – ISBN 9780062206411 — em português: O livro perdido de Moisés: a procura da Bíblia mais antiga do mundo. Lisboa: Temas e Debates, 2017, 432 p. – ISBN 9789896444358 — que o autor concebeu como um policial que tinha de ser rigoroso para que especialistas como o seu próprio pai não detetassem incongruências.

 

A posição de um epigrafista

Christopher Rollston, da Universidade George Washington, Washington, D.C.:

Deja Vu all over Again: The Antiquities Market, the Shapira Strips, Menahem Mansoor, and Idan Dershowitz – By Christopher Rollston: Rollston Epigraphy – 10 March, 2021

Durante os últimos três ou quatro séculos centenas de inscrições forjadas apareceram no mercado de antiguidades. Essas falsificações modernas vêm em todas as formas e tamanhos e são escritas em vários idiomas, incluindo grego, hebraico, aramaico, fenício, latim, siríaco e copta. Algumas dessas falsificações modernas eram muito ruins, outras eram muito boas. Mas a produção de falsificações textuais na era moderna é uma coisa bastante comum, e muitas vezes tem sido bastante lucrativa para os falsificadores e para aqueles que vendem falsificações. É um grande problema na área e tem sido assim há muito tempo.

Acredito que o trabalho de Idan Dershowitz convencerá poucos epigrafistas – ou seja, estudiosos que se especializam em inscrições antigas e reais – de que os Fragmentos de Shapira são documentos antigos e autênticos.

E não acredito que seu trabalho convencerá tantos estudiosos de texto – isto é, estudiosos que trabalham principalmente não com inscrições antigas reais, pergaminhos, papiros, mas sim com textos editados em edições impressas – de que as Tiras de Shapira são antigas, embora eu suspeite que alguns estudiosos do texto acharão a proposta de Idan Dershowitz atraente, especialmente porque parece confirmar certos pressupostos que alguns deles defendem sobre a transmissão textual do Deuteronômio em suas formas mais antigas.

No entanto, a totalidade das evidências empíricas existentes continua a demonstrar que as Tiras de Shapira são falsificações modernas e refletem as mesmas tendências e problemas básicos que estão presentes na maioria das falsificações modernas e também nas falsificações dos últimos dois, três ou quatro séculos.

Por fim, devo também mencionar que fui um participante convidado do simpósio na Universidade de Harvard, realizado em 2019, no qual Idan Dershowitz apresentou seus pontos de vista. Como enfatizei naquela reunião, a evidência contra a autenticidade é convincente: as Tiras de Shapira são de fato falsificações modernas, modeladas principalmente no livro de Deuteronômio, com o tipo de floreios e acréscimos do falsificador, que são características marcantes dos métodos dos falsificadores, sempre repetidas ao longo dos séculos.

Idan Dershowitz não é o primeiro estudioso a tentar argumentar que as Tiras de Shapira são antigas, e ele não será o último.

Menahem Mansoor (The case of Shapira’s Dead Sea (Deuteronomy) scroll of 1883. Madison: University of Wisconsin, 1959) argumentou longamente que as Tiras de Shapira não eram falsificações modernas, mas verdadeiros antigos manuscritos do Mar Morto. Mas a convergência de evidências epigráficas é totalmente contra a autenticidade das Tiras de Shapira. No entanto, eu enfatizaria que quando se pensa sobre a longa história das falsificações textuais (remontando a muitos séculos), as Tiras de Shapira são muito boas, especialmente para a sua época (ou seja, final de 1800), mas nem de longe boas o suficiente para serem consideradas antigas. Ou seja, são falsificações modernas. Não sei se o próprio Shapira os forjou. Mas estou certo de que são falsificações comprovadamente modernas, nem um pouco antigas.

 

Outras indicações

:. Shapira Scroll latest – By Jim Davila: PaleoJudaica – March 19, 2021Moses Wilhelm Shapira: 1830-1884

:. Shapira & I – By Yoram Sabo, 2014. Documentário em hebraico e inglês, com legendas em inglês

:. Para saber quais são as mais famosas falsificações, Shapira incluído:

List of Artifacts in Biblical Archaeology

Archaeological Forgery

:. Um bom paralelo:

‘Dead Sea Scrolls’ at the Museum of the Bible are all forgeries – By Michael Greshko: National Geographic – March 13, 2020

 

Nota

* Relato resumido a partir de:

Idan Dershowitz, The Valediction of Moses: New Evidence on the Shapira Deuteronomy Fragments. ZAW 133, 2021, p. 1-22.

Shapira Scroll – Wikipedia

Naḥal Ḥever: a arqueologia

A descoberta foi feita por beduínos no início dos anos 50 do século XX. Alguns fragmentos de manuscritos comprados de beduínos em 1952 foram mais tarde identificados como tendo origem em grutas de Naḥal Ḥever, localizadas entre Ein Gedi e Massada. Escavações arqueológicas em grande escala de dez grutas de Naḥal Ḥever (1960-1961) levaram à descoberta de um dos maiores esconderijos de documentos antigos encontrados no deserto da Judeia. Eles datam do período da Revolta de Bar Kokhba (131-135 d.C.). Os manuscritos encontrados nessas grutas incluem documentos pessoais de refugiados, comunicações militares entre Bar Kokhba e seus oficiais e alguns textos bíblicos.

 

No outono de 1953, Yohanan Aharoni conduziu uma pesquisa em Naḥal Ḥever [cerca de 40 quilômetros ao sul de Qumran], onde encontrou dez grutas (que ele designou como grutas 1 a 10). Aharoni também descobriu dois campos de cerco romano, o primeiro em um planalto ao norte de Naḥal Ḥever e um segundo acampamento na margem sul. Em ambos os campos, bem como na gruta abaixo do acampamento do norte, ele descobriu evidências de que beduínos o haviam precedido e realizadoGrutas em Nahal Hever escavações com o objetivo de saquear. No decorrer de seu exame, verificou-se que a gruta sob a margem norte era uma grande gruta com duas aberturas (designadas como aberturas número 5 e 6; portanto, a gruta norte é identificada como 5/6Ḥev).

Durante a primavera de 1955, Aharoni voltou às grutas de Naḥal Ḥever, desta vez para examinar a Gruta 8 na margem sul do rio, abaixo do acampamento romano do sul. Foi determinado que escavações também foram conduzidas por beduínos nesta gruta. Aqui, Aharoni descobriu mais de quarenta esqueletos e chamou a gruta do sul de “Gruta do Horror“.

No âmbito das Expedições ao Deserto da Judeia em 1960, Yigael Yadin escavou a gruta ao norte. Ele encontrou nela muitos artefatos da época da Revolta de Bar Kokhba. A descoberta mais significativa foi um odre de couro contendo quinze cartas que Shim ̔on bar Kosiba ̓ (o nome verdadeiro de Bar Kokhba) havia enviado. Após esta descoberta, a gruta do norte foi chamada de “Gruta das Cartas”.

Em 1961, no âmbito da segunda parte das Expedições ao Deserto da Judeia, Yadin retornou à margem norte do Naḥal Ḥever. Desta vez, ele escavou o acampamento romano, grutas 3 e 4 (onde encontrou cerâmica da época da Revolta de Bar Kokhba), e voltou para a Gruta das Cartas. Durante o curso deste projeto, Yadin descobriu o arquivo Babatha.

No decorrer da segunda parte das Expedições ao Deserto da Judeia, Aharoni escavou a Gruta do Horror, onde encontrou uma série de fragmentos de pergaminho, entre eles fragmentos de um manuscrito dos Profetas Menores em grego, provando que a seção principal deste manuscrito fora descoberta pelos beduínos nesta gruta.

Em 1991, uma gruta adicional foi descoberta na porção oeste de Naḥal Ḥever, para onde os refugiados fugiram no final da Revolta de Bar Kokhba. Esta gruta foi escavada por David Amit e Hanan Eshel. Sinais de escavações de pilhagem conduzidas pelos beduínos também foram encontrados nesta gruta. Apesar disso, uma moeda de prata da época da Revolta de Bar Kokhba foi descoberta. Pode-se supor que os dois documentos incluídos na coleção Nahal Se ̓elim tenham origem nesta gruta.

 

Gruta das Cartas

A região do Mar MortoEsta gruta é a maior na margem norte do Naḥal Ḥever. As duas aberturas da gruta estão separadas por 7 metros. O comprimento da gruta é de aproximadamente 150 metros e contém três câmaras. As duas aberturas conduzem à câmara A, cujo lado nordeste é arredondado. A câmara A está cheia de grandes massas de pedras. Um túnel de aproximadamente meio metro de altura conduz da câmara A para a câmara B.

Em 1960, uma câmara mortuária contendo os esqueletos de dezenove pessoas e certa quantia de tecido foi encontrada na gruta. Ainda: uma moeda de Bar Kokhba, um tesouro de artigos de bronze usados ​​para adoração ritual e um fragmento de um rolo do Livro dos Salmos foram encontrados. As descobertas mais significativas na gruta, quinze cartas de Bar Kokhba, também foram descobertas em 1960.

Em 1961, vasos de cerâmica, metal e vidro foram descobertos na parte interna da gruta. Entre eles estava um arquivo contendo os documentos de Babatha. Pontas de flecha, uma flecha inteira, fragmentos de um manuscrito do Livro dos Números, bem como um fragmento de papiro incluindo um documento nabateu foram encontrados na entrada para a gruta em 1961. Dezenove vasos de bronze e um fragmento de um rolo do Livro dos Salmos foram encontrados na primeira câmara. Na segunda câmara houve poucos achados: principalmente, cerâmica, esteiras e um papiro grego, que é a seção interna de um contrato de casamento. A maioria dos achados foi descoberta na terceira câmara: objetos de metal, uma coleção de anéis, uma panela, um conjunto de copos, uma moeda de Bar Kokhba e cestos. A descoberta mais significativa foi uma cesta contendo, entre outros itens, o arquivo Babatha – trinta e cinco documentos escritos entre 93 e 132 d.C. em várias línguas – grego, nabateu e aramaico. Ao lado do arquivo de Babatha estavam seis documentos da época da Revolta de Bar Kokhba pertencentes a Eleazar ben Samuel, um fazendeiro de ̔Ein-Gedi que havia arrendado terras de Bar Kokhba.

 

Gruta do Horror

Esta gruta está situada na margem sul do Naḥal Ḥever. Assemelha-se a um corredor de 65 metros de comprimento, serpenteando um pouco em direção ao norte e culminando em uma câmara que é alcançada por um curto túnel. Beduínos realizaram escavações de pilhagem na gruta, e ela foi totalmente escavada por Y. Aharoni em 1961. Durante o curso desta escavação, muitos vasos de barro da época da Revolta de Bar Kokhba foram encontrados na gruta, entre eles um grupo significativo de lâmpadas a óleo de cerâmica, vasos de vidro e quatro moedas de bronze que foram cunhadas por Bar Kokhba. Também foram descobertos três óstraca com nomes de Nahal Hever no deserto da Judeiamortos, bem como fragmentos de dois documentos escritos em um papiro, um em aramaico e outro em grego, e fragmentos de um manuscrito escrito em hebraico contendo o que parece ser uma oração. Especialmente importantes são nove fragmentos dos Profetas Menores Gregos descobertos por Y. Aharoni, sendo que partes deles tinham sido anteriormente encontrados pelos beduínos, que indicaram sua origem como Nahal Se ̓elim. Consequentemente, pode-se supor que uma parte dos documentos incluídos na coleção Nahal Se ̓elim se originou na Gruta do Horror.

 

Gruta da Tetradracma

Esta é uma grande gruta no lado oeste superior de Naḥal Ḥever, a aproximadamente 12 quilômetros a oeste da Gruta das Cartas e da Gruta do Horror. Esta gruta tem três aberturas e três câmaras; no entanto, é maior do que a Gruta das Cartas e tem 200 metros de comprimento. Esta gruta foi descoberta e escavada em 1991 por David Amit e Hanan Eshel. Nela foram encontrados muitos vasos da época da Revolta de Bar Kokhba, duas inscrições curtas escritas a tinta sobre fragmentos relacionando o conteúdo de vasos e uma tetradracma de prata, que deu o nome à gruta. Pode-se supor que dois dos documentos incluídos na coleção Nahal Se ̓elim foram descobertos pelos beduínos nesta gruta , uma vez que esses documentos se originaram em Yakim, que fica a apenas 5 quilômetros da Gruta das Cartas, enquanto o restante dos documentos da coleção Nahal Se ̓elim se originou na região oriental da Transjordânia.

 

 

In the autumn of 1953, Yohanan Aharoni conducted a survey of Naḥal Ḥever, where he found ten caves (which he designated Caves 1 through 10). Aharoni likewise discovered two Roman siege camps, the first on a plateau north of Naḥal Ḥever and a second camp on the southern bank. In both camps, as well as in the cave below the northern camp, he discovered evidence that the bedouin had preceded him and undertaken excavations for the purpose of plundering. In the course of his examination, it was ascertained that the cave under the northern bank was a large cave with two openings (designated as openings number 5 and 6; therefore, the northern cave is identified as 5/6Hev).

During the spring of 1955 Aharoni returned to the caves of Naḥal Ḥever, this time to examine Cave 8 on the southern bank of the river below the southern Roman camp. It was determined that excavations had been conducted by the bedouin in this cave as well. Here, Aharoni discovered more than forty skeletons and named the southern cave the Cave of Horror.

Within the framework of the Judean Desert Expeditions in 1960, Yigael Yadin excavated the northern cave. He found in it many artifacts from the era of the Bar Kokhba Revolt. The most significant find was a leather flask containing fifteen letters that Shim ̔on bar Kosiba ̓ (Bar Kokhba’s real name) had sent. Following this discovery, the northern cave was named the Cave of the Letters.

In 1961, within the framework of the second part of the Judean Desert Expeditions, Yadin returned to the northern bank of Naḥal Ḥever. This time he excavated the Roman camp, Caves 3 and 4 (where he found pottery from the era of the Bar Kokhba Revolt), and he returned to the Cave of the Letters.

During the course of this project, Yadin discovered the Babatha archive. In the course of part two of the Judean Desert Expeditions, Aharoni excavated the Cave of Horror, where he found a number of scroll fragments, among them fragments of the Greek Minor Prophets scroll, proving that the main section of this scroll was discovered by the bedouin in this cave.

In 1991 an additional cave was discovered in the western portion of Naḥal Ḥever, where refugees had fled at the end of the Bar Kokhba Revolt. This cave was excavated by David Amit and Hanan Eshel. Signs of pillaging excavations conducted by the bedouin also were found in this cave. Despite this, a silver coin from the time of the Bar Kokhba Revolt was discovered. One can assume that the two documents included in the Nahal Se ̓elim collection originated in this cave.

 

Cave of the Letters

This cave is the largest on the northern bank of Naḥal Ḥever. The cave’s two openings are 7 meters (23 feet) apart. The length of the cave is approximately 150 meters (457 feet), and it contains three chambers. The two openings lead to chamber A, the northeastern side of which is rounded. Chamber A is full of huge masses of boulders. A tunnel approximately half a meter (1.6 feet) high leads from chamber A to chamber B. It is necessary to crawl through it in order to enter chamber B. From chamber B a tunnel extends to the east, while chamber C opens from the north into chamber B west of the tunnel.

Gruta das CartasIn 1960 a burial chamber containing the skeletons of nineteen people and an abundance of fabric was found in the cave. At the foot of the cave a Bar Kokhba coin, a hoard of bronze articles used for ritual worship, and a fragment of a scroll of the Book of Psalms were found. The most significant findings in the cave, fifteen of Bar Kokhba’s letters, also were discovered in 1960.

In 1961, hoards of pottery, metal, and glass vessels were discovered in the inner portion of the cave. Among them was an archive containing the documents of Babatha. Arrowheads, a whole arrow, fragments of a scroll from the Book of Numbers, as well as a fragment of papyrus including a Nabatean document published by Starcky (5/6Hev 36 = XHev/Se Nab. 1) were found at the entrance to the cave in 1961. Hence, we can deduce that some of the documents included in the Nahal Se ̓elim collection originated in the Cave of the Letters. A hoard of nineteen bronze vessels and a fragment of a scroll of the Book of Psalms were found in the first chamber. In the second chamber there were few finds: primarily, pottery, mats, and a Greek papyrus, which is the inner section of a marriage contract (5/6Hev 37). The majority of the finds were discovered in the third chamber: metal finds, a collection of rings, a cooking pot, a set of glassware, a Bar Kokhba coin, and baskets. The most significant find was a basket containing, among other items, the Babatha archive— thirty-five documents written between 93 and 132 ce in various languages— Greek, Nabatean, and Aramaic. Adjacent to the Babatha archive were six documents from the era of the Bar Kokhba Revolt belonging to Eleazar ben Samuel, a farmer from ̔Ein-Gedi who had leased land from Bar Kokhba.

 

Cave of Horror

This cave is situated on the southern bank of Naḥal Ḥever. It resembles a corridor 65 meters (213 feet) long, winding a little toward the north and culminating in a chamber that is reached by a short tunnel. The bedouin conducted pillaging excavations in the cave, and it was excavated entirely by Aharoni in 1961. During the course of this excavation, many clay vessels from the era of the Bar Kokhba Revolt were found in the cave, among them a significant group of ceramic oil lamps, glass vessels, and four bronze coins that were minted by Bar Kokhba. Also discovered were three ostraca, bearing names of the deceased placed on top of the skeletons, as well as fragments of two documents written on a papyrus, one in Aramaic and another in Greek, and fragments of a scroll written in Hebrew containing what most likely is a prayer (8Hev 2). Especially important are nine fragments of the Greek Minor Prophets (8Hev 1) discovered by Aharoni, the remainder of which were found by the bedouin, who designated their origin as Nahal Se ̓elim. Consequently, one can assume that a portion of the documents included in the Nahal Se ̓elim collection originated in the Cave of Horror.

 

Cave of the Tetradrachm

This is a large cave on the upper west side of Naḥal Ḥever approximately 12 kilometers (7.5 miles) west of the Cave of the Letters and the Cave of Horror. This cave has three openings and three chambers; however, it is larger than the Cave of the Letters, and it is 200 meters (656 feet) long. This cave was discovered and excavated in 1991 by David Amit and Hanan Eshel. In it were found many clay vessels from the era of the Bar Kokhba Revolt, two short inscriptions written in ink upon sherds itemizing the contents of jars, and a silver tetradrachm from which the cave gets its name. An assumption can be made that two of the documents (XHev/Se 9 [deed]; XHev/Se Gr. 2 [double contract; marriage contract]) included in the Nahal Se ̓elim collection were discovered by the bedouin in this cave, since these documents originated in Yakim, which is only about 5 kilometers (3.1 miles) from the Cave of the Letters, whereas the rest of the documents of the Nahal Se ̓elim collection originated in the eastern region of Transjordan. The documents under discussion mention the village Aristoboulias and the capital of the toparchy Zif — both in the southern region of Mount Hebron. The Aramaic document is dated by paleographic analysis to the Herodian period, and it documents the transaction of Yehudah ben Shimon selling an orchard in Yakim to a man by the name of Yehudah. The Greek document is a canceled marriage document from the year 130 ce, of a bride from Aristoboulias and a man from Yakim.

 

Fonte: SCHIFFMAN, L. H. ; VANDERKAM, J. (eds.) Encyclopedia of the Dead Sea Scrolls, 2 vols. New York: Oxford Univerity Press, 2000, verbete Ḥever, Naḥal

Naḥal Ḥever: 8ḤevXIIgr

Em 8 de setembro de 1986, R. P. Pierre Benoit, OP, apresentou às autoridades competentes seu desejo, com base na idade e no estado de saúde, de renunciar ao cargo de editor-chefe da coleção Discoveries in the Judaean Desert. Ele havia assumido esse cargo em 1971, como sucessor de R. P. Roland de Vaux, OP, em uma idade em que a maioria dos homens se preparava para a aposentadoria, e conduziu o projeto tanto através das dificuldades substanciais que se seguiram às mudanças no status político de Jerusalém, quanto através da publicação de dois volumes do DJD, juntamente com várias obras independentes da coleção.

Ele não pôde desfrutar de uma aposentadoria bem merecida. Sete meses e meio após renunciar ao cargo de editor, em 23 de abril de 1987, ele morreu em Jerusalém, e agora repousa entre seus professores e colegas no cemitério do Priorado de Santo Estêvão.

Como seu sucessor, o corpo de editores indicou o abaixo assinado. Esta nomeação foi posteriormente confirmada pelas autoridades governamentais, que expressaram a esperança de ver, de ora em diante, um ritmo de publicação mais rápido da coleção, uma esperança que o novo editor-chefe partilha.

O presente volume é o primeiro a apresentar a coleção ‘Seiyal’, que também foi confiada ao nosso grupo editorial; seguir-se-á mais tarde um segundo volume Seiyal, a Col. B1–2 (de acordo com E. Tov) do Manuscrito dos Profetas Menores em grego de Nahal Hever (8HevXIIgr)ser editado por J.-T. Milik, E. Puech e J. Schwarz.

Essa coleção foi adquirida em 1952-4 pelo Museu Arqueológico Rockefeller, de escavadores clandestinos que demonstraram pouco respeito pelas fronteiras políticas. Eles nos disseram que a proveniência desses documentos era ‘o Wadi Seiyal’ e a coleção foi nomeada de acordo com essa informação.

Mais tarde, em 1960-1, escavações na mesma região feitas pela Expedição ao Deserto da Judeia (dirigida pelo Professor Y. Yadin) encontraram, em algumas das grutas que eles haviam registrado e escavado, vestígios de escavações anteriores e, às vezes, até fragmentos de material escrito, cujas partes maiores nos foram trazidas anteriormente, como provenientes de ‘Seiyal’.

Outro grupo de estudiosos, sob os auspícios do Santuário do Livro, está atualmente preparando para publicação o material escrito encontrado pela Expedição ao Deserto da Judeia, e os dois grupos editoriais procuram trabalhar em coordenação. Para a maior parte da coleção em nosso segundo volume de Seiyal, a gruta de proveniência não pode ser identificada com mais precisão do que ‘Seiyal’, e devemos usar esse nome e abreviatura (Se) para os manuscritos dessa coleção, não pretendendo proveniência de um wadi específico ou gruta.

No entanto, descobertas posteriores tornaram possíveis localizações mais precisas. Assim, o presente manuscrito dos Profetas Menores em grego, nº 2 na coleção ‘Seiyal’ (o chamado Se2grXII), foi reunido com alguns outros fragmentos dele que vieram da Gruta 8 em Naḥal Ḥever (8ḤevXIIgr), escavada por Y. Aharoni em 1961, e publicado preliminarmente por B. Lifshitz. Visto que para este manuscrito a verdadeira proveniência de todos os fragmentos é conhecida, sugerimos o uso de uma sigla comum para todos os fragmentos: 8ḤevXIIgr.

O manuscrito publicado aqui, contendo grandes trechos dos Profetas Menores em uma revisão antiga da versão da Septuaginta, foi publicado em parte de forma preliminar e discutido longamente por R. P. Dominique Barthelemy, OP, de Friburgo. Esperava-se que o mesmo autor produzisse também a edição completa. Mas à medida que se tornava cada vez mais pressionado por outras obrigações, ele recorreu a outro especialista da Septuaginta, o professor Emanuel Tov, da Universidade Hebraica de Jerusalém, convidando-o a assumir seu lugar como editor. A edição resultante será, espero, tão bem-vinda para os estudiosos da Septuaginta quanto para o editor-chefe.

Jerusalém, junho de 1987

John Strugnell – Editor chefe

 

Preface

On 8 September 1986, R. P. Pierre Benoit, OP, submitted to the competent authorities his desire, on grounds of age and health, to resign from the post of editor-ill-chief of the series Discoveries in the Judaean Desert. He had taken up that post in 1971, as successor to R. P. Roland de Vaux, OP, at an age when most men would be preparing for retirement, and has led the project both through the substantial difficulties which followed the changes in the political status of Jerusalem, and also through the publication of two volumes of DJD, together with several assorted books hors serie. He was not long to enjoy a well-earned retirement; seven and a half months after resigning the editorship, on 23 April 1987, he died in Jerusalem, and now rests among his teachers and colleagues in the cemetery of St Stephen’s Priory. As his successor, the body of editors nominated the under-signed; this nomination was subsequently confirmed by the governmental authorities, who at that time expressed a pressing hope for seeing a quicker rate of publication of the series in the future, a hope which the new editor-in-chief shares, and will do his best to realize.

Emanuel Tov The present volume is the first to present the ‘Seiyal’ collection, which was also entrusted to our editorial group; one more Seiyal volume will follow, to be edited by J.-T . Milik, E. Puech and J. Schwarz. This collection was acquired in 1952-4 by the Rockefeller (or, as it was then called, Palestine) Archaeological Museum, from clandestine excavators who had shown little respect for political frontiers. They told us that the provenance of these document s was ‘the Wadi Seiyal’ and the collection was named accordingly. Later, in 1960-1, excavations in the same general region by the Expedition to the Judaean Desert (directed by Professor Y. Yadin) found, in certain of the caves which they had recorded and excavated, traces of previous excavations, and sometimes even fragments of written material of which larger parts had earlier been brought to us as coming from ‘Seiyal’. Another group of scholars, under the auspices of the Shrine of the Book, are currently preparing for publication the written material found by the Expedition to the Judaean Desert, and the two editorial groups try to work in co-ordination . For most of the collection in our second Seiyal volume the cave of provenance cannot be identified any more precisely than ‘Seiyal’, and we must use that name and abbreviation (Se) for manuscripts in that collection, not intending provenance from a specific wadi or cave. Sometimes, however, later discoveries have made more precise localizations possible. Thus the present scroll of the Minor Prophets in Greek, No. 2 in the ‘Seiyal’ collection (as it were, Se2grXII), has been reunited with some other fragments of it which came from cave 8 in Naḥal Ḥever (8ḤevXIIgr), excavated by Y. Aharoni in 1961, and published preliminarily by B. Lifshitz. Since for this manuscript the true provenance of all the fragments is known, we suggest using a common siglum for all the fragments: 8ḤevXIIgr.

The scroll published here, containing large parts of the Minor Prophets in an early revision of the Septuagint version, was published in part in a preliminary fashion, and discussed at length, by R. P. Dominique Barthelemy, OP, of Fribourg. It had been expected that the same author would produce the full edition too; but as he became more and more pressed by other obligations, he turned to another Septuagint specialist, Professor Emanuel Tov of the Hebrew University in Jerusalem, inviting him to take over his own place as editor. The resultant edition will be, I hope, as welcome to Septuagint scholars as it is to the editor-in-chief.

Jerusalem, June I987

John Strugnell – Editor-in-chief

Fonte: Prefácio do livro de TOV, E. The Greek Minor Prophets Scroll from Naḥal Ḥever (8ḤevXIIgr): The Seiyâl Collection, I. (Discoveries in the Judaean Desert VIII). Oxford: Clarendon Press, 1990, 184 p. – ISBN 9780198263272.