Mario Liverani: História antiga de Israel

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008, 544 p. – ISBN 9788515035557. 

As histórias do antigo Israel sempre foram concebidas como uma espécie de paráfrase da narrativa bíblica. Esta obra de Mario Liverani, porém, é uma tentativa de reescrita da história de Israel que leva em consideração os resultados da crítica textual e literária, as contribuições da arqueologia e da epigrafia e que foi desenvolvida segundo os critérios da moderna metodologia historiográfica.

Desta perspectiva resultam duas histórias: uma história normal dos dois pequenos reinos de Israel e Judá, semelhante àquelas de tantos outros pequenos reinos da região. E uma história inventada, construída pelos judaítas durante e após o exílio babilônico, que projetam no seu passado os problemas e as esperanças de sua época.

 

No trecho final da resenha da versão inglesa do livro Israel’s History and the History of Israel, London, Equinox Publishing, 2005, feita por Nadav Na’aman, Professor da Universidade de Tel Aviv, Israel, e publicada em 2006 pela Review of Biblical Literature (RBL), se lê:

Os autores da historiografia bíblica devem ser chamados de “historiadores” e suas obras de “história”? Os autores bíblicos fizeram um esforço para reunir todas as fontes disponíveis, verbais e escritas, e as utilizaram em suas próprias composições?

Liverani não aborda diretamente essas questões, mas o livro como um todo sugere que sua resposta é claramente não.

Na minha opinião, esta questão é o divisor de águas entre os chamados “maximalistas” e “minimalistas” e, nesse sentido, o trabalho de Liverani deve ser classificado como uma espécie de minimalismo.

Isso não significa que ele compartilhe das outras suposições dos estudiosos “minimalistas”. Pelo contrário, há uma enorme distância entre o trabalho de Liverani, que se baseia na suposição de que a historiografia bíblica foi escrita pelos descendentes da comunidade judaica na Babilônia com base em suas antigas raízes judaicas, e Philip R. Davies, que se baseia no suposição de que a história foi escrita pela “casta governante” de Yehud e seu governo, que empregou uma série de escribas para inventar um mito de origem a fim de criar uma identidade nacional para a comunidade mista que os persas estabeleceram em Yehud.

Do mesmo modo há muito pouco em comum entre Liverani, que data a historiografia bíblica da primeira metade do período persa, e N. P. Lemche, que a data do período helenístico.

Diferenças semelhantes separam “maximalistas” conservadores e críticos, e nenhuma linha clara pode ser traçada entre os estudiosos que apoiam qualquer uma das abordagens. A única linha que pode ser traçada é entre bons e maus historiadores, e os dois tipos podem ser encontrados em ambos os lados do debate acadêmico.

Em minha monografia sobre historiografia bíblica (O passado que molda o presente: a criação da historiografia bíblica no período tardio do primeiro templo e após a queda [hebraico] [Jerusalém, 2002]), dediquei um capítulo à maneira como o deuteronomista tratou seu fontes e concluí que ele fez um esforço para reunir tantas fontes quanto pôde e escreveu seu trabalho com base nessas fontes orais e escritas. Portanto, considero-me um “maximalista”, mas quando se trata da análise dos textos bíblicos e da reconstrução da história, minhas conclusões estão muito mais próximas das de Liverani do que das dos “maximalistas” conservadores.

O livro de Liverani é denso, repleto de dados relativos a todas as regiões do Antigo Oriente Médio, cobre a história das terras em ambos os lados do Jordão por cerca de oitocentos anos e não é fácil de ler (…) A obra é estimulante, original em todas as suas partes e contém muitos insights originais que sem dúvida fertilizarão todas as futuras discussões sobre a Bíblia como uma fonte para a história do antigo Israel.

Leia Mais:
Pode uma ‘História de Israel’ ser escrita?

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.