Notas sobre a pesquisa do livro de Oseias no século XX

Atualizado em

Brad E. Kelle, da Point Loma Nazarene University, San Diego, Califórnia, publicou, em 2009 e 2010, na revista Currents in Biblical Research, dois importantes artigos sobre a pesquisa de Oseias no século XX e primeira década do século XXI: O casamento de Oseias na pesquisa do século XX e Oseias 4-14 na pesquisa do século XX. Os artigos estão disponíveis online. São:

KELLE, B. E. Hosea 1–3 in Twentieth-Century Scholarship. Currents in Biblical Research, 7.2, p. 179-216, 2009.

KELLE, B. E. Hosea 4–14 in Twentieth-Century Scholarship. Currents in Biblical Research, 8.3, p. 314-375, 2010.

Resumi os pontos principais destes dois artigos, na maior parte das vezes apenas traduzindo livremente alguns trechos ou organizando em outra ordem as palavras do autor.

Nos meses de maio e junho de 2019 publiquei este resumo em 11 postagens no Observatório Bíblico. Agora organizei tudo em um só texto e publiquei na seção de artigos da Ayrton’s Biblical Page.

Confira as postagens sobre Oseias no Observatório Bíblico aqui. E o artigo “Notas sobre a pesquisa do livro de Oseias no século XX” aqui.

Publicações recentes sobre o livro do Gênesis

Atualizado em

SCHNEIDER, T. J. In the Beginning and Still Today: Recent Publications on Genesis. Currents in Biblical Research, 18.2, p. 142-159, 2020.

São comentadas neste artigo 58 obras sobre o livro do Gênesis publicadas entre 2015 e 2018.

O artigo divide as publicações em categorias:

. Histórias da interpretação e transmissão do texto: 19 volumes
. Volumes religiosos, principalmente cristãos: 11 volumes
. Abordagens diacrônicas/histórico-críticas: 10 volumes
. Análises literárias: 12 volumes
. Estudos do Antigo Oriente Médio: 3 volumes
. Identidades múltiplas: 3 volumes

 

The focus of this survey is monographs about the book of Genesis published between 2015 and 2018. I have created descriptive categories, restricting each work to a single category, even though many of the volumes could easily fall into multiple groupings. I work as a Humanist and not a scientist, so the goal was not numeric accuracy but a general idea of what patterns, if any, exist among the topics on which Genesis scholars are working and how research is moving. I did not investigate whether the data for 2015–2018 is any different than for the previous three-year period. Finally, the categories used here vary between groupings based on a methodological approach and those based on the content of the volume.

The fifty-eight volumes considered include scholarly studies, as well as volumes that have a religious, usually Christian, focus but are still in a scholarly vein. For example, many commentary series serve a religious audience but are written by well-regarded scholars in biblical studies. Teaching volumes are also included if they appear to be aimed at a college audience, religious or otherwise. The survey does not include unpublished dissertations.

The categories, with the number of volumes in each, are as follows: Histories of Interpretation and Textual Transmission (19), Religious (Primarily Christian) Volumes (11), Diachronic/Historical-Critical Approaches (10), Literary Analyses (12), Ancient Near Eastern Studies (3), and Multiple Identities (3).

 

Tammi J. Schneider is a professor of religion at Claremont Graduate University. Her research draws together the varied fields of archaeology, Assyriology, and biblical studies in an effort to understand the ancient Near East, especially the interactions among various peoples. She teaches ancient Near Eastern History, literature, archaeology and religion, and women in the Hebrew Bible.

Ensaios em homenagem a Thomas L. Thompson

Atualizado em

Thomas L. Thompson está comemorando hoje 81 anos de vida.

NIESIOLOWSKI-SPANÒ, L. ; PFOH, E. (eds.) Biblical Narratives, Archaeology and Historicity: Essays In Honour of Thomas L. Thompson. London: Bloomsbury T&T Clark, 2019, 328 p. – ISBN 9780567686565.

This volume collects essays from an international body of leading scholars in Old Testament studies, focused upon the key concepts of the question of historicity of biblicalNIESIOLOWSKI-SPANÒ, L. ; PFOH, E. (eds.) Biblical Narratives, Archaeology and Historicity: Essays In Honour of Thomas L. Thompson. London: Bloomsbury T&T Clark, 2019 stories, the archaeology of Israel/Palestine during the Bronze and Iron Ages, and the nature of biblical narratives and related literature.

As a celebration of the extensive body of Thomas L. Thompson’s work, these essays enable a threefold perspective on biblical narratives. Beginning with ‘method’, the contributors discuss archaeology, cultural memory, epistemology, and sociology of knowledge, before moving to ‘history, historiography and archaeology’ and close analysis of the Qumran Writings, Josephus and biblical rewritings. Finally the argument turn to the narratives themselves, exploring topics including the possibility of invented myth, the genre of Judges and the depiction of Moses in the Qu’ran. Presenting an interdisciplinary analysis of the historical issues concerning ancient Israel/Palestine, this volume creates an updated body of reference to fifty years’ worth of scholarship.

Lukasz Niesiolowski-Spanò is Associate Professor in the Institute of History at the University of Warsaw, Poland.

Emanuel Pfoh is Assistant Professor at the National University of La Plata, Argentina.

Table of contents

List of Figures
List of Contributors
List of Abbreviations
Introduction, Lukasz Niesiolowski-Spanò and Emanuel Pfoh
The Publications of Thomas L. Thompson

PART 1: METHOD
Chapter 1. The City of David as a Palimpsest – Margreet L. Steiner, Independent Scholar, the Netherlands
Chapter 2. Living in the Past? Keeping Up-To-Date in Ancient Near Eastern Studies – Raz Kletter, University of Helsinki, Finland
Chapter 3. What People Want to Believe: Or Fighting Against ‘Cultural Memory’ – Niels Peter Lemche, University of Copenhagen, Denmark
Chapter 4. The Need for a Comprehensive Sociology of Knowledge of Biblical and Archaeological Studies of the Southern Levant – Emanuel Pfoh, National University of La Plata, Argentina

PART 2: HISTORY, HISTORIOGRAPHY AND ARCHAEOLOGY
Chapter 5. The Abraham and Esau-Jacob Stories in the Context of the Maccabean Period – Lukasz Niesiolowski-Spanò, University of Warsaw, Poland
Chapter 6. Tell Balata (Shechem): An Archaeological and Historical Reassessment – Hamdan Taha, former Deputy of the Ministry of Tourism and Antiquities, Palestine, and Gerrit van der Kooij, University of Leiden, the Netherlands
Chapter 7. ‘Solomon’ (Shalmaneser III) and the Emergence of Judah as an Independent Kingdom – Russell Gmirkin, Independent Scholar, USA
Chapter 8. On the Pre-Exilic Gap between Israel and Judah – Étienne Nodet, École biblique et archéologique française de Jerusalem, Israel
Chapter 9. Perceptions of Israel’s Past in Qumran Writings: Between Myth and Historiography – Jesper Høgenhaven, University of Copenhagen, Denmark
Chapter 10. Is Josephus’s John the Baptist Passage a Chronologically Dislocated Story of the Death of Hyrcanus II? – Greg Doudna, Independant Scholar, USA
Chapter 11. Thompson’s Jesus: Staring Down the Wishing Well – Jim West, Ming Hua Theological College, Hong Kong
Chapter 12. The Qur’an as Biblical Rewriting – Mogens Müller, University of Copenhagen, Denmark

PART 3: BIBLICAL NARRATIVES
Chapter 13. The Food of Life and the Food of Death in Texts from the Old Testament and the Ancient Near East – Ingrid Hjelm, University of Copenhagen, Denmark
Chapter 14. A Gate in Gaza: An Essay on the Reception of Tall Tales – Jack M. Sasson, Vanderbilt University, USA
Chapter 15. Deborah’s Topical Song: Remarks on the Gattung of Judges 5 – Bob Becking, Utrecht University, the Netherlands
Chapter 16. How Jerusalem’s Temple Was Aligned to Moses’ Tabernacle: About the Historical Power of an Invented Myth – Rainer Albertz, University of Münster, Germany
Chapter 17. Can the Book of Nehemiah Be Used as an Historical Source, and If So, of What? – Lisbeth S. Fried, University of Michigan, USA
Chapter 18. Chronicles’ Reshaping of Memories of Ancestors Populating Genesis – Ehud Ben Zvi, University of Alberta, Canada
Chapter 19. The Book of Proverbs and Hesiod’s Works and Days – Philippe Wajdenbaum, Independent Scholar, the Netherlands
Chapter 20. The Villain ‘Samaritan’: The Samiri as the Other Moses in Qur’anic Exegesis – Joshua Sabih, University of Copenhagen

Index of References
Index of Authors

Literatura Deuteronomista 2020

Atualizado em

Lecionar Literatura Deuteronomista é um desafio e tanto. Enquanto as questões da formação do Pentateuco são discutidas há séculos, a noção da existência de uma Obra Histórica Deuteronomista (= OHDtr) só foi formulada muito recentemente, como se pode ver aqui.

Além disso, há dois problemas com a disciplina: carga horária exígua para estudar textos de livros tão complexos como, por exemplo, Josué ou Juízes – a disciplina tem apenas 2 horas semanais durante o primeiro semestre do segundo ano de Teologia – e uma bibliografia ainda insuficiente em português. Há excelente debate acadêmico hoje, contudo está em inglês e alemão, principalmente.

Para completar, prefiro estudar o livro do Deuteronômio aqui e não no Pentateuco, também por duas razões: a disciplina Pentateuco já é por demais sobrecarregada e o Deuteronômio é a chave que abre o significado da OHDtr. Por isso, ele faz muito sentido aqui.

Por outro lado, há uma integração muito grande da Literatura Deuteronomista com três outras disciplinas bíblicas: com a História de Israel, naturalmente; com a Literatura Profética, irmã gêmea; com o Pentateuco, através do elo deuteronômico.

I. Ementa
A Obra Histórica Deuteronomista (OHDtr) tentará responder aos desafios do presente repensando o passado no final da monarquia e na situação de exílio e pós-exílio. Faz isso percorrendo toda a história da ocupação da terra, desde as vésperas da entrada em Canaã até a derrocada final da monarquia em Israel e Judá.

II. Objetivos
Pesquisar a arquitetura, as ideias basilares e a teologia da Literatura Deuteronomista como uma obra globalizante, e de cada um de seus livros, a fim de dar fundamentos para sua interpretação e atualização.

III. Conteúdo Programático
1. O contexto da Obra Histórica Deuteronomista
2. O Deuteronômio
3. O livro de Josué
4. O livro dos Juízes
5. Os livros de Samuel
6. Os livros dos Reis

IV. Bibliografia
Básica
FINKELSTEIN, I. ; SILBERMAN, N. A. A Bíblia desenterrada: A nova visão arqueológica do antigo Israel e das origens dos seus textos sagrados. Petrópolis: Vozes, 2018.

RÖMER, T.  A chamada história deuteronomista: Introdução sociológica, histórica e literária. Petrópolis: Vozes, 2008.

SKA, J.-L. Introdução à leitura do Pentateuco: chaves para a interpretação dos cinco primeiros livros da Bíblia. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

Complementar
DA SILVA, A. J. O contexto da Obra Histórica Deuteronomista. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 88, p. 11-27, 2005. Disponível na Ayrton’s Biblical Page. Última atualização: 14.01.2019.

FARIA, J. de Freitas (org.) História de Israel e as pesquisas mais recentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

GONZAGA DO PRADO, J. L. A invasão/ocupação da terra em Josué: duas leituras diferentes. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 88, p. 28-36, 2005.

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: história antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008.

STORNIOLO, I. Como ler o livro do Deuteronômio: escolher a vida ou a morte. 5. ed. São Paulo: Paulus, 1997.

Literatura Profética II 2020

Atualizado em

A Literatura Profética II é continuação da Literatura Profética I. A carga horária semanal é de 2 horas, no segundo semestre do segundo ano de Teologia.

Ementa
A disciplina aborda os profetas mais significativos de Israel desde o final do reino de Judá até a reconstrução pós-exílica na época persa. Cada um é tratado no seu contexto, nas características de sua atuação e textos escolhidos são lidos.

II. Objetivos
Coloca em discussão as características e a função do discurso profético e confronta os textos dos profetas com o contexto da época, possibilitando ao aluno uma leitura atualizada e crítica dos textos proféticos em confronto com a realidade contemporânea e suas exigências.

III. Conteúdo Programático
1. Jeremias
2. Ezequiel
3. Dêutero-Isaías (Is 40-55)
4. Ageu
5. Zacarias 1-8
6. Trito-Isaías (Is 56-66)

IV. Bibliografia
Básica
MESTERS, C. O profeta Jeremias: um homem apaixonado. São Paulo: Paulus/CEBI, 2016.

SCHÖKEL, L. A.; SICRE DÍAZ, J. L. Profetas 2v. 2. ed. São Paulo: Paulus, vol. I: 2004 [3. reimpressão: 2018]; vol. II: 2002 [4. reimpressão: 2015].

SICRE DÍAZ, J. L. Introdução ao profetismo bíblico. Petrópolis: Vozes, 2016.

Complementar
DA SILVA, A. J. Perguntas mais frequentes sobre o profeta Jeremias. Disponível na Ayrton’s Biblical Page. Última atualização: 14.08.2018.

DA SILVA, A. J. Superando obstáculos nas leituras de Jeremias. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 107, p. 50-62, 2010.

NAKANOSE, S. et alii Como ler o Terceiro Isaías (56-66): novo céu e nova terra. São Paulo: Paulus, 2004 [4. reimpressão: 2019].

WIÉNER, C. O profeta do novo êxodo: o Dêutero-Isaías. 3. ed. São Paulo: Paulus, 1997.

WILSON, R. R. Profecia e sociedade no antigo Israel. 2. ed. revista. São Paulo: Targumim/Paulus, 2006.

 

Literatura Profética I 2020

Atualizado em

Abordarei agora a Literatura Profética I, que é estudada no primeiro semestre do segundo ano de Teologia, com carga horária semanal de 2 horas. A Literatura Profética I trabalha, além de questões globais do profetismo, uma seleção de textos dos profetas do século VIII a.C. O texto que orienta a maior parte do estudo é o meu livro A Voz Necessária: encontro com os profetas do século VIII a.C. Os profetas dos séculos seguintes são estudados na Literatura Profética II, que vem logo no semestre seguinte.

I. Ementa
A disciplina apresenta, como ponto de partida, uma discussão sobre as origens, o teor e os limites do discurso profético israelita. Busca compreender a necessidade da profecia como resultado da ruptura provocada pelo surgimento do Estado monárquico que pressiona as tradicionais estruturas tribais de solidariedade. Aborda, em seguida, os profetas do século VIII a.C.: Amós, Oseias, Isaías 1-39 e Miqueias. Cada um é tratado no seu contexto, nas características de sua atuação e textos escolhidos são lidos. Procura-se identificar em cada um deles a sua função de crítica e de oposição ao absolutismo do Estado classista, em nome da fé em Iahweh, que exige um posicionamento solidário em favor dos mais fracos.

II. Objetivos
Coloca em discussão as características e a função do discurso profético e confronta os textos dos profetas do século VIII a.C. com o contexto da época, possibilitando ao aluno uma leitura atualizada e crítica dos textos proféticos em confronto com a realidade contemporânea e suas exigências.

III. Conteúdo Programático
1. A origem do movimento profético em Israel
2. O teor do discurso profético
3. Os profetas do século VIII a.C.
3.1. Amós
3.2. Oseias
3.3. Isaías 1-39
3.4. Miqueias

IV. Bibliografia
Básica
DA SILVA, A. J. A Voz Necessária: encontro com os profetas do século VIII a.C. São Paulo: Paulus, 1998. Atualizado em 2011 e disponível para download na Ayrton’s Biblical Page.

SCHÖKEL, L. A.; SICRE DÍAZ, J. L. Profetas 2v. 2. ed. São Paulo: Paulus, vol. I: 2004 [3. reimpressão: 2018]; vol. II: 2002 [4. reimpressão: 2015].

SICRE DÍAZ, J. L. Introdução ao profetismo bíblico. Petrópolis: Vozes, 2016.

Complementar
DA SILVA, A. J. O livro de Oseias na pesquisa do século XX. Observatório Bíblico – 26 de maio de 2019.

DA SILVA, A. J. Perguntas mais frequentes sobre o profeta Amós. Disponível na Ayrton’s Biblical Page. Última atualização: 23.01.2017.

DA SILVA, A. J. Perguntas mais frequentes sobre o profeta Isaías. Disponível a Ayrton’s Biblical Page. Última atualização: 19.11.2019.

SCHWANTES, M. A terra não pode suportar suas palavras“ (Am 7,10): reflexão e estudo sobre Amós. São Paulo: Paulinas, 2012.

SICRE, J. L. Com os pobres da terra: a justiça social nos profetas de Israel. São Paulo: Academia Cristã/Paulus, 2011.

Pentateuco 2020

Atualizado em

A disciplina Pentateuco é estudada no segundo semestre do primeiro ano, com carga horária de 4 horas semanais. Há uma profunda crise nesta área de estudos, muito semelhante à crise da História de Israel. A teoria clássica das fontes JEDP do Pentateuco, elaborada no século XIX por Hupfeld, Kuenen, Reuss, Graf e, especialmente, Wellhausen, vem sofrendo, desde meados da década de 70 do século XX, sérios abalos, de forma que hoje muitos pesquisadores consideram impossível assumir, sem mais, este modelo como ponto de partida. O consenso wellhauseniano foi rompido, contudo, ainda não se conseguiu um novo consenso e muitas são as propostas hoje existentes para explicar a origem e a formação do Pentateuco.

I. Ementa
Oferece ao aluno um panorama da pesquisa exegética na área da formação e composição dos cinco primeiros livros da Bíblia e estuda os seus principais textos.

II. Objetivos
Familiariza o aluno com as tradições históricas de Israel e com as mais recentes pesquisas na área do Pentateuco para que o uso do texto na prática pastoral possa ser feito de forma consciente.

III. Conteúdo Programático
1. Novos paradigmas no estudo do Pentateuco

2. O Decálogo: Ex 20,1-17 e Dt 5,6-21

3. A criação: Gn 1,1-2,4a e Gn 2,4b-25

4. O pecado em quatro quadros: Gn 3,1-24

5. O dilúvio: Gn 6,5-9,19

6. A cidade e a torre de Babel: Gn 11,1-9

7. As tradições patriarcais: Gn 11,27-37,1

8. O êxodo do Egito: Ex 1-15

IV. Bibliografia
Básica
MESTERS, C. Paraíso terrestre: saudade ou esperança? 20. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

SKA, J.-L. Introdução à leitura do Pentateuco: chaves para a interpretação dos cinco primeiros livros da Bíblia. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

VOGELS, W. Abraão e sua lenda: Gn 12,1-25,11. São Paulo: Loyola, 2000.

Complementar
DA SILVA, A. J. Histórias de criação e dilúvio na antiga Mesopotâmia. Disponível na Ayrton’s Biblical Page. Última atualização: 10.01.2018.

GARCÍA LÓPEZ, F. O Pentateuco. São Paulo: Ave-Maria, 2015.

GRUEN, W. et al. Os dez mandamentos: várias leituras. 2. ed. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 9, 1987.

SCHWANTES, M. et al. A memória popular do êxodo. 2. ed. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 16, 1996.

SKA, J.-L. O canteiro do Pentateuco: problemas de composição e de interpretação/aspectos literários e teológicos. São Paulo: Paulinas, 2016.

Três teorias sobre a crítica profética ao culto

Atualizado em

Culto, em hebraico ‘abhodhâh (= serviço), é a forma tradicional segundo a qual o crente procura se relacionar com a divindade através de rituais, em geral, prefixados. O culto normalmente é uma expressão comunitária e possui seus agentes especializados, os sacerdotes; além de tender a se estabelecer em locais específicos dedicados à divindade, os templos.

O culto israelita é uma celebração de acontecimentos e tradições mais importantes ocorridos na vida do povo, vistos, sob a ótica da fé, como as obras de Iahweh em benefício de Israel. Segundo o conceito da aliança Iahweh-Israel, o culto só tem sentido quando é, de fato, a celebração daquilo que é vivido no cotidiano e ordenado pela ética javista.

 

E surge uma pergunta:

Profetas como Amós, Oseias, Isaías, Miqueias e Jeremias denunciaram o culto como tal?

Ou passagens como Am 5, 21-27; Os 6,1-6; Is 1,10-20; Mq 6,1-8; Jr 7,1-15 podem ser explicadas de outra maneira?

Depois de mais de um século de intensa discussão acadêmica, ainda não existe consenso.

Olhando o debate acadêmico sobre a crítica profética ao culto, é possível distinguir, do século XX para cá, três diferentes teorias.

 

1. A teoria da rejeição total

Em pesquisas mais antigas costumava-se afirmar que os profetas pré-exílicos clássicos, especialmente Amós, Oseias, Isaías e Jeremias, eram contra todo tipo de culto. Até os anos 50 do século XX essa parece ter sido a visão predominante entre os estudiosos da Bíblia.

Um exemplo clássico é Paul Volz no artigo Die radikale Ablehnung der Kultreligion durch die alttestamentlichen Propheten [A rejeição radical do culto pelos profetas do Antigo Testamento], publicado em Zeitschrift für systematische Theologie (ZSTh) 14: 63–85 em 1937.

Para ele, profetas como Amós e Jeremias rejeitavam o culto em sua totalidade, até mesmo porque o tipo de sacrifício praticado nos santuários de Israel tinha origem cananeia e era inferior e primitivo. Fazendo uma analogia entre Jeremias e Lutero, ele defendia que os profetas lutavam por uma forma ‘superior’ de religião, baseada no culto a Iahweh através da palavra e não através do sacrifício de animais. O viés protestante nesta tradição acadêmica antirritualística e antissacrificial é inconfundível.

Hoje esta posição foi abandonada pela maioria, embora ainda encontre defensores. Dois exemplos recentes:

KRÜGER, T. Erwägungen zur prophetischen Kultkritik [Considerações sobre a crítica profética ao culto]. In: LUX, R. ; WASCHKE, E.-J. (eds.) Die unwiderstehliche Wahrheit: Studien zur alttestamentlichen Prophetie. Leipzig: Evangelische Verlagsanstalt, 2006, p. 37–55.

BARTON, J. The Theology of the Book of Amos. Cambridge: Cambridge University Press, 2012 [cf. o item Condemnation of the Sacrificial Cult, p. 84-92].

Esta teoria de rejeição total do culto pode até explicar as expressões mais radicais da literatura profética, sem a necessidade de suavizar as formulações, mas permanecem questões como: Por que os profetas dos séculos VIII e VII a.C. defenderiam a abolição de todos os sacrifícios em Israel? Por que eles desejariam cancelar as formas estabelecidas de adoração de sua própria divindade, sem sugerir novas formas que pudessem substituí-las?

 

2. A teoria da rejeição limitada

E se profetas como Amós tivessem polemizado apenas contra cultos não-javistas ou fortemente sincréticos, sendo, portanto, a idolatria o grande problema? (Barstad 1984; Hrobon 2010)

E se só alguns tipos de sacrifício eram denunciados pelos profetas, como as oferendas voluntárias individuais, mas não os rituais oficiais? (Milgrom 1991)

Talvez os profetas criticassem o culto formal que não era acompanhado por uma intenção correspondente? (Hertzberg 1950; Mays 1969)

Talvez o não profético ao culto devesse ser relativizado no sentido de que o culto não vem primeiro, pois mais importante do que ele é o comportamento javista correto no dia a dia? (Bons 2004)

E se os profetas não rejeitavam o culto em si, mas aqueles que o praticavam por causa de seu comportamento em desacordo com a ética javista, nisto se aproximando do pensamento sapiencial? (Carroll 2006)

E se os textos mais radicais contra o culto fossem lidos como frutos de discussões acaloradas, fortemente retóricas, e que não deveriam ser entendidas literalmente? (Bibb 2004)

Talvez os profetas critiquem o culto porque os animais que são oferecidos são por eles considerados frutos de roubo – o que era proibido – já que eles viam a exploração dos pobres como roubo? (Klawans 2006)

As muitas expressões desta teoria mostram que é preciso, às vezes, fazer alguns malabarismos exegéticos para ler nos textos o que não está explícito ali, mas que poderia ser implicitamente considerado.

Os autores citados:

BARSTAD, H. M. The Religious Polemics of Amos: Studies in the Preaching of Amos II 7b-8, IV 1-13, V 1-27, VI 4-7, VIII 14. Leiden: Brill, 1984.
BIBB, B. D. The Prophetic Critique of Ritual in Old Testament Theology. In: GRABBE, L. L. ; BELLIS, A. O. (eds), The Priests in the Prophets: The Portrayal of Priests, Prophets, and Other Religious Specialists in the Latter Prophets. London: T&T Clark, 2004.
BONS, E. (ed.) “Car c ‘est I ‘amour qui me plait, non Ie sacrifice … “: Recherches sur Osee 6:6 et son interpretation juive et chretienne. Leiden: Brill, 2004.
CARROLL, R. P. Jeremiah. 2 v. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2006.
HERTZERG, H. W. Die prophetische Kritik am Kult. ThLZ 75: 219-26, 1950.
HROBON, B. Ethical Dimension of Cult in the Book of Isaiah. Berlin: Walter de Gruyter, 2010.
KLAWANS, J. Purity, Sacrifice, and the Temple: Symbolism and Supersessionism in the Study of Ancient Judaism. Oxford: Oxford University Press, 2006.
MAYS, J. L. Hosea. London: SCM, 1969.
MILGROM, J. Leviticus 1-16: A New Translation with Introduction and Commentary. New Haven, CT: Yale University Press, 2007.

 

3. A teoria da rejeição total, mas conjuntural

A crítica profética do culto poderia ser vista como uma consequência da mensagem da desgraça. Como os profetas vissem como iminente a chegada do desastre e o colapso da nação, o culto era inútil, não adiantava mais, o desastre não podia ser revertido (Werner H. Schmidt 1973). Ou talvez, alternativamente, os textos possam ser lidos como resultado do desastre (Kratz 1998).

De fato, a rejeição era total e limitada, porque estava ligada a uma situação histórica específica (Eidevall 2012). Tais textos proféticos poderiam ser lidos como respostas parciais a perguntas como:

Como as quedas de Samaria e de Jerusalém aconteceram, apesar de todos os sacrifícios que o povo apresentou a Iahweh? Iahweh permitiria a destruição de seu próprio Templo?

No entanto, alguns aspectos permanecem obscuros nesta proposta:

Até que ponto é possível dizer que as críticas ao culto constituem previsões ou avisos autênticos, isto é, pronunciados antes das catástrofes de 722 a.C. (Samaria) e 586 a.C. (Jerusalém)? Até que ponto eles deveriam ser entendidos como oráculos que refletem muito mais a situação pós-catástrofe?

Os autores citados:

EIDEVALL, G. Sacrificial Rhetoric in the Prophetic Literature of the Hebrew Bible. Lewiston, New York: The Edwin Mellen Press, 2012
KRATZ, R. G. Die Kultpolemik der Propheten im Rahmen der israelitischen Kultgeschichte. In: KÖHLER B. (ed.) Religion und Wahrheit: Religionsgeschichtliche Studien. Wiesbaden: Harrassowitz, 1998.
SCHMIDT, W. H. Zukunftsgewissheit und Gegenwartskritik: Grundzüge prophetischer Verkündigung. Neukirchen-Vluyn: Neukirchener, 1973.

 

Referência

EIDEVALL, G. Sacrificial Rhetoric in the Prophetic Literature of the Hebrew Bible. Lewiston, New York: The Edwin Mellen Press, 2012, p. 9-28.

 

EIDEVALL, G. Reciprocity and the Risk of Rejection: Debate over Sacrifice in the Hebrew Bible. Religions 2018, 9, 422.

Neste artigo, Göran Eidevall vê o culto sob a ótica da reciprocidade: ele tem por objetivo manter uma troca contínua e consistente de bens reais ou simbólicos, possibilitando um relacionamento estável entre o fiel e a divindade. Ele argumenta que os profetas clássicos de Israel e de Judá não eram contra o culto em si. Eles não defendiam a abolição do culto. Eles expressaram, mesmo com suas críticas mais radicais ao culto, a consciência do risco de rejeição dos sacrifícios cultuais por razões várias. Rejeição que era, ao mesmo tempo, total e limitada, pois ancorada em situações históricas específicas.

 

In this article, I have argued against the view that the classical prophets in Israel and Judah were against all sacrifices. According to my analysis, they did not advocate the abolition of the sacrificial cult. To be more precise, I have attempted to demonstrate that the authors of these prophetic writings did not express such an anti-cultic view. Rather, they exploited the awareness of a certain risk of rejection, which can be seen as a corollary of the reciprocal character of sacrificial worship, for their own rhetorical and ideological purposes. Thus, it was maintained that some divine declarations of large-scale rejection of the people’s sacrifices served as retrospective explanations of national disasters. Most importantly, the cult-critical passages in the prophetic literature are always connected to a specific site or situation. Therefore, in the book of Amos, radical rejection of the cult performed in one temple (for instance, Bethel) would seem to be perfectly compatible with promotion of the cult of another temple (Jerusalem). Similarly, for the authors of the book of Jeremiah, there was no contradiction between condemnation of sacrificial cult in the past and enthusiastic support of sacrificial cult in their own time. According to the analysis presented in this article, all the diverse statements on cultic offerings that one can find in the books of Amos and Jeremiah (and, by extension, in the prophetic literature as a whole) attest to the centrality of sacrifice in the conceptual world of the biblical writers. If sacrificial worship was considered unnecessary, certain texts that proclaim radical rejection (such as Amos 5:21–24 and Jer 6:20) would lose much of their rhetorical force. Similarly, if they did not regard sacrificial worship as an essential part of a well-functioning human-divine relationship, the prophetic writers would not have included this in their depictions of a utopian future.

O que era, afinal, um profeta em Israel?

Atualizado em

Algumas considerações incômodas nos colocam um desafio.

Considerando que:

. os livros redigidos sob o nome dos profetas podem conter apenas algumas poucas palavras proféticas reais

. a reconstrução da tradição oral a partir de textos literários pode não ser de fato confiável

. a imagem de um profeta nos textos deuteronomistas difere bastante da imagem presente nos textos do cronista

. o título “profeta” pode ser um título ex post factum [atribuído posteriormente]

. a distinção entre profetas verdadeiros e falsos só pode ser possível ex eventu [depois dos acontecimentos]

. a designação dos profetas clássicos como profetas verdadeiros pode ser atribuída aos editores deuteronomistas e não à consciência profética como tal

Pergunta-se:

O que era, então, um profeta em Israel?

 

A estas considerações, outras podem ser acrescentadas, como:

. os profetas ocupavam algum cargo na sociedade?

. como devem ser avaliadas as palavras proféticas sobre questões sociais, econômicas e políticas?

. qual foi o verdadeiro papel dessas figuras na formação da religião israelita?

. em que sentido eles devem ser considerados únicos?

. podemos realmente falar de círculos proféticos e de discípulos de um profeta se o locus classicus para essas suposições não é genuíno?

. por que os redatores deuteronomistas, cuja teologia é tão citada para corroborar palavras proféticas, se calam sobre profetas como Amós, Oseias e Miqueias?

Essas questões históricas não podem ser respondidas efetivamente, a menos que se tenha uma ideia clara das sociedades em que os profetas viveram e nas quais os textos proféticos foram produzidos. Mas o modelo histórico-crítico dominante não pode realmente fornecer as respostas para essas perguntas, porque não possui as ferramentas necessárias para tal.

Talvez seja por essa razão que uma fuga pelos fundos, e não uma saída pela porta da frente, tenha sido aplicada ao problema.

Ou seja, os estudiosos tenderam a fugir do problema socioantropológico, concentrando-se cada vez mais no produto acabado, no texto final, no texto canônico, alegando ser impossível chegar ao profeta real para além dos livros proféticos existentes.

 

Outras questões precisam ser colocadas para que as anteriores possam ser respondidas.

Questões que têm a ver com as forças sociais que produziram as pessoas que mais tarde ficaram conhecidas como profetas e com a natureza ideológica de seus pronunciamentos.

Como:

. como era a sociedade israelita dos séculos 8, 7 e 6?

. qual modelo social descreveria melhor as estruturas sociais dessa época?

. quais eram as condições materiais das pessoas que viviam naquela época?

. o que exatamente levava um profeta a realizar uma intervenção?

. quem era o público dos profetas?

. de quais camadas sociais vinham os profetas?

. havia alguma instituição social que poderia ser classificada como profética?

. quais eram as bases ideológicas dos profetas e da profecia?

. quem foram os redatores e leitores dos livros proféticos?

Como estas perguntas estão voltadas para o estudo das estruturas sociais daquele tempo, os modelos socioantropológicos são os mais adequados para a pesquisa do mundo profético, dos profetas e dos livros proféticos.

 

p. 11-13:

For instance, if the texts published under the prophets’ names contain very few real »prophetic words«, if the reconstruction of »oral tradition« from literary texts is not really reliable, if the picture of a »prophet« in Deuteronomistic texts differs fairly substantially from that in Chronistic texts, if »prophet« really is an ex post factum title, if the distinction between »true« and »false« prophets was only possible ex eventu and if the designation of the »classical prophets« as »true prophets« is to be ascribed toFRITZ, V. et al. (eds.) Prophet und Prophetenbuch: Festschrift für Otto Kaiser zum 65. Geburtstag. Berlin: Walter de Gruyter, [1989] 2012 Deuteronomistic editors and not to prophetic consciousness as such, what then was a prophet? Did the »prophets« occupy any office in society? How are the »prophetic words« regarding social, economic and political issues to be evaluated? What was the real role of those figures in the shaping of Israelite religion? In what sense are they to be regarded as unique«? And can we really speak of »prophetic circles« and of a prophet’s »disciples« if the locus classicus for these assumptions is not »genuine«? Why would the Deuteronomists, whose theology so extensively »called in« corroborating prophetic words, keep silent about prophets like Amos, Hosea and Micah?

These historical questions cannot be answered effectively unless one has a clear idea of the societies in which the »prophets« lived and in which the prophetic texts had been produced. But the dominant model cannot really supply the answers to such questions, because it does not look at a phenomenon (such as prophecy) or at a text from the side of social realities. Even the concept of Sitz im Leben has far too narrow a scope to answer these questions.

It is perhaps for this reason that lateral, rather than vertical thought has been applied to the problem, that is, scholars tended to »side-step« the (socio-anthropological) problem by focussing more and more on the finished product, the »final/canonical text«. 42 The clearer it became that these questions threatened to invalidate the model of rationality the more that kind of question was made suspicious or labeled »unanswerable«. Perhaps these questions cannot be answered adequately by merely (or even primarily) focussing on the texts. Research in, for instance, the growth of the text of the Septuagint showed that the concept »final/canonical text« is a very problematic one, 43 and that one needs to have some idea of the religious communities in which texts were being edited to get a clearer picture of the processes involved in textual production. An »escape« into the »final« or »canonical text« thus neither enables us to answer the questions thrown up by the dominant model itself, nor to answer the question of prophetic authority.

Another pressing question is this: Given the fact that the prophets and their message have over decades been reinterpreted within, and therefore familiarized with, the framework of the typically Western thought categories of the dominant model, can their words and actions really still challenge the Western World?

p. 14-16:

What did the Israelite society of the 8th, 7th and 6th century look like? What societal model would best describe those societies? What were the material conditions under which people had to live? W h a t exactly prompted prophets to speak out? W h o made up their audiences? From which »layer« of society did they come? Was there a social institution such as »prophet«? If so, where did this office fit into the structure of society? If not, who were these prophets? What was the prophet’s position with regard to socio-economic and political hegemony/oppression/ideology, i.e. what made up their ideology? If they really were people from the »middle classes« who could read and write, can they then be viewed as »liberators« and »champions of the poor«? Or is such a view merely suggested to usby the liberal values of modern readers? W h o were the readers/makers of the »prophetic books«? Why were these figures pictured so differently by the Deuteronomists and the Chronist? Is there any ideological reason for this difference? W h o were »the Deuteronomists« and who was »the Chronist« and what were their respective positions in society? These questions have to do with the societal forces that “produced« the people who later became known as »prophets« and with the ideological nature of their pronouncements.

These questions also prompt other, critical, questions regarding the accepted view of Old Testament prophets. For instance: Was “prophecy« really a »unique« phenomenon? Was the prophets’ main concern really with theoretical religious issues such as monotheism, 58 and concepts such as the covenant? What are the social referents of words like justice, righteousness, sin, iniquity, etc. in the mouth of a prophet like Amos, or Isaiah, or Jeremiah?

Since the concern of these questions is with the relevant societies and (changing) societal structures of Old Testament times and with the everyday socio-economic life of those days, another strategy is called for to answer them. And the necessary strategies are being supplied by sociological and anthropological models.

Trechos de DEIST, F. E. The prophets: are we heading for a paradigm switch? In: FRITZ, V. et al. (eds.) Prophet und Prophetenbuch: Festschrift für Otto Kaiser zum 65. Geburtstag. Berlin: Walter de Gruyter, [1989] 2012, p. 1-18.

Ferdinand E. Deist (1944–1997) foi professor na Universidade da África do Sul (UNISA) e na Universidade de Stellenbosch, África do Sul.

Seis definições possíveis para os profetas de Israel

Atualizado em

Esta é uma tipologia proposta por David L. Petersen no ano 2000.

Os estudiosos da Bíblia, tanto no presente quanto no passado, criaram definições diferentes do que significa ser profeta. Aqui ofereço seis definições possíveis, usadas pelos estudiosos ao longo do século XX, que podem ajudar a preparar o cenário para uma nova era de estudos da literatura profética.

1. O profeta como alguém que tem uma intensa experiência do divino – O êxtase, como experiência pessoal dos profetas

2. O profeta fala ou escreve de maneira peculiar – A poesia é a marca característica da literatura profética

3. O profeta atua em um ambiente social específico – Os profetas seriam funcionários do culto

4. O profeta como portador de qualidades específicas como, por exemplo, o carisma – O profeta como carismático, em oposição ao sacerdócio que é institucional

5. O profeta como intermediário – Fenômeno que pode ser observado em outras culturas do Antigo Oriente Médio

6. O profeta como porta-voz uma mensagem específica – O profeta como campeão de uma rigorosa ética javista, porta-voz de uma mensagem de denúncia e anúncio

Essas são as principais opções-definições que se concentram na experiência religiosa, literatura característica, cenário social, carisma pessoal, papel do profeta como intermediário e mensagem específica. Contudo, apenas uma dessas tipologias, a noção de profeta como intermediário, parece abrangente o suficiente para ajudar a entender os profetas do Antigo Oriente Médio, incluindo aqueles atestados na Bíblia Hebraica e nos antigos textos babilônicos e neo-assírios.

 

Biblical scholars, both present and past have created different definitions of what it means to be a prophet. At the outset, I offer a six-fold typology of definitions that might help set the stage for a new period of studies in prophecy and prophetic literature.

1. The prophet has an intense experience of the deity – The rubric encompasses the analogy of ‘ecstatics’, an analogy that focuses on the psychology and personal  NISSINEN, M. (ed.) Prophecy in its Ancient Near Eastern Context: Mesopotamian, Biblical, and Arabian Perspectives. Atlanta: SBL, 2000experiences of the prophets.

2. The prophet speaks or write in a distinctive way – Under this rubric falls the analogy of ‘poets’. This model emphasized the poetic nature of the prophetic literature.

3. The prophet acts in a particular social setting – This statement encompasses the model of ‘cultic functionaries’ for Israelite prophets.

4. The prophet possesses distinctive personal qualities, for example, charisma – Weber for instance, saw prophets as individuals who had an extraordinary power and authority that attracted loyal bands of followers. They exercised this authority by working predominantly outside of and in opposition to traditional institutions.

5. The prophet is an intermediary – Israelite prophecy as part of an observable occurrence (‘phenomenon’) shared widely throughout the ancient world and marked by some general practices, functions, and social dynamics.

6. The prophet has a distinctive message – Morality as the defining characteristic of prophetic religion and preaching. In this view, the Israelite prophets were bold champions of ethical religious practices, and stressed the individual and internal elements of religious experience.

These then are the primary options-definitions that focus on religious experience, distinctive literature, social setting, personal charisma, the prophet’s role as intermediary, and distinctive message. However, only one of these typologies, the notion of prophet as intermediary, seems comprehensive enough to help understand prophets throughout the ancient Near East, including those attested in the Hebrew Bible and in the Old Babylonian and Neo-Assyrian texts.

Cf. PETERSEN, D. L. Defining Prophecy and Prophetic Literature. In: NISSINEN, M. (ed.) Prophecy in its Ancient Near Eastern Context: Mesopotamian, Biblical, and Arabian Perspectives. Atlanta: SBL, 2000, p. 33-39. Disponível online.