SOTER 2019: Decolonialidade e práticas emancipatórias

Atualizado em

A SOTER – Sociedade de Teologia e Ciências da Religião – comunica que seu 32º Congresso Anual terá como tema Decolonialidade e práticas emancipatórias – Novas perspectivas para a Área de Ciências da Religião e Teologia e será realizado no campus Coração Eucarístico da PUC-Minas, em Belo Horizonte, de 9 a 12 de julho de 2019.

SOTER 2019: Decolonialidade e práticas emancipatóriasO Congresso Internacional da SOTER está entre os mais tradicionais da Área de Ciências da Religião e Teologia no país, chegando, em 2019, à sua 32ª edição, o que demonstra a consolidação da sua proposta e a importante contribuição acadêmica que traz à sociedade, na especificidade do seu saber, sempre com temas atuais e de interesses urgentes para a sociedade. A cada ano, o Congresso Internacional da SOTER reúne um número significativo de teólogos, cientistas da Religião, estudantes de pós-graduação e pesquisadores de áreas afins, tanto em nível nacional como internacional. Para 2019, o Congresso prossegue as discussões anteriores e mantém a preocupação de estar atento às urgências da sociedade. Por esta razão, tratará sobre decolonialidade e práticas emancipatórias, abordando as novas perspectivas para a Área de Ciências da Religião e Teologia. Hoje, a sociedade apresenta inúmeros desafios e muitos deles podem ser classificados como étnicos, culturais e religiosos, que tocam em questões fundamentais do existir humano, atingindo aspectos do direito, da ética e de novas categorias de interpretação e de interação da realidade. Logo, um olhar a partir desta perspectiva, de baixo, das muitas resistências sociais, oferece novos caminhos e novas abordagens para o saber. A categoria decolonial vem sendo estudada em várias frentes e em várias Áreas de Pesquisa; assim, é importante que a Área de Ciências da Religião e Teologia também se debruce sobre este tema, a fim de levantar pontos e práticas já existentes, mas também com a finalidade de oferecer novas perspectivas de atuação e investigação. É um discurso que oferece outra composição, pois sua proposta tem como base estrutural o lugar de onde se diz e se produz o conhecimento, alimentado pelas lutas, resistências e marcado pelo tempo e lugar, em que as esperanças se encontram. A proposta deste Congresso investe em conferências com especialistas nacionais e internacionais, grupos de trabalho e fóruns temáticos, painéis e publicações.

Leia Mais:
Congressos e publicações da SOTER
América Latina e o giro decolonial
Para transcender a colonialidade

SOTER 2018: Religião, Ética e Política

Atualizado em

A SOTER – Sociedade de Teologia e Ciências da Religião – comunica que seu 31º Congresso Anual terá como tema Religião, Ética e Política e será realizado no campus Coração Eucarístico da PUC-Minas, em Belo Horizonte, de 10 a 13 de julho de 2018.

10-13 de julho de 2018: 31º Congresso Anual da SOTER: Religião, Ética e Política

A cada ano, o Congresso Internacional da SOTER reúne um número significativo de teólogos, cientistas da Religião, estudantes de pós-graduação e pesquisadores de áreas afins, tanto em nível nacional como internacional. Para 2018, o Congresso prossegue as discussões anteriores e mantém a preocupação de estar atento às urgências da sociedade. Por esta razão, tratará sobre “Religião, Ética e Política”. A sociedade atual apresenta desafios que tocam questões fundamentais, sobretudo na ótica do direito, da democracia, nas causas sociais, na multiculturalidade que tece o nosso contexto e em temas que exigem uma postura nova e um olhar mais profundo da realidade. O tema também se faz relevante pela situação política do país e de todo o mundo. 2018 traz ainda a comemoração dos 70 anos da Declaração dos Direitos Humanos. Dentro destas intenções, o olhar da teologia e das religiões se faz importante, e é onde se espera apresentar uma contribuição.

Leia Mais:
Congressos e publicações da SOTER

Para ler Francisco

Atualizado em

Os fundamentos geopolíticos do Pontificado de Francisco. “O Papa é a única voz política com autoridade moral transversal” – IHU On-Line: 07.03.2017

O 1º Encontro Ibero-americano de Teologia contou com a voz de mulheres teólogas, estas grandes desconhecidas. Suas falas mostraram a cor e a presença que faltam à Igreja em todos os níveis. Dentre elas, estava a jovem teóloga argentina Emilce Cuda, que acaba de publicar ‘Para leer a Francisco’ (Manantial), que contribui trazendo os fundamentos geopolíticos do pontificado de Francisco.

A entrevista é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, em 04.03.2017.

Quem é Emilce Cuda?

Sou natural da Argentina, de Buenos Aires. Sou doutora em Teologia pela Universidade Pontifícia da Argentina e também sou professora, na Argentina, na Faculdade de Teologia da Universidade Católica. Além disso, sou professora em uma universidade pública, a UVA, como é chamada. E também na Univesidade Arturo Jauretche, uma universidade na conurbação de Buenos Aires, em uma região muito pobre.

Minha especialidade, na teologia, é a política. Trabalho há 30 anos como pesquisadora e estou aqui, no Boston College, há vários anos, em um intercâmbio, como professora na área de Ética e Política.

O Boston College tem uma organização chamada Catholic Theological Ethics in the World Church, que reúne teólogos eticistas católicos de todo o mundo. São 1000 teólogos e eu sou a responsável pela coordenação da América Latina e do Caribe. E também sou presidente da IPSA (Associação Internacional de Ciência Política), para a área da religião e política.

Acaba de publicar um livro

Acabei de publicar um livro sobre o papa, que não é uma biografia. É interessante fazer esta distinção porque a maioria dos livros que existem são biografias de Francisco, muitas delas muito boas. Mas este livro é uma tentativa de explicar a teologia e a política argentina, que esclarece muito o discurso do Papa (continua)

CULDA, E. Para leer a Francisco. Buenos Aires: Manantial, 2016

Emilce Cuda: “El Papa es la única voz política que tiene autoridad moral transversal” – Religión Digital: 04.03.2017

El pasado I Encuentro Iberoamericano de Teología contó con la voz de las mujeres teólogas, esas grandes desconocidas. Sus ponencias han mostrado el color y la presencia que falta en la Iglesia a todos los niveles. Entre ellas, intervino la joven teóloga argentina Emilce Cuda, que acaba de publicar ‘Para leer a Francisco’ (Manantial), que nos aporta las claves geopolíticas del pontificado de Francisco.

¿Quién es Emilce Cuda?

Soy de Argentina, de Buenos Aires. Soy doctora en Teología por la Universidad Pontificia de Argentina, y soy profesora también en Argentina en la Facultad de Teología de la Universidad Católica. Además, soy profesora en Universidad pública, la UVA, se llama. Y también en la Univesidad Jauretche que es una universidad del conurbano bonaerense en un asentamiento muy pobre.

Mi especialidad, dentro de la Teología, es la política. Trabajo hace 30 años como investigadora y estoy aquí, en Boston College, desde hace varios años. Hago intercambio como profesora en el área de Ética y Política.

Boston College tiene una organización que se llama Catholic Theological Ethics in the World Church, que significa teólogos eticistas católicos alrededor del mundo. Son 1000 teólogos, y yo estoy a cargo de la coordinación de Latinoamérica y el Caribe. Y también soy presidenta de IPSA (International Political Science Association), para el área de religión y política.

Y acabas de publicar un libro.

Acabo de publicar un libro sobre el Papa, que no es una biografía. Es interesante distinguirlo porque la mayoría de los libros que hay son biografías sobre Francisco, muy buenas muchas de ellas. Pero este libro es un intento de explicar la teología y la política argentina, que aclara mucho el discurso del Papa (continua)

O livro

CULDA, E. Para leer a Francisco. Buenos Aires: Manantial, 2016, 260 p. – ISBN 9789875002180.

Francisco, profeta y pastor, desenmascara las causas de la pobreza desacralizando estructuras injustas que han sido divinizadas, y llama a la misericordia como otro modo de justicia. Sus gestos atraen la mirada internacional sobre el pensamiento teológico, ético y político latinoamericano y argentino, y al mismo tiempo despiertan preguntas difíciles de responder. ¿Su crítica al “sistema” es teológica o política? ¿Su pensamiento es producto de las luchas históricas por la liberación antes que por la libertad? ¿Es su discurso Teología de la Liberación o anacronismo setentista? ¿La Teología del Pueblo es marxista o peronista? ¿Es posible una teología nacional y popular? ¿Qué entiende por categorías como igualdad, libertad, pueblo, pobre, trabajo, cultura, misión? ¿Es eficaz su exhortación apostólica entre un público no católico, no creyente y despolitizado? ¿Su voz, una autorictas político-moral transversal a las soberanías nacionales, genera conflicto de doble obediencia al interior de los Estados? ¿Entra Francisco en el debate de una agenda terminológica marcada por los medios hegemónicos o planta de manera soberana nuevos temas a debatir? Este libro no pretende dar respuestas sino herramientas para leer a Francisco desde el punto de partida de la teología, la filosofía y la política latinoamericana. Plantear que es importante no desconocer que su origen es argentino y latinoamericano, y que su formación jesuita es tanto clásica y moderna, como universal y concreta, permite ver que ahora Bergoglio es Francisco, el Papa de toda la Iglesia Católica, para todo el mundo, interpelando a creyentes y no creyentes.

Declaração do Primeiro Encontro Ibero-americano de Teologia

Atualizado em

Urge, pois, uma teologia profética, que dessacralize os falsos deuses

Declaração do Primeiro Encontro Ibero-Americano de Teologia

Durante vários dias, teólogas e teólogos católicos de Ibero-América nos reunimos em Boston, Estados Unidos da América, com espírito ecumênico, inter-religioso, intercultural, integrador e solidário. A vocação eclesial nos leva a pensar, pesquisar, aprender, ensinar e a comunicar a riqueza da fé cristã, na Igreja e na sociedade. Partilhamos a vida, a oração, a Eucaristia, a reflexão e o diálogo, para fazer um discernimento, em comum, dos novos sinais dos tempos de nossa época global. Agora, queremos partilhar alguns frutos do nosso trabalho, com a comunidade eclesial e o público em geral.

Reconhecemos, com júbilo e alegria, que vivemos um momento favorável no desenvolvimento da teologia e na vida da Igreja, em geral. Cremos que vivemos um kairós eclesial a partir dos processos iniciados pelo Bispo de Roma, Francisco, primeiro pontífice proveniente da América Latina. Seus impulsos de renovação evangélica, expressos na necessidade de uma reforma, tanto das mentalidades como das estruturas da instituição eclesial em perspectiva sinodal, nos animam a nos perguntar por onde passa Deus em nossa história e que realidades se opõem a Ele. Nosso discernimento nos permitiu descobrir traços e sinais de uma história comum, a partir dos quais queremos olhar os desafios presentes e futuros desta época global em que vivemos. Assim, enfatizamos a importância de ver, a partir da Palavra de Deus proclamada na Igreja, a situação sociopolítica e econômica de nossos países, como um lugar teológico fundamental, na qual a Igreja está chamada a inserir-se para acompanhar, como Povo Deus, os povos deste mundo.

Por isso, queremos discernir nossa presença como pessoas de fé, a partir da questão social desta época, caracterizada, no campo socioeconômico, pela existência de relações e sistemas de exclusão e iniquidade; no campo sociocultural, pela necessidade de ir do pluricultural ao intercultural; e, no âmbito sociopolítico, pela urgência de consolidar o sistema democrático republicano e as formas emergentes da sociedade civil, que proponham um olhar mais humano deste mundo. Neste contexto, reafirmamos nossa opção pelos pobres e excluídos.

Continua…

Em espanhol: Declaración de Boston del I Encuentro Iberoamericano de Teología

Leia Mais:
Primeiro encontro ibero-americano de Teologia
Gustavo Gutiérrez: “O compromisso com o pobre não pode evitar a denúncia das causas da pobreza”

Primeiro Encontro Ibero-americano de Teologia

Atualizado em

Encontro Ibero-americano de Teologia. “Um dos objetivos do encontro é apoiar o processo de mudanças do Papa”
Organizador do Primeiro Encontro Ibero-americano de Teologia (com mais de 40 teólogos de fala hispânica) no Boston College, Rafael Luciani reconhece abertamente que seu objetivo é “apoiar o processo de mudanças do Papa” a partir das chaves da “globalização, da exclusão e da interculturalidade”. Um processo no qual Francisco está se concentrando com “resistências” na hierarquia e, previsivelmente, chegará ao confronto com Donald Trump (IHU On-Line: 27.01.2017)

Félix Palazzi: “Francisco quiere una Iglesia que viva con la gente y sus problemas”
“Francisco quiere una Iglesia que viva con la gente y sus problemas”. Una parte importante de tal Iglesia, según Félix Palazzi y los otros teólogos organizadores del Primer Encuentro Iberoamericano de Teología, quiere una teología que reflexione desde abajo, desde el contacto diario con las personas y las culturas. Palazzi explicó para RD las metas que se marcan para este encuentro en Boston desde el 6 hasta el 10 de febrero (Religión Digital: 04 de febrero de 2017)

A teologia latino-americana atravessa o muro. Entrevista com o teólogo argentino Juan Carlos Scannone
Dentro de poucos dias, cerca de quarenta teólogos provenientes da América Latina e Espanha se reunirão com um grupo de estadunidenses no prestigioso Boston College, de Massachusetts, para protagonizar o Primeiro Encontro Ibero-americano de Teologia. Serão cinco dias de diálogos e exposições, reflexões e conferências com o propósito fundamental de atualizar os avanços produzidos na teologia em língua espanhola da América do Sul e do Norte, “em tempos do Papa Francisco”, segundo especifica o programa (IHU On-Line: 03.02.2017)

Maria Madalena na IHU On-Line

Atualizado em

Maria de Magdala: “Apóstola dos Apóstolos”

Revista IHU On-Line 489 – 18.07.2016

A recente iniciativa do Papa Francisco, de elevar a memória litúrgica de Maria Madalena, no dia 22 de julho, a festa, como dos Apóstolos, é profética. Segundo Lilia Sebastiani, teóloga italiana, a decisão “inscreve-se na teologia dos gestos, mais do que das inovações doutrinais, e será lembrada como dos aspectos mais significativos de seu pontificado” Segundo ela, isto “não somente é importante para a história do culto de uma santa, mas para o devir do anúncio Pascal”.

Revista IHU On-Line 489 - 18.07.2016

Além da teóloga italiana Lilia Sebastiani, contribuem para o debate: Elizabeth Johnson, professora de Teologia na Fordham University, EUA, a teóloga italiana Antonietta Potente, Wilma Steagall De Tommaso, professora no Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS-SP, Salma Ferraz, professora da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Ivoni Richter Reimer, professora dos Programas de Pós-Graduação em Ciências da Religião e Mestrado em História Cultural na Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás, Wanda Deifelt, coordenadora do departamento de Religião da Luther College, EUA, Chris Schenk, diretora-executiva da FutureChurch, Lucetta Scaraffia, jornalista, historiadora e professora da Universidade La Sapienza de Roma, Marcela Zapata-Meza, arqueóloga da Universidade Anáhuac do México, Katherine L. Jansen, professora do Departamento de História da Universidade Católica da América, em Washington, os teólogos Carlos Molari, teólogo italiano, Johan Konings, professor titular de teologia da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia – Faje, Thomas Stegman, professor de Novo Testamento na Boston College, Régis Burnet, doutor em Ciências Religiosas pela École Pratique des Hautes Études, Paris, Gianfranco Ravasi, cardeal, presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra e do Conselho de Coordenação das Academias Pontifícias e Elisabeth Schüssler Fiorenza, teóloga e biblista feminista.

Sumário

  • Baú da IHU On-Line: Textos já publicados no IHU sobre Maria Madalena
  • Elizabeth Johnson: As faces femininas de um cristianismo sem véu
  • Wanda Deifelt: Protagonistas que resistem a um apagamento
  • Gianfranco Ravasi: ‘Diga-nos, Maria Madalena, o que viste no caminho?’
  • Lilia Sebastiani: A história do mito e a falsificação
  • Ivoni Richter Reimer: O poder sob a égide do sagrado: manutenção do domínio religioso e normatização pela crença
  • Johan Konings: A testemunha ocular da Divina Misericórdia
  • Katherine L. Jansen: Pregadora de uma nova fé e em pé de igualdade com os outros apóstolos
  • Régis Burnet: A transcendência de Madalena: múltiplas faces no espírito dos tempos
  • Marcela Zapata-Meza: A Magdala de Maria
  • Wilma Steagall De Tommaso: O mosaico das “Madalenas”
  • Carlo Molari: A autêntica humanidade em Jesus por Maria Madalena
  • Salma Ferraz: A mística que reconhece o Salvador
  • Antonietta Potente: Os limites do reconhecimento masculino sobre a mulher
  • Chris Schenk: Paulo e Madalena: dois caminhos que levam ao Cristo
  • Lucetta Scaraffia: A apóstola da dedicação e do amor integral
  • Thomas Stegman: Um novo pensar sobre a mulher pelo reconhecimento de Madalena
  • Elisabeth Schüssler Fiorenza: O chamado de Maria de Magdala e o nosso próprio chamado

Hans Küng e suas memórias em 3 volumes

Atualizado em

Ney Brasil Pereira, Mestre em Ciências Bíblicas, Professor da FACASC/ITESC [Faculdade Católica de Santa Catarina/Instituto Teológico Santa Catarina], em Florianópolis, fez uma interessante resenha do terceiro e último volume das memórias do teólogo Hans Küng. Está publicada na REB vol. 76, n. 301, Jan./Mar. 2016, p. 245-260. Vale a pena a leitura.

Ney Brasil fez a resenha a partir da versão espanhola, publicada pelo Editorial Trotta, de Madrid, em 2014. Os 3 volumes originais das memórias de Hans Küng foram publicados, em alemão, pela Piper Verlag, de München, Alemanha.

Estou lendo trechos do terceiro volume. Em alemão, em ebook. Na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, na década de 70 – do século passado – descobri e estudei, com entusiasmo, a eclesiologia de Hans Küng.

Ney Brasil foi meu contemporâneo no Colégio Pio Brasileiro. Ele estava estudando Bíblia no Pontifício Instituto Bíblico.

 

Explica Hans Küng na apresentação do terceiro volume:

Das Leben geht weiter – aber wie!? So hatte ich mich vor drei Jahrzehnten nach den dunkelsten Wochen meines Lebens selber gefragt. Und kann es heute in einem Wort sagen: besser als damals vorauszusehen!

Der erste Band meiner Lebenserinnerungen, “Erkämpfte Freiheit“, schildert den Zeitraum von 1928 bis 1968 mit dem Zweiten Vatikanischen Konzil als theologischem und kirchengeschichtlichem Höhepunkt. Der zweite Band unter dem Titel “Umstrittene Wahrheit” stellt die Jahre von 1968 bis 1980 dar und erreicht den Tiefpunkt im Entzug meiner kirchlichen Lehrbefugnis. Wie beim ersten und zweiten handelt es sich auch in meinem dritten und letzten Band, der die Zeit von 1980 bis heute behandelt, nicht einfach um “Memoiren” im üblichen Sinn, sondern um Erzählung und Reflexion zugleich: um Zeit-, Kirchen-, Theologie- und Religionsgeschichte, erlebt von einem Zeitzeugen und Theologen. Erlebte Menschlichkeit mit all ihren Licht- und Schattenseiten.

A vida continua. Mas como? Foi o que me perguntei há três décadas, depois das semanas mais sombrias da minha vida. Hoje posso responder com uma só palavra: melhor do que então era previsível!

 

O primeiro volume de minhas memórias, Liberdade conquistada [Erkämpfte Freiheit – 2002], narra o período de tempo compreendido entre 1928 e 1968, com o concílio Vaticano II como ponto mais alto, do ponto de vista da teologia e da história da Igreja.

Hans Küng, Erkämpfte Freiheit - Liberdade conquistada. Memórias I (2002)

O segundo volume, sob o título Verdade controvertida [Umstrittene Wahrheit – 2007], apresenta os anos transcorridos entre 1968 e 1980, e toca fundo no fato de me ter sido retirada a licença eclesiástica de ensino.

Hans Küng, Umstrittene Wahrheit - Verdade controvertida. Memórias II (2007)

Como nesses dois volumes anteriores, tampouco neste terceiro e último volume, dedicado ao tempo que se estende de 1980 até agora, não se trata simplesmente de ‘memórias’ no sentido habitual do termo, mas de narração e reflexão ao mesmo tempo: da história do nosso tempo, da história da Igreja, da teologia das religiões, vivida por uma testemunha da época, que é teólogo. Humanidade vivida [Erlebte Menschlichkeit – 2013], com todas as suas luzes e sombras.

 

Hans Küng, Erlebte Menschlichkeit - Humanidade vivida. Memórias III (2013)

Semana Teológica no CEARP em 2016

Atualizado em

O Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirão Preto (CEARP), situado em Brodowski, SP, promove, de 23 a 25 de maio de 2016, a VII Semana Teológica, com o tema Os novos desafios para a família.

Dia 23
08h00: Abertura – Dom Moacir
08h30: Palestra com Dom João Bosco Barbosa de Sousa, Bispo de Osasco e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família

Dia 24
08h00: Palestra com Pe. José Rafael Solano Durán, da Arquidiocese de Londrina, PR, Pós-Doutorando em Teologia Moral e Familiar
11h00: Mesa Redonda

Dia 25
08h00: Grupos de Trabalho

Informações e inscrições: cearp.rp@gmail.com