Slides de Qumran por Philip Davies

Philip Davies’ Qumran Slide Collection (1970-71) now available

Qumran (1970-71). Fr. Roland de Vaux demonstrating how clothing was laundered at Qumran, where items were washed and patted dry on flat stone.  From the collection of Professor Philip Davies, Emeritus Professor at the University of Sheffield

DQCAAS is extremely grateful to the late Prof. Philip R. Davies for generously making available to us his slide collection of Qumran. These slides were taken in 1970-71 when he was a doctoral student in Jerusalem, working on the Dead Sea Scrolls, and Travelling Scholar at the British School of Archaeology in Jerusalem (now the Kenyon Institute). These slides include a remarkable picture of Fr. Roland de Vaux explaining how the people of Qumran washed their laundry.

Philip Davies, Emeritus Professor at Sheffield University and Chair of the Palestine Exploration Fund, was one of our key supporters.  He is a towering figure in the study of the Dead Sea Scrolls, and author of a book that engages with the archaeology of the site of Qumran and its environs: Qumran (Cities of the Biblical World; Guildford: Lutterworth Press/Grand Rapids: Eerdmans, 1982). He was co-founder and director of Sheffield Academic Press and founding editor of the Journal for the Study of the Old Testament, and Professor Emeritus of Sheffield University, were he worked since 1975.

Philip laid out the slides on the Palestine Exploration Fund lightbox on 13 September, 2017, as shown in this image taken by Sandra Jacobs, DQCAAS Network Facilitator and Researcher. Philip died peacefully at home on 31 May, 2018, as he dearly wished, after being diagnosed with cancer, which was terminal, only two weeks earlier. He had successfully fought off a previous cancer in 2016, and was at the time this photograph taken and through to May unaware of being ill and happily looking forward to retirement from the PEF, with all kinds of ideas for future projects and more time for other things. His contribution to and enthusiasm for DQCAAS as been very much appreciated, and we are really sorry he could not see it flower further.

Leia Mais:
Os essênios: a racionalização da solidariedade

Sobre o significado dos Manuscritos do Mar Morto

Não há melhor momento para refletirmos sobre o significado dos Manuscritos do Mar Morto do que agora, logo após  a celebração do 70º aniversário de sua descoberta.

Mas quantas pessoas podem realmente explicar o que os Manuscritos do Mar Morto são e o que eles significam para nós?

A reflection on the significance of the Dead Sea Scrolls – By Lawrence H. Schiffman – The Jerusalem Report: July 23, 2018

What better time to reflect on the significance of the Dead Sea Scrolls than now, soon after celebrating their 70th anniversary? This corpus of ancient manuscripts has awakened immense interest, spawned an entire new field of scholarship, and reshaped our understanding of biblical studies, the history of Judaism and the background of Christianity. The scrolls have been at the center of their share of intrigue, legal action and even humor. Exhibits such as that taking place right now in Denver, under the auspices of the Israel Antiquities Authority (IAA), are more than ample evidence of the tremendous interest in the scrolls. But how many people can actually explain what the scrolls are and what they should mean to us?

Leia Mais:
Manuscritos do Mar Morto no Observatório Bíblico
Os essênios: a racionalização da solidariedade

Textos de Manuscritos do Mar Morto lidos com infravermelho

Análises recentes com infravermelho possibilitaram a leitura de textos invisíveis em pequenos fragmentos de Manuscritos do Mar Morto que pareciam, a olho nu, estar em branco.

Leia a notícia em inglês e português.

Fragmento do Deuteronômio (11Q3), à direita, visto com infravermelho, à esquerda

Hidden Text Found on ‘Blank’ Dead Sea Scrolls – By Laura Geggel – Live Science: May 3, 2018

Previously hidden text on fragments of the Dead Sea Scrolls is now readable, revealing a possible undiscovered scroll and solving a debate about the sacred Temple Scroll. The discoveries came from a new infrared analysis of the artifacts, the Israel Antiquities Authority (IAA) announced yesterday (May 1). The newfound writing came from the books of Deuteronomy and Leviticus, which are in the Hebrew Bible (also known as the Old Testament of the Christian Bible), and the Book of Jubilees, a text written at the same time as the Hebrew Bible that was never incorporated into the biblical books, the archaeologists said. Researchers presented the newly revealed words at an international conference, called “The Dead Sea Scrolls at Seventy: Clear a Path in the Wilderness,” in Israel.

Também aqui.

Arqueólogos encontram trechos escondidos nos Manuscritos do Mar Morto – Galileu: 04/05/2018

Texto das escrituras hebraicas foi encontrado depois de análise com infravermelho

Leia Mais:
Os essênios: a racionalização da solidariedade
Manuscritos do Mar Morto no Observatório Bíblico

Uma introdução aos Manuscritos do Mar Morto

BROOKE, G. J. ; HEMPEL, C. T&T Clark Companion to the Dead Sea Scrolls. London: Bloomsbury, 2018, 512 p. – ISBN 9780567352057

BROOKE, G. J. ; HEMPEL, C. T&T Clark Companion to the Dead Sea Scrolls. London: Bloomsbury, 2018, 512 p.

 
In 30 concise articles all of the key texts and documents are examined. A section on the complex methods used in anaylzing the scrolls then follows before the focus moves to consideration of the scrolls in their various contexts; political, religious, cultural, economic, historical. The genres ascribed to groups of texts within the scrolls are examined in the next section with due attention given to both past and present scholarship. The main body of the companion then concludes with crucial issues and topics discussed by leading scholars. The book finishes with appendices and indexes giving: timelines, lists of kings, family trees of the Seleucids, Ptolemies, Hasmoneans, lists of places and scrolls, information on electronic resources and classified bibliographies. The volume is illustrated throughout with some 60 images enabling readers to consider key texts from the scrolls not only in transcription but simultaneously with photographs.

George J. Brooke is Rylands Professor of Biblical Criticism and Exegesis at the University of Manchester, UK. Charlotte Hempel is a Reader in Hebrew Bible and Second Temple Judaism at the University of Birmingham, UK.

Manuscritos do Mar Morto: simpósio em Jerusalém

An International Symposium: The Dead Sea Scrolls at Seventy: “Clear a Path in the Wilderness”

Date: 29 April–3 May, 2018

Conveners: The Hebrew University of Jerusalem, the University of Vienna, New York University, the Israel Antiquities Authority, The Israel Museum

Venues: The Hebrew University of Jerusalem and The Israel Museum

To mark seventy years since the initial discovery of the Dead Sea Scrolls, an international symposium will be held in Jerusalem, April 29–May 3, 2018. The overarching symposium theme will be “The Wilderness”—as a real place; as the location of biblical episodes, most notably during the formative years of Israel’s wandering from Egypt to the Promised Land; as a motif; and as a concept (sometimes idealized, sometimes demonized).

The wilderness figures prominently in biblical texts and in the literature of the Second Temple, rabbinic, early Christian, and early Islamic periods. It was also a place of habitation by various groups during these periods, which have left us archaeological sites, artefacts, documents and the more than 1500 Dead Sea Scrolls. Conference papers may address any aspect of the wilderness as it relates to Qumran; other Judean Desert sites; the Dead Sea Scrolls; and the associated late antique literatures, cultures and religions—particularly, Judaism, Christianity, and Islam. Papers may focus on such topics as the reception of biblical figures (e.g., Moses, Aaron, Phineas, Miriam, Balaam), events (e.g., the giving of the law, the sin of the golden calf, the building of the tabernacle, covenant ceremonies), and themes (e.g., revelation, law, covenant, rebellion against God, sanctuary, water, and manna) connected with Israel’s time in the wilderness; relevant textual and philological analyses; the use of the relevant biblical passages in shaping later texts; the influence of the desert climate, flora, and fauna on the ancient texts and their state of preservation.

The conference will feature invited lectures; open sessions; and two public lectures.

Papers will be accepted for the open sessions in accordance with the relevance of the topic to the overall program. Please send a proposal of no more than 250 words to the Orion Center email address (orioncenter@mail.huji.ac.il). Deadline for receipt of proposals is September 20, 2017; responses will be mailed by October 31.

Symposium organizers:

  • Esther Chazon, Director, The Orion Center for the Study of the Dead Sea Scrolls and Associated Literature, the Hebrew University of Jerusalem;
  • Armin Lange, Professor of Second Temple Judaism and Director of the Institute for Jewish Studies, University of Vienna;
  • Lawrence H. Schiffman, Judge Abraham Lieberman Professor of Hebrew and Judaic Studies, Skirball Department of Hebrew and Judaic Studies, New York University;
  • Pnina Shor, Curator and Head of Dead Sea Scrolls Projects, The Israel Antiquities Authority;
  • Adolfo D. Roitman, Lizbeth and George Krupp Curator of the Dead Sea Scrolls and Head of The Shrine of the Book, The Israel Museum, Jerusalem.

Leia Mais:
Manuscritos do Mar Morto: 70 anos
Manuscritos do Mar Morto

Descoberta a 12ª gruta de Qumran

Mas sem manuscritos, que devem ter sido retirados do local em meados do século XX.

Hebrew University Archaeologists Find 12th Dead Sea Scrolls Cave

08/02/2017

Hebrew University archaeologist Dr. Oren Gutfeld: “This is one of the most exciting archaeological discoveries, and the most important in the last 60 years, in the caves of Qumran.”

Excavations in a cave on the cliffs west of Qumran, near the northwestern shore of the Dead Sea, prove that Dead Sea scrolls from the Second Temple period were hidden in the cave, and were looted by Bedouins in the middle of the last century. With the discovery of this cave, scholars now suggest that it should be numbered as Cave 12. [Photo links below]

The surprising discovery, representing a milestone in Dead Sea Scroll research, was made by Dr. Oren Gutfeld and Ahiad Ovadia from the Hebrew University of Jerusalem’s Institute of Archaeology, with the collaboration of Dr. Randall Price and students from Liberty University in Virginia, USA.

The excavators are the first in over 60 years to discover a new scroll cave and to properly excavate it.

The excavation was supported by the Civil Administration of Judea and Samaria, by the Israel Nature and Parks Authority, and the Israel Antiquities Authority (IAA), and is a part of the new “Operation Scroll” launched at the IAA by its Director-General, Mr. Israel Hasson, to undertake systematic surveys and to excavate the caves in the Judean Desert.

Excavation of the cave revealed that at one time it contained Dead Sea scrolls. Numerous storage jars and lids from the Second Temple period were found hidden in niches along the walls of the cave and deep inside a long tunnel at its rear. The jars were all broken and their contents removed, and the discovery towards the end of the excavation of a pair of iron pickaxe heads from the 1950s (stored within the tunnel for later use) proves the cave was looted.

Until now, it was believed that only 11 caves had contained scrolls. With the discovery of this cave, scholars have now suggested that it would be numbered as Cave 12. Like Cave 8, in which scroll jars but no scrolls were found, this cave will receive the designation Q12 (the Q=Qumran standing in front of the number to indicate no scrolls were found).

Continua… 

E há fotos no final do texto.

Sobre a descoberta das 11 primeiras grutas, leia aqui.

Manuscritos do Mar Morto: 70 anos

This year marks the seventieth anniversary of the discovery of the Dead Sea Scrolls.  What have we learned over the past three score and ten?  (Timothy Lim, The Dead Sea Scrolls at Seventy – CSCO Blog: 18th January 2017)

Comemoramos em 2017 o aniversário de 70 anos da descoberta dos Manuscritos do Mar Morto. O que nós aprendemos ao longo destes anos?

LIM, T. H. The Dead Sea Scrolls: A Very Short Introduction. 2. ed. New York: Oxford University Press, 2017, 168 p. – ISBN 9780198779520.

LIM, T. H. The Dead Sea Scrolls: A Very Short Introduction. 2. ed. New York: Oxford University Press, 2017, 168 p.

Since their discovery in 1947, the Dead Sea Scrolls have become an icon in popular culture that transcends their status as ancient Jewish manuscripts. Everyone has heard of the Scrolls, but amidst the conspiracies, the politics, and the sensational claims, it can be difficult to separate the myths from the reality.

In this Very Short introductions, Timothy Lim discusses the cultural significance of the finds, and the religious, political and legal controversies during the seventy years of study since the discovery. He also looks at the contribution the Scrolls have made to our understanding of the Old Testament or Hebrew Bible, and the origins of early Christianity. Exploring the most recent scholarly discussions on the archaeology of Khirbet Qumran, and the study of the biblical texts, the canon, and the history of the Second Temple Period, he considers what the scrolls reveal about sectarianism in early Judaism. Was the archaeological site of Qumran a centre of monastic life, a fortress, a villa, or a pottery factory? Why were some of their biblical texts so different from the ones that we read today? Did they have ‘a Bible’? Who were the Essenes and why did they think that humanity is to be divided between ‘the sons of light’ and those in darkness? And, finally, do the Scrolls reflect the teachings of the earliest followers of Jesus?

Sobre o Autor
Timothy H. Lim is Professor of Hebrew Bible and Second Temple Period at New College, The University of Edinburgh. He has written several books and numerous articles on the Dead Sea Scrolls, including The Formation of the Jewish Canon (Yale University Press, 2013), and he co-edited The Oxford Handbook of the Dead Sea Scrolls (OUP, 2010), with John J. Collins. He is the General Editor of The Oxford Commentary on the Dead Sea Scrolls. Professor Lim is a renowned authority on Biblical and Jewish Studies and recently delivered the Chuen King Memorial lectures at the Chinese University of Hong Kong in China.

Leia Mais:
Os essênios: a racionalização da solidariedade

Situação atual dos estudos sobre Qumran

Li hoje no blog de Michael F. Bird, Euangelion, um post interessante, que começa assim:

There is a lengthy review by James H. Charlesworth over at RBL on a new book about Qumran and the Scrolls. But in the review, Charlesworth sums up what he thinks are the six basic conclusions most Qumranologists would concur about.

Ele comenta que na resenha do livro de David Stacey e Gregory Doudna, Qumran Revisited: A Reassessment of the Archaeology of the Site and Its Texts. Oxford: Archeopress, 2013, 150 p. – ISBN 9781407311388, James H. Charlesworth, do Princeton Theological Seminary, uma autoridade no assunto, enumera seis pontos em que há consenso entre os qumranistas.

Consenso na área de estudos sobre Qumran e os Manuscritos do Mar Morto é uma coisa hoje bastante rara. A resenha foi publicada em 01.06.2015 na RBL.

Charlesworth diz no final da longa resenha de 18 páginas:

  1. Qumran existia durante a época dos Macabeus, ou seja, antes do ano 100 a.C.
  2. Os Manuscritos de Qumran e a arqueologia devem ser investigados conjuntamente, em uma análise da história de Qumran e de sua arqueologia sem falsos pressupostos
  3. ‘Ain Feshkha [uma fonte próxima] está relacionada com Qumran
  4. Alguns dos Manuscritos de Qumran (talvez menos de 10 entre os quase mil recuperados apenas em fragmentos) foram compostos em Qumran ou ali editados
  5. Uma das salas pode ser identificada como um “scriptorium”
  6. O ramo celibatário e mais rigoroso dos essênios viveu muito provavelmente em Qumran.

Leia Mais:
Os essênios: a racionalização da solidariedade

Os Essênios e os Manuscritos do Mar Morto

Os Essênios e os Manuscritos do Mar Morto. Kerigma, Petrópolis, n. 5, p. 4-7, 1996.

Em fins de 1946 três jovens beduínos da tribo dos ta’amireh, que pastoreavam seus rebanhos em um oásis próximo ao Mar Morto, na Palestina, descobriram acidentalmente alguns manuscritos antigos dentro de uma gruta. Foi apenas o começo da mais importante descoberta de manuscritos deste século [Obs.: século XX].

Divulgada a notícia da descoberta de preciosos manuscritos bíblicos anteriores à era cristã – quando os mais antigos textos do AT que possuíamos datam de 900 d.C. -, seguiram-se, em meio a muitas controvérsias e dificuldades, a busca de novos manuscritos nas muitas grutas da região  e as escavações das ruínas de Qumran, situadas aproximadamente a 1 km a noroeste do Mar Morto.

No total, cerca de mil documentos foram recuperados em 20 grutas no deserto de Judá, entre os anos de 1946 e 1966. Destes, em 11 grutas próximas às ruínas de Qumran, foram encontrados 11 manuscritos mais ou menos completos e milhares de fragmentos de outros cerca de 600 a 800 manuscritos em pergaminho e papiro. Escritos em hebraico, aramaico e grego, cerca de 1/3 dos manuscritos são cópias de livros bíblicos, sendo o restante livros apócrifos, trabalhos exegéticos e escritos da comunidade que viveu em Qumran de 135 a.C. a 68 d.C. Acredita a maioria dos estudiosos que esta comunidade era formada pelos essênios, grupo judaico radical que saiu de Jerusalém por estar em conflito com o governo dos Macabeus.

Estes manuscritos não são importantes apenas porque através deles podemos conhecer melhor os essênios, mas também porque podemos conhecer melhor a complexidade do judaísmo desta época e os ambientes político e religioso onde nasceu o cristianismo. Questões como: Era João Batista um essênio? Teria Jesus entrado em contato com os essênios? são, a partir da descoberta dos manuscritos, frequentemente colocadas.

Hoje existe enorme bibliografia sobre os manuscritos do Mar Morto. E, passados quase 50 anos da descoberta, a maioria dos fragmentos ainda não pôde ser decifrada e publicada [Obs.: em novembro de 2001 a publicação dos Manuscritos do Mar Morto foi concluída]. A equipe de pesquisadores, constituída originariamente somente por especialistas cristãos, já foi ampliada com a inclusão de judeus, talvez os maiores interessados na compreensão destes textos.

Mas isso sempre gerou muita polêmica, com sugestões da mídia de ocultamento de prodigiosos segredos acerca do judaísmo e do cristianismo, da não originalidade do cristianismo – cujas ideias já estariam todas nos manuscritos dos essênios – da interferência de autoridades eclesiásticas que tentariam evitar a sua publicação e coisas do gênero.

A verdade é uma só: há dificuldades técnicas enormes para a leitura de cerca de 80 mil pequenos fragmentos muito danificados e um certo ciúme de quem está encarregado da pesquisa, que sempre os considerou como os “nossos” manuscritos. É dentro desta lógica que hoje há um debate intenso em torno dos manuscritos do Mar Morto, gerando publicações em grande quantidade.

É preciso assinalar que em nenhum dos manuscritos até agora publicados aparece a palavra “essênio”. Este termo vem, provavelmente, do hebraico hassidim (= os piedosos), em aramaico hassayya, em grego essaioi, daí “essênios”.

Embora a quase totalidade dos estudiosos identifique a comunidade de Qumran com os essênios, são, às vezes, sugeridas outras possibilidades. Há a hipótese caraíta, judeu-cristã, zelota, saduceia e farisaica.

O testemunho dos autores antigos sobre os essênios é importante para a identificação da comunidade de Qumran. Localização geográfica, valores e modo de vida dos essênios são descritos pelos judeus Flávio Josefo e Fílon de Alexandria e pelos romanos Plínio, o Velho e Solino.

Fílon de Alexandria, por exemplo, nos diz que “a Síria Palestina, que ocupa uma parte importante da populosa nação dos judeus, não é, também ela, estéril em virtude. Alguns deles, que somam mais de quatro mil, são denominados essênios”. Este número é confirmado por Flávio Josefo: “São mais de quatro mil homens a se comportarem dessa maneira”.

Tanto Flávio Josefo quanto Fílon de Alexandria noticiam a opção celibatária e a vida comunitária dos essênios, o que os manuscritos de Qumran confirmam, pelo menos para uma parte da organização. É que havia essênios que viviam nas cidades e aldeias da Palestina, e estes não eram celibatários, como os de Qumran.

Os líderes desta comunidade eram sacerdotes sadoquitas. Os assideus (= os piedosos) lutavam ao lado dos Macabeus contra a aristocracia filo-helênica a partir de 167 a.C. Mas, quando estes, que não eram sadoquitas, se apossaram indevidamente do sumo sacerdócio, rompendo uma tradição milenar,  um sacerdote sadoquita do Templo de Jerusalém, conhecido nos manuscritos apenas como o Mestre da Justiça (Môreh hasedeq) rompeu com os Macabeus e liderou um grupo de sacerdotes e assideus que se afastou de Jerusalém. O enquadramento do Mestre da Justiça é importante para se reconstruir a história da comunidade, pois ele é apresentado como a figura mais importante entre os essênios e deve ter escrito a famosa Regra da Comunidade que orienta a vida do grupo.

O sistema de admissão na comunidade era bastante rigoroso. Temos as informações da Regra da Comunidade e de Flávio Josefo sobre o assunto. O candidato, que devia ser israelita, passava inicialmente por um rigoroso exame feito pelo líder da comunidade “quanto a seu entendimento e a seus atos”. Se fosse considerado apto, ele era instruído nas regras da comunidade e passava a viver como um deles durante um ano, mas fora da comunidade.

Após esse ano, caso fosse aprovado pela assembleia, o candidato ingressava na comunidade, mas durante um ano inteiro não participava de suas refeições comuns nem da comunhão de bens. Era um tempo de aprendizado, certamente guiado pelo “instrutor”, que era o encarregado da formação espiritual.

Ao término desse segundo ano, iniciava o candidato um terceiro ano no qual entregava seus bens ao tesoureiro da congregação e continuava sua formação, mas ainda sem participação integral. Só no fim desses três anos, se aceito pela assembleia, o candidato passava a participar integralmente da comunidade, com direito às purificações rituais, banquete, voz e voto nas assembleias e comunhão de bens.

O ideal dessa comunidade era o de caminhar “ao encontro de Deus de todo o coração e alma”; fazer “o que é bom e certo conforme o que Ele ordenou por intermédio de Moisés e seus servos os profetas”, diz a Regra da Comunidade.

Segundo os arqueólogos, viviam em Qumran entre 150 e 200 pessoas. Em dois séculos de existência da comunidade devem ter vivido ali cerca de 1200 pessoas. A partir das ferramentas encontradas e das instalações escavadas, sabe-se que eles cultivavam a terra, faziam cerâmica, curtiam peles e copiavam manuscritos.

Os essênios se viam como a comunidade da nova aliança, como o resto de Israel, os santos que permanecem fiéis a Deus, certamente inspirados em Jr 31,31-34, que propõe uma nova aliança, porque o projeto original faliu.

Um dos textos mais reveladores de sua visão de mundo é o trecho da Regra da Comunidade que trata dos dois espíritos. Segundo o documento, Deus criou o homem com dois espíritos, com os quais ele deve conviver: o espírito da verdade, que nasce de uma fonte de luz e o espírito da falsidade, que nasce de uma fonte de trevas.

Os filhos da justiça, que andam pelos caminhos da luz, têm um espírito de humildade, paciência, amor fraterno, bondade, compreensão, inteligência, discernimento, zelo pelas leis, pureza etc. Os filhos da falsidade, que andam pelos caminhos das trevas, têm um espírito de ganância, negligência, maldade, arrogância, orgulho, hipocrisia, crueldade, luxúria, insolência, engano e assim por diante.

Para os filhos da justiça o julgamento divino será de saúde, vida longa, abundância, bênçãos, alegria, enquanto que para os filhos da falsidade será de flagelos, maldição, tormentos e desgraça. Não é preciso dizer que, naturalmente, os essênios se julgavam portadores de uma porção maior de verdade que de falsidade, exatamente o contrário de seus inimigos, segundo seu julgamento.

Este dualismo teológico do texto sobre os dois espíritos oculta/revela o conflito social que se vivia na Palestina da época, e do qual os essênios participavam como atores extremamente ativos. Não é à toa que seu manual de guerra chama-se “Guerra dos filhos da luz contra os filhos das trevas”. Como acreditavam estar vivendo os momentos decisivos da História, os essênios elaboraram uma doutrina da guerra, codificada nesta Regra da Guerra. Nesta guerra, os essênios vencerão os israelitas desencaminhados da Lei e os estrangeiros que dominam o país, no caso, os romanos. Só que eles foram totalmente destruídos pelos romanos em 68 d.C.

Para finalizar, é bom lembrarmos que as ideias apocalípticas, que tão fortemente colorem a teologia essênia, pregam mesmo é a mudança da ordem social em vigor. Segundo os padrões apocalípticos, esse mudança social tem alcance mundial.

Só que os essênios tinham consciência de que os indivíduos isolados jamais poderiam desencadear a mudança social, daí a necessidade da ação comunitária; e de que o homem só é ainda incompetente para tal revolução cósmica, donde a necessidade das forças divinas. Os essênios tinham esperança de alcançar benefícios concretos dessa mudança, por isso romperam com a ordem social dominante e se organizaram segundo princípios alternativos.

A antiga solidariedade israelita baseada nas relações de parentesco tornou-se inviável na sociedade helenizada que dominou a Palestina. Mas a solidariedade torna-se independente e é racionalizada em normas éticas, cuja validade fica assegurada através de um pacto rigoroso que insiste na construção de relações pessoais e recíprocas. Esse era o projeto dos essênios.

Até aqui o texto. Quem desejar conhecer melhor o assunto, pode ler online um texto meu, detalhado e documentado, sobre o assunto em: Os essênios: a racionalização da solidariedade.

Mais recursos sobre os Essênios e os Manuscritos do Mar Morto podem ser encontrados aqui aqui.

Leia Mais:
Sobre minhas publicações