Hebraico Bíblico 2021

O curso de Hebraico Bíblico compreende apenas 30 horas no primeiro semestre do primeiro ano de Teologia. É um tempo insuficiente mesmo para a aprendizagem elementar do hebraico bíblico. Por isso o curso se propõe apenas familiarizar o estudante de Teologia com o universo da língua hebraica e o modo semítico de pensar. No transcorrer das aulas os três itens principais – ouvir, ler e escrever – são trabalhados simultaneamente e não sequencialmente. Este curso está disponível para download ou acesso online na Ayrton’s Biblical Page > Noções de Hebraico Bíblico.

I. Ementa
Introdução elementar à língua hebraica bíblica, que parte de um texto específico, Gn 1,1-8, e trabalha com os elementos de ortoépia (pronúncia normal e correta dos sons), ortografia (escrita correta das palavras) e etimologia (formação das palavras e suas flexões) encontrados neste pequeno trecho. O método escolhido foi o de ouvir, ler e escrever a língua hebraica.

II. Objetivos
Trabalha conceitos semíticos importantes para a compreensão do texto bíblico veterotestamentário.

III. Conteúdo Programático
1. Ouvir
Ouvir repetidamente o hebraico, para se acostumar com os sons estranhos. Não há aqui a preocupação em entender. O objetivo é fixar a atenção nos sons e acompanhar o texto de cada versículo, palavra por palavra. Até começar a distinguir onde está o leitor, no caso, o cantor.

2. Ler
Nesta seção o objetivo é tentar ler o hebraico. Estão disponíveis, para cada versículo de Gn 1,1-8, a pronúncia, a transliteração e a análise do texto. A pronúncia está bem simplificada, somente chamando a atenção para as tônicas, sem dizer se a vogal é breve ou longa e se o seu som é aberto ou fechado. Já a transliteração, representação dos caracteres hebraicos em caracteres latinos, é mais complexa e tem que ser detalhada.

3. Escrever
Nesta seção é possível aprender algumas regras básicas da gramática hebraica. Regras que permitirão uma escrita mínima de palavras e expressões. Mas a gramática é muito mais do que isto. Há sugestões de gramáticas e dicionários na bibliografia. E há revisões. Uma para cada versículo. As revisões ajudarão o estudante de hebraico verificar o seu nível de absorção do ouvir, do ler e do escrever. Poderão servir igualmente para as avaliações da disciplina.

IV. Bibliografia
Básica
FARFÁN NAVARRO, E. Gramática do hebraico bíblico. São Paulo: Loyola, 2010.

LAMBDIN, T. O. Gramática do hebraico bíblico. São Paulo: Paulus, 2003 [5. reimpressão: 2020].

MENDES, P. Noções de hebraico bíblico: texto programado. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 2011.

Complementar
DA SILVA, A. J. Noções de hebraico bíblico. Brodowski, 2001. Disponível para leitura online e download na Ayrton’s Biblical Page. Última atualização:18.10.2020.

DA SILVA, A. J. Recursos para aprender hebraico – Na Play Store (Android) e no YouTube. Observatório Bíblico – 29 de julho de 2018.

ELLIGER, K.; RUDOLPH, W. Biblia Hebraica Stuttgartensia. 5. ed. [1997]. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2011. A BHS está disponível também online ou para download gratuito.

KIRST, N. et alii Dicionário hebraico-português e aramaico-português. 33. ed. São Leopoldo/Petrópolis: Sinodal/Vozes, 2018.

ORTIZ, P. Dicionário do hebraico e aramaico bíblicos. São Paulo: Loyola, 2010.

Preparando meus programas de aula para 2021

Estou, nestes dias, preparando meus programas de aula de Bíblia para 2021. Começo a publicá-los no Observatório Bíblico. A intenção é de que possam servir, para além de meus alunos, a outras pessoas que, eventualmente, queiram ter uma noção de como se estuda a Bíblia em determinadas Faculdades de Teologia. Ou, pelo menos, parte da Bíblia, porque posso expor apenas os programas das disciplinas que leciono. Tomo aqui como referência o currículo do CEARP, onde trabalho. Já fiz isso em outros anos.

Quatro elementos serão levados em conta, em uma leitura da Bíblia que eu chamaria de sócio-histórica-redacional:

:: contextos da época bíblica
:: produção dos textos bíblicos
:: contextos atuais
:: leitores atuais dos textos

O sentido da Escritura, segundo este modelo, não está nem no nível dos contextos da época bíblica e/ou dos contextos atuais, nem no nível dos textos bíblicos ou da vivência dos leitores, mas na articulação que se forma entre a relação dos textos bíblicos com os seus contextos, por um lado, e entre os leitores atuais e seus contextos específicos.

Ou seja: “Da Escritura não se esperam fórmulas a ‘copiar’, ou técnicas a ‘aplicar’. O que ela pode nos oferecer é antes algo como orientações, modelos, tipos, diretivas, princípios, inspirações, enfim, elementos que nos permitam adquirir, por nós mesmos, uma ‘competência hermenêutica’, dando-nos a possibilidade de julgar por nós mesmos, ‘segundo o senso do Cristo’, ou ‘de acordo com o Espírito’, das situações novas e imprevistas com as quais somos continuamente confrontados. As Escrituras cristãs não nos oferecem um was [que], mas um wie [como]: uma maneira, um estilo, um espírito. Tal comportamento hermenêutico se situa a igual distância tanto da metafísica do sentido (positivismo) quanto da pletora das significações (biscateação). Ele nos dá a chance de jogar a sério a círculo hermenêutico, pois que é somente neste e por este jogo que o sentido pode despertar” explica BOFF, C. Teologia e Prática: Teologia do Político e suas mediações. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1993, p. 266-267.

As disciplinas de Bíblia no curso de graduação em Teologia podem, segundo este modelo, ser classificadas em três áreas:

1. Disciplinas Contextuais:
:: História de Israel I e II

2. Disciplinas Instrumentais:
:: Introdução à Sagrada Escritura
:: Hebraico Bíblico
:: Grego Bíblico

3. Disciplinas Exegéticas:
:: Pentateuco
:: Literatura Profética I e II
:: Literatura Deuteronomista
:: Literatura Sapiencial
:: Sinóticos e Atos dos Apóstolos
:: Literatura Paulina
:: Literatura Joanina
:: Apocalipse

—————————————-
Destas disciplinas, leciono:

No primeiro semestre:
:: História de Israel I: 2 hs/sem.
:: Hebraico Bíblico: 2 hs/sem.
:: Literatura Profética I: 2 hs/sem.
:: Literatura Deuteronomista: 2 hs/sem.

No segundo semestre:
:: História de Israel II: 2 hs/sem.
:: Pentateuco: 4 hs/sem.
:: Literatura Profética II: 2 hs/sem.

Feliz 2021

Desejo a todos os visitantes do Observatório Bíblico e da Ayrton’s Biblical Page um Feliz 2021!

Feliz Ano Novo!Nuvem de marcadores - Observatório Bíblico

Happy New Year!

Feliz Año Nuevo!

Bonne Année!

Frohes Neues Jahr!

Buon Anno!

Um guia para o estudo da Septuaginta

ROSS, W. A. ; GLENNY, W. E. (eds.) T&T Clark Handbook of Septuagint Research. London: T&T Clark, 2021, 512 p. – ISBN 978-0567680259.

Hoje estudantes e estudiosos reconhecem a grande importância da Septuaginta para a história da língua grega, o desenvolvimento textual da Bíblia e para a vida religiosa judaica e cristã tanto no mundo antigo quanto no mundo moderno. Este manual foi elaborado para aqueles que desejam se envolver com a Septuaginta em suas pesquisas, mas não têm certeza de onde buscar orientação ou discussão concisa e atualizada. Os colaboradores quebram as barreiras envolvidas nos debates técnicos e subespecialidades, tanto quanto possível, equipando os leitores com as ferramentas e o conhecimento necessários para conduzir suas próprias pesquisas.

Cada capítulo é escrito por um importante estudioso da Septuaginta e enfoca uma área relevante de pesquisa na disciplina, fornecendo uma visão geral do tópico,ROSS, W. A. ; GLENNY, W. E. (eds.) T&T Clark Handbook of Septuagint Research. London: T&T Clark, 2021 os principais debates e pontos de vista, os métodos envolvidos e o rumo das pesquisas em andamento. Ao explorar origens, linguagem, texto, recepção, teologia, tradução e comentários, este manual incentiva o envolvimento ativo com as questões mais importantes no campo e fornece um recurso essencial para especialistas e não especialistas.

 

Students and scholars now widely recognize the importance of the Septuagint to the history of the Greek language, the textual development of the Bible, and to Jewish and Christian religious life in both the ancient and modern worlds. This handbook is designed for those who wish to engage the Septuagint in their research, yet have been unsure where to turn for guidance or concise, up-to-date discussion. The contributors break down the barriers involved in the technical debates and sub-specialties as far as possible, equipping readers with the tools and knowledge necessary to conduct their own research.

Each chapter is written by a leading Septuagint scholar and focuses upon a major area of research in the discipline, providing an overview of the topic, key debates and views, a survey or demonstration of the methods involved, and pointers towards ongoing research questions. By exploring origins, language, text, reception, theology, translation, and commentary, with a final summary of the literature, this handbook encourages active engagement with the most important issues in the field and provides an essential resource for specialists and non-specialists alike.

 

SUMÁRIO

Lists of Tables and Figures
Preface – William A. Ross and W. Edward Glenny
Foreword – Robert P. Gordon
Lists of Abbreviations and Sigla

Introduction – William A. Ross

I. ORIGINS
The Origins and Social Context of the Septuagint – James K. Aitken
Septuagint Translation Technique and Jewish Hellenistic Exegesis – Marieke Dhont

II. LANGUAGE
Septuagint Transcriptions and Phonology – Pete Myers
Septuagint Lexicography – Patrick Pouchelle
The Septuagint and Discourse Grammar – Christopher J. Fresch
The Septuagint and Greek Style – Eberhard Bons
The Septuagint and Biblical Intertextuality – Myrto Theocharous

III. TEXT
The Septuagint and Textual Criticism of the Greek Versions – José Manuel Cañas Reíllo
The Septuagint and Textual Criticism of the Hebrew Bible – John Screnock
The Septuagint and Qumran – Gideon R. Kotzé
The Septuagint and the Major Recensions – Ville Mäkipelto
The Septuagint and the Secondary Versions – Claude Cox
The Septuagint and Origen’s Hexapla – Peter J. Gentry
The Septuagint and the Biblical Canon – John Meade

IV. RECEPTION
The Septuagint and Second Temple Judaism – Benjamin G. Wright III
The Septuagint in the New Testament – Steve Moyise
The Septuagint in Patristic Sources – Edmon L. Gallagher
The Septuagint in Byzantine Judaism – Cameron Boyd-Taylor
The Septuagint in the Eastern Orthodox Tradition – Mikhail G. Seleznev
The Septuagint in Early Modern Europe – Scott Mandelbrote

V. THEOLOGY, TRANSLATION, AND COMMENTARY
The Septuagint and Theology – W. Edward Glenny
The Septuagint and Modern Language Translations – William A. Ross
The Septuagint: The Text as Produced – Robert J. V. Hiebert
The Septuagint: A Greek-Text Oriented Approach – Stanley E. Porter

VI. SURVEY OF LITERATURE
The Septuagint and Contemporary Study – Jennifer Brown Jones

Glossary
List of Contributors
References
Indices

 

William A. Ross is assistant professor of Old Testament at Reformed Theological Seminary in Charlotte, NC, USA. W. Edward Glenny is professor of New Testament and Greek at the University of Northwestern – St. Paul, MC, USA.

Uma introdução à gramática do grego bíblico

HARRIS, D. M. An Introduction to Biblical Greek Grammar: Elementary Syntax and Linguistics. Grand Rapids, MI: Zondervan Academic, 2020, 608 p. – ISBN 9780310108573.HARRIS, D. M. An Introduction to Biblical Greek Grammar: Elementary Syntax and Linguistics. Grand Rapids, MI: Zondervan Academic, 2020

Uma introdução à gramática do grego bíblico enfoca os elementos linguísticos e sintáticos do grego koiné. Aproveitando vinte anos de experiência de ensino de grego e os mais recentes desenvolvimentos em linguística e sintaxe, Dana M. Harris apresenta aos alunos conceitos linguísticos básicos e categorias necessárias para compreender o grego de maneira clara e intuitiva. O livro de exercícios e as aulas em vídeo reforçam os conceitos-chave por meio do contato adicional com o material de cada capítulo da gramática. Todos os exercícios do livro foram tirados do Novo Testamento grego e da Septuaginta e incluem extensas notas sintáticas e exegéticas para ajudar os alunos.

An Introduction to Biblical Greek Grammar focuses on the linguistic and syntactic elements of Koine Greek to equip learners for accurate interpretation. Drawing upon twenty years of Greek teaching experience and the latest developments in linguistics and syntax, Harris introduces students to basic linguistic concepts and categories necessary for grasping Greek in ways that are clear and intuitive. This solid HARRIS, D. M. ; WONG, C.-Y An Introduction to Biblical Greek Workbook: Elementary Syntax and Linguistics. Grand Rapids, MI: Zondervan Academic, 2020.foundation enables students first to internalize key concepts, then to apply and build upon them as more complex ideas are introduced.

Several features are specifically designed to aid student’s learning:
. Key concepts are graphically coded to offer visual reinforcement of explanations and to facilitate learning forms and identifying their functions
. Key concepts are followed by numerous examples from the Greek New Testament
. Students learn how to mark Greek texts so that they can begin to “see” the syntax, identify the boundaries of syntactic units, and construct syntactic outlines as part of their preaching or teaching preparation
. Four integrative chapters, roughly corresponding to the midterms and final exams of a two-semester sequence, summarize material to date and reinforce key concepts. Here students are also introduced to exegetical and interpretive concepts and practices that they will need for subsequent Greek studies and beyond
. “Going Deeper” and “For the Curious” offer supplemental information for students interested in learning more or in moving to advanced language study

The accompanying workbook and video lectures (both sold separately) reinforce key concepts through additional contact with the material from each chapter of the grammar. All exercises in the workbook are taken from the Greek New Testament and the Septuagint and include extensive syntactical and exegetical notes to aid students.

Dana M. Harris is associate professor of New Testament at Trinity Evangelical Divinity School in Deerfield, Illinois, USA.

Gramática do Grego do Novo Testamento por Ranjar

RANJAR , C. S. Grammar of New Testament Greek: An Introductory Manual. Rome: Gregorian & Biblical Press, 2020, 392 p. – ISBN 9788876537233.RANJAR , C. S. Grammar of New Testament Greek: An Introductory Manual. Rome: Gregorian & Biblical Press, 2020

Uma gramática introdutória de grego do Novo Testamento. Utilizada pelo autor, professor do Pontifício Instituto Bíblico, em Roma, no curso do primeiro ano.

 

This introductory manual is designed for those students who have little or no previous knowledge of New Testament Greek. Combining basic morphology with elementary syntax, the book helps students achieve a secure understanding of the fundamentals of ancient Greek. The manual consists of 52 lessons, divided into eight units. Each lesson is equipped with a set of vocabulary and exercises chosen from the New Testament. Also included at the end of the book are a series of appendices that present paradigms of the basic verbal conjugations and nominal declensions.

Sobre Clifard Sunil Ranjar, jesuíta indiano, leia aqui. Para uma apresentação dos cursos do corrente ano acadêmico no PIB, leia aqui.

Os nomes dos Magos

Três reis magos: Melquior, Baltazar e Gaspar?

PANAINO, A. I nomi dei magi evangelici. Un’indagine storico-religiosa. Con contributi di Andrea Gariboldi, Jeffrey Kotyk, Paolo Ognibene e Alessia Zubani. Milano: Mimesis, 2020, 150 p. – ISBN 9788857571171.

Embora os nomes e o número dos Magos não apareçam em Mateus 2,1-12, as tradições apócrifas estabeleceram que eram três e se chamavam Gaspar, Melquior e Baltazar. Mas estesPANAINO, A. I nomi dei magi evangelici. Un'indagine storico-religiosa. Con contributi di Andrea Gariboldi, Jeffrey Kotyk, Paolo Ognibene e Alessia Zubani. Milano: Mimesis, 2020 não são nem os únicos nem os mais antigos nomes destes célebres personagens. Este livro em italiano propõe uma investigação preliminar sobre a história das origens desta complexa tradição onomástica atestada em diferentes línguas e culturas, tanto no Oriente quanto no Ocidente.

Sumário
. Antonio Panaino: I nomi dei Magi Evangelici
. Alessia Zubani: Nomina nuda tenemus. L’onomastica dei Magi Evangelici
. Andrea Gariboldi: Le monete indo-partiche di Gondophares
. Jeffrey Kotyk: La nascita di Cristo e i portatori di doni persiani nelle fonti cinesi medievali
. Paolo Ognibene: Mt 2,1-12 in osseto

 

Sebbene i nomi propri dei Magi non compaiano affatto nella pericope di Matteo 2,1-12, le tradizioni apocrife ne hanno fissati in particolare tre, Gaspare, Melchiorre e Baldassarre, che però non sono affatto né gli unici, né, in tale versione, i più antichi; così come il numero dei Magi non è mai indicato nel Vangelo, lo stesso dicasi per i loro nomi, che vanno da tre a dodici. Il presente saggio propone un’indagine preliminare sulla storia delle origini di tale complessa tradizione onomastica attestata in lingue e culture diverse, tra Oriente e Occidente, nel mondo Tardo Antico e Medievale, sulle tracce di intricati percorsi della spiritualità antica e della propaganda cristiana, che proprio grazie alla figura dei Magi evangelici poté elaborare un importante mezzo di dialogo e di promozione interculturale. Il testo è corredato di tavole sinottiche (a cura di A. Zubani) e di un’appendice sul testo osseto di Matteo 2,1-12 (P. Ognibene), nonché di due brevi saggi, uno sulla monetazione indo-partica dei Gondofaridi (A. Gariboldi), la cui storia risulta connessa alla figura di Gaspare, l’altro sull’immagine dei Magi evangelici nella ricezione cinese (J. Kotyk).

 

Although the proper names of the Magi do not appear at all in Matthew 2,1-12, the apocryphal traditions have established three names in particular, Gaspar, Melchior and Balthazar. However, they are by no means the only ones, as the number of the Magi was never indicated in the Gospels, the same applies to their names, which range from three to twelve. The present essay proposes a preliminary investigation into the history of the origins of this complex onomastic tradition attested in different languages and cultures, between East and West, in the Late Ancient and Medieval world, on the traces of intricate paths of ancient spirituality and Christian propaganda, which thanks to the figure of the evangelical Magi was able to develop an important means of dialogue and intercultural promotion. The text is accompanied by synoptic tables (edited by A. Zubani) and an appendix on the Ossetian text of Matthew 2,1-12 (P. Ognibene), as well as two short essays, one on the Indo-Parthian coinage of the Gondofaridi (A. Gariboldi), whose history is linked to the figure of Gaspar, the other on the image of the Evangelical Magi in the Chinese reception (J. Kotyk).

Antono Panaino is Full Professor of Iranian Studies at the University of Bologna, Italy, Department of Cultural Heritage, since 2000.

Antonio Clemente Domenico Panaino é Professor de Estudos Iranianos na Universidade de BolonhaAntonio Clemente Domenico Panaino (1961- ), Itália. Especialista em filologia, linguística e história político-religiosa do Irã pré-islâmico. Sobre os Magos, publicou também I Magi evangelici. Storia e simbologia tra Oriente e Occidente (2004) e I Magi e la loro stella. Storia, scienza e teologia di un racconto evangelico (2012).

 

Em meu artigo A visita dos Magos: Mt 2,1-12, publicado em 2002, escrevi, entre outras coisas, o seguinte:

Três reis magos: Melquior, Baltazar e Gaspar? Os presentes dos magos em Mt 2,11 – ouro, incenso e mirra – representam para o evangelista as riquezas orientais. É possível que Mateus não visse aqui nenhum simbolismo especial na escolha de cada um deles (…) Mas a tradição posterior desenvolveu toda uma história sobre os magos a partir dos presentes.

Os Padres da Igreja, por exemplo: Tertuliano os chama de reis, Justino Mártir, Tertuliano e Epifânio, sabedores da origem dos presentes, dizem que eles vêm da Arábia… (embora outros Padres achem que eles vêm da Pérsia, como Clemente de Alexandria, Cirilo de Alexandria, São João Crisóstomo, Orígenes…).

Os Evangelhos Apócrifos expandem muito a tradição sobre os magos (…) Um texto siríaco do século VI, chamado A Caverna dos Tesouros, nomeia os magos como Hormizdah, rei da Pérsia, Yazdegerd, rei de Sabá e Perozadh, rei de Seba. O Excerpta Latina Barbari, um manuscrito latino traduzido do grego, do século VI, conservado na Biblioteca Nacional de Paris, nomeia os magos como Bithisarea, Meliquior e Gathaspa. Um tratado atribuído a Beda, O Venerável (monge do mosteiro de Jarrow, Inglaterra, ca. 673-735), chamado Excerpta et Collectanea chama os magos de Melquior, Gaspar e Baltazar. E foram estes os nomes que prevaleceram. O Evangelho Armênio da Infância [23] diz em V,10: “Os reis dos magos eram três irmãos: o primeiro Melquior (Melcon), reinava sobre os persas; o segundo, Baltazar, reinava na Índia; o terceiro, Gaspar, reinava no país dos árabes”.

Nas pinturas, em alguns momentos os magos foram representados pelos cristãos como sendo doze, em outros quatro, em outros ainda dois… Acabaram tornando-se santos, como no famoso mosaico do século VI da igreja de Santo Apolinário Novo em Ravenna, na Itália, onde acima de suas figuras se lê SCS. (= Sanctus) Baltazar, SCS. Melquior, SCS. Gaspar.

Quando o veneziano Marco Polo (ca.1254-ca.1324) viajou para a Pérsia, as tumbas dos magos lhe foram mostradas, com seus corpos perfeitamente conservados… Competindo com esta tradição, diz outra que o Imperador Zeno recuperou as relíquias dos magos em 490, em Hadramaut, na Arábia do sul. De Constantinopla elas foram para Milão. Quando o Imperador alemão Frederico I Barba-Ruiva (1152-1190) conquistou Milão, seu chanceler Reinald von Dassel, conseguiu levar as relíquias dos magos para sua cidade natal, Colônia. Assim, os magos, depois de tantas andanças, descansam em paz na famosa catedral gótica de Colônia, Alemanha, desde 1164…