Cultos e cultura indígena

Religiosos prometem respeitar culto e cultura indígena
Pastores de igrejas evangélicas, pentecostais, neopentecostais e da Igreja Católica comprometeram-se, junto ao Ministério Público do Mato Grosso do Sul em Dourados a respeitar a liberdade cultural indígena, capacitar pessoas que atuam nas aldeias e limitar os níveis de som durante os cultos e eventos que organizam nas comunidades locais. A notícia é da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação – ALC -, 29-05-2008.

Duas delegações guaranis procuraram o escritório local da Fundação Nacional do Índio (Funai) com a finalidade de se queixar de pastores evangélicos, pois demonizam cultos indígenas e qualificam o “nhanderu” (líder religioso indígena) de enviado do diabo.

Segundo os índios, pastores dizem que “nosso trabalho, nossa reza, nossa dança é anhá – coisa ruim, do demônio -, e o urucum que nós usa no rosto, dizem que é bosta do rabudo, do Satanás”, contou o nahnderu guarani-caiuá Getúlio de Oliveira, um dos que foi procurar a Funai.

Nas contas dele, a reserva guarani de Dourados, com uma área de 3,4 mil hectares, onde vivem 12 mil índios, abriga 36 templos evangélicos, o que dá a média de uma igreja para cada grupo de 330 índios. Dourados fica a 224 km de Campo Grande, capital do Estado do Mato Grosso do Sul.

A primeira cláusula do “Termo de ajustamento de conduta”, assinado no dia 5 de maio na 10ª Promotoria de Justiça de Dourados, compromete os signatários do documento a observarem a liberdade cultural nas aldeias Bororó, Jaguapiru e Panambizinho, que integram a reserva de Dourados, “respeitando todas as danças e rezas típicas”. O descumprimento de alguma cláusula implicará multa ao infrator.

Assinaram o Termo de ajustamento os representantes das igrejas presentes nas aldeias indígenas de Dourados: Pentecostal Indígena de Jesus; Evangélica Casa do Oleiro; Pentecostal Avivamento da Última Hora; Pentecostal Cantares de Salomão; Assembléia de Deus; Nova Jerusalém Indígena; Pentecostal Jesus é o Caminho Indígena; Pentecostal de Jesus Cristo; Pentecostal Alicerce de Fogo; Congregação Cristã do Brasil; Pentecostal Indígena Jesus é a Luz; Evangélica Pentecostal Estrela da Manhã; Evangélica Pentecostal Deus é o Amanhã; Pentecostal Deus é Amor; Maranatha; Luz e Amor; Centro de Formação Nossa Senhora Guadalupe, da Igreja Católica; União das Famílias Indígena Jaguapiru; Missão Metodista Tapeporã; Missão Evangélica Caiuá, da Igreja Presbiteriana.

 

Religiosos prometen respetar culto y cultura indígena
Pastores de iglesias evangélicas, pentecostales, neopentecostales y de la Iglesia Católica se comprometieron, junto al Ministerio Público del Mato Grosso del Sur, a respetar la libertad cultural indígena, capacitar personas que actúan en las aldeas y limitar los niveles de sonido durante los cultos y eventos que organizan en las comunidades locales.

Campo Grande, jueves, 29 de mayo de 2008

Dos delegaciones guaraníes concurrieron a la oficina local de la Fundación Nacional del Indígena (Funai) con la finalidad de quejarse de pastores evangélicos, que demonizan los cultos indígenas y califican al “nhanderu” (líder religioso indígena) de enviado del diablo.

Según los indígenas, pastores dicen que “nuestro trabajo, nuestra oración, nuestra danza es cosa ruin, del demonio -, y el urucum que nosotros usamos en el rostro, dicen que es bosta del rabudo, de Satanás”, contó el nahnderu guaraní-caiuá Getúlio de Oliveira, en uno de los hechos denunciados al Funai.

En números de la comunidad, la reserva guaraní de Dourados, cuenta con un área de 3,4 mil hectáreas, donde viven 12 mil indígenas, abriga 36 templos evangélicos, lo que da la media de una iglesia para cada grupo de 330 indígenas. Dourados dista a 224 kilómetros de Campo Grande, capital del Estado del Mato Grosso del Sur.

La primera cláusula del “Término de ajustamiento de conducta”, firmado el día 5 de mayo en la 10ª Promotora de Justicia de Dourados, compromete a los firmantes del documento a observar la libertad cultural en las aldeas Bororó, Jaguapiru y Panambizinho, que integran la reserva de Dourados, “respetando todas las danzas y rezos típicos”. El incumplimiento de alguna cláusula implicará multa al infractor.Suscribieron el Término de ajustamiento los representantes de las iglesias presentes en las aldeas indígenas de Dourados: Pentecostal Indígena de Jesús; Evangélica Casa del Alfarero; Pentecostal Avivamiento de la Última Hora; Pentecostal Cantares de Salomón; Asamblea de Dios; Nueva Jerusalén Indígena; Pentecostal Jesús es el Camino Indígena; Pentecostal de Jesucristo; Pentecostal Cimiento de Fuego; Congregación Cristiana del Brasil; Pentecostal Indígena Jesús es la Luz; Evangélica Pentecostal Estrella de la Mañana; Evangélica Pentecostal Dios es el Mañana; Pentecostal Dios es Amor; Maranatha; Luz es Amor; Centro de Formación Nuestra Señora Guadalupe, de la Iglesia Católica; Unión de las Familias Indígenas Jaguapiru; Misión Metodista Tapeporã; Misión Evangélica Caiuá, de la Iglesia Presbiteriana.

Fonte: O texto foi transcrito na íntegra de IHU On-Line: 30/05/2008 e da ALC – Agencia Latinoamericana y Caribeña de Comunicación: 29 de mayo de 2008.

Martini pede a reforma da Igreja

Juan G. Bedoya, em El País, nos mostra que o recém-lançado livro do cardeal Carlo Martini, Jerusalemer Nachtgespräche – Colóquios noturnos em Jerusalém -, continua a repercutir.

Leia o artigo em El País: Martini pide la reforma de la Iglesia: Madrid, 25/05/2008.

“La Iglesia debe tener el valor de reformarse”. Ésta es la idea fuerza del cardenal Carlo Maria Martini (Turín, 1927), uno de los grandes eclesiásticos contemporáneos. Con elogios al reformador protestante Martín Lutero, el cardenal le pide a la Iglesia católica “ideas” para discutir hasta la posibilidad de ordenar a viri probati (hombres casados, pero de probada fe), y a mujeres. También reclama una encíclica que termine con las prohibiciones de la Humanae Vitae, emitida por Pablo VI en 1968 con severas censuras en materia de sexo.

El cardenal Martini ha sido rector de la Universidad Gregoriana de Roma, arzobispo de la mayor diócesis del mundo (Milán) y papable. Es jesuita, publica libros, escribe en los periódicos y debate con intelectuales. En 1999 pidió ante el Sínodo de Obispos Europeos la convocatoria de un nuevo concilio para concluir las reformas aparcadas por el Vaticano II, celebrado en Roma entre 1962 y 1965. Ahora vuelve a la actualidad porque se publica en Alemania (por la editorial Herder) el libro Coloquios nocturnos en Jerusalén, a modo de testamento espiritual del gran pensador. Lo firma Georg Sporschill, también jesuita.

Sin tapujos, lo que reclama Martini a las autoridades del Vaticano es coraje para reformarse y cambios concretos, por ejemplo, en las políticas del sexo, un asunto que Carlo Maria Martini (1927-2012)siempre desata los nervios y las iras en los papas desde que son solteros.

El celibato, sostiene Martini, debe ser una vocación porque “quizás no todos tienen el carisma”. Espera, además, la autorización del preservativo. Y ni siquiera le asusta un debate sobre el sacerdocio negado a las mujeres porque “encomendar cada vez más parroquias a un párroco o importar sacerdotes del extranjero no es una solución”. Le recuerda al Vaticano que en el Nuevo Testamento había diaconesas.

Son varios los periódicos europeos que ya se han hecho eco de la publicación de Coloquios nocturnos en Jerusalén, subrayando la exhortación del cardenal a no alejarse del Concilio Vaticano II y a no tener miedo de “confrontarse con los jóvenes”.

Precisamente, sobre el sexo entre jóvenes, Martini pide no derrochar relaciones y emociones, aprendiendo a conservar lo mejor para la unión matrimonial. Y rompe los tabúes de Pablo VI, Juan Pablo II y el papa actual, Joseph Ratzinger. Dice: “Por desgracia, la encíclica Humanae Vitae ha tenido consecuencias negativas. Pablo VI evitó de forma consciente el problema a los padres conciliares. Quiso asumir la responsabilidad de decidir a propósito de los anticonceptivos. Esta soledad en la decisión no ha sido, a largo plazo, una premisa positiva para tratar los temas de la sexualidad y de la familia”.

El cardenal pide una “nueva mirada” al asunto, cuarenta años después del concilio. Quien dirige la Iglesia hoy puede “indicar una vía mejor que la propuesta por la Humanae Vitae”, sostiene.

Sobre la homosexualidad, el cardenal dice con sutileza: “Entre mis conocidos hay parejas homosexuales, hombres muy estimados y sociales. Nunca se me ha pedido, ni se me habría ocurrido, condenarlos”.

Martini aparece en el libro con toda su personalidad a cuestas, de una curiosidad intelectual sin límites. Hasta el punto de reconocer que cuando era obispo le preguntaba a Dios: “¿Por qué no nos ofreces mejores ideas? ¿Por qué no nos haces más fuertes en el amor y más valientes para afrontar los problemas actuales? ¿Por qué tenemos tan pocos curas?”

Hoy, retirado y enfermo -acaba de dejar Jerusalén, donde vivía dedicado a estudiar los textos sagrados, para ser atendido por médicos en Italia-, se limita a “pedir a Dios” que no le abandone.

Además del elogio a Lutero, el cardenal Martini desvela sus dudas de fe, recordando las que tuvo Teresa de Calcuta. También habla de los riesgos que un obispo tiene que asumir, en referencia a su viaje a una cárcel para hablar con militantes del grupo terrorista Brigadas Rojas. “Los escuché y rogué por ellos e incluso bauticé a dos gemelos hijos de padres terroristas, nacidos durante un juicio”, relata.

“He tenido problemas con Dios”, confiesa en un determinado momento. Fue porque no lograba entender “por qué hizo sufrir a su Hijo en la cruz”. Añade: “Incluso cuando era obispo algunas veces no lograba mirar un crucifijo porque la duda me atormentaba”. Tampoco lograba aceptar la muerte. “¿No habría podido Dios ahorrársela a los hombres después de la de Cristo?” Después entendió. “Sin la muerte no podríamos entregarnos a Dios. Mantendríamos abiertas salidas de seguridad. Pero no. Hay que entregar la propia esperanza a Dios y creer en él”.

Desde Jerusalén la vida se ve de otra manera, sobre todo las parafernalias de Roma. Martini lo cuenta así: “Ha habido una época en la que he soñado con una Iglesia en la pobreza y en la humildad, que no depende de las potencias de este mundo. Una Iglesia que da espacio a las personas que piensan más allá. Una Iglesia que transmite valor, en especial a quien se siente pequeño o pecador. Una Iglesia joven. Hoy ya no tengo esos sueños. Después de los 75 años he decidido rogar por la Iglesia”.

 

Leia a tradução em IHU On-Line de 27/05/2008: Martini pede a reforma da Igreja.

“A Igreja deve ter o valor de se reformar.” Essa é a idéia principal do cardeal Carlo Maria Martini (nascido em Turim em 1927), um dos grandes eclesiásticos contemporâneos. Com elogios ao reformador protestante Martinho Lutero, o cardeal pede à Igreja Católica “idéias” para discutir, até a possibilidade de ordenar “viri probati” (homens casados, mas de fé comprovada) e mulheres. Também pede uma encíclica que termine com as proibições da Humanae Vitae, emitida por Paulo 6º em 1968 com severas censuras em matéria de sexo.

O cardeal Martini foi reitor da Universidade Gregoriana de Roma, arcebispo da maior diocese do mundo (Milão) e papável. É jesuíta, publica livros, escreve em jornais e debate com intelectuais. Em 1999 pediu diante do Sínodo de Bispos Europeus a convocação de um novo concílio para concluir as reformas postergadas pelo Vaticano II, realizado em Roma entre 1962 e 1965. Agora volta à atualidade porque se publica na Alemanha (pela editora Herder) o livro “Colóquio Noturnos em Jerusalém”, como testamento espiritual do grande pensador. É assinado por Georg Sporschill, também jesuíta.

Sem disfarces, o que Martini pede às autoridades do Vaticano é coragem para reformar-se e mudanças concretas, por exemplo, nas políticas sobre o sexo, um assunto que sempre desata os nervos e as iras dos papas, já que são solteiros.

O celibato, afirma Martini, deve ser uma vocação, porque “talvez nem todos tenham o carisma”. Espera também a autorização do preservativo. E nem sequer o assusta um debate sobre o sacerdócio negado às mulheres, porque “encomendar cada vez mais paróquias a um pároco ou importar sacerdotes do estrangeiro não é uma solução”. Lembra ao Vaticano que no Novo Testamento havia diaconisas.

Vários jornais europeus divulgaram a publicação de “Colóquios Noturnos em Jerusalém”, salientando a exortação do cardeal a não se afastar do concílio Vaticano II e a não ter medo de “confrontar-se com os jovens”.

Exatamente sobre o sexo entre jovens, Martini pede para não desperdiçar relações e emoções, aprendendo a conservar o melhor para a união matrimonial. E rompe os tabus de Paulo 6º, João Paulo 2º e o atual papa, Joseph Ratzinger. Diz: “Infelizmente, a encíclica Humanae Vitae teve conseqüências negativas. Paulo 6º evitou de forma consciente o problema para os padres conciliares. Quis assumir a responsabilidade de decidir sobre os anticoncepcionais. Essa solidão na decisão não foi, em longo prazo, uma premissa positiva para tratar dos temas da sexualidade e da família.”

O cardeal pede um “novo olhar” para o assunto, 40 anos depois do concílio. Quem dirige a Igreja hoje pode “indicar uma via melhor do que a proposta pela Humanae Vitae”, afirma.

Sobre a homossexualidade, o cardeal diz com sutileza: “Entre meus conhecidos há casais homossexuais, homens muito estimados e sociais. Nunca me pediram, nem teria me ocorrido, condená-los.”

Martini aparece no livro com toda a sua personalidade, de uma curiosidade intelectual sem limites. A ponto de reconhecer que quando era bispo perguntava a Deus: “Por que não nos dá idéias melhores? Por que não nos faz mais fortes no amor e mais valentes para enfrentar os problemas atuais? Por que temos tão poucos padres?”

Hoje, aposentado e doente – acaba de deixar Jerusalém, onde vivia dedicado a estudar os textos sagrados, para ser tratado por médicos na Itália -, limita-se a “pedir a Deus” que não o abandone.

Além do elogio a Lutero, o cardeal Martini revela suas dúvidas de fé, lembrando as que teve Teresa de Calcutá. Também fala sobre os riscos que um bispo tem de assumir, referindo-se a sua viagem a uma prisão para falar com militantes do grupo terrorista Brigadas Vermelhas. “Os escutei e roguei por eles e inclusive batizei dois gêmeos filhos de pais terroristas, nascidos durante um julgamento”, relata.

“Eu tive problemas com Deus”, confessa em determinado momento. Foi por não conseguir entender “por que fez seu filho sofrer na cruz”. Acrescenta: “Inclusive quando era bispo algumas vezes não conseguia olhar para o crucifixo porque a dúvida me atormentava”. Também não conseguia aceitar a morte. “Deus não poderia tê-la poupado aos homens, depois da de Cristo?” Depois entendeu. “Sem a morte não poderíamos nos entregar a Deus. Manteríamos abertas saídas de segurança. Mas não. É preciso entregar a própria esperança a Deus e crer nele.”

De Jerusalém a vida se vê de outra maneira, sobretudo as parafernálias de Roma. É o que conta Martini: “Houve uma época em que eu sonhei com uma Igreja na pobreza e na humildade, que não dependesse das potências deste mundo. Uma Igreja que desse espaço para as pessoas que pensam mais além. Uma Igreja que transmitisse valor, especialmente a quem se sente pequeno ou pecador. Uma Igreja jovem. Hoje já não tenho esses sonhos. Depois dos 75 anos decidi rezar pela Igreja”.

Nunca mais o “erro de Galileu”
O cardeal Martini sempre se empenhou em estabelecer um terreno comum de discussão entre leigos e católicos, confrontando também aqueles pontos nos quais não há consenso possível. Com essa intenção abriu um dos debates mais saborosos entre intelectuais contemporâneos, publicado em 1995 na Itália com o título de “In cosa crede qui non crede?” (Em que crêem os que não crêem?). Tratava-se de uma série de cartas trocadas entre o cardeal e o escritor Umberto Eco, sobre temas como quando começa a vida humana, o sacerdócio negado à mulher, a ética, ou como encontrar, o laico, a luz do bem. Um setor da hierarquia católica assistiu à controvérsia com indisfarçável incômodo, mas uma década depois o mesmo cardeal Ratzinger, hoje papa Bento 16, enfrentou um debate semelhante com o filósofo alemão Jürgen Habermas sobre a relação entre fé e razão.

O cardeal Martini lamentou em 1995 que sua Igreja vivesse mergulhada em “desolada resignação sobre o presente”. Também admitiu diante de Eco o medo da ciência e do futuro. Então o fez “com tesouros de sutileza”, ele mesmo reconheceu. Dava como testemunho a prudência de Tomás de Aquino em semelhantes compromissos, por medo de Roma, que esteve a ponto de castigar quem hoje é um de seus guias mais ilustres.

O cardeal, já aposentado – quer dizer, mais livre do que quando exercia responsabilidades hierárquicas -, se expressa no novo livro com a sutileza que usou no debate com Umberto Eco, mas coloca sobre a mesa pontos de vista surpreendentes para seus pares, como o controle da natalidade e os preservativos. Soam também como chicotadas seus elogios a Martinho Lutero e o desafio a Roma para que empreenda com coragem algumas das reformas que o frade alemão reclamou em seu tempo.

No fundo de suas manifestações de hoje, em que o cardeal às vezes parece angustiado – com um sentimento mais trágico de sua fé -, surge o debate interminável do confronto entre a Igreja de Roma e a ciência e o pensamento moderno. Novamente é um jesuíta quem volta a colocar a discussão, para desgosto do Vaticano. A vantagem de Martini é que não está mais ao alcance de nenhuma pedrada. O também jesuíta George Tyrrell, o erudito tomista irlandês, foi castigado sem contemplações e suspenso de seus sacramentos. Inclusive teve negada sua sepultura em um cemitério católico quando morreu em 1909. Seu pecado: reivindicar, como Martini, o direito de cada época a “adaptar a expressão do cristianismo às certezas contemporâneas, para apaziguar o conflito absolutamente desnecessário entre fé e ciência, que é um mero espantalho teológico.”

O que buscam todos esses pensadores católicos é espantar qualquer risco de cometer outra vez o erro de Galileu. É outra exigência do cardeal.

Leonardo Boff critica recuo de Clodovis Boff

Pelos pobres contra a estreiteza do método. Um artigo de Leonardo Boff

“Dizendo diretamente: o texto de Clodovis causa perplexidade e perturbação. A coisa não pode ser assim como ele a expõe e critica. Seguramente a maioria dos teólogos da libertação que conheço não se sentiriam ai representados. Ademais, o autor assume uma postura magisterial que caberia melhor às autoridades doutrinárias que a um teólogo, frater inter fratres”. O comentário é de Leonardo Boff, teólogo, referindo-se ao artigo de Clodovis Boff, também teólogo, publicado na Revista Eclesiástica Brasileira vol. 67, n. 268, de setembro de 2007 [Teologia da Libertação e volta ao fundamento]. Uma síntese foi publicada nas Notícias do Dia, 04-05-2008 [Documento de Aparecida faz a Teologia da Libertação ‘voltar ao fundamento’, afirma Clodovis Boff]. Recebemos e publicamos o artigo de Leonardo Boff, na íntegra.

 

Destaco cinco trechos no artigo de Leonardo Boff:

“Nos últimos tempos se notou um certo recuo em sua atividade e reflexão, por razões que só a ele cabe dar. O texto que analisaremos (…) dedicado a análises da V Conferência do Episcopado Latino-americano e Caribenho, em Aparecida, revela traços claros deste recuo”.

“A minha suspeita é de que as criticas suscitadas por Clodovis Boff à Teologia da Libertação forneçam às autoridades eclesiásticas locais e romanas as armas para condená-la novamente e, quem sabe, bani-la definitivamente do espaço eclesial. Como as criticas devastadoras provém de dentro, de um de seus mais reconhecidos formuladores, elas podem prestar-se a tal intento infeliz. A impressão que sua argumentação provoca é de alguém que se despediu e já emigrou da Teologia da Libertação, daquela ‘realmente existente’ que, na verdade, é a única que existe e se pratica nas Igrejas. Esta teologia é atacada em seu núcleo definidor porque cometeu, segundo ele, um ‘erro de princípio, grave para não dizer fatal…falha ‘mortal’ que, levada a termo, termina pela morte da Teologia da Libertação’ (REB 1004 e 1006). Esse erro fatal – pasmem – é de ela ter colocado o pobre como ‘primeiro princípio operativo da teologia’, ou de ter substituído Deus ou Cristo pelo pobre (REB 1004). Afirma ainda que ‘do erro de princípio só podem provir efeitos funestos’. Acena para a contaminação em curso de toda ‘pastoral da libertação’ nomeadamente ‘as pastorais sociais’. Por causa deste erro fatal, se instrumentalizou a fé, fé-la cair no utilitarismo e no funcionalismo, ocasionou seu enredamento com a modernidade antropologizante e secularista, pondo em risco a identidade cristã ‘no plano teológico, eclesial e da própria fé’ (REB 1007). Tais acusações são de grande monta e nos lembram os textos acusatórios de figadais inimigos da Teologia da Libertação dos anos 80 do século XX. E pour cause!”

“Podemos imaginar que os que condenaram a Jon Sobrino (Clodovis aprova a Notificação romana), a Gustavo Gutiérrez, a Ivone Gebara, a Marcelo Barros, a José Maria Vigil, a Juan José Tamayo, a Castillo, a Dupuis e a Küng entre outros, se acercarão de Clodovis e lhe dirão satisfeitos e com o peito inflado de fervor doutrinário: ‘Bravo, irmão. Enfim alguém que teve a coragem de desmascarar os equívocos e os graves e fatais erros da Teologia da Libertação'”.

“Por isso, julgo que esta posição de Clodovis tem que ser refutada com argumentos bem fundados, por ser equivocada, teologicamente errônea e pastoralmente danosa. Não apenas por interesses da pastoral e de política eclesiástica mas por razões internas da teologia. Na minha avaliação, suas insuficiências teóricas e teológicas são tantas que invalidam o peso de seus argumentos”.

“Há três ausências que tiram sustentabilidade à sua reflexão: a ausência de uma adequada teologia da encarnação; a ausência do sentido singular de pobre dado pela Teologia da Libertação; e a ausência de uma teologia do Espírito Santo…”

Leia o texto completo.

Lembro que Leonardo Boff e Clodovis Boff são irmãos e estão entre os mais extraordinários teólogos brasileiros da atualidade.

Leia Mais:
Bibliografia de Leonardo Boff
Bibliografia de Clodovis Boff

Philip R. Davies: Memórias do Antigo Israel

Vem aí, lá pelo fim de outubro, começo de novembro, mais um livro de Philip R. Davies sobre a espinhosa tarefa que se tornou hoje a escrita de uma História de Israel:

DAVIES, P. R. Memories of Ancient Israel: An Introduction to Biblical History – Ancient and Modern. Louisville, KY: Westminster John Knox Press, 2008, 208 p. – ISBN 9780664232887.

A descrição do livro:
“Recent years have seen an explosion of writing on the history of Israel, prompted largely by definitive archaeological surveys and attempts to write a genuine archaeological history of ancient Israel and Judah. The scholarly world has also witnessed an intense confrontation between so-called minimalists and maximalists over the correct approach to the historicity of the Bible. Memories of Ancient Israel looks at the issues at stake in doing biblical history the ideologies involved, the changing role of archaeology, and the influence of cultural contexts, both ancient and modern. Davies suggests a different way of defining the problem of reliability and historicity by employing the theory of cultural memory [sublinhado meu]. In doing so, he provides a better explanation of how ancient societies constructed their past but also a penetrating insight into the ideological underpinnings of today’s scholarly debates”.

Ancient Languages of Syria-Palestine and Arabia

Em 2004 foi publicada uma aclamada enciclopédia das Línguas Antigas do Mundo, The Cambridge Encyclopedia of the World’s Ancient Languages, obra dirigida por Roger D. Woodard, Professor of Classics at the State University of New York, Buffalo.

Pois vejo agora que, em maio de 2008, foram publicados alguns volumes derivados da enciclopédia, e que tratam de línguas de regiões específicas, como as Línguas Antigas da Síria-Palestina e da Arábia e as Línguas Antigas da Mesopotâmia, do Egito e de Aksum [que fica na Etiópia]. Isto facilita a aquisição! As descrições abaixo são da página da Amazon.com.

WOODARD, R. D. (ed.) The Ancient Languages of Syria-Palestine and Arabia. New York: Cambridge University Press, 2008, 282 p. – ISBN 9780521684989.

“This book, derived from the acclaimed Cambridge Encyclopedia of the World’s Ancient Languages, describes the ancient languages of Syria-Palestine and Arabia, for the convenience of students and specialists working in that area. Each chapter of the work focuses on an individual language or, in some instances, a set of closely related varieties of a language. Providing a full descriptive presentation, each of these chapters examines the writing system(s), phonology, morphology, syntax and lexicon of that language, and places the language within its proper linguistic and historical context. The volume brings together an international array of scholars, each a leading specialist in ancient language study. While designed primarily for scholars and students of linguistics, this work will prove invaluable to all whose studies take them into the realm of ancient language”. Roger D. Woodard is the Andrew V.V. Raymond Professor of Classics at the State University of New York, Buffalo.

WOODARD, R. D. (ed.) The Ancient Languages of Mesopotamia, Egypt and Aksum. New York: Cambridge University Press, 2008, 272 p. – ISBN 9780521684972.

“This book, derived from the acclaimed Cambridge Encyclopedia of the World’s Ancient Languages, describes the ancient languages of Mesopotamia, Egypt and Aksum, for the convenience of students and specialists working in that area. Each chapter of the work focuses on an individual language or, in some instances, a set of closely related varieties of a language. Providing a full descriptive presentation, each of these chapters examines the writing system(s), phonology, morphology, syntax and lexicon of that language, and places the language within its proper linguistic and historical context. The volume brings together an international array of scholars, each a leading specialist in ancient language study. While designed primarily for scholars and students of linguistics, this work will prove invaluable to all whose studies take them into the realm of ancient language”.

Enfim, a enciclopédia:

WOODARD, R. D. (ed.) The Cambridge Encyclopedia of the World’s Ancient Languages. New York: Cambridge University Press, 2004, 1182 p. – ISBN 9780521562560.

“Choice Outstanding Academic Title of 2006 The Cambridge Encyclopedia of the World’s Ancient Languages is the first comprehensive reference work treating all of the languages of antiquity. Clear and systematic in its approach, the Encyclopedia combines full linguistic coverage of all the well-documented ancient languages, representing numerous language families from around the globe. Each chapter focuses on an individual language or, in some instances, a set of closely related varieties of a language. Providing a full descriptive presentation, each of these chapters examines the writing system(s), phonology, morphology, syntax and lexicon of that language, and places the language within its proper linguistic and historical context. The Encyclopedia brings together an international array of scholars, each a leading specialist in ancient language study. While designed primarily for linguistic professionals and students, this work is invaluable to all whose studies take them into the realm of ancient language”.

A Igreja Latino-Americana de Medellín a Aparecida

De Medellín a Aparecida: marcos, trajetórias e perspectivas da Igreja Latino-Americana

Em 2008, completam-se 40 anos de realização da Segunda Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, realizada em Medellín, na Colômbia de 24 de agosto a 6 de setembro de 1968. Celebrando os quarenta anos da realização deste importante evento da Igreja Latino-Americana, o Instituto Humanitas Unisinos realizará um Curso de Extensão, propondo um estudo e análise sobre as Conferências Episcopais de Medellín, Puebla, Santo Domingo e Aparecida e suas contribuições para a atuação da Igreja na América Latina.

O curso começa em 13 de junho e termina em 17 de outubro de 2008.

Entre os conferencistas estão: Prof. Dr. Inácio Neutzling – Unisinos; Prof. Dr. Joseph Comblin – Instituto Teológico do Recife; Prof. Dr. João Batista Libânio – FAJE/BH; Prof. Dr. Paulo Suess – CIMI; Prof. Dr. Benedito Ferraro – PUC-Campinas; Prof. Dr. Alfredo Santiago Culleton – Unisinos; Prof. MS. Vanildo Luis Zugno – ESTEF; Profa. Dra. Ana Maria de Azeredo Lopes Tepedino – PUC-Rio; Ir. Antônio Cechin e Prof. Dr. Ivo Lesbaupin – ISER/RJ.

 

Medellín e a Igreja na América Latina

A teóloga italiana Silvia Scatena repercute a herança desta grande conferência episcopal, considerando a passagem do seu 40º aniversário

“Medellín não teria sido possível – no modo em que se realizou concretamente – sem esta ‘força tarefa’, constituída por bispos que, em muitos casos, são figuras relativamente isoladas no interior das respectivas hierarquias nacionais.” A afirmação é da teóloga italiana Silvia Scatena, em entrevista concedida por e-mail para a IHU On-Line. Em suas respostas, ela fala sobre a importância da Conferência de Medellín para a Igreja Latino-Americana e constata que a grandeza da referida conferência foi “a capacidade de confrontar-se com a realidade histórica, na qual também se individualiza, além disso, a única condição de uma autêntica comunhão com a igreja universal”. A Prof.ª Dr.ª Silvia Scatena é professora no Instituto per le Scienze Religiose (ISR), com sede em Bolonha (Itália). Confira a entrevista.

IHU On-Line – Que traços sociológicos e eclesiais tornaram possível a realização da Conferência Episcopal de Medellín em 1968?
Silvia Scatena – A conferência de Medellín é, em muitos aspectos, o fruto do encontro entre as transformações da sociedade latino-americana no decurso dos anos 1960 e a renovação teológica realizada e veiculada pelo Concílio Vaticano II. A conferência de 1968 não pode ser compreendida sem considerarmos, contextualmente, estes dois “movimentos” complexos: a modernização (ou atualização) conciliar, por um lado, e, por outro, os processos políticos e socioeconômicos em ação, embora de modo diverso, diante das diferentes latitudes do continente latino-americano. Aqui me refiro, por exemplo, às migrações internas e ao fenômeno do crescimento irrompente da urbanização, na afirmação de uma “internacional militar”, na crise dos projetos desenvolvimentistas. Permanecendo no terreno eclesial, é preciso, por outro lado, considerar um elemento decisivo e inédito: a condução do organismo continental do episcopado da parte de um grupo de bispos habituados ao trabalho de “esquadra” da visão continental e da capacidade profética, que fazem da recepção das novidades conciliares no concreto da situação latino-americana sua prioridade pastoral, preocupando-se, já no decurso do próprio Vaticano II, com as modalidades e os percursos para uma atualização em escala continental (penso em Câmara e Larrain , mas também em Leônidas Proaño no Equador, Cândido Padin no Brasil – o bispo beneditino recentemente falecido –, McGrath no Panamá, Valencia Cano na Colômbia, Dammert Belido no Peru…). Medellín não teria sido possível – no modo em que se realizou concretamente – sem esta “força tarefa”, constituída por bispos que, em muitos casos, são figuras relativamente isoladas no interior das respectivas hierarquias nacionais.

IHU On-Line – Segundo sua visão de historiadora, que importância teve a Conferência de Medellín para a consolidação de uma identidade da Igreja Latino-Americana?
Silvia Scatena – A importância de Medellín na consolidação de uma identidade continental das igrejas da América Latina foi decisiva. No entanto, é preciso considerar a conferência de 1968 no interior de um processo mais amplo, que envolveu as igrejas da América Latina já nos anos do Concílio, quando, graças principalmente ao trabalho do Celam – o organismo permanente do episcopado latino-americano, criado em 1955 na conferência do Rio de Janeiro, sem igual nos outros continentes –, os bispos adquirem a consciência crescente de uma pertença comum continental. Nos anos do imediato período pós-conciliar, entre 1966 e 68, o Celam promoveu um regular “exercício colegial”, fundamental para o compartilhamento de novas estratégias pastorais e para o decolar de inovações, de linhas comuns de ação. Isto representa o húmus de Medellín, que significará, neste sentido, a “confirmação” da investigação, amplamente compartilhada por muitos setores eclesiais latino-americanos, de uma nova imagem de igreja continental: uma imagem que, segundo as palavras do documento sobre a juventude, será essencialmente aquela de uma igreja de fisionomia pobre, missionária e pascal.

IHU On-Line – Quais são os principais marcos da relação Igreja e sociedade no contexto da realização da Conferência de Medellín? E, na sua avaliação, quais as principais transformações dessa relação desde então até os dias de hoje?
Silvia Scatena – Em síntese, o que me parece importante sublinhar é que, em Medellín, a Igreja Latino-Americana recupera o aspecto de uma instância histórica chamada a reinterpretar o evangelho aos homens e aos povos do continente na “situação anormal” e “inquietante” da América Latina no final dos anos 1960 – assim se exprimia o arcebispo de Lima, Landàzuri Ricketts, no discurso inaugural da assembléia. E recupera este aspecto profético no momento em que decide “olhar na face” o novo mundo latino-americano antes do que a si mesma, na “comunhão com uma história cuja profundidade específica reside numa convergência de circunstâncias proféticas”: são sempre as palavras de Landàzuri Ricketts, desta vez no discurso conclusivo, que, por sua vez, cita Paulo VI. Aqui está, a meu ver, a grandeza de Medellín: a capacidade de confrontar-se com a realidade histórica, na qual também se individualiza, além disso, a única condição de uma autêntica comunhão com a igreja universal. Por isso, o momento de máxima reflexão interna da Igreja Latino-Americana foi também aquele de sua maior contribuição e de sua maior capacidade falante à Igreja universal. Por isso, agora, as precoces tentativas de redimensionamento, ou de domesticação de alguns dos conteúdos mais inovadores da conferência de 1968 – penso, acima de tudo, no nó vertebral da opção pelos pobres –, jamais conseguiram corroer o amplo consenso que se coagulou em torno de Medellín e de suas opções caracterizadoras, substancialmente confirmadas pela conferência de Puebla. Também a subseqüente discussão do caráter vinculante do documento final da conferência de 68 não conseguiu destemperar a consciência difusa da existência de um “antes” e um “depois” de Medellín ou a credibilidade das suas conclusões, cujo testemunho mais convincente era dado pela própria recepção no seio das igrejas às quais as conclusões eram destinadas. Medellín soube, de fato, sugerir empenhos e abrir caminhos em nível pessoal e comunitário, e inspirar ou consolidar práticas. Com respeito àquela estação, muitos caminhos se interromperam ou restringiram sucessivamente e o contexto é profundamente modificado pelas grandes mudanças intervindas no plano político, social e eclesial e no mais vasto cenário internacional. Mas, na transição que parece atravessar a América Latina neste primeiro período do século XXI, algumas intuições centrais de Medellín parecem ter ainda, a quarenta anos de distância, a capacidade de interpelar os cristãos do continente. Os disciplinamentos do centralismo romano, as vicissitudes da Teologia da Libertação, o fim da Guerra Fria, o diversificar-se dos desafios pastorais em igrejas de histórias e situações desiguais, de fato não redimensionaram uma inquietude endêmica exasperada da falência das receitas neoliberais do novo cenário globalizado, assim como não desautorizaram uma instância fundamental de Medellín: a afirmação do nexo irrenunciável entre a escolha preferencial pelos pobres e a essencialidade da pobreza no mistério do Cristo.

Fonte: IHU Online – edição 259 – 26 Maio 2008

Resenhas na RBL: 23.05.2008

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

François Bovon
Luke the Theologian: Fifty-Five Years of Research (1950-2005)
Reviewed by Eric Noffke

Dan W. Clanton
The Good, the Bold, and the Beautiful: The Story of Susanna and Its Renaissance Interpretations
Reviewed by Robert Doran

John J. Collins
A Short Introduction to the Hebrew Bible
Reviewed by Robin Gallaher Branch

Beverly Roberts Gaventa
Our Mother Saint Paul
Reviewed by Angela Standhartinger

Daniel M. Gurtner
The Torn Veil: Matthew’s Exposition of the Death of Jesus
Reviewed by Tony Costa

Doug Ingram
Ambiguity in Ecclesiastes
Reviewed by Martin A. Shields

Othmar Keel
Die Geschichte Jerusalems und die Entstehung des Monotheismus
Reviewed by Ernst Axel Knauf

Martin O’Kane
Painting the Text: The Artist as Biblical Interpreter
Reviewed by Dan W. Clanton Jr.

John Piper
The Future of Justification: A Response to N. T. Wright
Reviewed by Don Garlington

Lance Byron Richey
Roman Imperial Ideology and the Gospel of John
Reviewed by Warren Carter

Diane M. Sharon and Kathryn F. Kravitz, eds.
Bringing the Hidden to Light: The Process of Interpretation: Studies in Honor of Stephen A. Geller
Reviewed by Adele Berlin

Christopher J. H. Wright
The Mission of God: Unlocking the Bible’s Grand Narrative
Reviewed by Christopher N. Chandler

Novo livro de James Dunn

O segundo volume da obra monumental de James Dunn sobre o nascimento do cristianismo será publicado em outubro de 2008. São três volumes que cobrirão os primeiros 120 anos do cristianismo. O primeiro volume saiu em 2003.

DUNN, J. D. G. Beginning from Jerusalem: Christianity in the Making, Volume 2. Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2008, 1392 p. – ISBN 9780802839329


Diz a editora:
James Dunn is regarded worldwide as one of today’s foremost biblical scholars. Having written groundbreaking studies of the New Testament and a standard work on Paul’s theology, Dunn here turns his pen to the rise of Christianity itself. Beginning from Jerusalem is the second installment in what will be a monumental three-volume history of the first 120 years of the faith [the first is Jesus Remembered]. Beginning from Jerusalem covers the early formation of the Christian faith from 30 to 70 C.E. After outlining the quest for the historical church (parallel to the quest for the historical Jesus) and reviewing the sources, James Dunn follows the course of the movement stemming from Jesus “beginning from Jerusalem.” He opens with a close analysis of what can be said of the earliest Jerusalem community, the Hellenists, the mission of Peter, and the emergence of Paul. Then Dunn focuses solely on Paul — the chronology of his life and mission, his understanding of his call as apostle, and the character of the churches that he founded. The third part traces the final days and literary legacies of the three principal figures of first-generation Christianity: Paul, Peter, and James the brother of Jesus. Each section includes detailed interaction with the vast wealth of secondary literature on the many subjects covered.

Veja também: DUNN, J. D. G. Jesus Remembered: Christianity in the Making, Volume 1. Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2003. xvii + 1019 p. – ISBN 9780802839312

Fifth Enoch Seminar

O quinto seminário sobre a literatura henóquica, Fifth Enoch Seminar, acontecerá em Nápoles, Itália, de 14 a 18 de junho de 2009.

O tema é: Enoch, Adam, Melchisedek: Mediatorial Figures in 2 Enoch and Second Temple Judaism.

O quinto seminário, como diz o tema, focalizará os papéis de Henoc, Adão e Melquisedec como figuras mediadoras no Judaísmo do Segundo Templo, com especial ênfase em 2 Henoc.

Mais uma vez se reúne o significativo grupo dos estudos henóquicos, com a presença marcante de Gabriele Boccaccini, da Universidade de Michigan, USA.

Leia mais a respeito dos seminários sobre a literatura henóquica aqui.

Leia a Bíblia como literatura: hoje em Campinas

Encontrei na página de Notícias da Loyola:

Matéria com autor de Leia a Bíblia como literatura é publicada no Correio Popular, de Campinas

O autor de Edições Loyola Cássio Murilo Dias da Silva, doutor em ciências bíblicas, concedeu entrevista ao Caderno C do jornal Correio Popular, de Campinas (SP), sobre seu livro Leia a Bíblia como literatura, que será lançado hoje, às 19h30, na Livraria Cultura do Shopping Center Iguatemi Campinas (Av. Iguatemi, 777, piso 1 – Vila Brandina). A matéria, intitulada “Novo olhar sob a leitura da Bíblia”, de Carlota Cafiero, publicada nesta quarta-feira, destaca que o livro de Cássio Murilo é um convite tentador para desfrutar os textos bíblicos como obras literárias. “A Bíblia tem histórias de aventura, romance, romance policial, poesia de amor”, explicou o autor.