Ping-O-Matic: para que seu blog seja visto e visitado

Leia em About.com:

Basics of RSS
By Trudy W. Schuett

In order to get the widest exposure [of your blog], pinging a variety of aggregators is right now the best way to go. You can do this easily and quickly at Dougal Campbell’s Blog Service Pinger. You enter your site’s URL and check the aggregators you want from several on the list. You need to do this each time you update if your blog doesn’t ping automatically. Note: Once you’ve clicked submit at the BSP, resist the impulse to click again if it doesn’t respond immediately. Another click sends another ping and you’ll end up with an error message…


Clique em Ping-O-Matic.

Rosa no Redemoinho mostra os vários tons que podem dialogar com a obra do escritor mineiro

A “cor” de Rosa

Lançamento da exposição Rosa no Redemoinho mostra os vários tons que podem dialogar com a obra do escritor

Quem foi ontem ao Palácio das Artes na abertura da Exposição Rosa no Redemoinho, em homenagem aos 50 anos do lançamento de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, viu o quanto esta obra ainda pode ser reinventada. Artistas dos mais variados campos da criação mostraram ao público seus trabalhos, que não só absorvem, como também dialogam e reapropriaram a obra roseana. Instalações, desfile, exposição e seminário: todos esses eventos fazem parte do projeto e querem mostrar, sob diferentes vertentes, que ”não há nada de mais atual do que o legado de Guimarães Rosa”, como afirma a Secretária de Estado de Cultura Eleonora Santa Rosa. A exposição começou num tom areia com a instalação do cineasta Éder Santos, O Erro nas Estórias, que ocupou a frente da entrada principal do Palácio das Artes. O quarteirão da avenida Afonso Pena foi obstruído para que uma escavadeira pudesse revolver a areia de um lado para outro, mostrando a desconstrução e reconstrução da imagem. Enquanto centenas de pessoas assistiam ao trabalho, Éder, animado com a repercussão, comemorava os objetivos atingidos. Ronaldo Fraga, estilista, trouxe os diferentes vermelhos que estão na terra sertaneja. Organizado no foyer do Palácio das Artes, o desfile teve uma ornamentação especial, que lembrava as festas típicas do sertão de Minas Gerais. Sob um tapete de serragem, os modelos mostravam muito mais do que roupas ou personagens específicas da obra de Guimarães Rosa. A moda que Ronaldo Fraga quis passar para o público representava o contexto sertanejo. “Ao criar um elemento direcionador da coleção, quis colocar o popular e o erudito na mesma palavra, no mesmo ponto e no mesmo lugar”, explica o estilista. Ainda na noite de domingo, foi lançada a edição especial do Suplemento Literário de Minas Gerais que traduz em uma linguagem crítica o que há de contemporâneo em Grande Sertão: Veredas. Camila Diniz, editora do Suplemento, reforçou a importância da publicação que traz um diálogo completamente inovador com Guimarães. “O Suplemento se insere no Projeto Rosa no Redemoinho com uma outra linguagem, mais acadêmica. Por essa razão, reunimos textos de intelectuais e pesquisadores de todo o Brasil que são referência não apenas para as pessoas que não conhecem Guimarães Rosa, mas para aqueles que já conhecem e querem ver as diversas abordagens sobre o autor”, relata. Ainda dentro do projeto, o público pôde conhecer outras tonalidades: O Sertão de Arlindo, de Arlindo Daibert; Sussuruídos, de Cacá Carvalho, Retrovão, de Rogério Veloso e Borboletas, de Paulo Perdeneiras. As exposições no Palácio das Artes permanecem abertas à visitação até o dia 04 de junho. Projeto idealizado pela Secretaria de Estado de Cultura, Rosa no Redemoinho traz, segundo a secretária Eleonora Santa Rosa, um dos melhores e mais instigantes programas celebrativos e críticos em torno da obra de Guimarães Rosa (cont.)