O comércio clandestino de bens culturais e o saque da Mesopotâmia

O comércio clandestino de bens culturais só é superado, no mundo, pelo tráfico de drogas e de armas, afirma o Iphan.

Na sexta-feira, dia 24 de fevereiro de 2006, quatro quadros foram roubados em museu do Rio de Janeiro. Quadros de Dalí, Picasso, Monet e Matisse. Segundo a Folha Online de hoje,

a falta de segurança e a riqueza dos acervos das igrejas e museus fizeram com que o Brasil passasse a alvo das quadrilhas especializadas no tráfico de bens culturais, informou ontem a Interpol. De acordo com o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o comércio clandestino de bens culturais só é superado, no mundo, pelo tráfico de drogas e de armas (cont.)

Considerado sob tal perspectiva, parece impossível sequer imaginar o tamanho do desastre que está acontecendo com a herança cultural da antiga Mesopotâmia no Iraque. Mas o incrível mesmo é que até os especialistas se acostumam e as denúncias (quase) desaparecem. Para não dizer do público em geral, para quem o fato parece não ser mais tão relevante…

Recomendo especialmente aos meus alunos de História de Israel que considerem os sites listados abaixo. Mesmo com textos em inglês, há muitas fotos, várias delas de sítios e artefatos arqueológicos dos quais estamos falando nas aulas destes dias no item Noções de Geografia do Antigo Oriente Médio.

Leia Mais:
Lost Treasures from Iraq
The Iraq War & Archaeology (veja especialmente: Running tally of sites looted and damaged because of the Iraq War, que lista os sítios arqueológicos saqueados e danificados)

A invasão do Iraque pode ampliar as dimensões da Guerra Assimétrica

Lembro aqui o que disse o urbanista e filósofo francês Paul Virilio em entrevista à Folha Online em 6 de abril de 2003: “Acredito que a ‘guerra preventiva’ é uma forma de crime contra a humanidade. Ela não será a primeira batalha de uma 3ª Guerra Mundial, mas o primeiro passo para uma espécie de guerra civil globalizada (…) É uma ameaça verdadeira contra a humanidade”.

 

Guerra no Iraque elevou medo de terror, diz pesquisa

Uma pesquisa global realizada a pedido da BBC com mais de 40 mil pessoas em 35 países indica que a maior parte da população mundial acredita que a guerra no Iraque aumentou o risco de ataques terroristas em todo o mundo. O levantamento aponta que, em média, 60% dos entrevistados concordaram que o risco de atentados cresceu, 12% disseram que a probabilidade de ataques terroristas diminuiu e 15% afirmaram que a guerra no Iraque não teve efeito sobre o risco de atentados. Em 33 países, incluindo o Brasil, a maior parte dos entrevistados disse que o conflito no Iraque aumentou as chances de que novos ataques sejam realizados. “A quase unanimidade dessa avaliação entre os países é fora do comum em pesquisas globais de opinião pública”, afirma Steven Kull, diretor do programa da Universidade de Maryland que estuda a opinião pública em assuntos internacionais. “Apesar do governo Bush ter apontado a intervenção no Iraque como uma maneira de combater o terrorismo, em todo o mundo, incluindo nos Estados Unidos, a maioria das pessoas disse que isso aumentou a probabilidade de ataques terroristas”, acrescenta Kull (…) Em 22 países, a maior parte dos entrevistados apontou a ação militar liderada pelos Estados Unidos para derrubar Saddam Hussein como “um erro”. Nos outros 13 países, a ofensiva no Iraque foi considerada uma “decisão correta” pela maior parte dos entrevistados. Em média, 45% dos entrevistados disseram que a iniciativa de tirar Saddam do poder foi um erro, e 36% afirmaram que foi a decisão correta. “É oficial: os cidadãos em todo o mundo acreditam que os líderes ocidentais cometeram um erro fundamental em sua guerra contra o terror ao invadir o Iraque”, comenta Doug Miller, presidente da companhia GlobeScan. A pesquisa mundial da BBC foi coordenada pela GlobeScan, em parceria com a Universidade de Maryland, e conduzida por empresas locais entre outubro de 2005 e janeiro de 2006. A margem de erro do levantamento varia de 2,5 a 4 pontos percentuais, dependendo do país pesquisado. No Brasil, as entrevistas foram realizadas em oito capitais pela empresa Market Analysis, baseada em Florianópolis.

Fonte: BBC Brasil – Folha Online: 28/02/2006

 

 

Iraq makes terror ‘more likely’

People across the world overwhelmingly believe the war in Iraq has increased the likelihood of terrorist attacks worldwide, a poll for the BBC reveals. Some 60% of people in 35 countries surveyed believe this is the case, against just 12% who think terrorist attacks have become less likely. In most countries, more people think removing Saddam Hussein was a mistake than think it was the right decision. Some 41,856 people were questioned in the poll for the BBC’s World Service (…) “It’s official. Citizens worldwide think Western leaders have made a fundamental mistake in their war on terror by invading Iraq,” says Doug Miller, president of the international polling firm GlobeScan, which carried out the survey. “Short of the Iraqi government asking them to stay longer, people think the troops should leave,” he says. The countries most eager for US coalition withdrawal are Argentina (80%), Egypt (76%), China (67%) and Brazil (67%). Those which favour troops staying for the time being are the US (58%), Afghanistan (58%), Australia (57%) and Great Britain (56%). However, the picture would be very different should the new Iraqi government ask US-led forces to remain until the situation was stabilised. In that case, there is support in 21 of 34 countries for the coalition to stay. Iraqis themselves are sharply divided over whether US-led forces should leave, with 49% favouring their removal and 49% favouring them to remain. Support for troops staying rises only slightly, to 53%, if the Iraqi government requests it. Iraqis are the most convinced that the removal of Saddam Hussein was right, with 74% agreeing with the move. US President George W Bush has ruled out any hasty withdrawal from Iraq, saying the decision to will be made by military commanders, and not under political pressure.

Fonte: BBC – Tuesday, 28 February 2006

Conferência de Niels Peter Lemche sobre Salomão e Jerusalém está online

Confira o recado de Jim West em Solomon and Jerusalem, no seu blog Petros Baptist Church. O tema, por estes dias, anda “pegando fogo” na lista de discussão ANE-2.

A conferência de Lemche foi feita em Roma, em 2003, e está em formato pdf no site do Jim [Obs.: blog apagado, link perdido: 22.03.2008]

Viver é muito perigoso, diz Riobaldo. O senhor não concorda?

Folha Online: 27/02/2006 – 13h37

Alemanha desmente participação na invasão do Iraque


da Efe, em Berlim

O governo alemão desmentiu nesta segunda-feira informações publicadas pelo jornal americano “The New York Times”, segundo as quais os serviços secretos germânicos colaboraram com os Estados Unidos na invasão do Iraque em 2003. O porta-voz do governo alemão, Hans-Ulrich Wilhelm, disse que “não são certas” as informações do diário, que informa que os dois agentes alemães em Bagdá forneceram aos EUA o plano de Saddam Hussein para a defesa da capital iraquiana. O “New York Times” baseia suas informações num relatório secreto do Pentágono, que também diz que o Egito (cont.)


Riobaldo tem razão: a gente vive é caminhando de costas! Então a Alemanha não se opunha bravamente à invasão do Iraque?


The New York Times: February 27, 2006

German Intelligence Gave U.S. Iraqi Defense Plan, Report Says

By Michael R. Gordon

Two German intelligence agents in Baghdad obtained a copy of Saddam Hussein’s plan to defend the Iraqi capital, which a German official passed on to American commanders a month before the invasion, according to a classified study by the United States military (cont.)

Historiadores processam editora do ‘Código da Vinci’

Como noticiado aqui, O Código Da Vinci vai para os tribunais.

Historiadores processam editora do ‘Código da Vinci’

Começou o julgamento nesta segunda-feira em Londres da ação em que dois historiadores acusam o autor de O Código da Vinci, Dan Brown, de plágio.

Michael Baigent e Richard Leigh afirmam que Brown roubou “toda a arquitetura” da pesquisa que servuiu de base para o livros deles, O Santo Graal e a Linhagem Sagrada, de 1982.

Os escritores estão processando a editora Random House, que lançou o livro de Brown na Grã-Bretanha e também publicou o livro deles.

“Dan Brown copiou de O Santo Graal e a Linhagem Sagrada, portanto a publicação do resultado pelo réu (a editora) é uma violação dos direitos autorais dos meus clientes na Grã-Bretanha”, disse o advogado dos historiadores, Jonathan James.

A Random House declarou que a acusação não tem fundamento.

Descendentes de Jesus

O Código da Vinci já vendeu mais de 30 milhões de cópias em 40 idiomas e foi adaptado para o cinema, num filme de US$ 100 milhões (o equivalente a cerca de R$ 213 milhões), estrelado por Tom Hanks.

O livro de Baigent e Leigh, uma obra de não-ficção que também foi bestseller, expõe a teoria de que Jesus e Maria Madalena se casaram e tiveram um filho.

Os escritores afirmam que o livro de Brown, que traz a mesma idéia, constitui “roubo de propriedade intelectual”.

Caso o processo seja vencido por Baigente e Leigh, o lançamento do filme baseado no livro de Dan Brown, previsto para maio, pode ser prejudicado na Grã-Bretanha.

Fonte: BBC Brasil – 27 de fevereiro, 2006

Mais da metade dos chineses empregados possui blog

Folha Online: 26/02/2006 – 17h38

da Ansa, em Pequim

Na China, a maioria das pessoas empregadas, cerca de 52%, possui um blog na internet, segundo uma pesquisa feita pela CBP Career Consultants. Cerca de 28% das pessoas que responderam ao questionário da pesquisa em Pequim, Xangai, Guangzhou e Shenzhen visitam blogs escritos por outras pessoas (cont.)

52% of office workers write blogs, privacy top theme – www.chinaview.cn 2006-02-21 09:59:48

Blogging has increasingly become more popular in China, with 52% of white-collar workers now keeping weblogs (blogs) according to CBP Career Consultants Co., Ltd., a leading career consulting firm in China. Unlike western bloggers who often focus on news and politics, the Chinese white collar bloggers see complaining alongside office and personal gossip as their priorities, according to the survey. According to the findings of a blogging survey conducted by CBP among white-collar workers in China’s four largest cities – Beijing, Shanghai, Guangzhou and Shenzhen – 52% responded they already had a blog, while another 28% said they plan to begin a blog in the near future (cont.)

Albert Vanhoye, professor do PIB, nomeado cardeal

O papa Bento 16 anunciou na quarta-feira passada, dia 22 de fevereiro de 2006, o primeiro consistório de seu Pontificado, que será instituído no dia 24 de março, quando o papa nomeará 15 novos cardeais. Entre eles está Albert Vanhoye, 82 anos, professor emérito do Pontifício Instituto Bíblico de Roma e ex-secretário da Pontifícia Comissão Bíblica. Professor de Novo Testamento, Vanhoye é especialista na Carta aos Hebreus.

Veja a notícia, em português, aqui. Informações mais completas estão no texto em francês, citado abaixo. Uma entrevista com Vanhoye sobre o documento A Interpretação da Bíblia na Igreja, de 1993, pode ser lida em Catholicism and the Bible: An Interview with Albert Vanhoye.

Le P. Albert Vanhoye, un professeur très aimé et bientôt cardinal

Le P. Albert Vanhoye, jésuite, exégète, 82 ans, sera également créé cardinal par Benoît XVI le 24 mars prochain : un professeur très aimé de ses étudiants. Professeur émérite d’exégèse du Nouveau Testament à l’Institut biblique pontifical de Rome, dont il a été recteur, et ancien secrétaire de la Commission biblique pontificale, consulteur de la congrégation pour l’Education Catholique et de la congrégation pour la Doctrine de la Foi, dont dépend la commission biblique, le P. Vanhoye est connu en particulier pour ses travaux sur l’Epître aux Hébreux. Né le 24 juillet 1923 à Hazebrouck, en France (département du Nord), le père Vanhoye a été nommé cardinal “en considération des services rendus à l’Eglise” a indiqué le pape. Agé de plus de 80 ans, il ne fera pas partie du collège des cardinaux électeurs. Entré chez les jésuites le 11 septembre 1941, il a été ordonné prêtre en 1954. Docteur en écriture sacrée, il a enseigné à l’université pontificale grégorienne et a été membre de la commission biblique pontificale de 1984 à 2001 et secrétaire de 1990 à 2001. Il a également été consultant au conseil pontifical pour la promotion de l’unité des chrétiens (1980-96), à la congrégation pour l’éducation catholique à partir de 1978 et, à partir de 1990, à la congrégation pour la doctrine de la foi, présidée par le cardinal Joseph Ratzinger. Le P. Vanhoye a été en outre très aimé de ses étudiants, attirés par la limpidité, la précision et la richesse spirituelle de son approche de l’Ecriture Sainte, et par sa charité délicate et affable, qui le rendait accueillant pour tous, sans acception de personne. Parmi ses ouvrages en français figurent “La Structure littéraire de l’épître aux Hébreux” (1963, Studia Neotestamentica 1, Desclée de Brouwer, Bruges/Paris, 285 p., 2ème éd. 1976, 331 pp.), “Situation du Christ. Epître aux Hébreux” (1969, coll. “Lectio divina 58”, Ed. Du Cerf, Paris, 403 pp.), ainsi que “Prêtres anciens, prêtre nouveau selon le Nouveau Testament” (1980, coll. “Parole de Dieu 20”, Ed. du Seuil Paris, 373 p., trad. anglais, espagnol, italien).

Pastores de igrejas evangélicas aderem aos blogs blogs e podcasts

Está no Bloggers Blog:

The Boston Herald reports that pastors at many evangelical churches are using podcasts and blogs to reach out to the younger demographic. However, some pastors are concerned the message of a sermon isn’t fully received in a podcast or blog format.

Allen Wolfe, director of the Center for Religion and American Public Life at Boston College, told the Boston Herald, “There is a lot of feeling outside the evangelical community that whatever you get by using this (technology) is not going to be substantive. It’s too quick, too easy.”

For a sermon that is meant to be heard a podcast or video would probably have more of an impact than a blog. But getting kids to actually listen to them or watch them probably isn’t any easier them getting them to attend church.