Marcos Pontes: primeiro brasileiro no espaço

Um brasileiro no espaço

Marcos Pontes, Pavel Vinogradov e Jeffrey Williams conversaram com os jornalistas na quarta-feira, dia da partida. “Quando aquela bandeira do Brasil que já está pintada lá bem grande no foguete estiver decolando, eu gostaria que as pessoas vissem não só a bandeira subindo, mas o orgulho de ser brasileiro”, afirmou Pontes.

Faleceu o biblista e assiriólogo Emanuel Bouzon

Acabei de tomar conhecimento através de e-mail enviado para a lista de discussão ANE-2 e de nota da Assessoria de Comunicação Social da PUC-Rio do falecimento de Emanuel Bouzon. O ilustre professor e pesquisador faleceu ontem, dia 28 de março de 2006, aos 73 anos de idade, vítima de câncer pulmonar, depois de duas semanas internado no Hospital Barra D’Or, no Rio de Janeiro.

Emanuel Bouzon nasceu em 1933. Estudou Filosofia na PUC-RJ, onde graduou-se em 1954. Cursou Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana, Roma, ordenando-se padre em 1958. Estudou Ciências Bíblicas no Pontifício Instituto Bíblico, Roma, e Ciências Orientais no Instituto Oriental de Roma e especializou-se em Assiriologia, Egiptologia, Semitistica e História Antiga na Westfälische Wilhelms-Universität de Münster, Alemanha, onde estudou com o célebre orientalista Wolfram von Soden. Em 1988 conseguiu, em Münster, o Pós-Doutorado. Foi um dos fundadores do Departamento de Teologia da PUC-Rio, universidade onde trabalhou por mais de quarenta anos. Foi, também, um dos tradutores da Bíblia de Jerusalém para o português.

No seu Currículo Lattes lemos o seguinte quadro de sua formação acadêmica:

1987-1988 – Pós-Doutorado:
Westfälische Wilhelms Universität Münster, Alemanha.

1964-1969 – Doutorado em História Antiga e Medieval:
Pontifício Instituto Bíblico, PIB, Itália.
Título: Die Prophetenkorporationen in Israel und im Alten Orient. Ein Beitrag zur Geschichte der nebiistischen Bewegung, Ano de Obtenção: 1969.
Orientador: Ernst Vogt.

1960-1964 – Especialização em Assiriologia e História Antiga. Westfälische Wilhelms Universität Münster, Alemanha. Ano de finalização: 1964.

1958-1960 – Mestrado em História Antiga Oriental:
Pontifício Instituto Bíblico, PIB, Itália.
Título: As Corporações Proféticas no Antigo Israel, Ano de Obtenção: 1960.
Orientador: Ernst Vogt.

1954-1958 – Graduação em Teologia. Pontificia Universidade Gregoriana, PUG, Itália.

1951-1954 – Graduação em Filosofia. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-RJ, Brasil.

Entre suas muitas publicações, destaco:

O Código de Hammurabi. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. 238 p.
Uma Coleção de Direito Babilônico Pré-Hammurabiano. Leis do Reino de Eshnunna. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. v. 1. 207 p.
Contratos Pré-Hammurabianos do Reino de Larsa. 1. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2000. v. 1. 391 p.
As Cartas de Hammurabi. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 1986. 240 p.
As Leis de Eshnunna. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 1981. 171 p.

O e-mail repassado hoje cedo (quarta-feira, 29 de março de 2006 04:02) por Chuck Jones para a lista de discussão ANE-2 foi enviado por Marcelo Rede ontem (date: Tue, 28 Mar 2006 16:31:26) e está em francês:

Chère Madame, cher Monsieur, Je suis dans la triste obligation de vous informer du décès du Professeur Emanuel BOUZON, survenu hier à Rio de Janeiro, Brésil. Le père Bouzon a suivi des études d’assyriologie, d’histoire ancienne et biblique à l’Institut Biblique de Rome, et à Münster où il a été l’élève de Von Soden. Professeur à l’Université Catholique, il a été l’initiateur des études mésopotamiennes au Brésil. Parmi ses nombreux ouvrages, on peut citer les premières traductions en portugais du Code de Hammurabi, des lois d’Eshnunna, des lettres de Hammurabi ainsi que des contrats de Larsa. Le vide laissé par sa disparition est immense pour ses étudiants et collègues ainsi que pour la science.

 

Philip Davies on Faith Based Scholarship

Veja no biblioblog Café Apocalypsis a entrevista com Philip R. Davies, da Universidade de Sheffield.

 

Emeritus research professor in OT at Sheffield University, Philip Davies, joins us today and offers some delightfully blunt answers to my questions. You may be interested to know that he is in the process of editing a book with Jacques Berlinerblau on this very topic. I am truly grateful that he has agreed to share his views.

How would you describe the role of personal faith as it relates to biblical scholarship? What are some presuppositions that you might have when it comes to the interpretative task? What are some advantages and pitfalls of evangelical views concerning scripture?

Like Michael Fox, I regard it as having no place in the overt practice, as having no methodological role in scholarship. But personal faiths of all kinds inhabit scholarly work and it is unwise to pretend they are not there as part of the psychology of the scholar or indeed of the cultural assumptions. One can’t make a neat separation between an objective ‘scholarship’ and the subjective scholars who produce it. But one can always be aware of this inevitable influence and try to ensure that its effects are recognised and monitored. Since scholarship is in my view a communal enterprise this task is best performed communally: we correct each other’s ‘faiths’ (which do not have to be religious ones). That is why it is so important that the community of biblical scholars is represented by as many different perspectives as possible.

My presuppositions are that every written communication conceals as much as it reveals and that in principle all literature is propaganda, i.e., designed to persuade. Resistance is necessary, though not necessarily hostile resistance. Resistance can even be sympathetic. But we must remember that criticism means independence from the claims and values of the text. If we can reach some kind of independence how can we be ‘critical’? I have prejudices in favour of minorities and victims of any kind of bullying; I dislike the kind of respect that some religions and religious believers claim for their beliefs. I do not see why religious belief should be treated any differently from other beliefs. By ‘belief’ I do not include opinions based on any kind of evidence or rational argument, and resist the notion that belief in science is of the same kind as religious belief.

The pitfalls of evangelical belief are numerous. I liken them to astrologists among astronomers. The only advantage is that those who hold them are at least interested in the Bible and think that studying it is a good thing. They also think it is important to speak as if the Bible has a contemporary relevance. All biblical scholars need people like that! And I agree with all of these propositions myself.

What are the advantages and pitfalls associated with a more “secular” brand of biblical scholarship? What does the church have to do with the academy and vice versa? What are the some possible avenues of fruitful dialogue between “faith-based” and “secular” approaches in biblical scholarship?

The advantages are that the bible comes out of the ghetto and can join the ranks of all great human intellectual and artistic achievements. Its power, in the wrong hands, to humiliate and destroy people, vividly documented over the last two millennia, can be broken without breaking its power to inspire (as well as to horrify!)

The church and academy seem to me to have two quite different uses for the Bible. Sermonizing, in any guise, is out of place in the academy while critical work is of little use in the church or synagogue. True, it can be used, to good effect, but its use seems always to me to be so partial and unbalanced that it amounts to abuse. Good scholarship is driven by doubt and usually ends in doubt. Churches also recognise doubt, but their role is surely to overcome it in some way, if only through ‘faith’ and not intellectual conviction. Can there be a fruitful dialogue? On the whole, I think not, except inside the heads of those scholars with a religious faith. The Christian perspective is, like the Jewish perspective, part of biblical studies, but only as part of the whole range of receptions. I do not see how a modern Jew or Christian can claim to have a better understanding of the Bible–honestly!

Who would you considered to be stellar examples of evangelical scholarship? Who are some of the best examples of mainstream critical scholars?

I like John Goldingay. He is the best I know. I also like Alan Millard. He is prepared to listen and argue and defend; he is certainly closer to me than to a clown like Ken Kitchen (I mean clown because he plays for laughs, though most of them are unintended). Of mainstream scholars my heroes are Gottwald, because of his honesty and self-awareness; Joseph Blenkinsopp whose knowledge and originality and range are unmatched; and the late Robert Carroll, who could destroy an opponent with ease yet without malice. Generally, I can get on with anyone who has a sense of humour and in the end accepts that we have no idea what life is for or about, if indeed it has any purpose other than the one we construct.

Any additional thoughts on this subject?

It’s a pity that biblical scholars are in a discipline that has top deal with a large constituency of practitioners who have a religious attachment to it and a huge constituency outside with the same attachment. I would rather we carried on without work free from perennial questions about theology and what the bible means and whether it is historically true. Public misunderstanding of the nature and purpose of biblical scholarship is enormous and would not be tolerated in other academic disciplines. Ignorance, yes–that is often unavoidable. But ignorance and prejudice combined – ugh! If I didn’t like the Bible so much I’d be doing something else. Except that if I am honest there is a great opportunity for mischief here, and I love that. Mischief turns up more creative ideas than most other practices.

 

Sobre Philip R. Davies pode-se ler na Ayrton’s Biblical Page aqui, aqui e aqui.

A fome se transformou numa silenciosa arma de destruição em massa

Lula cobra ricos no combate à destruição do ambiente

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu ontem em Curitiba a reunião de ministros do Ambiente da COP-8 (8ª Conferência das Partes) da Convenção da Biodiversidade da ONU, cobrando mais responsabilidade das nações ricas no combate à fome e à destruição progressiva do ambiente.

“Não é aceitável que os países pobres continuem a sofrer o principal ônus da degradação ambiental resultante de padrões insustentáveis de produção e consumo determinados pelas nações industrializadas”, disse Lula.

Segundo ele, “as economias industrializadas gastam US$ 900 bilhões por ano para proteger suas fronteiras, mas destinam menos de US$ 60 bilhões para ajudar as nações pobres, onde a fome se transformou numa silenciosa arma de destruição em massa”.

Lula defendeu posições semelhantes às de entidades ambientalistas em relação aos temas polêmicos em debate na MOP-3 (3ª Reunião das Partes do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança) e da COP-8, que se encerra nesta sexta-feira.

O presidente defendeu a criação de regras para que empresas ou países que explorem comercialmente determinado recurso genético paguem ao país e aos povos de origem pelo uso do conhecimento tradicional. Disse que tudo o que possa “ameaçar ou conspirar contra” a repartição eqüitativa dos benefícios dos recursos naturais e do patrimônio natural dos povos “deve ser rejeitado como ameaça à sobrevivência da humanidade e da Terra”.

Reafirmou a posição da delegação do Brasil pela proibição de uso das sementes estéreis, as chamadas Terminator. Também justificou como “solução prudente e progressiva” a posição que o Brasil adotou em defesa da identificação clara de produtos transgênicos no comércio internacional.

A convenção, o Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) e o Ministério do Meio Ambiente brasileiro concordaram que as chamadas metas de Johannesburgo, de redução da perda da biodiversidade até 2010, estão longe de ser atingidas.

“O tempo está passando, o relógio não pára e o que temos são esforços de países [em ações isoladas]”, disse o secretário-geral da CDB, o argelino Ahmed Djoghlaf. Na abertura da COP-8, ele apresentou um relatório da ONU que mostra que o planeta sofreu uma devastação ambiental sem precedentes nos últimos 25 anos.

Para o chefe do Pnuma, Klaus Töpfer, “ainda que o capital natural seja mais importante do que o monetário, continua a sofrer abuso de uso e a receber investimentos aquém do necessário”, o que diz ser uma tragédia. “Nesse passo, as metas de Johannesburgo não serão atingidas.”

A ministra Marina Silva disse que o debate sobre a justa repartição dos recursos genéticos tem resultados inexpressivos até aqui. Ela defende o tema como de extrema relevância para o Brasil.

Fonte: Mari Tortato – Folha Online: 28/03/2006

Morreu hoje Stanislaw Lem, autor de Solaris

Folha Online: 27/03/2006 – 13h50

Morre o escritor Stanislaw Lem, autor de “Solaris”

Morreu nesta segunda aos 84 anos o escritor polonês Stanislaw Lem, que ficou consagrado pelo gênero ficção científica, como o livro “Solaris” – adaptado para o cinema duas vezes. Lem morreu na Cracóvia, Polônia. Não foram revelados detalhes sobre a sua morte. Vendedor de mais de 27 milhões de cópias pelo mundo, Lem teve suas obras traduzidas para 40 idiomas (cont.)

Um livro incrível, que sempre me fascinou!

Partido Kadima deve vencer em Israel

Folha Online: 27/03/2006 – 12h34

Partido de Sharon deve conquistar 40 cadeiras no Parlamento

Daniela Loreto

Criado pelo premiê israelense, Ariel Sharon, o partido de centro Kadima – cujo candidato é o premiê interino Ehud Olmert – deve vencer as eleições israelenses desta terça-feira e conquistar até 40 cadeiras no Parlamento, disse à Folha Online Ephraim Kam, vice-chefe do Centro Jaffee de Estudos Estratégicos da Universidade de Tel Aviv (cont.)

The Dead Sea Scrolls Electronic Library

A Amazon.com está anunciando para abril: The Dead Sea Scrolls Electronic Library, a CD-Rom edition, by Emanuel Tov (ed.). Um agradável anúncio. O preço, entretanto, é desagradável…

A Editora Brill diz o seguinte:

New and comprehensive electronic reference work on The Dead Sea Scrolls. Prepared by the Foundation for Ancient Research and Mormon Studies, Brigham Young University, Provo, Utah. The Dead Sea Scrolls (DSS) probably represent the most significant manuscript discovery in recent history. These ancient texts have revolutionized the field of biblical and Judaic studies, and they have become an Indispensable source for scholars and students alike. Although most of the texts have been published in some form or other, scholars have now only begun to grasp the true meaning and relevance of the scrolls for our understanding of ancient Judaism, the transmission of the biblical texts, and the origins of Christianity. This third volume of the DSS CD-ROM gives a more complete coverage of all of the published DSS materials, including scrolls published in 2004 and 2005. Anyone using the CD-ROM will be able to access texts, images and reference materials quickly and efficiently. The combination of a powerful text search engine and sophisticated image-manipulating software will enable scholars and students unparalleled research possibilities A major new feature is the addition of morphological analysis to all of the texts. This data gives glosses and part of speech analysis for each word in the database. The database is powered by version 7 of WordCruncher®. This version is fully Unicode compatible, meaning that you can cut and paste from the database into Microsoft Word etc. The software makes full accommodation of the features of the Hebrew language, by allowing users to search for Hebrew words according to their root forms. The database has an improved image set. Many images have been replaced with higher resolution copies, additional images have been included, and each fragment or scroll image is individually labelled.

Erhard S. Gerstenberger, Israel na Época Persa

GERSTENBERGER, E. S. Israel in der Perserzeit: 5. und 4. Jahrhundert v. Chr. Stuttgart: Kohlhammer, 2005, 416 Seiten. [Biblische Enzyklopädie: Band. 8]

Recebi este livro de meu amigo e colega Cássio Murilo Dias da Silva no dia 3 de fevereiro, na reunião dos Biblistas Mineiros, em Belo Horizonte, mas só agora tive tempo de apresentá-lo. E ainda terei que arranjar tempo para a leitura de suas quatrocentos e poucas páginas em alemão. Mas vale a pena. Por que?

Porque o livro trabalha a História de Israel na época persa, ou seja, nos séculos V e IV a.C. É um período dos mais importantes. É quando, segundo a maioria dos especialistas, se deu a formação de parte significativa da literatura bíblica (Bíblia Hebraica, claro!) e quando o judaísmo começou a definir as características que o marcariam nos séculos seguintes.

Também porque o autor, alemão, viveu alguns anos no Brasil, lecionando exegese em São Leopoldo, e se envolveu com as questões da Teologia da Libertação, como se pode ver na descrição abaixo, que transcrevo de sua página na Internet.

Além disso, o livro faz parte de uma coleção em 12 volumes sobre História de Israel, que está saindo desde 1996 em alemão, com o nome de Biblische Enzyklopädie [Enciclopédia Bíblica], dirigida por Walter Dietrich e Wolfgang Stegemann, e com a participação de grandes nomes da área.

Segue, em alemão, uma descrição do livro, como aparece na última capa:

Auch wenn die Perser im Alten Testament nur selten ausdrücklich erwähnt werden, hat doch die persische Periode (539 bis 331 v.Chr.) dem alten Israel eine neue Gestalt gegeben. Die Heiligen Schriften sind entstanden, die Grundlagen für die jüdisch-christliche Tradition wurden gelegt. Darum liefern – entgegen herkömmlichen Einschätzungen – persische Politik, Kultur und Religion gleichsam das Bühnenbild, vor dem die entstehende jüdische Gemeinschaft auftritt. Neben der persischen Geschichte und Geisteswelt beschreibt Gerstenberger diesen sich über 200 Jahre spannenden Abschnitt der Geschichte Israels, die damals entstandene biblische Literatur (historische, prophetische und poetische Schriften, namentlich die Psalmen) sowie wichtige theologische Entwicklungen (u.a. Gestalt und Kennzeichen der jüdischen Gemeinde, Monotheismus, neue Elemente der Weltgestaltung).

 

Dados Pessoais do Prof. Dr. Erhard S. Gerstenberger

O autor nasceu e viveu seus primeiros anos na região do Ruhr, Alemanha (cidades Duisburg e Rheinhausen). Estudou Teologia e teve como áreas secundárias Belas Artes e Política (entre 1952 e 1957). Viveu nos Estados Unidos entre 1959 e 1964, onde atuou como estudante e docente. De 1965 a 1975 foi Pastor em Essen-Frohnhausen. Atuou como professor no Brasil entre 1975 e 1981. De 1981 a 1984 foi professor na área de Antigo Testamento na Universidade Justus-Liebig em Giessen. Desde 1985 lecionou na Philipps-Universität em Marburg, aposentando-se em 1997.

 

1975-1981: Docente na área de Antigo Testamento na EST (Escola Superior de Teologia da IECLB) em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Aculturação junto ao CENFI no Rio de Janeiro. Fascinação com a Teologia da Libertação: Exegetas em intensivo diálogo com a Bíblia e a realidade atual. Igreja para os pobres. Orientação contextual (formação social) dos textos e dos intérpretes. A realidade do terceiro e do primeiro mundo são as duas faces da mesma moeda. Globalização: instumento de domínio dos países industrializados? Teologia precisa ser ecumênica e aspirar por justiça para todos.

 

Born and raised in the Ruhr-area (Duisburg). Study of Protestant Theology at universities of Marburg, Tübingen, Bonn, and the seminary of Wuppertal (1952-1979). Exchange student and teacher of Old Testament in the USA (1979-1984). Parish minister at Essen (Ruhr-area; 1965-1975). Professor of Old Testament at the Lutheran seminary of São Leopoldo, Brazil (1975-1981), at Giessen University (1981-1984) and Marburg University (1985-1997; oldest Protestant university, founded 1527 A.D.). Retired since Oct. 1st 1997.

 

Geboren und aufgewachsen im Ruhrgebiet (Duisburg – Rheinhausen). Studium der Ev. Theologie, Nebeninteressen Kunst, Politik (1952-1957). Als Student und Dozent in den USA (1959-1964). Pfarrer in Essen-Frohnhausen (1965-1975). Eheschließung mit Rita Buttgereit; drei Kinder: Bjoern, Dennis, Debora. Dozent in Brasilien (1975-1981). Professor für AT an der Justus-Liebig Universität Giessen (1981-1984), dann an der Philipps-Universität Marburg (1985-1997). Pensioniert seit 1. Oktober 1997.

Impulsionar novas medidas que contribuam para frear a perda de biodiversidade

Folha Online: 25/03/2006 – 06h41

Países debatem em Curitiba como frear perda de biodiversidade

da Efe, em Curitiba

A comunidade internacional se reúne em Curitiba para debater sobre a conservação de ecossistemas e o uso sustentável dos recursos biológicos, com a intenção de impulsionar novas medidas que contribuam para frear a perda de biodiversidade. Delegações de 188 países participam da 8ª Conferência das Partes do Convênio de Diversidade Biológica da ONU, iniciada no último dia 20, embora a partir desta segunda-feira comecem as reuniões de “alto nível”, nas quais está prevista a participação de mais de 100 ministros da área de meio ambiente. A conferência encerra um mês de debates e de atos realizados na cidade paranaense relacionados com a biossegurança e a biotecnologia, concretamente sobre o uso de transgênicos e as normas que devem reger seu comércio, e com a exploração dos recursos genéticos, que podem trazer benefícios às comunidades indígenas. As delegações participantes da conferência centrarão a discussão a partir de segunda-feira (cont.)

Eu te darei o ceu, meu bem… rabino oferece o paraíso em troca de votos

Folha Online/BBC Brasil: 24/03/2006 – 19h23

Partidos ortodoxos prometem até o paraíso em Israel

Guila Flint, da BBC Brasil, em Tel Aviv

Os partidos religiosos ortodoxos de Israel preparam-se para as eleições da próxima terça-feira prometendo resolver os problemas do país com base no judaísmo e até mesmo oferecendo o paraíso aos eleitores. A promessa de garantia de um lugar no paraíso para aqueles que votarem no partido ultra-ortodoxo Shas despertou polêmica no país. A juíza da Suprema Corte israelense e presidente do Comitê Eleitoral, Dorit Beinish, proibiu dias atrás a transmissão no horário eleitoral de um discurso do líder espiritual do partido, o rabino Ovadia Yossef, em que ele ofereceu o paraíso em troca de votos. De acordo com a juíza, a lei em Israel proíbe a promessa de benefícios em troca de votos e considera esse tipo de promessas “subornos eleitorais”. A decisão revoltou o líder do Shas, Eli Ishai. “Aconteceu uma coisa terrível e sem precedentes na história de Israel, o Comitê Eleitoral proibiu as palavras da Torá”, disse Ishai (cont.)


Atualizando (25.03.2006):
Toda a história pode ser lida em Shas ‘heaven’ broadcast banned, com direito a foto do rabino Ovadia Yosef.