Resenhas na RBL: 15.08.2008

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Paul J. Achtemeier
Jesus and the Miracle Tradition
Reviewed by Michael Labahn

Roland Boer, ed.
Bakhtin and Genre Theory in Biblical Studies
Reviewed by David W. Williams

Maria Brutti
The Development of the High Priesthood during the Pre-Hasmonean Period: History, Ideology, Theology
Reviewed by Lena-Sofia Tiemeyer

Lester L. Grabbe
Ancient Israel: What Do We Know and How Do We Know It?
Reviewed by Brian B. Schmidt

Leslie Houlden, ed.
Decoding Early Christianity: Truth and Legend in the Early Church
Reviewed by Robert M. Bowman Jr.

Karen L. King
The Secret Revelation of John
Reviewed by Francis Dalrymple-Hamilton

Sarianna Metso
The Serekh Texts
Reviewed by Eric F. Mason

Douglas E. Oakman
Jesus and the Peasants
Reviewed by Ernest van Eck

Richard Liong-Seng Phua
Idolatry and Authority: A Study of 1 Corinthians 8.1-11.1 in the Light of the Jewish Diaspora
Reviewed by Scott E. McClelland

Tom Thatcher, ed.
What We Have Heard from the Beginning: The Past, Present, and Future of Johannine Studies
Reviewed by Cornelis Bennema

Nancy M. Tischler
Thematic Guide to Biblical Literature
Reviewed by Gerbern Oegema

Valerie M. Warrior
Roman Religion
Reviewed by Honora Howell Chapman

Francis Watson
Paul, Judaism, and the Gentiles: Beyond the New Perspective
Reviewed by James D. G. Dunn

Supermercado religioso na América Latina

Fragmentação religiosa representa um desafio às igrejas e aos comunicadores

A América Latina experimenta um processo de diversificação e fragmentação das ofertas religiosas num contexto em que as tradicionais instituições perderam uma quota importante de seu poder cultural histórico, observou o coordenador do Programa de Pastoral da Comunicação do Centro Evangélico de Estudos Pastorais na América Central (Cedepca), Dennis Smith.

Presente à Conferência Internacional sobre Meios, Religião e Cultura, realizada em São Paulo, Smith sustentou que no passado as igrejas protestantes tradicionais detinham poder suficiente para dominar o discurso religioso público, incidir de maneira contundente na esfera pública e ainda estigmatizar a participação nas cerimônias públicas de grupos religiosos marginalizados, a exemplo das espiritualidades indígenas e afro-americanas e dos grupos pentecostais.

Hoje, no entanto, novos atores aparecem no campo religioso e, paralelamente, observa-se o ressurgimento de espiritualidades ancestrais. “As igrejas e os grupos religiosos tradicionais competem com novos atores presentes no mercado religioso, alguns deles muito sofisticados no mercado de bens simbólicos”, pontuou Smith.

Na conferência que apresentou no evento, Smith trouxe um detalhado diagnóstico das formas como a religiosidade contemporânea latino-americana se manifesta no supermercado religioso. A cada dia, disse, há mais pessoas que se sentem livres para elaborar o seu próprio menu espiritual, sem se sentirem sujeitas ao poder de hierarquias religiosas.

“A gente entra neste novo ‘supermercado’ para adquirir autoestima, uma porção de perdão, uma essência de esperança, um caldo de consolo e depois vai combinando esses ingredientes segundo uma receita pessoal”, arrolou.

Os novos crentes não sentem a necessidade de esconder o fato de que manejam, de forma simultânea, múltiplas identidades religiosas. Pesquisas revelam que pessoas católicas assistem, eventualmente, aos espetáculos religiosos apresentados pelas megaigrejas neopentecostais. Essas mesmas pessoas, nos momentos limites de sua própria vida, não hesitam em consultar os guias espirituais de outras tradições religiosas, sustentou o professor Smith.

“Diante desse cenário estão lançados os novos desafios às igrejas, movimentos religiosos, comunicadores e comunicadoras que procuram em seus projetos afirmar a dignidade humana na sociedade contemporânea”, frisou.

Nesse sentido, é preciso prestar atenção ao sopro do Espírito nas comunidades eclesiais. “Descobriremos ali que há pessoas em nosso meio que são intermediárias com o incognoscível; são os guardiães de espaços sagrados. Às vezes esses espaços se caracterizam por uma celebração de previdência, plenitude e esperança, às vezes como palco de medo, de manipulação e de vingança”, concluiu.

Fonte: ALC. Por Rolando Pérez – São Paulo, 15 de agosto de 2008.

Heterodoxia como rebeldia?

Somos laicos, pero nos interesa Dios

En una España cada vez más agnóstica, crece la curiosidad por lo sagrado – Hay un auténtico ‘boom’ editorial – La gente busca versiones de la religión distintas a la oficial

Gabriela Cañas – El País: 6 AGO 2008

En la última década se han publicado en España hasta 463 libros en cuyos títulos aparece la palabra “evangelio”. Es casi el doble que en la década anterior. También han aumentado en este decenio los libros dedicados a la Virgen María o Jesús de Nazaret. Es verdad que cada vez se publican más libros en España, lo que indica que en una sociedad cada día más laica no decae el interés por lo sagrado.

La Biblia, El nombre de la Rosa o El código da Vinci son best-sellers indiscutibles, pero el fenómeno de la literatura religiosa (o que utiliza referentes religiosos para sus tramas) es un fenómeno que goza en España de muy buena salud. Nuevos títulos ocupan las listas de los más vendidos. Novelistas, historiadores y teólogos hallan en los evangelios apócrifos, la figura de María Magdalena, la Inquisición o la imprecisión de los textos sagrados una fuente inagotable de inspiración que cuenta con la mayor receptividad de la historia por parte de los lectores. ¿A qué se debe tanto interés?

Si uno busca lecturas de verano, es difícil resistirse a un tomo voluminoso que propone descubrir cómo una agente del FBI, con la ayuda de un exorcista, llega hasta unos manuscritos de la cristiandad prohibidos en la Edad Media y la causa oculta de la muerte de varias monjas recoletas de Bolzano (Italia). Tampoco es fácil abandonar la lectura de una extensa novela que comienza así: “Languedoc. Mediados del Siglo XIII. Soy espía y tengo miedo. Tengo miedo de Dios porque en su nombre he hecho cosas terribles”.

Y junto a ganchos tan indiscutibles, ¿cómo es posible que un sesudo ensayo de 500 páginas titulado Jesús. Aproximación histórica haya vendido 50.000 ejemplares en siete meses?

La historia de este último libro podría ser la base adecuada para una nueva novela del género histórico-religioso. Su autor, José Antonio Pagola, vicario de la diócesis de San Sebastián, que ha dedicado a su texto siete años de investigación, vive quizá los momentos más amargos de su vida una vez que ha sido condenado por la Inquisición española, hoy llamada Comisión Episcopal para la Doctrina de la Fe. ¿Su pecado? Llegar a “planteamientos y conclusiones no siempre compatibles con la imagen de Jesús que presentan los Evangelios, y que ha sido custodiada y transmitida con fidelidad por la Iglesia”, según la nota de la Conferencia Episcopal del pasado 27 de junio. Esta historia exhibe, en fin, una de las claves del éxito actual de todo lo relacionado con la religión: el gusto por la heterodoxia.

En el siglo XXI, son muchos los españoles, creyentes y agnósticos, que rechazan la ortodoxia, el pensamiento único, el dogmatismo, el fundamentalismo. “El libro de Pagola es un éxito de ventas porque es una versión moderna y cercana, y porque la gente busca interpretaciones múltiples para todo. Se niega a aceptar una sola lectura, una sola interpretación”, explica la teóloga Margarita Pintos, analista del papel de la mujer en la Iglesia.

En efecto, el texto de Pagola fue un boom antes de que la Inquisición española lo condenara simbólicamente a la hoguera. “Cuando empezaron a verterse críticas sobre el libro ya se habían hecho 12 presentaciones en distintos lugares del país, con una asistencia media de 400 personas por presentación”, asegura Luis Aranguren, directivo de la editorial marianista PPC.

El periodista y ex sacerdote Juan Arias vendió 24 ediciones de su libro Jesús, ese gran desconocido. El título en sí ya señala que, a pesar de las apariencias, no sabemos tanto de Jesús de Nazaret como creemos. O no sabemos toda la verdad. Incluso los textos más ortodoxos invitan a la lectura con reclamos similares a los que utilizaría cualquier texto crítico con la doctrina oficial, anunciando ese otro rasgo que explica el interés por este tipo de literatura: la transgresión, el rechazo al orden preestablecido. Así, el jesuita Francesc Riera, publicaba a finales de 2007 un estudio titulado Jesús de Nazaret: el evangelio de Lucas, escuela de justicia y misericordia: una historia subversiva y fascinante.

Parte de la fascinación que provoca Jesús de Nazaret estriba, según el teólogo Juan José Tamayo, que ha publicado varios libros sobre su figura, en que todo el mundo habla bien de él, ha resistido a todos los análisis. “Es el paradigma de la coherencia”, dice de él Tamayo. Ello no ha impedido que, como el de Pagola, muchos de los trabajos sobre Jesús hayan merecido el desprecio de los conservadores. Así le ocurrió al libro Última noticia de Jesús el Nazareno, de Lluís Busquets, pese a ser un compendio riguroso de las aportaciones hechas hasta el momento.

A partir de ahí, los niveles de transgresión frente a la doctrina oficial se han disparado. Los historiadores más rigurosos se niegan a limitar sus fuentes a los evangelios canónicos y echan mano de los apócrifos para reconstruir la historia de Judas, devolver su relevancia y su humanidad a María, cuya virginidad se cuestiona, y, por supuesto, para rescatar del burdel en el que la recluyó la Iglesia oficial a María Magdalena, una mujer que los teólogos y, sobre todo, las teólogas definen como una mujer culta, quizá el apóstol más inteligente de Jesús y ¿por qué no?, la compañera sentimental de su vida. “La impresión general es que a la mayoría de la gente nos han engañado cuando aprendimos la religión”, dice Margarita Pintos. “De María Magdalena no nos contaron la verdad. Se nos impuso el patriarcado institucionalizado en todas las religiones. Y sobre la virginidad de María, pues es que ya no cuela”.

Heterodoxia, transgresión, misterio, ocultación de la realidad… Mimbres perfectos para una novela de acción, sazonada de suspense, esoterismo e historia. “Creo que el éxito se debe a que la gente tiene la sensación de no tener tiempo para leer todo lo que quiere y, al mismo tiempo, quiere entretenerse. Este tipo de libros mata dos pájaros de un tiro: entretiene y aprende”, explica Ángeles Aguilera, directora de Comunicación de Ediciones Generales Santillana.

La historia, la recreación de la sociedad en un tiempo determinado (como ha hecho Pagola para reescribir a Jesús) es la base de la obra de la periodista Julia Navarro. Sus tres primeras novelas, de connotaciones histórico-religiosas, han vendido en total 1,5 millones de ejemplares. Arqueólogos, catedrales, templarios, enigmas… “Meras excusas para tratar los problemas que me preocupan, como el nazismo o el fanatismo”, explica la propia autora, a través, eso sí, del hecho religioso, aunque añade: “No me interesa tanto la religión en sí como su influencia. Sin la religión no se puede explicar parte de nuestra historia ni se puede entender, por poner un ejemplo muy cercano, la manifestación de los obispos del año pasado contra el Gobierno de Rodríguez Zapatero. No hay un periodo de la historia en que la religión no haya jugado un papel preponderante”.

Entre los últimos bombazos de ficción con referencias histórico-religiosas se cuenta El laberinto de la rosa, de Titania Hardie (Edición Suma de Letras) que en España ha vendido 100.000 ejemplares. El evangelio del mal, de Patrick Graham (Editorial Grijalbo), salió al mercado en mayo y ya se han vendido 20.000 ejemplares. Y las tres novelas de Julia Navarro.

“Si a un niño no se le enseña la historia de las religiones, entrará en el Museo del Prado y no entenderá nada”, apuntala Juan Arias. “Nuestro laicismo, además, es pura apariencia. Nuestra cultura de siglos es católica, religiosa. Y es una necesidad del ser humano porque la función de la religión es desterrar miedos y dar felicidad, aunque las iglesias hayan invertido los términos”.

Nuria Tey, directora editorial de Plaza & Janés, cree que nuestro interés por este tipo de lecturas ha aumentado en la medida en que la sociedad española se ha ido abriendo mentalmente. Tey, además, no tiene ningún reparo en catalogar a muchos de estos textos dentro de la categoría de “libros de autoayuda”, en la permanente búsqueda de referencias para nuestras vidas. Mientras huimos del dogma, mientras, como dice Tamayo, “nos liberamos de un sistema rígido de creencias”, buscamos nuevos pilares sobre los que crecer como personas en la búsqueda de hallar un sentido a la existencia. “A cualquier ser humano, creyente o no, los temas de la trascendencia y del sufrimiento le afectan”, explica también Raquel Mallavibarrena, portavoz de la corriente Somos Iglesia. “Por ello, las manifestaciones artísticas, y en concreto la literatura, que abordan esos aspectos, siempre interesan por su conexión con esas zonas más íntimas y profundas de las personas, con los interrogantes e incertidumbres que todos llevamos dentro”.

Tenemos dudas, cuestionamos más cosas y no nos conformamos con una única interpretación. El fenómeno no atañe sólo a los cristianos. Esta corriente revisionista se está produciendo también, por ejemplo, en el islamismo allá donde se dan las condiciones políticas y sociales adecuadas: laicismo y libertad de expresión. Es el caso de España. No hay muchos libros al respecto todavía, pero sí una clara corriente ideológica y un feminismo islámico que está surgiendo. Así lo asegura el presidente de la Junta Islámica de España Mansur Escudero. “En Europa y en España se está ofreciendo una relectura de libre interpretación que entronca con el Islam auténtico. Y se está dando sobre todo entre los conversos”.

Pero ésta es ya otra historia. Aunque parece la misma.

 

Reportagem traduzida para o português e reproduzida por IHU On-Line em 16/08/2008: Somos secularizados, mas nos interessamos por Deus.

A midiatização das experiências religiosas

Estudiosos debatem midiatização das experiências religiosas

Estudiosos do fenômeno da religião e das mídias, reunidos na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) para a 6a. Conferência sobre Meios, Religião e Cultura, analisam as implicações da midiatização das experiências religiosas no contexto de uma sociedade plural e diversa (…) A conferência de São Paulo reúne 200 pesquisadores, de 26 países. Ela é organizada pela Comissão Internacional sobre Meios, Religião e Cultura, a Umesp e a Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC, a sigla em inglês) na América Latina. O evento teve início na segunda-feira, 11, e se estende até amanhã.

No debate apareceu também a blogosfera. Diz o texto:
O professor Paul Teusner, da Universidade RMIT, de Melbourne, Austrália, apresentou as conclusões de sua investigação sobre a emergência da religiosidade juvenil na “blogosfera”. O estudo de Teusner indica que o uso das novas tecnologias, como a Internet, está gerando novas identidades religiosas e novos processos de interação entre os fiéis, bem como entre a própria comunidade religiosa tradicional.

 

Leia a reportagem de Rolando Pérez na ALC.

 

Quarta-feira, 13 de agosto de 2008 (ALC) – Estudiosos do fenômeno da religião e das mídias, reunidos na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) para a 6a. Conferência sobre Meios, Religião e Cultura, analisam as implicações da midiatização das experiências religiosas no contexto de uma sociedade plural e diversa.

O professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), padre Pedro Gilberto Gomes, que participou do painel sobre “a religião nas grandes corporações midiáticas”, sustentou que a América Latina observa hoje um deslocamento do espaço tradicional dos templos para um campo aberto e multidimensional, onde os meios desempenham um papel importante. “A cultura midiática está criando novas ritualidades e sensibilidades religiosas”, afirmou.

Esta mudança de época está marcada por uma nova ecologia comunicacional. Nesse sentido, enfatizou Gomes, o fenômeno da midiatização religiosa é mais do que uma experiência relacionada ao uso e à apropriação da tecnologia midiática. Trata-se da construção de um novo modo de ser no mundo onde as identidades e formas de viver a fé e interagir com a transcendência estão mediadas por espaços e meios que estão além do mundo sagrado institucionalizado.

Nesse sentido, a midiatização da sociedade converte-se numa das chaves hermenêuticas para compreender e interpretar o mundo religioso e as novas espiritualidades.

Os trabalhos apresentados por pesquisadores de diversos países revelam que as novas formas de produção e de consumo religioso estão crescendo cada vez mais no espaço criado pelos novos meios de comunicação, no qual o ciberespaço converteu-se no lugar privilegiado destas novas buscas.

O professor Paul Teusner, da Universidade RMIT, de Melbourne, Austrália, apresentou as conclusões de sua investigação sobre a emergência da religiosidade juvenil na “blogosfera”. O estudo de Teusner indica que o uso das novas tecnologias, como a internet, está gerando novas identidades religiosas e novos processos de interação entre os fiéis, bem como entre a própria comunidade religiosa tradicional.

O estudo revela que essa experiência religiosa não significa necessariamente uma forma de concorrência em relação às comunidades religiosas tradicionais. Os “cibercristãos” assumem a comunidade virtual como um passo intermediário para vincular-se com suas congregações ou igrejas locais tradicionais, salientou.

Para a professora Maru Hess, da Universidade Luterana de Minnesota, nos Estados Unidos, as novas apropriações dos espaços produzidas pelos meios tecnológicos geram re-significações notáveis no campo da autoridade religiosa. Por outro lado, indicou, este fenômeno gera desafios para as igrejas e grupos religiosos tradicionais em termos de repensar suas estratégias discursivas, bem como compreender, interagir e dialogar com estas novas comunidades virtuais de fé e com os próprios fiéis que se movem nos espaços e mundos culturais que a sociedade contemporânea midiatizada está gerando.

A conferência de São Paulo reúne 200 pesquisadores, de 26 países. Ela é organizada pela Comissão Internacional sobre Meios, Religião e Cultura, a Umesp e a Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC, a sigla em inglês) na América Latina. O evento teve início na segunda-feira, 11, e se estende até amanhã.

Lugo toma posse como Presidente do Paraguai

Em 15 de agosto de 2008 Fernando Lugo tomou posse como Presidente do Paraguai. Leia abaixo duas entrevistas com Fernando Lugo, uma de 2007 e outra de 2017.

 

“O Paraguai subsidia as indústrias de São Paulo”. Entrevista especial com Fernando Lugo

A novidade política no Paraguai se chama Fernando Lugo. O seu nome surgiu recentemente no cenário político paraguaio e já lidera as pesquisas para as eleições presidências no país vizinho que se realizarão no próximo ano. Engana-se quem pensa que ele seja apenas mais um desses personagens efêmeros na política. Lugo tem raízes sólidas. Por detrás da sua candidatura está o movimento popular Tekojoja, que reúne os principais movimentos sociais do Paraguai.

Fernando Lugo emociona-se quando comenta o abaixo-assinado de 100 mil assinaturas que o fez aceitar o desafio da candidatura. Como a Constituição paraguaia proíbe candidatos vinculados a qualquer instituição religiosa, Lugo apresentou a sua renúncia da condição de bispo ao Vaticano.

Em sua breve passagem por Curitiba, Fernando Lugo concedeu uma entrevista exclusiva ao IHU On-Line. A entrevista foi feita pelo Cepat. Na entrevista, Lugo fala da sua família, da sua vida de estudante, da opção pela vida religiosa até a decisão de assumir a luta política. Expõe o temor de que sua candidatura seja impugnada e o seu desejo de mudar radicalmente o Paraguai. Fala, ainda, do programa de governo e da necessidade de se rever o contrato com a Itaipu. Ele comenta também a conjuntura política latino-americana.

A entrevista

IHU On-Line: Quem é Fernando Lugo?

Fernando Lugo: Eu nasci, em 1952, numa localidade muito pequena, San Solano, local onde moravam no máximo umas 60 famílias. No ano em que nasci, toda a minha família precisou se mudar para uma cidade maior em função da necessidade dos meus irmãos seguirem estudando. Somos seis irmãos – cinco irmãos e uma irmã -, e eu sou o último dos irmãos. A minha educação primária se deu em uma escola religiosa, ao mesmo tempo em que trabalhava nas ruas de Encarnación vendendo coisas, empanadas, alimentos, café Cabral – um café do Brasil –, ou seja, o trabalho foi uma das características da família. Quando chegou o momento de decidir-me pelo curso universitário, meu pai queria que eu fosse advogado. Ele sempre quis que algum dos seus filhos fosse advogado, tentou com os maiores e não conseguiu e tampouco conseguiu comigo. Eu queria ser professor e então entrei no magistério e com 17, 18 anos já estava lecionando em uma localidade, Hohenau 5, para mais de cem alunos, cinqüenta pela parte da manhã e cinqüenta pela parte da tarde. Creio que ali foi que Deus me tocou – nessa experiência como professor em Hohenau 5. Em 1971, decidi entrar no Seminário na Congregação do Verbo Divino.

IHU On-Line: Seus pais acolheram bem a sua decisão?

Fernando Lugo: Não. Não aceitaram. Minha família não é uma família religiosa. Eu nunca vi o meu pai ir a uma Igreja, mas ao mesmo tempo sempre foi uma família muito justa, muito generosa, muito solidária. Não eram praticantes da religião e foi um golpe para eles a minha decisão de ir para o seminário. Mas quero destacar que a minha família sempre foi muito perseguida pelo regime de Stroessner. O meu pai esteve por vinte vezes na prisão…

IHU On-Line: Vinte vezes?

Fernando Lugo: Isso mesmo. Três dos meus irmãos foram presos e torturados e expulsos do país porque faziam oposição a Stroessner. Eles participavam de uma dissidência do Partido Colorado que não aceitava a ditadura. Meus irmãos foram expulsos em 1960, e apenas 23 anos depois fui encontrar-me com eles, no natal de 1983. Digo isso porque no meu sangue há um sangue da política que foi canalizada para a vida missionária.

IHU On-Line: Quando decidiu ir para o seminário, qual era a sua idade?

Fernando Lugo: 19 anos. Com o tempo reconciliei-me com o meu pai, um homem de caráter muito forte, ao contrário de minha mãe, uma mulher de um caráter mais doce, suave, carinhosa.

IHU On-Line: Mas a sua motivação para a vida religiosa vem de onde, considerando-se que a sua família não era religiosa?

Fernando Lugo: Vem de Hohenau 5. Em 1970, comecei a lecionar e a ler os evangelhos. O povo dessa localidade era muito religioso e não tinha sacerdote. O sacerdote vinha uma vez por mês, às vezes a cada dois, três meses, mas as pessoas religiosamente se reuniam todos os domingos e eu participava com eles das celebrações dominicais, leitura da palavra de Deus, comentários, orações, cantos e foi daí que surgiu a minha motivação para a vida religiosa. Foi em Hohenau 5 que Deus tocou em minha vida e ali uma série de questionamentos surgiram, até que no final do ano decidi ir para o Seminário.

IHU On-Line: Como foi a sua vida de estudante universitário, na Teologia?

Fernando Lugo: A minha vida universitária se caracterizou muito pela participação no movimento estudantil. Quase sempre fui presidente do centro acadêmico de Teologia em articulação com os centros de outras faculdades, de direito, de engenharia, que eram os grupos estudantis aguerridos em Assunção. Após terminar a Teologia, fui para o Equador onde fiquei por cinco anos.

IHU On-Line: O sr. foi ordenado sacerdote em que ano?

Fernando Lugo: Em 1977. Nesse mesmo ano, vou para o Equador trabalhar em paróquias, colégios, nos presídios, com as pessoas do campo e creio que aí acontece a segunda etapa da minha formação, porque no Paraguai nunca tínhamos estudado Teologia da Libertação. No Equador, de 1977 a 1982, se conformou, em 1979, por ocasião da 3a. Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho, em Puebla, uma coordenação da Igreja dos pobres, do qual eu fiz parte e isso complementou a minha formação, o meu ideal, a minha opção de trabalhar no campo social.

IHU On-Line: E o sr. é ordenado bispo em que ano?

Fernando Lugo: Em 1994. Em 1982, eu volto do Equador e por um ano trabalho em uma paróquia no Paraguai. Em fevereiro de 1983, recebo uma ordem de expulsão do Paraguai. A Polícia paraguaia pede ao bispo de Encarnación que, pela segurança do país, eu deveria sair do Paraguai…

IHU On-Line: Por que razão?

Fernando Lugo: Por sermões altamente subversivos, por atentar contra a paz social e por falar contra o governo… Então nessa conjuntura saio do país e vou para Roma estudar. De 1983 a 1987, fico em Roma até retornar ao Paraguai e então passo a dedicar-me à docência, ensinando, sobretudo Ensino Social da Igreja. Aí já estamos em outra conjuntura. Nessa época, trabalhei muito com a Conferência Episcopal Paraguaia, como assessor teológico e também como assessor teológico do Celam.

IHU On-Line: Considerando-se a sua trajetória, não surpreende que o senhor já ligado à Teologia da Libertação seja ordenado bispo? Como se explica a sua ordenação?

Fernando Lugo: Eu tinha uma excelente relação com o episcopado paraguaio. Como sacerdote, estive trabalhando como assessor do Celam na área do Ensino Social da Igreja. Havia uma garantia institucional do meu trabalho que me deu credibilidade e legitimidade.

IHU On-Line: O sr. é ordenado bispo e assume uma diocese…

Fernando Lugo: A diocese mais pobre o país, San Pedro, uma diocese na qual há muitos problemas sociais e econômicos. Até 1994, quando assumi a diocese, em todo o Paraguai houve 112 ocupações de terra. Dessas, 52 foram em San Pedro. Por um lado, é o Departamento de maior número de latifúndios e, de outro, o trabalho pastoral social que organizou os camponeses sem terra. Essas ocupações de terra continuaram acontecendo porque os caminhos legais, institucionais, para se conquistar a terra são ineficientes no Paraguai. Para que os camponeses tenham terra no Paraguai, é preciso ir para as estradas, ocupar as terras, morrer dois ou três, para que depois algo seja conquistado. Assim é o processo de luta pela terra em nosso país.

IHU On-Line: Na sua diocese, muitos conflitos agrários, pobreza…

Fernando Lugo: Quando eu cheguei, havia 650 comunidades eclesiais de base; quando saí havia mil. Fizemos lá o 1o. Encontro Diocesano de Comunidades Eclesiais de Base, o 1o. Encontro nacional e o 5º Encontro Latino-americano e Caribenho de Comunidades Eclesiais de Base em 1997. San Pedro foi notícia eclesial pelo tipo de organização eclesial que mantínhamos dentro da Igreja, de estrutura laical, horizontal, de assembléias diocesanas com muita participação de leigos.

IHU On-Line: Na seqüência o sr. assume um novo momento em sua vida, que é a luta política institucional. Qual foi o momento decisivo para que o sr. se decidisse pela política?

Fernando Lugo: Saio da diocese em 2005 e fico pensando que os grandes esforços que se fez através da Igreja, com as pastorais sociais, não obtiveram o êxito desejado e me dei conta que as mudanças reais na economia, no social, vêm da política. Então, reunido num grupo de amigos de 12 pessoas, no dia 3 de janeiro de 2006 – um grupo de estudo, de análise, do qual participavam artistas, intelectuais, camponeses, estudantes, pessoas de Igreja para pensar o país. Esse grupo foi crescendo, crescendo e se converteu, em 17 de dezembro, no movimento popular Tekojoja, que se tornou o movimento político de maior crescimento no país em um tempo tão pequeno. Este grupo é um dos grupos que propugna a minha candidatura para a presidência da República. O grupo coletou um abaixo-assinado de cem mil assinaturas que me foi apresentado em 17 de dezembro de 2006 para que eu me dedicasse à política. Este grupo se converteu hoje, no Paraguai, num dos grupos mais fortes na dinâmica da política do país.

IHU On-Line: O sr. renunciou à sua condição de bispo ou o Vaticano o expulsou? O sr. poderia esclarecer essa situação?

Fernando Lugo: No dia 22 de dezembro de 2006, eu apresento a minha renúncia ao ministério sacerdotal e episcopal na Nunciatura do Paraguai. No dia 25 de dezembro de 2006, eu anuncio publicamente o pedido de renúncia. No dia 04 de janeiro de 2007, a resposta do Vaticano é a de que não aceita a minha renúncia. Posteriormente, vem a suspensão de todo o meu ministério sacerdotal. Hoje, eu sou um bispo suspenso da Igreja Católica de acordo com o Direito Canônico. Por outro lado, o que diz a Constituição Nacional? A Constituição nacional diz que nenhum ministro de qualquer religião ou culto pode se candidatar à presidência e foi em função desse artigo que apresentei a minha renúncia. O fato da renúncia como um ato livre garante, segundo a interpretação dos constitucionalistas, a validez para uma candidatura e, também o artigo 42 da Constituição nacional afirma que nenhuma pessoa pode pertencer a um grupo se livremente renuncia a ele. O gesto da renúncia feito livremente já garante a habilidade para a candidatura.

IHU On-Line: Mas por que então continua havendo riscos para a impugnação de sua candidatura?

Fernando Lugo: Porque a Igreja Católica, canonicamente, diz que eu continuo sendo bispo. Por quê? Porque o sacramento da ordem imprime “caráter” indelével. Eu jamais deixarei de ser sacerdote, mesmo deixando o ministério. Trata-se de um argumento teológico. Porém, em qualquer jurisprudência de qualquer país do mundo, o argumento teológico não tem peso político. O risco é que a justiça paraguaia dê peso jurídico a um argumento teológico. Então eu posso dar peso a um argumento teológico do judaísmo, do islã, do cristianismo? Qualquer estudante do primeiro ano de Direito sabe que no conjunto de leis de um país, primeiro o que vale é a Constituição Nacional, segundo são os tratados internacionais e terceiro são as leis do país. A lei de uma determinada Igreja não entra nisso. Por isso um argumento teológico não pode ter peso jurídico.

IHU On-Line: Uma eventual impugnação jurídica de sua candidatura poderia então ser interpretada como um “golpe”?

Fernando Lugo: Sim. E mais do que um “golpe”, uma desqualificação com um argumento equivocado.

IHU On-Line: E o sr. avalia que a Suprema Corte pode lhe impugnar?

Fernando Lugo: Sim. É possível e não improvável.

IHU On-Line: Agora, uma decisão dessas teria conseqüências?

Fernando Lugo: Conseqüências que não se podem medir. Poderia haver uma reação da população, da comunidade internacional. Quando dizem que irão impugnar a minha candidatura eu digo que quero saber com que argumentos, uma vez que os constitucionalistas dizem que estou habilitado.

IHU On-Line: O sr. não confia na justiça?

Fernando Lugo: Não.

IHU On-Line: Por quê?

Fernando Lugo: Porque a composição da justiça no Paraguai é resultado de um pacto político e os partidos políticos indicam os seus representantes. Hoje a Corte Suprema da Justiça do Paraguai tem nove membros. Desses nove, cinco são do partido oficialista e quatro são da oposição. Então, não se trata de um problema jurídico, mas sim político, e “politicamente” pode ser decidido num 5 a 4.

IHU On-Line: O que então pode impedir uma eventual e possível impugnação de sua candidatura.

Fernando Lugo: Exato, associando o fato de que se utilizem do argumento teológico no lugar do argumento jurídico…

IHU On-Line: E vocês o que pensam em fazer?

Fernando Lugo: Há vários caminhos em que estamos pensando. Um deles é que não se pode prever a reação popular. Eu não posso dizer “isso não vai acontecer” [a reação popular]. Uma esperança foi colocada em marcha, há uma expectativa por grandes mudanças e as pessoas estão conscientes dessa possibilidade de se mudar de governo e se iniciar mudanças a partir das estruturas.

IHU On-Line: Quem faz parte do movimento Tekojoja?

Fernando Lugo: O movimento Tekojoja nasce quando os movimentos sociais se dão conta de que as suas grandes reivindicações, do ponto de vista social, não são atendidas, não avançam. Quando os sem-terra que querem terra, por exemplo, vêem a sua luta social sendo criminalizada. Ou no momento em que se processam mais de quatro mil camponeses. Então, o que se percebe é que ao contrário de conquistarem o que desejam, apenas vêem processos, repressão, expulsões. Isso vai debilitando a luta social. Nesse momento, esses grupos começam a pensar politicamente os seus movimentos sociais e pensam em conformar um movimento político. Nesse movimento político, Tekojoja, a grande maioria são líderes sociais, jovens estudantes, artistas, políticos que não são originários dos partidos tradicionais. Há intelectuais, operários, camponeses…

IHU On-Line: O sr. será candidato por esse movimento, não necessariamente por um partido?

Fernando Lugo: Tanto a Democracia Cristã, como o Partido Revolucionário Febrerista me ofereceram os seus partidos, mas posso ser candidato pelo Tekojoja, bem como pelo PMAS – Partido Movimento ao Socialismo, um partido novo, de jovens…

IHU On-Line: Esses partidos não fazem parte do movimento político Tekojoja?

Fernando Lugo: Não, mas fazem parte do que se chama Bloco Social e Popular. Dentro do Bloco Popular está o Tekojoja, a Democracia Cristã, o Partido Revolucionário Febrerista, PMAS, centrais sindicais, estão grupos de bairros…

IHU On-Line: Todos esses apoiarão a sua candidatura?

Fernando Lugo: Todos apóiam a minha candidatura. São 27 movimentos.

IHU On-Line: Tivemos informações que alguns desses grupos teriam retirado o apoio à sua candidatura. Isso é um fato? E por que ocorreu?

Fernando Lugo: De retirar o apoio a minha candidatura?

IHU On-Line: Correto. Informações da imprensa dão conta que dentro desse Bloco grande número de apoiadores da sua candidatura teriam falado em se retirar. Isso confere?

Fernando Lugo: Há dois grupos grandes. Um grupo é o Bloco Popular do qual participam os partidos de esquerda e, o outro, é a Concertación Nacional, no qual também participam grupos sociais e oito partidos políticos, alguns tradicionais que estão organizando a Concertación Nacional. A Concertación Nacional também me convidou para que fizesse parte dessa articulação. A Concertación Nacional unida teria o poder de garantir o controle eleitoral. Porque o Partido Liberal é um partido centenário; o Partido Pátria Querida, o Partido Unase, Encontro Nacional, País Solidário… são partidos com representação parlamentar que podem oferecer duas coisas: garantir a correta “fiscalização” do processo eleitoral e também governabilidade porque têm muitos parlamentares. O grupo Bloco Popular, em alguns aspectos, se encontra irreconciliável com a Concertación Nacional. Mas estamos buscando pontos de união. Eu estou me reunindo com a Concertación e também com o Bloco Popular. Hoje, o ponto de concordância entre os dois é a minha candidatura. Eu quero, desejo, que possamos avançar para assegurar a vitória e a governabilidade.

IHU On-Line: O Paraguai, por um lado, caracteriza-se como um país agrícola e por outro, como um país entreposto de produtos “made in China”. Porém, há indústrias no país. Como o sr. pensa a questão industrial? Qual é o seu projeto?

Fernando Lugo: Nós estamos elaborando o nosso projeto de governo com a participação popular, mas também com a colaboração de empresários, profissionais liberais e uma série de outros grupos sociais. Existem dois grandes grupos industriais que hoje, no Paraguai, vão muito bem. A indústria têxtil, que exporta muito bem, e a indústria farmacêutica. Esses grupos desejam um país sério. Os outros elementos da economia não estão bem. O desemprego é alto, a corrupção é galopante, a administração do Estado é ineficiente. Esses são aspectos que precisam ser corrigidos. Precisam ser corrigidos com um projeto diferenciado. O que queremos economicamente? Passar de uma economia agrária a uma economia industrial? Desejamos um modelo econômico diferente, baseado também na economia camponesa, ou seja, fortalecer as pequenas e médias indústrias, algumas familiares que já existem. Outro desafio é como utilizar os recursos naturais de forma responsável em favor de uma industrialização. O Paraguai tem importantes recursos naturais como a energia, acreditamos que podemos nos tornar num país hidroelétrico, e também a água. Grande parte do Aqüífero Guarani está no subsolo paraguaio e neste momento existem pesquisas em busca de petróleo no Chaco paraguaio, ou seja, temos a possibilidade da descoberta de poços petrolíferos que podem impulsionar economicamente o país.

IHU On-Line: Qual é a participação da Itaipu no PIB nacional?

Fernando Lugo: A Itaipu é um caso especial por ser uma empresa binacional. Os recursos da Itaipu não fazem parte do orçamento nacional. Conforma-se quase como se fosse um superministério. A Itaipu faz escolas, estradas, portos… praticamente se sobrepõe aos outros ministérios…

IHU On-Line: Constitui-se quase em um poder paralelo?

Fernando Lugo: É um poder paralelo no qual não há intromissão, nem fiscalização de nenhuma outra instituição. Por isso acreditamos que a transparência da administração pública terá que ser um dos elementos diferenciados num provável governo futuro.

IHU On-Line: O sr. fala em rever os contratos da Itaipu…

Fernando Lugo: Sim. Começamos uma campanha de recuperação da soberania energética. Hoje o Paraguai subsidia os industriais que utilizam a energia da Itaipu, especialmente em São Paulo. 98% da energia é utilizada pelo Brasil que representa quase 20% de toda a energia que o Brasil necessita. Acreditamos que o tratamento dos benefícios da energia não tem eqüidade e cremos que isso precisa mudar. Seguramente, no futuro, no futuro se pedirá que o governo brasileiro reconsidere os tratados de Itaipu. A energia precisa ser vendida pelo preço de mercado e não de custo.

IHU On-Line: Já houve alguma reação do lado brasileiro a essa sua afirmação de se rever o tratado de Itaipu?

Fernando Lugo: Há duas posturas. De um lado, a reação dos grupos sociais e dos partidos progressistas com quem estive reunido recentemente em Porto Alegre que acolheram com bastante serenidade essa proposta. De outro lado, o Itamarati através do ministro [Celso] Amorim que afirmou que o tratado está bom e que não precisa de nenhuma mudança. Agora, reconhecemos que qualquer mudança do tratado precisa ser discutida por ambas as partes.

IHU On-Line: O sr. fala em preço de mercado, em preço justo, é isso?

Fernando Lugo: O preço de custo não convém ao Paraguai. Atualmente, o Paraguai recebe US$ 250 milhões ao ano e se a nossa energia fosse vendida ao preço de mercado por apenas 50% do seu real valor, isso renderia US$ 1,8 bilhão ao ano.

IHU On-Line: Isso se a energia fosse vendida a 50% do preço de mercado?

Fernando Lugo: Sim. Porque se fosse vendida pelo preço de mercado poderia chegar a US$ 3,5 bilhões o que equivale à dívida externa paraguaia e a 50% do orçamento anual paraguaio.

IHU On-Line: Então é uma briga que vale a pena comprar?

Fernando Lugo: (risos) Sim, mas acredito que depende muito da vontade do governo brasileiro e também dos acordos a que se pode chegar.

IHU On-Line: E sobre o debate latino-americano das matrizes energéticas. Por um lado, Chávez insiste – em articulação com a Bolívia – num grande gasoduto, por outro lado o Brasil insiste no etanol. Como o Paraguai se posiciona e entra neste debate?

Fernando Lugo: Eu creio que o tema energético é um tema de primeiro nível em todo o planeta. Eu penso que é preciso pensá-lo não apenas do ponto de vista econômico, mas também inserir no debate a questão ambiental. O que significa isso? Há vários problemas, creio eu, que no mundo moderno, o sistema liberal não conseguiu abordar. E um deles é o meio ambiente. Como garantir que o desenvolvimento econômico não se faça em detrimento e deterioração do meio-ambiente? O problema no Paraguai é que apenas a partir de 1996, as leis contemplam delitos cometidos contra o meio ambiente. Anteriormente não era delito ecológico arrasar o meio ambiente. Como garantir que as empresas multinacionais respeitem o meio ambiente que é um grande tema planetário, especialmente relacionado à geração de energia limpa? Eu acredito que é necessário ir gerando e observando criativamente novos métodos em relação à geração de energia, mas que não vá em detrimento à ética humana e de agressão ao meio ambiente para que tenhamos um planeta mais habitável.

IHU On-Line: Na América Latina, nós percebemos que após o vendaval do neoliberalismo dos anos 1990, novos ventos políticos sopram no continente. Como o sr. interpreta essa “nova” América Latina politicamente?

Fernando Lugo: Nós vemos com bons olhos o fato de que não exista mais um determinado fundamentalismo de esquerda que caracterizou as décadas de 1960 e 70. Eu creio que existe uma esquerda mais inteligente, uma esquerda que não acredita em mudanças radicais, senão nos processos de mudança gradual e creio que é isso que está acontecendo nos países. Por mais que alguns movimentos sociais tenham as suas críticas, eu acredito que as mudanças na América Latina estão acontecendo, como no governo de Tabaré Vázquez, com Lula no Brasil, Evo na Bolívia… Governos que avançam em mudanças. Mudanças que caminham na perspectiva das grandes maiorias.

IHU On-Line: Eu vou propor ao sr. um pingue-pongue e gostaria que dissesse o que pensa de algumas lideranças políticas latino-americanas. Pode ser?

Fernando Lugo: Sim.

IHU On-Line: Chávez?

Fernando Lugo: Um cidadão venezuelano “embandeirado” por Bolívar, a de construir a grande Pátria latino-americana. Com a sua reeleição demonstra que é um líder muito aceito dentro do seu país.

IHU On-Line: Lula?

Fernando Lugo: É o líder do maior país da América. Eu penso que a sua trajetória, o seu testemunho, a história de um metalúrgico que chega à presidência… e a sua reeleição é também a garantia da solidez de sua liderança dentro das condições críticas que não faltam sempre em qualquer governo.

IHU On-Line: Evo Morales?

Fernando Lugo: Apresenta um novo paradigma, um novo ingrediente na política, o étnico, que é um elemento ideológico que aponta para o desejo da Bolívia incluir os que foram esquecidos historicamente.

IHU On-Line: Michelle Bachelet?

Fernando Lugo: Uma mulher que rompe com o paradigma de liderança machista dentro da política com o ingrediente de gênero e, que ao mesmo tempo, tem a capacidade intelectual e de liderança política para levar adiante o seu país.

IHU On-Line: Rafael Correa?

Fernando Lugo: Cria um novo modo de governabilidade. Eu sempre digo que no Paraguai, no Brasil, o presidente sempre governa com o parlamento, que Chávez de alguma maneira governa com o parlamento e assume o poder em sua pessoa, Correa, sem ter parlamentares governa com o povo. Eu creio que é um novo modelo de governabilidade dando participação real e decisão à maioria equatoriana.

IHU On-Line: Néstor Kirchner?

Fernando Lugo: O seu primeiro período não foi muito fácil porque teve que tomar grandes decisões em favor da maioria do povo argentino e contra os interesses das grandes forças econômicas mundiais como o Banco Mundial e o FMI e, atualmente também demonstra que a Argentina pode ser diferente com uma liderança forte, sobretudo com medidas econômicas e sociais que tem tomado em favor das maiorias populares em seu país.

IHU On-Line: Muitos consideram o movimento indígena latino-americano o novo protagonista de mudanças significativas na região, muito mais que o movimento operário. O sr. concorda?

Fernando Lugo: O movimento operário e o movimento dos trabalhadores, pelo menos no Paraguai, foram cooptados pelo sistema e foram debilitados. O movimento operário está muito debilitado. As centrais sindicais que já foram determinantes, hoje já não são. Sem dúvida, o elemento étnico protagonista é o movimento indígena, sobretudo nos países andinos.

IHU On-Line: Qual é a sua impressão sobre o EZLN e o MST?

Fernando Lugo: Eu creio que o movimento zapatista é um movimento histórico, “embandeirado” em Zapata, grande revolucionário da Reforma Agrária no México. O zapatismo assume um protagonismo político no México, especialmente em 1994, naquele 1º de janeiro em San Cristobal de Las Casas para se fazer perceber no mundo que é uma região marginalizada historicamente. O que é lamentável são as forças repressivas que agem de forma muito dura contra os zapatistas. Mas eu creio que o movimento revolucionário armado… não sei se tem futuro hoje na América Latina. Eu creio que os elementos de paz hoje são mais capazes de fazer as mudanças. Creio que cada um tem a sua lógica, as suas razões, os seus argumentos para realizar as suas lutas, mas eu acho que na América Latina, hoje, movimentos revolucionários não têm futuro.

IHU On-Line: E o MST?

Fernando Lugo: O MST no Brasil é um movimento que acolhe as bandeiras dos excluídos. Creio que em toda a América Latina não é possível falar em mudanças sem ter em conta a Reforma Agrária, o problema escandaloso da concentração de terras, como no Paraguai, por exemplo. Eu penso que o movimento sem terra coloca em debate não apenas elementos reivindicativos, mas propostas por mudanças reais e creio que isso é muito positivo.

IHU On-Line: As eleições no Paraguai acontecem no próximo ano. Como o sr. está se preparando para essa disputa?

Fernando Lugo: Estamos em um processo de conversa com a população. O que nós queremos é que se Lugo chegar ao governo, o povo tenha o poder, que o povo seja protagonista, que o povo elabore o programa e eu me coloco a disposição desse povo. Eu creio que pode ser uma utopia, mas gostaria que o povo recuperasse o seu protagonismo de poder. A mudança real tem que vir do povo.

IHU On-Line: Caso o sr. seja eleito, qual seria a sua primeira medida de governo?

Fernando Lugo: A primeira medida seria tornar a justiça independente, autônoma e soberana e não resultado de um pacto político, dependente dos partidos políticos. Outra é adotar uma administração honesta, trabalhar por um pacto social amplo e poder desenhar um crescimento econômico com equidade social.

IHU On-Line: Será possível sem rupturas? A elite aceitará mudanças profundas?

Fernando Lugo: As mudanças violentas não garantem a paz social duradoura. Queremos que grupos sociais antagônicos possam se sentar e, olho no olho, possam discutir o Paraguai que sonhamos e que é possível construir juntos.

IHU On-Line: Como o sr. se define ideologicamente?

Fernando Lugo: Em primeiro lugar, creio que a minha formação cristã marca a minha concepção de vida, o desejo de eqüidade, de igualdade social, de justiça, a busca pelo verdadeiro Reino de paz, de amor. Carrego também elementos da identidade socialista, de alguma maneira sou socialista, assumo elementos do socialismo moderno, sobretudo, aquele que busca a eqüidade, a igualdade, a não discriminação, a participação social de todos os grupos sociais.

Fonte: IHU – 28 de maio de 2007

 

 

“A minha missão era evangelizar o ambiente político”. Entrevista com Fernando Lugo

O atual presidente do Senado pela Frente Guazú conta como entrou na política e fala sobre sua relação com o Vaticano, suas recordações de Perón, seus vínculos com a Teologia da Libertação e a necessidade de uma reforma agrária.

“Amiga, vem tomar um mate com absinto e carqueja, amargo como a verdade”, convida. Fernando Lugo, ex-presidente do Paraguai de 15 de agosto de 2008 até 22 de junho de 2012, recebe o Página/12 em sua casa, em um bairro operário de Assunção. Tudo no lugar é simples: as poltronas floreadas, as imagens de Nossa Senhora, crucifixos e um enorme quadro do general José Gaspar Rodríguez de Francia y Velasco (1776-1840), o principal representante do movimento independentista e ideólogo da emancipação paraguaia.

A casa deve ter mais de 30 anos à qual foram anexados um escritório e um lugar que é uma mistura de churrasqueira e sala de jantar, onde mais tarde, naquele domingo, seus dois filhos iriam almoçar. Antes, durante uma hora e meia de conversa e mate, o atual presidente do Senado pela Frente Guazú preocupa-se em responder a cada uma das perguntas.

A entrevista é de Any Ventura, publicada por Página/12, 26-08-23017. A tradução é de André Langer.

A entrevista

Como foi sua relação com a Igreja e especialmente com o Vaticano? Foi preciso falar com o Papa para deixar de ser bispo e dedicar-se à política.

De acordo com a teologia, eu não podia ser candidato a presidente. Porque há dois sacramentos na Igreja que imprimem caráter, ou seja, que têm caráter indelével, que não se apagam nunca, e um deles é o sacerdócio; o outro é o batismo. Por isso, não existe o rebatismo, não existe o re-sacerdócio; uma pessoa é sacerdote in aeternum até a morte.

Qual foi a relação que a sua história e a sua maneira de pensar tiveram com a revolução cubana, com Fidel Castro?

Nenhuma. O Equador me abre os olhos para a perspectiva Latino-Americana. Aqui no Paraguai tínhamos uma formação muito fechada; aqui, nos seis anos de formação, nunca ouvimos falar da Teologia da Libertação. Eu fui o primeiro professor de Teologia da Libertação quando voltei para o Paraguai em 1982. Porque eu fiz minha tese sobre a Teologia da Libertação. O Equador me abre os olhos. Em 1978, aconteceram os preparativos para a Conferência de Puebla e nasceu no Equador a famosa Coordenação da Igreja dos Pobres. Com um grupo de sacerdotes pastoralistas, muito avançados, biblistas. Isso marca uma certa consciência pastoral, social também, muito comprometida.

Ou seja, você demorou para se relacionar com os movimentos da Igreja para a libertação.

É verdade. Quando aconteceu a revolução sandinista eles vieram pedir alfabetizadores no Paraguai. E foram cerca de 100 rapazes da paróquia, desse grupo de fundadores da Igreja dos Pobres. Até esse momento eu não tinha nenhuma relação com nenhum movimento socialista da América Latina. Ouvia-se lá por 1976 certa relação clandestina com certos movimentos que vinham da Argentina, do Chile, mas nunca tivemos relação com eles.

O que pensava do peronismo?

Eu nasci em 1951, em um povoado pequeno e tenho uma recordação muito infantil, de um homem muito generoso que amava os pobres e que mandava brinquedos às crianças. Mas, na América Latina, também se tinha conhecimento da relação de Perón com alguns líderes vinculados ao fascismo.

Bom, a relação de Perón com Stroessner não era nenhum segredo.

Ele esteve exilado aqui alguns meses.

Como você deixou de ser militante religioso para tornar-se político e chegar à presidência do Paraguai?

Eu nunca tomo uma decisão sozinho, sempre tenho amigos companheiros, a família, minha irmã, a que foi primeira dama e que viveu a minha transformação. Lembro perfeitamente do que tínhamos conversado com ela; nesse dia eu pergunto a ela e a outro irmão o que pensavam sobre isso. E me disseram: “se pudeste dedicar-te 30 anos à Igreja, podes dedicar-te a um país”. A missão era agregar um ingrediente ético à política, evangelizar o ambiente político. Em dezembro de 2006, iriam fazer um abaixo-assinado para reunir 10 mil assinaturas e me trouxeram 120 mil. E isso não me deixou dormir. Aí decidi pedir a redução ao estado laical para poder me dedicar à política. Para os bispos e os sacerdotes é muito fácil criticar as deficiências. Um professor meu de teologia me disse: “a política é um pântano de onde ninguém sai limpo”.

E decidiu entrar no barro.

Decidi embarrar-me, entrar no campo com todas as normas e leis. Jogar em campo alheio. Sou o único político do Paraguai que não está filiado a nenhum partido. Estou por afinidade ideológica, afinidade estratégica, na Frente Guazú.

A questão dos camponeses e a reforma agrária sempre rondaram em sua cabeça.

Sim, eu costumo dizer que enquanto não se fizer uma genuína reforma agrária no Paraguai, aqui não se poderá respirar certa paz social. Eu coloquei isso na medula. Esse foi o foco central, inclusive da minha destituição.

Não tenho a menor dúvida sobre isso.

Com uma desigualdade na posse da terra dessas, não se pode ficar calado. Como dizia em San Pedro, se nós calarmos, a terra gritará.

Entre a reforma agrária que sonhou e a reforma agrária possível, não havia uma negociação intermediária?

Aqui o problema da posse da terra é muito complexo. Há 8 milhões de hectares de terras adquiridas ilegalmente, distribuídas abundantemente nos tempos da ditadura e essa gente continua no poder. Eu não quis fazer uma reforma agrária; eu simplesmente pedia aos fazendeiros para que mostrassem seus títulos. Mas há tantos títulos ilegais no país que é impossível provar que essas terras foram adquiridas legítima e legalmente.

Vamos falar do julgamento político que você sofreu. Qual foi, para você, a verdadeira explicação?

Na política, muitas vezes é mais importante o que se cala do que aquilo que se diz. Porque por trás de tudo o que se disse sobre esse chamado julgamento político há muitos silêncios. Por que Lugo? Por que Dilma? Por que tentaram com Correa? Por que tentaram com Evo? Eu acredito que os Estados Unidos, a dominação do império, não podem permitir que estes governos continuem a crescer.

O que exatamente aconteceu com você?

Eles se puseram a investigar até a última gota de combustível que eu usava na presidência. E aí houve um reconhecimento de que fui um dos presidentes que não meteu a mão na botija. E o sistema funciona com corrupção. Há corrupção nos Estados Unidos, em Genebra, na Itália, na Argentina; em todas as partes há corrupção.

A corrupção é mais funcional ao sistema do que a ética.

Sem dúvida. Sem dúvida alguma. Por quê? Porque também é uma forma de dominação.

Como repercutiram em você e na sociedade as denúncias sobre a paternidade?

Bem, em primeiro lugar, eu assumi a paternidade com absoluta responsabilidade, como disse Francisco em seu livro sobre a terra (a Encíclica Laudato Si’), na página 58: “Fernando Lugo, um bispo que teve um tropeço e se arrependeu”. Isso foi em 2002. O outro caso aconteceu em 2007. Quando eu já estava fora de San Pedro (da diocese). É claro que a corporação midiática, que responde à oligarquia carregou na tinta, mas bem. Eu assumo. Quem não tem erros? E aqueles que mais denunciavam são aqueles que tinham filhos não reconhecidos aí no Parlamento. E os empresários.

O celibato já foi questionado na Igreja?

Eu penso que é uma reflexão que precisa ser feita na Igreja; aqui temos inclusive a experiência dos diáconos casados. Eu reconheço que tropecei, foi um momento de fraqueza, reconheço que não fui um bom exemplo, digamos, em termos de assumir o compromisso de uma vida casta dentro da Igreja e ser um testemunho. Muitas pessoas ficaram escandalizadas, muitas pessoas me diziam que eu era como uma punhalada nas costas da Igreja.

Durante a sua presidência você teve um câncer.

Eu tive um câncer em três lugares: na região da virilha, no mediastino e numa parte óssea da coluna. Eu me curei do câncer porque reagi imediatamente. Aqui eu tenho duas, três coisas muito claras. Aí está o meu santo padroeiro dos enfermos de câncer, a quem rezo todos os dias… Tenho um pé de graviola, coração da Índia, araticuguazu e a quimioterapia. As três coisas, uma santíssima trindade que me limpou o câncer, junto com o profissionalismo dos médicos que me atenderam a tempo.

Como era a sua relação com Néstor Kirchner?

A Cristina chegou quando eu assumi, mas com Néstor, depois, na Secretaria da Unasul, eu tinha uma relação muito boa; ele veio ao Paraguai, tínhamos longas conversas; a mesma aconteceu com Lula e com Chávez, os três presidentes que, de alguma maneira, me ensinaram muitíssimo sobre a política, o que é o governo, o que são as relações internacionais. Evidentemente, também tenho uma boa amizade com Correa, com Evo, eh, com Michelle, com Tabaré.

Como analisa o governo de Horacio Cartes?

É um governo diferente do nosso, é um governo para alguns poucos. O mais revolucionário que tínhamos era fazer um governo para todos. Nosso lema era “Um Paraguai para todos e todas”. Este é um governo para alguns, um governo para os ricos; aqui há gente que vive muito bem, os fazendeiros, os bancos, as financeiras, os investidores, eh, eles têm um Paraguai fantástico, não é verdade? Um país de maravilhas. Eu costumo dizer que o presidente é um empresário, não um político. Ele não vai deixar de ser empresário, vai continuar pensando como um empresário e, infelizmente, quer administrar o país como se fosse sua empresa. Não dialoga, não pergunta. Infelizmente, deu muito poder aos seus gerentes e não à classe política.

Ele se parece com Mauricio Macri?

Eu conheço pouco o Macri, certo? Não tenho informações de dentro. Mas, sim, eu acredito que mais que Macri há uma matriz; há algo em comum com o Brasil, a Argentina e o Paraguai.

Como é ser presidente do Senado em franca minoria?

O Palácio do Governo era como uma panela de pressão, porque havia a pressão de todo o país, e aqui é uma panela de pressão onde tenho 44 colegas, de igual para igual. Eu sou o diretor inter pares, não sou mais que eles; há dois vice-presidentes de dois partidos diferentes e sou presidente de todos, dos 44. Tenho que escutar os 44, estar a serviço dos 44, de diferentes partidos políticos. Podemos concordar em determinadas votações, em determinados interesses, ou estar totalmente em desacordo, mas procuro propiciar um ambiente de convivência democrática.

Você pode concorrer novamente à presidência?

Estou com as portas fechadas para ser presidente. Muitos do meu círculo político dizem que veem com esperança [uma possível nova candidatura], mas eu não acredito. Eu quero ser realista, não quero vender espelhinhos, não quero vender ilusões às pessoas.

Neste país, é possível neste país pensar no matrimônio igualitário?

A população é muito conservadora, o Paraguai é um país conservador. Também há uma questão, talvez muito pessoal. Eu não daria à união entre homens ou entre mulheres o estatuto jurídico de matrimônio. Porque a finalidade do matrimônio, a primeira finalidade é a felicidade, a segunda é a procriação, e eles estão impossibilitados para a procriação.

Onde acredita que errou?

Eu me tornei presidente na hora errada, cheguei com muita ingenuidade. Sem a astúcia da política, sem conhecer os meandros, sem saber como se resolvem os problemas políticos. Aqui havia uma prática política muito ativa do toma lá, dá cá… e eu não entendi isso.

 

Fonte: IHU – 28 de agosto de 2017

Crânios da Idade da Pedra descobertos na Galileia

Arqueólogos israelenses descobriram na Baixa Galileia, em escavações realizadas em Yiftah’el, três crânios esculpidos, da Idade da Pedra, do Período Neolítico B Pré-cerâmico, diz a IAA – Israel Antiquities Authority. Os crânios têm mais de 8 mil anos de idade.

O Dr. Hamoudi Khalaily, diretor da escavação, explica que os crânios estão esculpidos, um fenômeno que se identifica com o Neolítico. A prática inclui a reconstrução de todos os traços faciais do morto esculpidos com distintos materiais, como, por exemplo, uma argamassa especial. Os crânios modelados são a imagem do falecido que ficava na consciência dos sobreviventes e os guiava nas decisões que tomavam no seu dia a dia. Práticas semelhantes foram igualmente identificadas em descobertas feitas na Síria, Turquia e Jordânia.

Na página da IAA leio:
Three Extraordinary Skulls were found in Excavations in the North
The 9,000 year old skulls, which were found sculpted, attest to the development of ancestor worship from then until the present. The skulls were apparently placed on benches in a house where they would inspire the younger generation to continue in the ways of their forefathers. A similar custom was also identified in Syria, Turkey and Jordan.

In excavations that are currently being conducted at the Yiftah’el archaeological site, near the Movil Junction in the Lower Galilee, three extraordinary skulls from the New Stone Age (Pre-pottery Neolithic B) were discovered. The skulls are 8,000-9,000 years old and were buried in a pit adjacent to a large public building (…)

According to Dr. Hamoudi Khalaily, director of the excavations at the site on behalf of the Israel Antiquities Authority, “The skulls were found plastered – that is to say sculpted – which is a phenomenon that is identified with the New Stone Age. The practice included the reconstruction of all of the facial features of the deceased by means of sculpting the skull with a variety of materials such as plaster that was specifically intended for this. It should be noted that the reconstruction of the facial features was not always done in accordance with their real location on the skull. On the skulls that were found in the excavation the nose was entirely reconstructed; the mouth was accentuated and the eyes were restored by means of three shells placed in each of the orbits. The rest of the facial features were reconstructed with a “plaster mask”. As mentioned above, the skulls were found in a pit next to a large rectangular building whose walls were built of mudbricks and floors were made of thick, high quality plaster. Especially noteworthy in the building were depressions that were fashioned in the floor and later sealed. Dr. Khalaily says, “It seems that these depressions were used as graves beneath the floors. The funerary practice at this time consisted of burying the dead beneath the plaster floors, inside the buildings. Some time thereafter, the residents would dig up the grave, retrieve the skull from the rest of the skeleton and recover the grave. Later they would then mold the skull in the image of the deceased and keep it inside the house. This custom is known in the scientific literature as “ancestor worship”. The molded skull is actually the image of the deceased that remained in the survivors’ consciousness, and it guided them in the various decisions they made in their everyday life. Evidence from sites that are contemporary with Yiftah’el indicates that the molded skulls were placed on shelves or benches inside buildings, which were specifically constructed for this purpose. After a period of time, during which the successor established his status and it was accepted by society, the need of the father image lessened and in another ceremony the skulls were buried in a separate pit, within the precincts of the building or nearby”.

The three molded skulls that were found at Yiftah’el join some fifteen other similar skulls that have been found to date at Jericho, Beisimoun, Kefar HaHoresh, ‘Ain Ghazal in Jordan and at a site near Damascus. According to Dr. Khalaily, “The manner in which the skulls from Yiftah’el are buried and how they are shaped resemble those that were discovered at the Neolithic site of Tell Aswad and it seems that there was a connection between Yiftah’el and the Syrian site, which is located c. 200 kilometers away”…

Veja também as fotos na página da IAA.

Leia mais sobre a descoberta no blog BiblePlaces, de Todd Bolen, no post Plastered Skulls Found in Galilee.

O livro de Knohl ‘O Messias antes de Jesus’

Muita gente anda falando do caso do texto apocalíptico escrito com tinta em uma pedra, em hebraico, que, aparentemente, antes da época de Jesus, fala da ressurreição do Messias ao terceiro dia. E, nesta empreitada, batalha firme o Professor Israel Knohl, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Leia sobre isso aqui, aqui, aqui e aqui. Quer dizer, faz tempo que Israel Knohl busca fundamento mais sólido para o conceito em questão.

Pois eu tenho aqui comigo uma resenha de um livro de Israel Knohl sobre o assunto que pode interessar aos curiosos. Foi escrita por André Luiz Fávero, que, à época, cursava o terceiro ano de Teologia na FTCR da PUC-Campinas e foi publicada na revista Cadernos de Teologia, ano VII, setembro de 2001, n. 10, p. 115-121. Eu era o redator da revista.

André leu o livro em inglês e o debateu em classe, nas aulas de Novo Testamento do Professor Herminio Andrés. No mesmo ano de 2001, o livro foi publicado em português pela Editora Imago.

Além da resenha de André, o leitor interessado pode ler outra resenha publicada por um especialista em Qumran, o Professor Eibert J. C. Tigchelaar, do Qumran Institute, Groningen, Holanda, publicada na RBL em 16/04/2001. Ele não se mostra muito entusiasmado com as hipóteses de Israel Knohl, quando diz, por exemplo: “Knohl’s booklet is well written, well translated, and published in a very nice manner. The intended audience is the educated but non-specialist public. Many readers may be attracted or even convinced by Knohl’s arguments, which are well developed and carefully woven together. Yet, specialists in the many fields covered by Knohl will question his assumptions, interpretations, and argumentation. Occasionally his statements are incorrect…”

KNOHL, I. The Messiah before Jesus: The Suffering Servant of the Dead Sea Scrolls. Traduzido por David Maisel. Berkeley: University of California Press, 2000, xiv + 145 p. – ISBN 9780520215924

Tradução brasileira: O Messias Antes de Jesus: O Servo Sofredor dos Manuscritos do Mar Morto. Rio de Janeiro: Imago, 2001, 148 p. – ISBN 8531207797

Vamos à resenha de André.

O livro de Israel Knohl, The Messiah before Jesus. The Suffering Servant of the Dead Sea Scrolls [O Messias antes de Jesus. O Servo Sofredor dos Manuscritos do Mar Morto], de 2000, traduzido para o inglês por David Maisel, é um daqueles livros que se pode chamar de audacioso. Desafia os cem anos do ponto de vista dominante no estudo do Novo Testamento e cutuca ainda mais incomodamente algumas áreas da Teologia Sistemática, da Cristologia, da revelação como um todo.

Para ser direto, a obra refere-se à figura messiânica de Jesus, tentando demonstrar que ele era tido como herdeiro e sucessor do Messias descrito nos Manuscritos do Mar Morto.

O autor, professor do Departamento de Bíblia da Universidade Hebraica de Jerusalém, tentando entender a relação entre cristianismo e judaísmo, questiona: qual foi o contexto judaico da carreira messiânica de Jesus? Como podemos resolver o mistério da personalidade de Jesus e do seu autoentendimento messiânico? Ele se considerava como o Messias? Se sim, por que ele recomendava o “segredo messiânico” a seus discípulos, impedindo-os de publicá-lo? Jesus realmente previa seus sofrimentos, sua morte e ressurreição? Ele se via como um redentor divino?

A proposta do autor é realmente mostrar que Jesus se considerava como o Messias e verdadeiramente esperava ser rejeitado, morto e ressuscitado depois de três dias e isso era exatamente o que ele acreditava ter acontecido ao líder messiânico que viveu uma geração antes da sua.

O autor se baseia no fato de que em certos hinos encontrados entre os Manuscritos do Mar Morto, que foram recentemente publicados, esse Messias descreveu-se como sentado num trono celestial, rodeado de anjos. Ele se considerava como o “Servo Sofredor” que traria uma nova era, uma era de redenção e absolvição em que não haveria mais pecado ou culpa. Esta audaciosa ideia trouxe-lhe a rejeição e a excomunhão por parte dos fariseus sob a liderança de Hillel.

Foi a primeira vez que surgiu no judaísmo a concepção de um messianismo catastrófico, em que a humilhação, a rejeição e a morte do Messias eram consideradas partes inseparáveis do processo redentor.

Este Messias assim entendido é, para o autor, o elo de ligação perdido para o nosso entendimento do modo como o cristianismo emergiu do judaísmo. Jesus nasceu por volta do tempo em que este Messias morreu.

No primeiro capítulo o autor faz uma reconstrução imaginária de um dia na vida do Messias, baseada em fontes literárias do período e em descobertas arqueológicas feitas em Qumran, no palácio de Herodes em Massada e em escavações em Jerusalém. Narra esse dia como marcado por dois importantes momentos na vida do Messias de Qumran: sua participação na vida da comunidade essênia, enquanto estes tramam sua ascensão ao trono, e sua atuação junto à corte, no palácio de Herodes, onde ninguém sequer suspeita de sua pretensão messiânica.

No chamado Rolo de Ação de Graças, em dois hinos aí inseridos com o passar de um certo tempo, e em três outros manuscritos encontrados na gruta 4, tem-se o material a partir do qual o autor desenvolve sua tese.

O primeiro hino, conhecido pelos estudiosos como o Hino da Auto-Glorificação, escrito em primeira pessoa, assim diz:

“Quem tem sido desprezado como eu?
E quem tem sido rejeitado pelos homens como eu?
E quem se compara a mim em tolerar (suportar) o mal?
………………………………
Quem é como eu dentre os anjos?
Eu sou o amado do rei, a companhia dos santos”.Entre a dicotomia e a semelhança com certos trechos veterotestamentários, sobretudo com Is 53, o autor vai explicando as doutrinas formadas a respeito do Messias e a concepção do mesmo a respeito de si.

A combinação do status divino e do sofrimento neste hino é desconhecida na literatura judaica. É a expressão original de uma personalidade histórica ativa na comunidade de Qumran. Quem fala no hino é o líder da seita de Qumran que via a si mesmo como o Messias e assim era considerado pela comunidade.

Pode-se supor que quem fala no primeiro hino, que se via nos termos do “Servo Sofredor” descrito por Isaías, era considerado por sua comunidade como alguém que, através de seus sofrimentos, pagaria pelos pecados de todos os membros de sua seita.

O segundo hino, por sua vez, é essencialmente um chamado aos membros da comunidade para agradecer a Deus pela Salvação que ele tem trazido sobre eles.

Contrariando Bultmann e toda uma corrente teológica, o autor afirma que a interpretação messiânica de Isaías 53 não foi descoberta na Igreja Cristã. Ela já havia sido desenvolvida pelo Messias de Qumran. Olhando para esses fatos, deveríamos considerar a possibilidade da descrição de Jesus como a combinação do “Filho do Homem” e o “Servo Sofredor” não ter sido uma invenção posterior da Igreja. Talvez o Jesus histórico realmente visse a si mesmo dessa forma, sendo que tal fusão já havia sido feita por seu predecessor, o Messias de Qumran.

Mas qual foi a natureza da conexão histórica entre Jesus e o Messias de Qumran? É possível que Jesus o tenha conhecido pessoalmente? Não, porque, como vimos, o nascimento de Jesus foi por volta da morte deste Messias. Mas esse movimento messiânico existiu na segunda metade do primeiro século antes de Cristo.

O autor começa sua procura do ambiente histórico do Messias qumrânico com a discussão sobre duas obras apocalípticas: o Oráculo de Hystaspes e o Livro do Apocalipse, bem conhecido por nós, cristãos. Na sua visão, estes apocalipses contam-nos sobre a violenta morte do Messias de Qumran. O autor tenta, pois, datar os eventos descritos nessas obras. Considerando que numa obra apocalíptica o autor geralmente descreve os eventos de seu tempo como uma profecia sobre o futuro, o contexto destas obras pode ser claramente entendido à luz da situação política do Império Romano durante a segunda metade do primeiro século a.C., logo antes da vida e do ministério de Jesus. Isto ele faz baseando-se no então conhecido Oráculo de Hystaspes. E a partir de algumas passagens do Livro do Apocalipse, bem como da relação entre este e o citado oráculo, o autor afirma, após longa e acurada fundamentação: “No Livro do Apocalipse nós encontramos a história de duas testemunhas messiânicas. Na literatura do Mar Morto também encontramos dois Messias – o Messias sacerdotal e o Messias real”.

Podemos assumir que a tradição concernente ao assassinato do Messias que encontramos nas duas obras apocalípticas veio de membros da seita de Qumran ou de algum círculo próximo a eles. Assim, parece que os líderes messiânicos cujas mortes foram relatadas nestas fontes pertenciam à comunidade de Qumran.

Como os dois líderes messiânicos foram mortos em 4 a.C., eles certamente estiveram ativos no período precedente a este ano, ou seja, durante o reinado de Herodes Magno (37-4 a.C.), o que corresponde precisamente à data em que foram escritos as quatro cópias dos dois hinos messiânicos anteriormente citados. Pode-se, então, assumir que um dos dois Messias mortos em 4 a.C. foi o herói dos hinos messiânicos de Qumran. Em conformidade com a descrição nos hinos ele não tinha nenhum caráter sacerdotal; este, então, foi o Messias real.

Os hinos messiânicos sugerem que por poucos anos os membros da seita de Qumran pensaram que a era de redenção havia chegado. Mas a realidade provava ser diferente. Seu líder messiânico foi morto pelos soldados romanos e seu corpo foi deixado sem sepultura na rua por três dias, como o de um criminoso.

Após a morte do Messias, seus fiéis criaram uma “ideologia catastrófica”, fazendo uma releitura de Is 53,3-4.9-12. A rejeição do Messias, sua humilhação e sua morte foram pensadas terem sido preditas nas Escrituras e sendo estágios necessários no processo de redenção. Os discípulos acreditaram que o Messias humilhado e traspassado havia ressuscitado depois de três dias e que estava para reaparecer na terra como redentor, vitorioso e juiz. Acreditavam que ele houvera subido aos céus nas nuvens, como ele havia descrito sobre si em seu hino, e que certamente retornaria, descendo das nuvens do céu rodeado por anjos. Assim, o Messias também cumpriria a visão de Daniel sobre o “Filho do Homem”.

O autor, Israel Knohl, acredita que a figura do Messias qumrânico e a ideologia messiânica a ele ligada tiveram uma profunda influência sobre Jesus e sobre o desenvolvimento do messianismo cristão. Afirma que Jesus foi influenciado em seus últimos anos por essa outra tradição religiosa , da qual ele recebeu sua doutrina messiânica por um encontro com aqueles que mantiveram o legado do Messias de Qumran. Essa teria sido a “Cristologia de Jesus”.

Durante sua vida, o Messias de Qumran havia se autodefinido como a combinação do “Filho do Homem”, que se assenta no céu num trono de poder, e o “Servo Sofredor”, que leva sobre si todas as tristezas. Este Messias atribuiu a si as palavras de Isaías 53: “Desprezado e rejeitado pelos homens”. Temos aqui clara evidência de que a idéia de um Messias sofredor já existia uma geração antes de Jesus.

Jesus esperava que o destino do “Filho do Homem” fosse similar ao do Messias de Qumran. Ele predisse que o “Filho do Homem” seria morto, assim como o Messias qumrânico foi morto pelos soldados romanos. E ele esperava que o “Filho do Homem” ressuscitasse depois de três dias, como foi acreditado que o Messias de Qumran tivesse sido ressuscitado “depois de três dias”.

De acordo com a ideia que Jesus recebeu dos discípulos do Messias de Qumran, o sofrimento e a morte do Messias formava parte inseparável do destino messiânico. Assim, tomar a missão sobre si era naturalmente muito difícil, o que se vê retratado no episódio de Jesus no Jardim do Getsêmani. A luta interna da alma de Jesus tinha agora alcançado seu clímax. Ele iria, pois, seguir o caminho de seu predecessor, o “Servo Sofredor” dos Manuscritos do Mar Morto.

No último capítulo o autor sugere uma identidade histórica para o Messias anterior a Jesus. Embora “especulando” criteriosamente, afirma que a validade da tese principal de seu livro não depende da aceitação da suposição desse capítulo. Ele apresenta o líder qumrânico Menahem como o provável Messias anterior a Jesus. Este personagem histórico fora “amigo” do rei Herodes e membro de sua corte e, após a morte deste, teria tentado a tomada de poder tramada clandestinamente já há muito tempo com os membros de sua seita. Tal peripécia falhou, pois este não conseguiu o esperado e necessário apoio das elites farisaicas da época, que acabaram por excomungá-lo e ocasionaram sua morte em virtude de interpretarem trechos de seu hino como expressão de pura e explícita blasfêmia. Declararam-no, bem como a seus discípulos, como os que “não têm parte com o Deus de Israel”.

O que tenho dito é, bem resumidamente, a tese do autor. Vale dizer que esta sua obra, além de traduzida para um inglês acessível a nível intermediário e de ser escrita de modo a traçar um desenvolvimento muito lógico, detalhado e claro das ideias, ainda traz dois apêndices contendo na íntegra os dois hinos a que me referi anteriormente e um interessante comentário a respeito de cada um. É, ainda, muito rica em notas, as quais evidenciam a cientificidade e o domínio do assunto no trabalho exaustivo que ousou não só confeccionar como também publicar.

Pontuadas suas idéias e os traços de sua obra, penso que cabe aqui interpelar o leitor sobre algumas provocações ou apontamentos que o próprio autor parece querer fazer – e dos quais não seria justo esquivarmo-nos, se quisermos preservar a abertura aos contundentes desafios que as novas pesquisas possam sempre nos lançar à face, sem o que o estudo teológico perderia o seu caráter científico.

Assim, se sua tese for digna de adesão, podemos nos perguntar: o fato de Jesus ter consciência de seu dramático fim, uma vez que se mantivesse – e se manteve – fiel ao projeto em que acreditava, pois sabia também com quem e com o quê estava lidando, derivaria tanto de uma suficiente visão da política de dominação do Império Romano em sua região – como a cristologia latino-americana entende – ou derivaria, talvez, mais dessa noção messiânica um tanto quanto mais fatalista, pois então já dita e escrita como profecia e assim esperada por um grupo religioso significante por realizar-se como tal? Ainda que assim fosse, o cumprimento até ao fim de sua missão perderia a grandeza de seu compromisso ou de seu mérito?

Outras questões: não teria, de fato, o cristianismo surgido, em alguns de seus aspectos, como seu messianismo, de uma significativa influência de um grupo revolucionário, a seita de Qumran, diferentemente do que sempre se pensou a respeito da mesma – que fosse revolucionária? Até que ponto entenderíamos o grupo de Jesus como um grupo sem pretensões de poder, ainda que para atingi-lo reconhecessem a necessidade do aparente fracasso? Se assim influenciado, poderíamos entender o cristianismo nascente como um grupo de resistência pacífica tal qual se tem entendido ultimamente?

Ainda outras questões: o que os sinóticos afirmam, como, por exemplo, quando das predições da paixão, morte e ressurreição de Jesus, feitas por ele mesmo, não deveria ser entendido, tal qual está escrito, como fato verdadeiramente histórico e não como construção teológico-catequética das primeiras comunidades? E a exegese bíblica, tão altamente conceituada de tempos para cá, poderia manter-se tão estável e intocável no que se refere a todas as outras interpretações tendentes a negar a historicidade dos fatos escritos a despeito das pretensões teológico-catequéticas dos hagiógrafos?

De fato, há teses com as quais nos deparamos e que nos remete à já conhecida tensão por que passa toda ciência, no caso, a teológica, a saber: tudo permanece tal qual até que não se prove o contrário. As desestabilizações causadas é que se transformam nos mais eficazes trampolins que nos lançam para o mais profundo e próximo da verdade, que está sempre por ser alcançada. É a angústia e a motivação do fazer teológico. É o princípio curativo para a dogmatização cega e a possibilidade que irrompe para o aprendizado. É o convite provocativo e irresistível ao “sapere aude” – tenha a coragem de te servir de teu próprio entendimento [Nota minha: frase de Kant].

Brasilianista fala sobre a Igreja no Brasil

Kenneth P. Serbin, o brasilianista que citei no post Uma prece pelos civis inocentes mortos no Iraque? está lançando nestes dias seu livro sobre a Igreja Católica no Brasil:

SERBIN, K. P. Padres, Celibato e Conflito Social: Uma História da Igreja Católica no Brasil. Tradução de Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, 448 p. – ISBN 9788535912746.

Original inglês: Needs of the Heart: A Social and Cultural History of Brazil’s Clergy and Seminaries. Notre Dame, IN: University of Notre Dame Press, 2006, xix + 457 p. – ISBN 9780268041199.

Leia a entrevista de Kenneth P. Serbin à IHU On-Line.

 

“Cão-de-guarda moral”. A Igreja no Brasil, hoje. Entrevista especial com Kenneth Serbin – IHU – 10/08/2008

Sem ter a pretensão de julgar as atitudes da Igreja Católica ao longo dos anos, Kenneth Serbin, da Universidade de San Diego, EUA, atua como um observador da história. Em entrevista exclusiva, concedida por telefone à IHU On-Line, nesta semana, ele avalia as mudanças ocorridas no clero brasileiro, e discute questões polêmicas, como a obrigatoriedade do celibato e os crescentes abusos sexuais dentro da Igreja.

Entre tantas observações, Serbin ressalta uma mudança no perfil dos padres. Segundo ele, isso está diretamente relacionado às transformações mundiais ocorridas nos anos 90, e ao modelo neoliberal que pouco a pouco também vem se proliferando pela Igreja. Padres idealistas estão sendo substituídos por jovens seminaristas, que “percebem o fiel como um consumidor de religião”, alerta. E afirma ainda que, diferentemente dos veteranos fundadores da Teologia da Libertação, o novo clero “acredita que o trabalho do padre não é ficar todo o tempo ao lado do povo, mas ser um exemplo para ele”.

A opção pelos pobres, assumida com tanta efervescência pelos seguidores libertários, está perdendo a intensidade, alerta o pesquisador. “Não sei se essa opção ainda vai avançar. Pelo menos não nessa linha que existiu nos anos 60. Haverá, cada vez mais, essa visão da religião como bem de consumo. A linha da libertação vai ter de lutar para sobreviver”.

A Igreja vive hoje o que Kenneth Serbin chama de “cão-de-guarda moral”, ou seja, ela “não tem mais aquele sentimento informal da época pré-conciliar, nem aquele embate frontal do período de D. Ivo Lorscheiter”. Segundo ele, a Igreja está atuando como uma conselheira, “sem se envolver em questões sociais como antes”.

Ph.D. em História pela Universidade da Califórnia, Serbin está no Brasil, lançando seu novo livro Padres, celibato e conflito social. Uma história da Igreja Católica no Brasil (São Paulo: Companhia das Letras, 2008). Ele também é autor de Diálogos na sombra: bispos e militares, tortura e justiça social na ditadura (São Paulo: Companhia das Letras: 2001).

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Quais são as maiores preocupações dos que optaram por ser padres na Igreja do Brasil? O que eles se propõem fazer como padres?

Kenneth Serbin – O último capítulo do meu livro Padres, celibato e conflito social. Uma história da Igreja Católica no Brasil (São Paulo: Companhia das Letras, 2008) tem como preocupação discutir os desafios que os padres enfrentam no novo milênio. Além disso, apresenta os dois modelos de padres que estão sendo cogitados no Brasil. Por um lado, temos um arquétipo que pertence à Teologia da Libertação, traçado nos anos 60, momento histórico de muita turbulência, marcado por protestos estudantis, pela guerrilha no Brasil e pelo surgimento de novas culturas. Nesse contexto de mudanças, surgiu um movimento de seminaristas no país, no qual padres e teólogos desenvolveram um papel muito importante.
O Rio Grande do Sul foi o centro desse movimento que se chamava União dos Seminaristas Maiores do Sul (Usmas). O grupo preconizou esse modelo de padre mais voltado ao povo, e que, ao invés de morar em grandes seminários como o ex-Seminário Central de São Leopoldo, formado por grandes prédios, optava por ficar em pequenas comunidades. Ele almejava um modelo moderno de formação sacerdotal, ou seja, desejava acompanhar o movimento estudantil, a política, querendo a profissionalização do clero. Os padres, dentro desse modelo, ainda pretendiam ser profissionais: jornalistas, professores, psicólogos, advogados etc. Buscavam, assim, uma maneira de sobreviver independente da Igreja. Como reflexo do movimento dos padres operários na Europa, em 1960, no Brasil muitos sacerdotes foram trabalhar em fábricas. Antes dessa época, eles viviam dos dízimos dos leigos e de benesses das pessoas ricas ou dos ingressos das próprias paróquias ou das dioceses.

Os jovens seminaristas queriam também uma formação integral, ou seja, holística. Em vez de concentrar o seminário na disciplina, propunham uma formação psicológica mais sadia.

Outra grande questão que eles colocaram em pauta nos anos 60 foi a da obrigatoriedade do celibato. Acreditavam que poderiam ter dois tipos de cleros: um celibatário, que não iria casar nem ter filhos; e um outro clero de casados, mas que poderiam exercer todas as funções dos padres. Claro que a Igreja não aceitou essa proposta, e até hoje esse é um ponto controvertido na Igreja do Brasil. De qualquer modo, o movimento dos seminaristas criou um modelo libertário de padre que atuou com destaque até os anos 80.

Segundo modelo

Na década de 90, por outro lado, surgiu um modelo de padre mais conservador, como Marcelo Rossi. Esse não enfatiza a relação com o povo, as questões políticas ou sociais. Numa outra perspectiva, estabelece uma ênfase na espiritualidade tradicional, ou seja, fala mais dos santos, das curas que as pessoas obtêm ao rezar e ir à missa, das questões pessoais de família, do comportamento, do casamento. Esse clero acredita que o trabalho do padre não é ficar todo o tempo ao lado do povo, mas ser um exemplo para ele. Embora seja um modelo mais elitista, não quer dizer, de qualquer modo, que esses padres não tenham interesse de manter contato com o povo. Entretanto, eles disseminam suas atividades, sobretudo através da mídia.

IHU On-Line – Que fatores levaram a essa mudança de postura dos padres dos anos 60 para os 90?

Kenneth Serbin – São muitos fatores, mas a grande questão está relacionada à geração. Os jovens seminaristas dos anos 60 – isso se percebia muito no seminário de Viamão – eram idealistas, ou seja, queriam mudar o mundo. Essa geração nasceu depois da Segunda Guerra Mundial, e viu o Brasil progredir nos anos 50 com a construção de Brasília, a introdução das indústrias automobilística e de bens de consumo. Entretanto, enquanto o Brasil começava a se afirmar como um país capitalista, esses jovens percebiam a pobreza, o crescimento das favelas, a superlotação de cidades como Rio de Janeiro e São Paulo. Eles sentiam essas contradições, e queriam que o mundo fosse mais igualitário. Nesse cenário, foram influenciados pela Revolução Cubana, que questionava o capitalismo e o predomínio dos EUA sobre a América Latina.

Mudança de rumo

Acontecimentos como o fim da Guerra Fria, a queda do muro de Berlim e o fim da União Soviética tiraram fôlego do movimento libertário e criou-se assim o modelo neoliberal, que visa à eficiência capitalista. Isso influenciou também a atuação na Igreja. Os jovens que observei em meus estudos percebem o fiel como um consumidor de religião. Diferente de hoje, nos anos 60, ninguém pensava a religião como bem de consumo. Acredito que o seminarista jovem, hoje, reconhece que o Brasil virou um grande mercado de religiões. Isso ocorreu porque, entre os anos 70 e 90, houve um crescimento das igrejas neopentecostais, que passaram a competir com as igrejas católicas.

Além disso, o mundo mudou, e nos anos 90 surgiu uma nova geração de jovens que não estava mais ligada no idealismo. Essa é uma geração mais realista, sem grandes ideais, desejos e modelos para mudar o mundo. Hoje, a religião se tornou mais individualista, isto é, perdeu o sentido de coletivo dos anos 1960.

IHU On-Line – O que motiva um jovem, hoje, a ser padre católico no Brasil e o que motivava no período pesquisado pelo senhor?

Kenneth Serbin – O que motiva os jovens é a salvação da alma das pessoas. Nesse sentido, os seminaristas voltaram para um modelo pré-anos 1960, ou seja, o que chamamos de pré-conciliar.
A Igreja do Concílio Vaticano II era mais solidária com as questões sociais e deixava de lado a espiritualidade tradicional, focando a salvação das pessoas na terra. Mas os jovens dos anos 1990 e 2000 não visam mais essa posição. Percebo, assim, uma nova preocupação com o “além desta vida”. Essa geração mais recente está recuperando aspectos do catolicismo que foram deixados de lado e ignorados pelos seminaristas dos anos 60.

IHU On-Line – A Igreja latino-americana e brasileira optou pelos pobres. Esta opção é assumida pelos padres formados nos seminários pesquisados pelo senhor?

Kenneth Serbin – Entre as décadas de 1960 e 1980, a opção pelos pobres era abertamente aceita em muitos seminários do Brasil. Era, inclusive, a mais popular, mas hoje em dia ela está desaparecendo. Ainda existem padres, seminaristas e bispos na Igreja do Brasil que estão a favor dessa opção, mas ela não é mais hegemônica como nas décadas anteriores. No passado, todos os bispos achavam importante reconhecer tal opção, e permitiam que os padres agissem nessa linha.

Entretanto, a corrente libertária da Igreja utilizava os conceitos marxistas para interpretar a realidade brasileira. Mas isso não quer dizer que eles fossem comunistas. De qualquer modo, João Paulo II não gostava do envolvimento dos padres brasileiros com a política e tampouco dos questionamentos realizados por Leonardo Boff, por exemplo, no que se refere às estruturas de poder na Igreja. Começou, então, na década de 80, uma grande pressão do Vaticano para diminuir ou eliminar, no Brasil, essa opção pelos pobres.

No meu livro, relato um embate que ocorreu no Recife, quando fecharam o seminário Serene II (Seminário Regional do Nordeste II), em 1989, por ordem expressa do Vaticano, pois esse seguia a opção pelos pobres e a Teologia da Libertação. Também ordenaram o fechamento do Instituto de Teologia do Recife (ITER). Essas foram grandes perdas para a Igreja do Brasil, na medida em que eram instituições com idéias muito interessantes, contando, inclusive, com teólogas como Ivone Gebara. Com essas mudanças, a partir dos anos 90 se construiu um perfil diferente de padres. Quando o jovem seminarista procurou o seminário, ele não encontrou mais modelos como Serene II ou ITER.

IHU On-Line – Por que essa pressão do Vaticano para acabar com essa opção pelos pobres?

Kenneth Serbin – Porque João Paulo II, junto com outros elementos conservadores na Igreja do Brasil, tinham medo do comunismo. Devemos lembrar que, nos anos 1960 e 1980, ainda estávamos em plena Guerra Fria. Nesse período, quando o papa veio à América Latina e percebeu que os padres eram engajados, políticos e que tinham simpatia pelo marxismo, ele ficou horrorizado, pois foi justamente contra esse tipo de pensamento que ele lutava, no Leste Europeu. A Polônia foi dominada pelos soviéticos por décadas. Para ele, esse sistema era totalitário, ateu e anti-católico.

Opção pelos pobres

IHU On-Line – Para avançar nessas questões (opção pelos pobres), seria necessária uma reforma na formação dos padres, tornando-os mais atuantes nas comunidades? Como o senhor avalia a formação deles nos seminários?

Kenneth Serbin – Não sei se essa opção pelos pobres ainda vai avançar. Pelo menos não nessa linha que existiu nos anos 1960. Haverá, cada vez mais, essa visão da religião como bem de consumo. A linha da libertação terá de lutar para sobreviver. Com esse papado, não ocorrerão reformas, questões sociais e políticas não terão grande abertura, pois ele dá continuidade ao mandato de João Paulo II. Bento XVI tem olhos alemães e observa o mundo dessa forma. Quando ele esteve no Brasil, se sentiu como um peixe fora d’água. O papa João Paulo II era um pastor, enquanto Ratzinger é um intelectual. Por isso, é difícil para o povo brasileiro se sentir empolgado com esse tipo de papa. Penso que a população brasileira não vai à Igreja para ouvir grandes discursos, e sim para sentir Deus no coração.

Esse impulso de reforma na formação dos padres deve vir dos dois lados. A Igreja do Brasil terá de se auto-afirmar, como continua fazendo. Mesmo apresentando uma posição mais tradicional, enfatizando menos a opção pelos pobres, a Igreja brasileira ainda sente o desejo de independência. Esse sentimento persiste desde a época do padre Feijó, que propunha uma Igreja na qual os sacerdotes poderiam casar, não precisassem usar batina e pudessem ajudar o povo a melhorar com a agricultura. A Igreja da Libertação pretendia a mesma coisa: autonomia e um modelo brasileiro de formação. Por isso, no Brasil, os padres vivem uma grande tensão com o Vaticano. Eles nascem em terras brasileiras, mas devem obediência ao bispo e ao papa. Nesse sentido, vivem divididos entre a fidelidade à Igreja e ao povo brasileiro, e se questionam: “Como padre, vou acatar o que meu coração brasileiro diz, ou o que ordena o papa, no Vaticano?”. Independente dessas dificuldades, penso que a Igreja brasileira ainda terá vertentes nacionalistas. Surgiram novos movimentos e desejos de expressar um modelo brasileiro de ser Igreja.

IHU On-Line – A religião como bens de consumo é uma tendência mundial?

Kenneth Serbin – Sim. Tudo na vida está virando bem de consumo. Infelizmente, a religião também está seguindo esse caminho. O desafio das religiões é recuperar os valores tradicionais e, nesse sentido, eu concordo com qualquer católico ou mesmo com o papa, que quer recuperar os valores tradicionais. Quando digo isso, me refiro aos valores da religião: como tratamos o nosso próximo, nossos vizinhos na América Latina, por exemplo. Precisamos prestar mais atenção nas questões éticas e morais, e a religião precisa recuperar esses traços.

Igreja e o PT

IHU On-Line – O senhor disse recentemente, numa entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, que a tendência geral da Igreja no Brasil é de agir com muita cautela nas questões sociais. A que se deve essa postura?

Kenneth Serbin – Isso acontece porque o mundo, o perfil da sociedade e a política brasileira mudaram. No Brasil, atualmente, existe o que chamamos de convergência política. Vinte anos atrás, quando Lula era candidato à presidência, líderes da Igreja progressista, como Leonardo Boff e Frei Betto, pediam votos para ele, e o apoiavam publicamente. Havia uma sintonia entre a Igreja libertária e o PT. Hoje, ela não existe mais. Lula tem como grande aliado o Partido Liberal (PL), que é um reduto da Igreja Universal do Reino de Deus. Isso demonstra que o terreno político no Brasil mudou. As diferenças ideológicas dentro do Congresso Nacional, hoje, são muito menores do que no passado. Ou seja, a polarização política que tinha no Brasil nos anos 1960 e levou ao golpe militar de 1964, acabou. Hoje, Lula se entende com Collor, com a Direita e a com a Igreja Universal. Agora, a Igreja está num contexto onde não há mais polarização, não há mais Guerra Fria. Nesse sentido, observo que ela age com mais cautela, justamente devido a essas mudanças na política.

IHU On-Line – O fato de Lula ter participado de movimentos sociais católicos na juventude deveria influenciar na sua posição frente as questões sociais, atualmente?

Kenneth Serbin – Muitos achavam que, a partir de 2003, seria o momento de o movimento popular no Brasil se afirmar na política. Mas aconteceu o contrário. As relações entre Lula e a Igreja progressista são menos calorosas. O grande eleitorado do presidente são os despossuídos, aqueles que vivem do Bolsa Família, e que por teoria não tinham muita participação na Igreja progressista da época. Aliás, essa foi uma das falhas da Igreja: ela deveria ter atraído mais militantes pobres. Esses, ao contrário, foram para a Igreja Universal do Reino de Deus, para as neopetencostais. Por isso, percebemos hoje não só Lula mas muitos políticos brasileiros participando de comícios com as igrejas evangélicas. Eles sabem que o voto do povo não está só na Igreja Católica.

IHU On-Line – O senhor pesquisou a gestão da presidência de D. Aloísio Lorscheider e de D. Ivo Lorscheiter na CNBB, durante a Ditadura Militar. Como analisa a longa direção de D. Luciano Mendes de Almeida na CNBB? Quais são as continuidades e as descontinuidades destas gestões com as posteriores?

Kenneth Serbin – D. Aloísio Lorscheider esteve na direção da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) entre os anos 1970 e 1978. Em seguida, assumiu D. Ivo Lorscheiter, que permaneceu até 1986. Ambos estiveram à frente da instituição no período em que a Igreja enfrentou as maiores dificuldades de relacionamento com o governo. Além disso, precisavam lidar com problemas ligados a violação dos direitos humanos e à falta de democracia no país. Entretanto, nas reuniões secretas entre o Regime Militar e os bispos, os irmãos Lorscheiter agiam de maneira diferente. Enquanto D. Aloísio Lorscheiter estava disposto a estabelecer um diálogo, D. Ivo Lorscheiter apresentava um posicionamento mais rígido, criticava a falta de liberdade e a política socioeconômica da época.

Nesse período, a Igreja foi uma das poucas instituições que conseguiu se manifestar livremente. Ela representava – como dizia D. Hélder Câmara – “a voz dos que não tinham voz”.

Com a volta da democracia em 1985, e depois com as eleições de 1986, a Igreja não precisou mais “falar em nome dos oprimidos”, pois se instituiu a liberdade de expressão no país, abrindo espaço para o surgimento de novos movimentos sociais e sindicatos, que passaram a desempenhar um papel significativo na área dos direitos humanos, por exemplo.

Com a democracia instituída, o sucessor da CNBB, D. Luciano Mendes de Almeida, que permaneceu na presidência por oito anos, atuou num contexto totalmente diferente. Na gestão dele, ocorreu o impeachment do presidente Collor, eleito em 1989. Nesse momento, as preocupações da Igreja estavam centradas no debate da ética na política e na vida pública. Com a posse dele, ficou clara a volta de uma Igreja mais conservadora, sob o papado de João Paulo II.

Continuidades

Depois da gestão de D. Luciano Mendes de Almeida, a Igreja passou a apresentar uma atitude, a qual chamo de “cão-de-guarda moral”, ou seja, ela não tem mais aquele sentimento informal da época pré-conciliar (antes do Concílio do Vaticano II), que mantinha com Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, nem aquele embate frontal do período de D. Ivo Lorscheiter. Agora, ela continua com suas posições morais, mas denuncia o que considera imoral na sociedade brasileira, como a falta de políticas sociais adequadas. Ela atua mais no sentido de aconselhar, advertir, ou seja, simplesmente chama a atenção para os fatos. Desse modo, ela não se envolve mais nas questões sociais como antes.

IHU On-Line – O último Encontro Nacional de Presbíteros solicitou que a Igreja revisse a lei do celibato, tornando-o opcional. A CNBB não encaminhou o pedido ao Vaticano. Como explicar tanta resistência da Igreja a mudanças no que diz respeito ao celibato? O que uma mudança de posicionamento por parte da Igreja poderia representar para a comunidade católica?

Kenneth Serbin – A discussão do celibato sempre esteve presente na história do Brasil. Essa é uma questão política de interesse nacional. Na época do padre Feijó, o tema foi debatido na Assembléia Nacional. Nos anos 1960, o assunto foi tratado entre seminaristas e bispos, os quais reconheciam a necessidade de mudança. Mas a contestação foi barrada e proibida pelo papa Paulo VI. Ou seja, o Concílio Vaticano II foi a maior reforma nos dois milênios da história da Igreja, e ainda assim, não tocou nessa questão. Pelo contrário, Paulo VI reafirmou o celibato como obrigação dos padres. Isso foi uma tragédia para a Igreja do Brasil, porque ela perdeu, entre os anos 1965 e 1980, mais ou menos três mil padres.

Uma vida paralela

No Brasil, muitos padres, embora continuassem exercendo o sacerdócio, constituíram família; e acredito que essa continua sendo uma prática nos dias atuais. Esses homens sofrem muito, e por isso mantêm relacionamentos paralelos. Em Um espinho na carne. Má conduta e abuso sexual por parte de clérigos da Igreja Católica do Brasil (Santuário, 2002), o padre norte-americano Gino Nasini, que atua no Brasil há anos, mostra que muitos sacerdotes ainda mantêm relações com mulheres. Isso acontece porque eles nunca aceitaram o celibato. Do mesmo modo, os leigos nunca se importaram com essas questões. Essa era uma preocupação dos bispos, e foi uma das causas que motivaram a instalação de seminários no Brasil. Até a época do padre Feijó, existiam poucos seminários no país e a formação seminarística era fraquíssima. A Igreja investiu nesses colégios justamente para implantar o celibato. Lá, isolavam meninos de oito e nove anos, os quais não podiam ter contato com as mães e outras mulheres. Só visitavam a família em ocasiões especiais. Por que tudo isso? Para formar padres celibatários.

Divisão na Igreja

Em 2003, um estudo realizado pelo Ceris (Centro de Estatística Religiosa e Investigações Sociais), órgão da CNBB, mostrou que 42% dos padres querem que o celibato seja opcional, ou seja, quase metade dos sacerdotes. Só que o papa e a Igreja não aceitam esse debate.

Os bispos reivindicavam essa mudança, porque percebiam que estavam perdendo sacerdotes. Além disso, os católicos são somente 73% da população, e a cada ano está diminuindo a proporção católica na sociedade brasileira. Não bastasse isso, as igrejas neopetencostais estão construindo mais templos, formando pastores em menos tempo e liberando-os para casar. Em contrapartida, na Igreja Católica a proporção de padres disponíveis para atender a população é muito desigual. São mais de 10 mil fiéis para cada padre. Como a Igreja vai dar atenção a essas pessoas se não existem mais padres? Se permitissem o casamento dos sacerdotes, acredito que surgiriam mais vocações na Igreja brasileira. A comunidade católica iria se beneficiar dessa questão, pois, além de permitir a volta dos padres casados, iria regularizar a situação dos que vivem, segundo a Igreja, em pecado.

IHU On-Line – No livro Padres, celibato e conflito social. Uma história da Igreja Católica no Brasil, o senhor afirma que desde os anos 30 padres cometiam abuso sexual e não eram punidos. O senhor acredita que os bispos continuam ignorando essa realidade? Por que é tão difícil para a Igreja se posicionar rigidamente diante desses acontecimentos?

Kenneth Serbin – Sim. Eles continuam ignorando a realidade e colocando o lixo embaixo do tapete. Nasini constatou que 10% dos padres brasileiros cometem abusos sexuais. Ele inclui, nesse estudo, padres que mantêm relacionamentos com mulheres. Discordo dele nesse sentido, porque penso que esses sacerdotes não praticam abuso sexual. Nesse caso específico, ambos (o padre e sua companheira) vivem um relacionamento difícil, proibido, pois a Igreja não permite a união.

De qualquer modo, sabemos que é relevante o número de sacerdotes abusando de crianças, mulheres e homens. Entretanto, quantos bispos questionam isso? Quantas pesquisas existem sobre esse fato? E as punições? As penalidades que conheço são realizadas pela justiça. Raramente sai uma notícia no jornal mostrando, por exemplo, que um padre foi processado por abusar uma crianças.

Exemplo da Igreja americana

Quando foram noticiados casos de abuso sexual nos EUA, o Vaticano disse que eles eram um problema local. A mídia americana, como sempre, não pesquisou a situação em outros países. Mas, ao tomar conhecimento dessas práticas, a Igreja norte-americana criou uma comissão especial, instituiu regras novas, fez uma devassa em toda a Igreja para acabar com aquele tipo de comportamento. A Igreja do Brasil ainda não enfrentou essa questão. A imprensa brasileira não está interessada em pesquisar o assunto, e a sociedade é tolerante com esse tipo de problema.

Claro que isso não acontece apenas no Brasil. Desde os anos 1930, nos EUA, por exemplo, quando um padre abusava sexualmente de alguém, e era descoberto pelo bispo, simplesmente era transferido, sem receber qualquer punição. Tampouco era excomungado.

No meu livro, relato o caso de um padre que abusava de seminaristas, e, ao ser descoberto, foi transferido para trabalhar com crianças. Isso é uma hipocrisia muito grande. Então, como se pode perceber, a Igreja do Brasil passa pela mesma crise moral que passou a Igreja dos EUA. A responsabilidade de mudar essa realidade cabe não só aos padres brasileiros, mas também ao papa.

IHU On-Line – Há semelhanças entre a Igreja Católica do Brasil e dos EUA? Em quê? Quais são as principais diferenças entre elas?

Kenneth Serbin – A Igreja nos EUA sempre foi minoritária, e nunca teve uma concordata moral como ocorreu no Brasil. A Igreja brasileira era quase um outro Estado, pois ela sempre teve o poder político, econômico e moral, ou seja, representava um poder paralelo, enquanto a Igreja norte-americana sempre viveu uma situação de pluralismo. Só agora a Igreja brasileira começa a enfrentar a realidade do mundo moderno, ou seja, a perceber que na sociedade existem outras fés, Igrejas, crenças e maneiras de ver o mundo. Muitos integrantes da Igreja brasileira, inclusive os progressistas, não queriam diálogo, e tampouco pretendiam reconhecer o crescimento de outras religiões. Somente agora estão refletindo sobre isso. Ou seja, demorou muito para se chegar a esse ponto.

IHU On-Line – Quais as principais deficiências da Igreja brasileira, hoje?

Kenneth Serbin – A falta de compromisso com o espírito do Concílio do Vaticano II. O Brasil foi um dos países que mais aderiu a esse espírito inovador. Hoje, a posição assumida naquela época está muita fraca. A Igreja recua de muitos desafios. Já avançamos no que diz respeito à participação das mulheres na Igreja, mas poderíamos prosperar mais nesse sentido.

No atual estado do mundo, o debate sobre o aborto também deve ganhar mais destaque. Não digo que a Igreja deva abrir mão de seu ensinamento moral sobre o tema, mas essa é uma questão de saúde pública. Existem tantas mulheres se automedicando, realizando abortos em clínicas clandestinas, isto é, há tanto sofrimento nesse sentido. Essas ações mostram como a Igreja, a imprensa e a sociedade brasileira não valorizam a posição da mulher. Tenho certeza que, se os homens pudessem ficar “grávidos”, o aborto seria legalizado. A sociedade precisa valorizar mais a experiência da mulher. A Igreja brasileira poderia desenvolver um papel profético nesse sentido, poderia acolher essas pessoas e ajudá-las, ao invés de simplesmente impor uma norma dizendo que aborto é pecado. A vida é mais complexa do que isso.

IHU On-Line – O senhor diz que “somente olhando para o passado é que a Igreja vai se preparar para o futuro”. Nesse sentido, que aspectos devem ser resgatados para projetar um futuro melhor para a Igreja? Que futuro podemos esperar para a Igreja nos próximos anos, especialmente na América Latina e no Brasil?

Kenneth Serbin – A Igreja precisa recuperar esse espírito do Concílio, valorizar o diálogo com outras crenças, filosofias, e aprender que o mundo é plural. O problema da Igreja na América Latina é que ela sempre foi um monopólio. Hoje isso está mudando, pois o continente está mais democrático e pluralista. A Igreja tem de se adaptar a essa situação. Temo que, se ela não recuperar esses aspectos, poderá cair na irrelevância. Além disso, a Igreja deve valorizar mais a cultura brasileira e seu povo. A própria América Latina vive uma sensação de inferioridade. A Usmas, nesse sentido, queria valorizar o país e o que é brasileiro na tradição católica, construindo uma formação genuinamente nacional. Esse é o desafio.

Entenda o conflito no Cáucaso

Duas análises do conflito no Cáucaso.

 

Lições do conflito na Ossétia – Paul Reynolds – BBC Brasil: 11/08/2008

Apesar de o confronto na Ossétia do Sul ainda não ter terminado, e a possibilidade de choques por conta de outro enclave na Geórgia, na região de Abecásia, parecer estar aumentando, talvez não seja muito cedo para tentar tirar lições da crise.

1. Não soque um urso no nariz a não ser que ele esteja firmemente amarrado.

O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili deve ter pensado que a Rússia não iria reagir com força ao enviar suas tropas para retomar o controle de um território que ele insiste deve permanecer parte da Geórgia, apesar de contar com alguma autonomia, na véspera dos Jogos Olímpicos.

Mas as chances de a Rússia reagir sempre foram muito prováveis. A Rússia já mantinha tropas na região, liderando a força de paz estabelecida em 1992 por um acordo entre o então presidente russo Boris Yeltsin e o presidente da Geórgia Edward Shevardnadze, o ex-ministro do Exterior soviético que ajudou a pôr fim à Guerra Fria.

A Rússia vem apoiando os separatistas da Ossétia do Sul e entregou passaportes russos à população, o que dá ao país argumentos para alegar que está defendendo seus cidadãos.

O resultado do que muitos veem como um erro de cálculo é que o presidente Saakashvili pode perder qualquer esperança de voltar a impor o poder da Geórgia sobre o enclave.

2. A Rússia está determinada, para dizer o mínimo.

A Rússia, como já o fez tantas vezes no passado, se vê cercada.

Em uma reveladora entrevista ao ex-correspondente da BBC em Moscou Tim Whewell no início deste ano, um assessor do então presidente Vladimir Putin, Gleb Pavlosky, disse que, depois da Revolução Laranja na Ucrânia, a liderança russa concluiu que “isto é o que enfrentamos em Moscou, o que estão tentando exportar para nós, que nós devemos nos preparar para esta situação e, muito rapidamente, fortalecer nosso sistema político…”.

O que se aplicou depois que a Ucrânia se moveu em direção ao Ocidente, se aplicou também à Geórgia. Moscou tenta evitar qualquer revolução deste tipo na Rússia e agora vê a Ucrânia e a Geórgia como influências hostis.

Não está claro até onde a Rússia pretende ir, mas levando-se em conta que já disse que quer restabelecer a ordem na Ossétia do Sul, isso provavelmente significa uma presença permanente, sem devolver à Geórgia um papel de governo. Diplomatas, no entanto, acreditam que é difícil que a Rússia invada a Geórgia “propriamente”.

3. Lembre-se de Kosovo.

A Rússia não gostou quando o Ocidente apoiou a separação de Kosovo da Sérvia e advertiu para consequências. Esta pode ser uma delas. Claro, a Rússia não argumenta que, nesta crise, está fazendo o que Ocidente fez em Kosovo – o que iria minar seu próprio argumento de que Estados não devem ser quebrados sem que haja um acordo. Mas todo mundo sabe que Kosovo não está longe de seus pensamentos.

4. A Geórgia não deve ingressar na Otan tão cedo.

A Geórgia e a Ucrânia tiveram seu ingresso na Otan – a aliança militar do Atlântico Norte – negado em Abril, mas foram autorizadas a elaborar um plano de ação que poderia levar à admissão no grupo no futuro.

Os Estados Unidos defenderam a entrada dos dois países, mas a Alemanha e outros se opuseram, alegando que a região era muito instável para que os países ingressassem no grupo naquele momento, e que a Geórgia, em particular, um Estado com disputa de fronteira, não deveria receber o apoio da Otan.

5. Vladimir Putin ainda está no comando.

Foi Vladimir Putin, o primeiro-ministro e não mais presidente, que esteve presente à cerimônia de abertura da Olimpíada em Pequim e que correu para a região da crise para assumir o controle da resposta russa. Sua linguagem não fez concessões – a Rússia está certa em intervir, declarou.

6. Não deixe uma raposa cuidando das galinhas.

A decisão de Shervardnadze, em 1992, de concordar com a entrada da Rússia na Ossétia do Sul como parte de uma força de paz permitiu que um governo russo futuro e muito diferente daquele de Boris Yeltsin estendesse gradativamente sua influência e controle . Não foi difícil para a Rússia justificar sua intervenção. O governo simplesmente declarou que seus cidadãos não apenas sofrem riscos, mas estão sendo atacados.

7. O ocidente ainda não sabe como lidar com a Rússia.

Alguns dos argumentos da época da Guerra Fria estão ressurgindo, sem que haja consenso sobre o que deve ser feito. Há os neoconservadores, liderados pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, (e apoiados pelo candidato republicano à presidência John McCain), que vêem a Geórgia (e a Ucrânia) como defensores da liberdade que devem ser apoiados. Ao mesmo tempo, eles argumentam, a Rússia será obrigada a mudar, assim como a União Soviética mudou.

Contra isto há o argumento – expressado neste fim de semana à BBC pelo ex-ministro do Exterior britânico Lord Owen, por exemplo – de que é “absurdo” tratar a Rússia como a União Soviética, e que a Geórgia cometeu um erro de cálculo na Ossétia do Sul, pelo qual está pagando.

8. As fronteiras na Europa devem ser eternamente ‘sagradas’?

Esta tem sido uma das regras da Europa pós-guerra – as fronteiras não podem ser mudadas exceto por acordo, como na antiga Checoslováquia. Talvez esta regra tenha sido seguida de maneira muito inflexível. Mas ainda assim, governos como o da Geórgia relutam em abrir mão de qualquer território, mesmo quando a população local é claramente hostil e pode estar naquela situação simplesmente como resultado de uma decisão arbitrária do passado. Foi a União Soviética que forçou a Ossétia do Sul a fazer parte da Geórgia, em 1921. Nikita Khrushcev deu a Crimeia para a Ucrânia. Será que isso algum dia vai causar problemas?

9. Agosto é um bom mês para se refletir sobre alianças.

Em agosto de 1914, o assassinato do arqueduque Franz Ferdinand em Sarajevo levou à Primeira Guerra Mundial. Isso ocorreu porque alianças formadas na Europa entraram em jogo inexoravelmente. A Rússia apoiava a Sérvia, a Alemanha apoiava a Áustria, a França apoiava a Rússia e a Grã-Bretanha entrou no conflito quando a Bélgica foi atacada.

Ninguém deve entrar em uma aliança de maneira leve, ou inadvertidamente. Se a Geórgia estivesse na Otan, o que teria acontecido?

 

O Czar está de volta – Flávio Aguiar – Carta Maior: 11/08/2008

A Primeira Guerra Mundial começou aparentemente quando um suposto anarquista (até hoje essa história não foi de todo contada) disparou contra o arquiduque Ferdinando José, do Império Austro-Húngaro, em Sarajevo, na Sérvia. A cadeia de alianças, algumas secretas, construída em torno da região do Mar Negro, logo levou ao conflito que destruiu impérios (entre eles o Austro-Húngaro) e que só ia parar com o fim da Segunda Guerra Mundial e o começo de outra Guerra Mundial, a Fria.

Esta última terminou, mas não terminou. O desmembramento da União Soviética levou a duas corridas armamentistas: a União Europeia correu para ocupar, “manu econômica”, o espaço do antigo Leste europeu, derramando nele quadros e mais quadros de formação para “preparar o capitalismo”, e quadros e mais quadros funcionais para administrá-lo. E a OTAN correu para ocupar. “manu militari”, o mesmo espaço, ainda com o mesmo objetivo de cercar seu antigo inimigo moscovita, o que só não percebe quem não quer.

O primeiro avanço foi facilitado pela “sede capitalista” (sêde) que cresceu nas sociedades emergentes de um comunismo que não só não conseguiu, de um modo geral, criar o “homem novo”, mas conseguiu a proeza de criar burocracias dirigentes que se transformaram logo em “escolares entusiastas”, mas desorganizados, do capitalismo triunfante ou em máfias extremamente ambiciosas e violentas, mas organizadas, para arrancar e conceder favores na nova ordem.

O segundo avanço, o militar, foi facilitado pelo estraçalhamento da rede de apoio soviética e sua divisão entre as máfias e novos discípulos, que passaram a combater encarniçadamente os velhos discípulos que permanecessem, por razões táticas e estratégicas, mas de modo nenhum ideológicas, aliados da antiga presença da hegemonia russa, que era quem e o que mandava de fato, sob a fachada comunista. A Rússia, durante década e quase meia, viu-se debilitada econômica, política e militarmente, sem poder se contrapor ao avanço do inimigo sobre o que fora seus domínios.

Assim a OTAN bombardeou o ocupou parte dos Bálcãs, enquanto etnias, países e partidos políticos martirizavam suas populações em nome de religiões, de demarcação de territórios, e de um nacionalismo que não recende sequer a aspirações de grandeza, antes a um sórdido conquistar de posições para negocia-las, ou com a águia de duas cabeças do lado leste (o símbolo da antiga Rússia czarista, que renasceu das cinzas da foice e do martelo), ou com a ave de rapina multicor, e de muitas cabeças, do capitalismo triunfante que vinha do lado oeste.

O último capítulo dramático dessa continuação da Guerra Fria foi a “independência” da província separatista do Kosovo, na Sérvia. Na verdade essa “independência” foi uma ocupação da província por albaneses, arqui-inimigos dos sérvios, agora aliados do Ocidente. Houve atrocidades de parte a parte; como os albaneses são agora “aliados”, no Ocidente soube-se mais das atrocidades cometidas pelos soldados sérvios.

Desse episódio, saíram humilhadas a Sérvia e a Rússia. A garantia da independência do Kosovo, território logo ocupado por esquadrões de juízes, policiais, funcionários e administradores de mercado da União Europeia, foi a presença das bases militares da OTAN, instaladas enquanto a Rússia ainda se recuperava das sequelas provocadas pela hecatombe do sistema soviético.

Agora, parece que esse capítulo chegou ao fim e outro começou. Sob a política altamente centralizadora, autoritária na administração e condescendente com as “facilidades” do novo capitalismo, construída durante o primeiro czariato de Putin, a Rússia está em francas vias de recuperação econômica e militar. E parece que chegou a hora de mostrar os dentes.

O governo da Geórgia, desejoso de tornar-se alvo dos avanços militar e econômico do Ocidente, precipitou uma guerra de posições que se dava em torno da sua ex-província da Ossétia do Sul. É mais do que provável que o governo esperasse que seus promissores aliados o socorressem com dinheiro, armas e até soldados. Nada disso aconteceu.

O poderio russo voltou a se afirmar. Quando a Geórgia invadiu a Ossétia, que se proclamara independente nos anos 90 do século passado, Putin, que estava em Pequim assistindo a abertura dos jogos olímpicos, reuniu-se mais do que depressa com Bush.

O que devem ter dito os dois? Quanto às palavras, é impossível saber. Mas certamente Putin fez Bush, agora um presidente sainte, saber que chegara a hora da Rússia beber água, e da Geórgia beber fogo, inclusive em nome do sangue que, aliás, pelos relatos que se têm, seu exército fez correr abundantemente na província invadida, despertando desejos de vingança na população ossétia. E Putin deve ter acrescentado que os Estados Unidos deveria se satisfazer com protestos verbais e deveria “recomendar” o mesmo a seus aliados europeus.

Os Estados Unidos são a maior potência naval e aérea que o mundo já conheceu. Mas em terra ainda não há quem possa com os tanques russos. A única coisa que poderia talvez detê-los seria um ataque aéreo da OTAN, semelhante ao que ela despejou sobre toda a antiga Iugoslávia e em particular sobre a Sérvia, ao fim do século passado, em nome de evitar um genocídio, mas de fato abrindo caminho para a ocupação com suas tropas de terra e bases militares.

Na Europa as reações de direita, na imprensa, seguem o padrão de que o governo georgiano “se excedeu”, e “se precipitou”, mas que a contrarreação russa foi “desproporcional”. A mesma turma, que não hesita em promover a presença ianque e europeia nos Iraque e no Afeganistão, condena o bombardeio russo (agora) da Geórgia, e a ocupação militar de pelo menos parte do território desta, que deve se suceder.

As reações mais para a esquerda coincidem, em boa parte, com a desta análise: Putin está mostrando – sobre, inclusive, a presidência de Medvedev – que o verdadeiro e contínuo Czar é ele, seja como presidente (antes), seja como primeiro-ministro (agora). Putin fora um tanto ofuscado pela presença de Medvedev na conferência do G8 no Japão. Agora voltou à cena, com som e fúria. Saiu de Pequim quase diretamente para a Ossétia do Norte, província russa que limita com sua coirmã “independente” do sul. E de lá comandou ou assistiu o “show” dos tanques russos ao sul de seu império.

Uma coisa é certa: a população da Ossétia do Sul está comendo o pão que a Geórgia, os Estados Unidos, a OTAN, a União Europeia e a Rússia amassaram. Os relatos sobre o comportamento do exército georgiano na Ossétia são terríveis, e foram publicados no conspícuo The Guardian. Mas isto a imprensa do Ocidente, em sua maioria, deverá logo esquecer. E se seguirá a lamentação (também justa) sobre os pobres georgianos que foram vítimas dos bombardeios e dos tanques russos. Afinal, guerra é guerra.