Sete resenhas de livros sobre métodos exegéticos e hermenêutica bíblica em perspectiva latino-americana

Observo o primeiro fascículo de 2006 da RIBLA – Revista de Interpretação Bíblica Latino-Americana. Este fascículo abre o n. 53 da RIBLA e é dedicado à questão dos métodos, da exegese e da hermenêutica bíblicas, privilegiando a perspectiva latino-americana. A revista está organizada em duas partes principais e dois apêndices. Quero aqui focalizar apenas os apêndices.

O primeiro traz sete resenhas de livros sobre métodos exegéticos e hermenêutica bíblica em perspectiva latino-americana, enquanto o segundo traz uma bibliografia com cerca de 50 livros sobre as tendências atuais nos estudos bíblicos, na América Latina e especialmente em outras partes do mundo. Hoje vou apenas indicar as resenhas.

Diz Samuel Almada, responsável pelo editorial, sobre a lista de livros resenhados, que embora não seja exaustiva, estas sete obras mostram como a produção sobre este tema melhorou nos últimos anos. As resenhas, com uma média de duas páginas cada, começam na página 147 e vão até a página 159. Vejamos:

  • José Severino CROATTO Hermenéutica práctica: los principios de la hermenéutica bíblica en ejemplos. Quito: Centro Bíblico Verbo Divino, 2002, 156 p. Resenha de Samuel Almada.
  • Cássio Murilo DIAS DA SILVA Metodologia de exegese bíblica. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2003, 515 p. Resenha de Mercedes Lopes.
  • René KRÜGER e José Severino CROATTO Métodos exegéticos. Buenos Aires: Publicaciones de EDUCAB, 1993. [Não indica o número de páginas]. Resenha de Esteban Arias.
  • Maria Paula RODRIGUES (org.) Palavra de Deus, palavra da gente: as formas literárias na Bíblia. São Paulo: Paulus, 2004, 181 p. Resenha de José Luis Calvillo.
  • Ediberto LÓPEZ Para que comprendiesen las Escrituras: introducción a los métodos exegéticos. San Juan/Puerto Rico: Seminario Evangélico de Puerto Rico/Fundación Puerto Rico Evangélico, 2003. [Não indica o número de páginas]. Resenha de Cristina Conti.
  • Hans de WIT En la dispersión el texto es pátria: introducción a la hermenéutica clásica, moderna y posmoderna. San José: Universidad Bíblica Latinoamericana, 2002, 557 p. Resenha de Samuel Almada.
  • Uwe WEGNER Exegese do Novo Testamento: manual de metodologia. 4. ed. São Leopoldo/São Paulo: Sinodal/Paulus, 2005, 414 p. Resenha de Regene Lamb.

Como informação, o conjunto parece adequado. Como não conheço algumas das obras, não posso opinar sobre a qualidade das resenhas. No livro do Cássio Murilo Dias da Silva, publicado em 2000 e reeditado em 2003, escrevi o último capítulo, com mais de cem páginas, tratando do que chamei de Leitura socioantropológica da Bíblia (mais conhecida, em inglês, como social scientific criticism). A resenhista, pelo que pude perceber, deve conhecer pouco desta abordagem, pois passa rápido pelo texto, sem opinar. Mas isso é de menor importância. Porém…

Estranha-me que Carlos Mesters não tenha aparecido entre os autores resenhados. Quem, no Brasil, pode ignorar, na leitura popular, um livro como Flor sem defesa: uma explicação da Bíblia a partir do povo. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1999? Só para citar uma das muitas contribuições do mestre Mesters! Há outras…

Igreja Metodista decidiu se retirar do CONIC e do CESE

Notícia que vi hoje na página do CEBI – Centro de Estudos Bíblicos. Por 79 votos a favor, 50 contra e quatro abstenções, no dia 14 de julho, durante o 18º Concílio Geral, na cidade de Aracruz, ES, a Igreja Metodista decidiu se retirar de organismos ecumênicos que tenham a presença da Igreja Católica e de grupos não-cristãos.

Notícias CEBI – 21 de julho de 2006

Líderes religiosos lamentaram decisão da Igreja Metodista

Líderes religiosos lamentaram a decisão do 18º Concílio Geral da Igreja Metodista de se retirar de organismos ecumênicos que tenham a presença da Igreja Católica e de grupos não-cristãos. A medida tira os metodistas do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC) e da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE). O momento é de “profunda indignação e tristeza”, disse para a ALC o presidente do CONIC, bispo Adriel de Souza Maia, que foi reeleito para o Colégio Episcopal da Igreja Metodista no 18. Concílio, reunido de 10 a 16 de julho na cidade capixaba de Aracruz. “Vivemos um momento de grande retrocesso”, agregou (…) Em carta dirigida, hoje, à Igreja Metodista, o pastor presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) e moderador do CMI, Walter Altmann, disse que, embora a decisão conciliar deva ser respeitada integralmente, tomada de acordo com a convicção majoritária dos conciliares, a notícia “entristeceu profundamente o nosso coração” (…) Falando em nome pessoal, o assessor do setor de Ecumenismo e Diálogo Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre José Bizon, declarou que a medida representa um retrocesso para uma igreja, como a metodista, que tem uma caminhada ecumênica. “A gente fica perplexo e dói o coração de ouvir uma decisão dessas, quando o mundo se abre ao diálogo”, assinalou. A decisão do Concílio de Aracruz é lamentável, pois vai contra os princípios doutrinários e pastorais da Igreja Metodista, argumentou o secretário executivo do CONIC, Clay Peixoto. “Foi uma decisão política”, acrescentou, referindo-se ao crescimento do movimento carismático de corte sectário e fundamentalista na Igreja Metodista brasileira (cont.)

Enquanto a cidade queimava, o governante tocava lira

Agência Carta Maior: 30/07/2006

Francisco Carlos Teixeira

O sorriso de Condoleezza Rice

“Condi” Rice preferiu tocar piano enquanto Beirute era bombardeada. Tal desprezo pela vida humana nem mesmo é original: um outro governante já tocara lira enquanto outra cidade queimava…Sempre sorridente, abriu os caminhos para o massacre de Qana. Enquanto milhares de bombas abatiam-se sobre as cidades e vilas do Líbano, e outros tantos foguetes sobre Haifa e Tiberíades, a Secretária de Estado dos Estados Unidos, contrariando mais de 40 anos de tradição diplomática americana, afirmava que um cessar-fogo “ainda não era possível ou mesmo necessário”. De forma claramente maquiavélica – visando dar tempo a estratégia de Israel em aniquilar qualquer adversário regional com poder de fogo – “Condi” Rice afirmava, entre sorrisos gentis, que a violência “eram as dores do parto do novo Oriente Médio democrático”. Pouco depois, no domingo 30 de julho de 2006, bombas israelenses matavam dezenas de refugiados, mulheres e crianças, em Qana, sul de Tiro (cont.)