Alerta total: mortandade sem precedentes no planeta Terra

Humanidade causa nova onda de extinção

Para as espécies animais e vegetais da Terra, os últimos 25 anos viram uma mortandade sem precedentes nos últimos milênios: nada menos que 40% da população de 3.000 espécies desses seres vivos sumiu, principalmente graças à ação humana. O dado, que está num relatório das Nações Unidas apresentado ontem, deixa poucas dúvidas de que o planeta está à beira de uma grande onda de extinções, tão grave quanto a que acabou com os dinossauros.

Tal taxa de declínio é só um dos indicadores preocupantes presentes no GBO 2 (sigla inglesa para Panorama Global da Biodiversidade). O relatório foi lançado durante a abertura da COP-8, a 8ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU, a qual vai até o dia 31 em Curitiba.

O estudo foi apresentado pelo argelino Ahmed Djoghlaf, secretário-geral da convenção, e pela ministra brasileira do Meio Ambiente, Marina Silva, logo após a cerimônia de abertura da COP-8. Djoghlaf preferiu dar um tom esperançoso ao evento, afirmando que a convenção nunca esteve tão próxima de ter seus objetivos práticos implantados, mas os dados do GBO 2 sugerem que quase tudo ainda está por ser feito.

Dos 15 indicadores usados pela CBD (como é conhecida a convenção), para avaliar o estado da biodiversidade no planeta, nada menos que 13 se encontram em tendências negativas. Globalmente, fatores como o número de espécies ameaçadas, a integridade dos vários ecossistemas do mundo e o uso sustentável dos recursos andam descendo o ralo, de acordo com o relatório. Os únicos dois indicadores que se destacam por sua tendência positiva nos últimos anos são a quantidade de áreas protegidas pela legislação ambiental e a qualidade da água.

Mares desprotegidos

Não que não exista algo com que se preocupar mesmo entre esses “bons exemplos”. Embora 13% dos ecossistemas do planeta estejam cobertos por reservas neste momento, o GBO 2 aponta que se trata de uma distribuição irregular, e que quase metade dessas grandes áreas naturais possui menos de 10% de sua área sob proteção. No mar, a situação é ainda mais complicada: só 0,5% de sua superfície conta com proteção de algum tipo.

O desaparecimento das populações animais está diretamente ligado a outros dois flagelos identificados pelo relatório. Um deles é a fragmentação de ecossistemas, na qual áreas virgens são retalhadas até se tornarem uma coleção de pequenos pedaços incapazes de sustentar a mesma variedade de vida que possuíam antes.

O outro é a proliferação de espécies invasoras, trazidas intencional ou acidentalmente pela ação humana. Por não terem inimigos naturais nas áreas aonde chegam, elas se tornam verdadeiras pragas. Estima-se que as espécies invasoras sejam responsáveis por 40% da extinção de espécies animais desde o século 17, quando registros confiáveis começaram a ser mantidos.

Fonte: Reinaldo José Lopes – Folha de S. Paulo: 21/03/2006

Centro para o estudo dos manuscritos do Novo Testamento

O Center for the Study of New Testament Manuscripts (Centro para o Estudo dos Manuscritos do Novo Testamento) traz reproduções digitalizadas dos manuscritos do Novo Testamento que foram preservados, além de oferecer uma série de recursos para a crítica textual do Novo Testamento.

Nestes dias o site colocou online um facsimile do Codex Alexandrino, como explica Chris Weimer, no seu blog Thoughts on Antiquity (um códex, ou códice, é um manuscrito em pergaminho cujas folhas são enfeixadas em forma de livro).

Não existe mais nenhum texto original dos livros do Novo Testamento (e nem do AT). Possuímos, na verdade, milhares de manuscritos gregos, versões antigas em outras línguas e citações feitas pelos Padres da Igreja.

Os manuscritos gregos eram escritos em papiro (predominaram até o início do século IV) ou pergaminho (o mais usado, do século IV ao século XIII). O pergaminho já escrito podia, e era, muitas vezes, raspado e reescrito. Hoje, com modernas técnicas, mesmo a escrita raspada pode ser lida. Tal tipo de pergaminho chama-se palimpsesto.

Os manuscritos gregos eram escritos com letras maiúsculas ou unciais (1 uncia = 1 polegada, indicação da medida da letra) ou letras minúsculas (estes, mais recentes, começaram a aparecer no século IX).

Os lecionários eram compilações dos textos gregos feitas para uso das comunidades. Mesmo retalhados em pequenos textos, contêm eles a maior parte do NT.

São atualmente [em 2015] conhecidos quase seis mil manuscritos gregos do NT, assim divididos:

128 papiros – designados por um P e um número: P1, P2, P45 etc
322 pergaminhos maiúsculos – representados por letras maiúsculas latinas, gregas e hebraicas
2.925 pergaminhos minúsculos – indicados por algarismos: 1, 2, 25 etc
2.460 lecionários – designados por um l minúsculo e um número: l1, l2 etc

Naturalmente estes manuscritos quase nunca contêm todo o NT. Em número maior aparecem cópias dos evangelhos, seguidos pelas cartas de Paulo. E o Apocalipse é o mais desconsiderado.

O mais antigo fragmento do NT é o P52, conhecido como Papiro Ryland, que se encontra em Manchester, Inglaterra. Contém Jo 18,31-33.37-38. Uns poucos versículos, como se vê. Sua data: início do século II.

Entre os mais importantes pergaminhos maiúsculos, temos:

O Vaticano porque desde o século XV está na Biblioteca Vaticana. Contém, além do AT quase todo, a maior parte do NT. É do princípio do séc. IV, vem provavelmente do Egito, é um dos melhores textos do NT e o mais antigo dos grandes manuscritos bíblicos.

O Sinaítico, encontrado no Mosteiro de Santa Catarina, no Sinai, está hoje, na sua maior parte, na British Library de Londres, enquanto partes menores estão em outros três lugares. Data da metade do século IV, é originário do Egito ou da Palestina. Contém todo o NT.

O Alexandrino, do século V, Egito, ficou do século XIV até 1627 na biblioteca do Patriarca de Alexandria e agora está no British Museum. Contém o NT todo, com lacunas.

O Ephraemi Rescriptus, do século V, é um palimpsesto apagado no século XII. Contém 5/8 do NT e está hoje na Biblioteca Nacional de Paris.