Estudos Bíblicos 114 é dedicada a Milton Schwantes

Acabo de receber o número 114 da Revista Estudos Bíblicos, da Vozes: Textos biblicos, frutos de experiências transformadoras e a memória de Milton Schwantes. Tem 136 páginas.

Foi elaborado pelo grupo de biblistas do Centro-Oeste. Escrevem, neste número, Carlos Mesters e Francisco Orofino, Marcelo Barros, Ivoni Richter Reimer e Haroldo Reimer, Joel Antônio Ferreira, Valmor da Silva, Paulo Ueti, Clodoaldo Moreira dos Santos Júnior e Roberto Francisco de Oliveira, Carla Naoun, Célio de Pádua Gracia, Maria Aparecida de Castro, Paulo Rodrigues Ribeiro.

No editorial diz Joel Antonio Ferreira:
Queremos, num primeiro momento, examinar em que a Literatura Bíblica tem ajudado na transformação social. No momento posterior, olharemos vários textos que surgiram a partir das experiências de mudança. Quer dizer: examinaremos não os textos bíblicos que foram elaborados no palácio ou no templo, porém, aqueles que foram frutos de muita dor, sofrimento e luta e, depois, foram para a literatura.

Leia Mais:
Morreu o biblista Milton Schwantes
Profecia e esperança: um tributo a Milton Schwantes
Milton Schwantes: mais depoimentos

Resenhas na RBL: 22.09.2012

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

François Bovon; Glenn E. Snyder, ed.
New Testament and Christian Apocrypha
Reviewed by Christopher Tuckett

Stanislas Breton
A Radical Philosophy of Saint Paul
Reviewed by Halvor Moxnes and Ole Jakob Løland

Mark Forman
The Politics of Inheritance in Romans
Reviewed by David J. Downs

Anselm Hagedorn and Henrik Pfeiffer, eds.
Die Erzväter in der biblischen Tradition: Festschrift für Matthias Köckert
Reviewed by Cynthia Edenburg

Martin Hengel
Saint Peter: The Underestimated Apostle
Reviewed by Timothy P. Henderson

Kelly R. Iverson and Christopher W. Skinner, eds.
Mark as Story: Retrospect and Prospect
Reviewed by Cornelis Bennema

James A. Kelhoffer
Persecution, Persuasion and Power: Readiness to Withstand Hardship as a Corroboration of Legitimacy in the New Testament
Reviewed by Brian J. Tabb

Cheryl A. Kirk-Duggan and Tina Pippin, eds.
Mother Goose, Mother Jones, Mommie Dearest: Biblical Mothers and Their Children
Reviewed by Vicki Phillips

Allan J. McNicol
The Conversion of the Nations in Revelation
Reviewed by Peter S. Perry

Adrian Schenker
Anfänge der Textgeschichte des Alten Testaments: Studien zu Entstehung und Verhältnis der frühesten Textformen
Reviewed by Marjo C. A. Korpel

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

O Vaticano II aos 50

No dia 25 de janeiro de 1959, João XXIII anunciou a realização de um Concílio Ecumênico, o Concílio Vaticano II, que começou em 11 de outubro de 1962 e terminou em 08 de dezembro de 1965.

A Revista Internacional de Teologia Concilium foi fundada em 1965 pelos teólogos Y. Congar, H. Küng, J. B. Metz, K. Rahner e E. Schillebeeckx.

Esta revista – iniciada por estes maiores teólogos europeus do século XX – agrupou aos poucos em torno de si teólogos de renome do mundo inteiro. Hoje a revista é elaborada por teólogos europeus, latino-americanos, asiáticos, americanos e africanos. Os números são publicados simultaneamente em 7 línguas: francês, inglês, italiano, alemão, holandês, espanhol e português.

O Concílio Vaticano II abriu a Igreja Católica para o diálogo com o mundo. A revista Concilium foi fundada para manter o “espírito do Concílio” e dar continuidade a este diálogo. Assim sendo, os números da revista tratam sempre de temas relevantes para a teologia – muitas vezes polêmicos – em diálogo com a sociedade.

Acabo de receber o fascículo 346 – 2012/3 da Revista Concilium. Tem 151 páginas. Seu tema: Começa o Vaticano II: 50 anos após.

Assinam o editorial: Silvia Scatena, Dennis Gira, Jon Sobrino e Maria Clara Bingemer.

Escrevem, neste número: Peter Hünermann (Alemanha), Alberto Melloni (Itália), Giuseppe Ruggieri (Itália), John W. O’Malley (EUA), Christoph Théobald (França), Gérard Siegwalt (França), Jon Sobrino (El Salvador), Maria Clara Lucchetti Bingemer (Brasil), Agbonkhianmeghe E. Orobator (Quênia), Mary E. Hines (EUA), José Oscar Beozzo (Brasil), Felix Wilfred (Índia), Martin Maier (Alemanha) e Andrés Torres Queiruga (Espanha).

Leia Mais:
Alguns livros e artigos sobre o Vaticano II

Igreja, Cultura e Sociedade na IHU On-Line

Igreja, Cultura e Sociedade é o tema de capa da revista IHU On-Line, n. 403, de 24.09.2012

De 2 a 5 de outubro, o Instituto Humanitas Unisinos – IHU promove o XIII Simpósio Internacional IHU: Igreja, cultura e sociedade. A semântica do Mistério da Igreja no contexto das novas gramáticas da civilização tecnocientífica. No 50º aniversário do início do Concílio Vaticano II, a Unisinos debate as várias formas e possibilidades de interlocução da Igreja com a sociedade e a cultura contemporânea. A revista IHU On-Line desta semana subsidia a discussão do tema central do evento com a participação de pesquisadores/as de várias áreas do conhecimento.

As entrevistas:

  • Paul Valadier: “A Igreja Católica só terá credibilidade se admitir em seu seio o pluralismo”
  • George Coyne: O ocaso de um Deus newtoniano
  • Marcelo Gleiser: O perigo do obscurantismo e da prepotência
  • Peter C. Phan: “Ser religioso é ser inter-religioso”
  • Mário de França Miranda: “A Igreja muda para poder continuar sendo Igreja”
  • Roger Haight: “A Igreja institucional permanece escandalosamente inalterada”
  • Mary Ann Hinsdale: Mulheres teólogas: líderes em quase todas as áreas atuais da teologia
  • Manuel Hurtado: “Narrar o Jesus dos evangelhos é narrar como Deus acontece no meio de nós”
  • Yara Caznok: Beethoven: modernidade e ousadia nas semânticas do Mistério na música
  • Massimo Pampaloni: O cinema como lugar de possibilidade de expressão do Mistério
  • Joe Marçal: As semânticas do mistério no cinema
  • Antonio Spadaro: A compatibilidade da fé à luz da lógica da rede
  • Getúlio Antônio Bertelli: O silêncio de Deus e o seu sofrimento junto dos inocentes
  • Lúcia Pedrosa de Pádua: Teresa de Ávila, mulher “eminentemente humana e toda de Deus”
  • Luiz Carlos Susin: A semântica do sacrifício na obra da salvação

Evangelho da Esposa de Jesus?

Leia primeiro em português:

Papiro do século 4º menciona “mulher de Jesus” – Reinaldo José Lopes: Folha.com 18/09/2012 – 20h27

Depois, veja um roundup (=giro) pela biblioblogosfera feito por James F. McGrath, em Coptic Text Mentions Jesus’ Wife [em 18.09.2012].

Seguido de outro, hoje, 19.09.2012: 2 – Jesus’ Wife

E de outro, em 20.09.2012: 3 – Jesus’ Wife

Não deixe de ver as considerações de Mark Goodacre em The Gospel of Jesus’ Wife e de April DeConick em Gospel of Jesus’ Wife, entre tantas outras…

E a origem de tudo: The Gospel of Jesus’s Wife: A New Coptic Gospel Papyrus.

Vai dar polêmica? Vai. Por causa do tema. E da proveniência (ainda) desconhecida do fragmento de papiro…

 

Atualizando…

Veja aqui o resultado de uma busca na biblioblogosfera pelas palavras “Gospel of Jesus’ Wife” às 15h00 de hoje, 19.09.2012!

Em 20.09.2012 – 17h00: Alin Suciu, citado no artigo de Reinaldo José Lopes e Fernando Moraes (cf. em “Leia Mais”), tem um Biblioblog e está no Twitter.

Em 23.09.2012 – 15h30: The Gospel of Jesus’ Wife ~ A Rogueclassicist Perspective: By rogueclassicist on September 22, 2012 (bom panorama do “furdunço” que a coisa virou)

Em 27.09.2012 – 16h00: The Gospel of Jesus’ Fake Wife, or the Fake Gospel of Jesus’ Wife? – By James F. McGrath on September 27, 2012 (a autenticidade do texto está sendo fortemente questionada)

Em 01.10.2012 – 9h15: Inventing Jesus’ Wife – By Francis Watson – The Bible and Interpretation – Revised, 27 September 2012

Em 17.10.2012 – 08h15: Obituary for Jesus’ Wife in The Guardian – By James F. McGrath on October 16, 2012

Leia Mais:
Papiro que cita “mulher de Jesus” causa controvérsia entre especialistas – Reinaldo José Lopes e Fernando Moraes: Folha.com 20/09/2012 – 05h00
Vaticano diz que papiro não muda posição da Igreja – France Presse: Folha.com 20/09/2012 – 12h16

Morreu o hititólogo Itamar Singer (1946-2012)

Morreu Itamar Singer, um grande especialista em hititologia.

Confira o livro dedicado ao estudioso por ocasião de sua aposentadoria:

COHEN, Y.; GILAN, A.; MILLER, J. L. (eds.) Pax Hethitica: Studies on the Hittites and their Neighbours in Honour of Itamar Singer.  Wiesbaden: Harrassowitz Verlag, 2010 xiv + 439 p. – ISBN 9783447061193.

Há uma resenha do livro na RBL. Veja mais detalhes sobre a obra aqui (pdf) como a lista completa dos ensaios, a biografia de Itamar Singer e sua bibliografia.

Sobre os hititas e a hititologia, conferir Hethitologie Portal Mainz.

Minhas condolências à esposa Graciela Gestoso Singer, com quem já mantive alguns contatos.

Leia: The Obituary of Itamar Singer – Jim West: Zwinglius Redivivus 20/09/2012

Por que Jesus é “Filho de Deus” para Marcos?

Uma curiosa solução para a caracterização de Jesus como “Filho de Deus” no Evangelho de Marcos foi apresentada por Michael Peppard, Professor de Teologia na Fordham University, New York.

Está em seu livro

The Son of God in the Roman World: Divine Sonship in its Social and Political Context. New York: Oxford University Press, 2012, 304 p. – ISBN 9780199933655.

Um artigo do autor sobre o tema pode ser lido na revista online The Bible and Interpretation:

Powerful Sons Were Adopted Sons: A Roman Imperial Perspective

Onde se diz:
To read Mark as having some general connection to Rome is not a novel idea, but new and surprising interpretations do emerge when specific aspects of Roman culture and ideology are emphasized. Through analysis of archaeological and textual remains, I argue that, whether located in Rome or elsewhere in the Empire, Mark’s narrative characterization of Jesus can be justifiably construed in the light of Roman imperial ideology. Regardless of exactly where Mark began to narrate the Son of God, he was doing so in the Empire governed by the other “god” and “son of god,” the emperor who had even begun to be worshipped by some in Palestine itself. 

Kevin Brown, do biblioblog Diglotting ficou entusiasmado com o livro:
This book is a great study. If you want to understand how Jesus is portrayed as the son of God in the Gospel of Mark and earliest Christianity, then forget the christological orthodoxy of Chalcedon, the philosophical foundations of Nicaea, the logos Christologies of John and Justin, and the virgin birth narratives of Matthew and Luke. Instead, read this book and be enlightened –  Review: The Son of God in the Roman World.

Li apenas o artigo. E achei a argumentação fraca.

Colóquio com Avraham Faust na Biblical Studies

A lista de discussão Biblical Studies vai promover, de 2 a 10 de dezembro de 2012, um debate com Avraham Faust, Professor de Arqueologia na Universidade Bar-Ilan, Israel, a propósito de seu livro

Judah in the Neo-Babylonian Period: The Archaeology of Desolation. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2012, 318 p. – ISBN 9781589836402.

Neste livro o autor argumenta – contrariando tendências recentes que dizem ser a terra vazia durante o exílio babilônico de Judá um mito – que tanto o espaço urbano quanto o rural ficaram desertos e desolados neste período, levando séculos para se recuperar…

The Babylonian conquest of Jerusalem in 586 B.C.E. was a watershed event in the history of Judah, the end of the monarchy and the beginning of the exilic period, during which many of the biblical texts were probably written. The conquest left clear archaeological marks on many sites in Judah, including Jerusalem, and the Bible records it as a traumatic event for the population. Less clear is the situation in Judah following the conquest, that is, in the sixth century, a period with archaeological remains the nature and significance of which are disputed. The traditional view is that the land was decimated and the population devastated. In the last two decades, archaeologists arguing that the land was not empty and that the exile had little impact on Judah’s rural sector have challenged this view. This volume examines the archaeological reality of Judah in the sixth century in order to shed new light on the debate. By expanding research into new avenues and examining new data, as well as by applying new methods to older data, the author arrives at fresh insights that support the traditional view of sixth-century Judah as a land whose population, both urban and rural, was devastated and whose recovery took centuries.

Avraham Faust is Professor of Archaeology at the Martin (Szusz) Department of Land of Israel Studies and Archaeology at Bar-Ilan University. He has published extensively on the archaeology and history of the Southern Levant with special emphasis on Iron Age Israelite society.

Mobilidade religiosa no Brasil

Um livro que merece atenção:

DE OLIVEIRA, P. A. R. ; DE MORI, G. (orgs.) Mobilidade religiosa: linguagens, juventude, política. São Paulo: Paulinas/Soter, 2012, 296 p. – ISBN 9788535632286.

Diante da recente divulgação do Novo Mapa Religioso Oficial do Brasil – Censo IBGE 2010, afloram novas questões que desafiam as Ciências da Religião e a Teologia a desenvolver chaves teóricas de leitura do processo de reconfiguração dos sistemas religiosos e do trânsito religioso que o acompanha: o que revelam esses dados? Como interpretar as linguagens daí decorrentes, bem como as novas formas de organização da pertença religiosa, seu maior ou menor grau de institucionalização, seu aporte à transformação social? Que influência essa massiva presença do religioso tem na formação de valores éticos e que relações estabelece com a política? Como os jovens se situam dentro desse processo de redesenho do panorama religioso nacional?

Interpretar a atual distribuição de afiliação religiosa do Brasil é um desafio, seja do ponto de vista da constatação quantitativa, seja de sua compreensão de fundo, um desafio a que se propôs um grupo de especialistas no livro Mobilidade religiosa – linguagens, juventude, política. Suas ideias são apresentadas não como pontos de chegada, mas, antes, como estímulo a que teólogos e cientistas da religião levem em conta ao pensar o impacto da articulação entre teologia e ciências da religião em nosso País. O resultado do Censo do IBGE revela que temos sob os olhos notáveis processos de recomposição e de inovações religiosas, como a Teologia da Libertação, a renovação carismática e o pentecostalismo, que põem em cheque a pertinência para a realidade brasileira atual de teorias elaboradas no contexto europeu do pós-guerra.

O título da obra, organizada por Pedro A. Ribeiro de Oliveira e Geraldo De Mori, foi tema do 25º Congresso da SOTER (Sociedade de Teologia e Ciências da Religião). Ao escolhê-lo como eixo para 2012, a assembleia da SOTER apontou três tópicos em que ele ganha grande relevância na atualidade: as relações entre religião, política e cotidiano; a linguagem religiosa e espiritual, e sua hermenêutica; e o lugar da religião e da espiritualidade nas juventudes, tema que desperta cada vez maior atenção.

Política e Religião: barafunda paulistana 2012

Para acompanhar a barafunda entre política, religião e (interesses da) mídia, que está acontecendo, nestes dias, nas eleições municipais de São Paulo em 2012, uns bons links – para análise – podem ser encontrados aqui (é apenas uma busca em Notícias: IHU).

Quem achar “barafunda” termo inadequado, pode escolher outro aqui.