Saber x ideologia: ainda o discurso competente

Creio que o post anterior possa ter gerado alguma confusão. Talvez os leitores sejam levados a tomar a categoria “competência” como sinônimo de “saber”, como se eu estivesse negando a necessidade da ciência e defendendo o senso comum. Não é bem isso o que quero dizer.

Nehemias, um leitor do blog – a quem agradeço – fez, no comentário, algumas ressalvas ao post O discurso competente: dissimulador da dominação. Tentei esclarecer o que quis dizer, também no comentário, mas acho que ainda não ficou bom. Vou tentar explicar melhor.

O já citado filósofo francês da ciência, Gaston Bachelard, compõe a sua obra a partir de uma dupla vertente: a científica e a poética. Para Bachelard, o tempo só tem a realidade do instante, daí ser o conhecimento uma obra temporal. Se para Bergson o instante é duração, gerando um processo de continuidade, e nos transformando na condensação da história que vivemos, para Bachelard, ao contrário, o instante é trágico, pois ele é a solidão que nos isola de nós mesmos e dos outros. Como vencer esta solidão? Com a ciência e a poesia.

Passo a citar Hilton Japiassú, Para ler Bachelard. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976, p. 22-23: O tempo é a consciência dessa solidão. A coragem aparece como a necessidade de se lutar contra a solidão. É assim que teremos acesso a nós mesmos, aos homens e às coisas. Nós somos nossa decisão. Nossos valores se inscrevem no término de uma ação através da qual fazemos os instantes que vivemos, quer dizer, nosso tempo. Devemos nos definir pela tendência que tivermos de nos ultrapassar e de nos transformar. Para tanto, dois caminhos se apresentam: de um lado, a ciência e a técnica vencem a solidão criando um prolongamento de nós mesmos e uma sociedade; de outro, a poesia e a imaginação libertam-nos da servidão da história e das referências da memória, para nos fazer descobrir homens e coisas. O homem é ao ao mesmo tempo Razão e Imaginação.

Limitando-me aqui à vertente científica, quero dizer que, segundo Bachelard, o conhecimento é uma operação na qual a ciência cria seus próprios objetos pela destruição dos objetos da percepção comum, dos conhecimentos imediatos. A ciência é uma ação eficaz e devemos utilizá-la para agir sobre o mundo e transformá-lo. Portanto, o progresso científico se faz por rupturas com o senso comum, com as opiniões primeiras e com as pré-noções da filosofia espontânea (cf. BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999, 314 p. ISBN 8585910117).

Mas gostaria de ir além, voltando a Marilena Chauí, na citada obra Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006, 367 p. ISBN 9788524911903.

Falando da diferença entre saber e ideologia, Chauí nos mostra que o saber é um trabalho. Trabalho para elevar à dimensão do conceito uma situação de não-saber. Situação gerada por uma experiência imediata obscura que pede clarificação. Obscuridade que é o caráter indeterminado da experiência. O saber é, portanto, o trabalho para determinar esta indeterminação, tornando-a inteligível. Daí, só há saber quando se aceita o risco da indeterminação que faz nascer a reflexão. Por outro lado, a ideologia recusa a indeterminação que habita a experiência. Ela neutraliza a história, abole as diferenças, oculta as contradições e desarma as interrogações. No saber as idéias são produto de um trabalho, são históricas. Na ideologia, o conhecimento se transforma em ideia instituída.

Bom, daqui para a frente é só reler o post anterior para clarear o que são discursos instituídos e competentes.

O discurso competente: dissimulador da dominação

Já dizia o filósofo francês Gaston Bachelard (1884-1962) que o conhecimento científico é sempre a reforma de uma ilusão e que, também por isso, não criamos com ideias ensinadas. Ora, o ser humano é um despertador de mundos…

Pois é. A ideia de Kevin Wilson de lançar um livro sobre os Blogs de Estudos Bíblicos acabou tangenciando duas questões interessantes:
:: o predomínio dos norte-americanos na área – veja a proposta monocórdica inicial de Kevin Wilson quanto à nacionalidade dos nomes sugeridos
:: a determinação da competência para analisar o ato de blogar sobre estudos bíblicos – veja os comentários destes dois posts de Kevin Wilson, aqui e aqui (incluindo um salto epistemológico indevido ao equiparar as ciências médicas com as ciências humanas).

Sobre este último ponto gostaria de lembrar, mais uma vez, Marilena Chauí e o que ela diz sobre a competência do discurso, em seu livro Cultura e democracia: O discurso competente e outras falas. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006, 367 p. ISBN 9788524911903

Marilena Chauí nos lembra que a sociedade capitalista possui enorme habilidade para transformar discursos instituintes e históricos em discursos instituídos e competentes.

O mecanismo funciona da seguinte maneira: um discurso que era histórico torna-se instituído e competente, podendo ser ouvido e aceito como autorizado porque perde os laços com o lugar e o tempo de sua origem. É o discurso que funciona segundo a restrição seguinte: “Não é qualquer um que pode dizer a qualquer outro qualquer coisa em qualquer lugar e em qualquer circunstância”.

E isto acontece porque a divisão capitalista do trabalho burocratiza as sociedades contemporâneas e transforma os discursos por ela autorizados em discursos dissimuladores de suas relações de dominação.

Este discurso competente e autorizado – o discurso do “doutor”, aqui, do Ph.D. – pressupõe a incompetência e a não-autoridade dos leitores, que não são considerados como sujeitos sociais e políticos. Mas são considerados como sujeitos individuais e pessoas privadas, revalidando, aparentemente, dessa maneira, a sua competência social usurpada.

Homenagem a Philip Davies

BURNS, D.; ROGERSON, J. W. (eds.) Far From Minimal: Celebrating the Work and Influence of Philip R. Davies. London: Bloomsbury T & T Clark, 2014, 576 p. – ISBN 9780567114358.

BURNS, D.; ROGERSON, J. W. (eds.) Far From Minimal: Celebrating the Work and Influence of Philip R. Davies. London: Bloomsbury T & T Clark, 2014Esta é uma obra que homenageia Philip R. Davies por ocasião de seus 60 anos de vida. Os autores se propõem refletir sobre a influência de Philip R. Davies nos estudos bíblicos nos últimos 30 anos.

Diz a editora:

Marking the 60th birthday of Professor Philip R. Davies, Dr. Duncan Burns and John W. Rogerson, his former student and colleague, respectively, aim to do him justice. They have comprised articles from their peers to reflect on the impact Professor Davies has made in three particular areas of study: Hebrew Bible, Qumran, and Paleastinian Archaeology; New Testament and Early Judaism; and Biblical Interpretation. The breadth of this volume aims to reflect the scope, interest, and influence of Professor Davies from the last 30 years.

A mídia como poder criador de realidade

Já que em nosso meio se propõe, neste momento, a produção de um livro sobre o mundo dos Blogs de Estudos Bíblicos, os Biblioblogs, a reflexão da Professora Marilena Chauí sobre a crise aérea brasileira e a atitude da mídia nesta circunstância pode ser proveitosa.

Isto porque Marilena Chauí explicita, em determinado ponto de seu texto, o papel do especialista que se apresenta através dos recursos virtuais da mídia eletrônica como o único agente competente para criar a realidade a ser vivida pela sociedade. O ato de criação que as religiões atribuíam ao deuses e as filosofias à natureza, passa a ser agora uma atribuição dos meios de informação e comunicação. Na minha opinião, isto tem muito a ver conosco, como biblistas, e com a produção de nossos biblioblogs.

O texto A invenção da crise, da Prof. Marilena Chauí, está no blog Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim. É composto de uma introdução e de respostas a três perguntas feitas à filósofa pelo jornalista.

Marilena Chauí cursou Filosofia na USP (Universidade de São Paulo), onde também fez o Mestrado. Doutorou-se na França e defendeu sua tese de Livre Docência na USP, onde é Professora Titular do Departamento de Filosofia. Especialista em História da Filosofia Moderna e Filosofia Política, é autora de importantes obras sobre Merleau-Ponty e Espinosa e tem produzido estimulantes reflexões sobre ideologia e cultura.

Agradeço ao amigo e colega Telmo Figueiredo pela indicação do texto.

Paulo Henrique Amorim:
No fim de Simulacro e Poder* a sra. diz: “… essa ideologia opera com a figura do especialista. Os meios de comunicação não só se alimentam dessa figura, mas não cessam de instituí-la como sujeito da comunicação …Ideologicamente … o poder da comunicação de massa não é igual ou semelhante ao da antiga ideologia burguesa, que realizava uma inculcação de valores e ideias. Dizendo-nos o que devemos pensar, sentir, falar e fazer, (a comunicação de massa) afirma que nada sabemos e seu poder se realiza como intimidação social e cultural… O que torna possível essa intimidação e a eficácia da operação dos especialistas … é … a presença cotidiana … em todas as esferas da nossa existência … essa capacidade é a competência suprema, a forma máxima de poder: o de criar realidade. Esse poder é ainda maior (igualando-se ao divino) quando, graças a instrumentos técnico-científicos, essa realidade é virtual ou a virtualidade é real…” Qual a relação entre esse trecho de Simulacro e Poder e o que se passa hoje?

Marilena Chauí:
Antes de me referir à questão do virtual, gostaria de enfatizar a figura do especialista competente, isto é, daquele que é supostamente portador de um saber que os demais não possuem e que lhe dá o direito e o poder de mandar, comandar, impor suas idéias e valores e dirigir as consciências e ações dos demais. Como vivemos na chamada “sociedade do conhecimento”, isto é, uma sociedade na qual a ciência e a técnica se tornaram forças produtivas do capital e na qual a posse de conhecimentos ou de informações determina a quantidade e extensão de poder, o especialista tem um poder de intimidação social porque aparece como aquele que possui o conhecimento verdadeiro, enquanto os demais são ignorantes e incompetentes. Do ponto de vista da democracia, essa situação exige o trabalho incessante dos movimentos sociais e populares para afirmar sua competência social e política, reivindicar e defender direitos que assegurem sua validade como cidadãos e como seres humanos, que não podem ser invalidados pela ideologia da competência tecnocientífica. E é essa suposta competência que aparece com toda força na produção do virtual.

Em Simulacro e Poder eu me refiro ao virtual produzido pelos novos meios tecnológicos de informação e comunicação, que substituem o espaço e o tempo reais – isto é, da percepção, da vivência individual e coletiva, da geografia e da história – por um espaço e um tempo reduzidos a um única dimensão; o espaço virtual só possui a dimensão do “aqui” (não há o distante e o próximo, o invisível, a diferença) e o tempo virtual só possui a dimensão do “agora” (não há o antes e o depois, o passado e o futuro, o escoamento e o fluxo temporais). Ora, as experiências de espaço e tempo são determinantes de noções como identidade e alteridade, subjetividade e objetividade, causalidade, necessidade, liberdade, finalidade, acaso, contingência, desejo, virtude, vício etc. Isso significa que as categorias de que dispomos para pensar o mundo deixam de ser operantes quando passamos para o plano do virtual e este substitui a realidade por algo outro, ou uma “realidade” outra, produzida exclusivamente por meios tecnológicos. Como se trata da produção de uma “realidade”, trata-se de um ato de criação, que outrora as religiões atribuíam ao divino e a filosofia atribuía à natureza. Os meios de informação e comunicação julgam ter tomado o lugar dos deuses e da natureza e por isso são onipotentes – ou melhor, acreditam-se onipotentes. Penso que a mídia absorve esse aspecto metafísico das novas tecnologias, o transforma em ideologia e se coloca a si mesma como poder criador de realidade: o mundo é o que está na tela da televisão, do computador ou do celular.

* CHAUÍ, M. Simulacro e Poder: Uma Análise da Mídia. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2006, 144 p. ISBN 8576430274.

Discutindo os Blogs de Estudos Bíblicos em livro

Blogging the Bible: Call for Contributors é um post de Kevin A. Wilson, hoje, em seu biblioblog Blue Cord, convocando colaboradores para um livro que se propõe discutir o (biblio)blogar como uma disciplina acadêmica.

O livro teria por título algo como Blogging the Bible: Scholars, Scriptures, and New Media.

Esta é uma iniciativa muito interessante, válida e necessária. Leia o post de Kevin Wilson para maiores informações.

Jim West está sugerindo meu nome (e de outros biblioblogueiros: Michael Pahl. Mark Goodacre, James Crossley e Claude Mariottini) para contribuir com um dos ensaios do livro, mais especificamente: Blogging the Breaking News.