The Catholic Biblical Quarterly – October 2006

Acabo de receber o número de outubro de 2006 da revista The Catholic Biblical Quarterly, publicada por The Catholic Biblical Association of America.

Este é o n. 4 do volume 68, o último número do ano. São 5 artigos e 88 páginas de resenhas, cada uma com cerca de página e meia.


Os quatro números de 2006 totalizaram mais de 800 páginas de texto.

Estudos Biblicos 91 analisa textos de Jeremias

Coordenado por Milton Schwantes, o n. 91 da revista Estudos Bíblicos lê os capítulos 37-45 do livro do profeta Jeremias. São 17 textos curtos, onde autores e autoras analisam estes capítulos que dizem respeito aos últimos anos da vida do profeta, sob os governos de Sedecias e de Godolias.

No final há uma bibliografia que aponta 48 livros e artigos sobre Jeremias, com predominância de publicações em português.

Os textos podem ser úteis para estudo em comunidades e para alunos de graduação em Teologia.

Confirma-se, por outro lado, a tendência bem arraigada no país, quando se lida com as origens de Israel, de parar nas propostas de Gottwald, feitas em publicação de 1979.

Aproveite a oportunidade e leia também as Perguntas Mais Frequentes sobre o Profeta Jeremias.

Lula: o melhor Presidente do Brasil

Folha Online: 17/12/2006 – 10h11

Pesquisa aponta Lula como melhor presidente do país

Fernando Canzian – da Folha de S. Paulo

… Lula (…) é apontado espontaneamente por 35% dos entrevistados como o melhor mandatário que o Brasil já teve. O percentual equivale a praticamente o dobro da preferência obtida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) no final de 2002 (18%), quando o tucano encerrou seu segundo mandato. Na pesquisa atual, enquanto Lula tem 35%, FHC caiu para 12%. Os próximos mais bem avaliados são Juscelino Kubitscheck (11%), Getúlio Vargas (8%; 21% entre os com mais de 60 anos) e José Sarney (5%). Lula também encerra o primeiro mandato com 52% dos brasileiros considerando seu governo ótimo/bom, o maior patamar entre quatro presidentes avaliados pelo Datafolha desde a redemocratização. O melhor índice até aqui (53%) pertence ao próprio Lula, obtido às vésperas do 2º turno eleitoral de 2006 (cont.)


Em shevá contra shevá apenas um sobrevive

Você consegue pronunciar uma meia-vogal, uma semivogal? É algo assim como certas vogais pronunciadas em português de Portugal, que soam meio estranhas para ouvidos brasileiros, pois são muito rápidas ou, se preferir, curtas.

Pois em hebraico existe uma semivogal. Seu nome é shevá e consiste, na sua forma mais simples, de dois pontos colocados sob a consoante, como se fosse o nosso : Parece esquisito, mas o shevá serve para preencher o espaço vazio sob uma consoante desvocalizada (para quem já conhece, observo que a terminologia “vogal” aqui está sendo usada no lugar de “sinal massorético”). Este shevá simples tem um som rápido de “e” e aparece transliterado como um “e” sobrescrito.

Entretanto, no uso do shevá podem surgir muitos problemas. Considere a seguinte situação: em hebraico, uma sílaba é sempre composta por uma consoante e uma vogal (sílaba aberta, como em ba-na-na) ou por uma consoante, uma vogal e outra consoante (sílaba fechada, como em sol). E o que você faria se aparecessem dois shevás no início da palavra, um ao lado do outro – e aparecem – e você sabendo que uma sílaba não pode começar com duas consoantes sem vogal? O jeito é mudar pelo menos um shevá em vogal. Mas qual vogal ele tomaria emprestado? O hîreq qâton, que corresponde ao nosso “i“, como na palavra “fino”, e é representado em hebraico por um . debaixo da consoante.

Que tal ver isso em um filme? Pois é o que fez Chris Huff em sua página Designs by Chris. Veja The Shewa Fight.

Consulte também a Lev Software’s Animated AlefBet Page. Nesta página você verá, também em animação, como devem ser escritas as consoantes do hebraico.

E, se tiver vontade de aprender um pouco de hebraico, faça o download de meu curso para iniciantes, gratuito, aqui.