Uma cifra apocalíptica assombra a Amazônia

Folha Online: 23/03/2006

Floresta deve encolher 40% até 2050, diz estudo

Claudio Angelo, da Folha de S. Paulo

Uma cifra assombra a Amazônia. Um estudo publicado nesta quinta-feira (23) prevê que 40% da floresta pode desaparecer em 2050 se nada for feito para conter o ciclo de destruição imposto pelo avanço da fronteira agrícola. Pior, a política de criação de áreas protegidas adotada hoje pelo governo não basta para conter a tendência. É preciso fazer algo muito mais complicado: cumprir a lei.

O número apocalíptico vem de uma simulação de computador. É a mais detalhada já feita do futuro da Amazônia, construída ao longo dos últimos anos por uma equipe do Brasil e dos EUA. O grupo usou uma série de dados históricos sobre tendências de desmatamento de 1997 a 2002, e conseguiu prever com precisão como a destruição evoluiria nos dois anos seguintes.

“Para 2003 e 2004, o desmatamento caiu em cima da curva do nosso pior cenário”, disse à Folha Britaldo Soares-Filho, do Centro de Sensoriamento Remoto da UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Ele é um dos principais arquitetos do novo modelo computacional, disponível na internet (www.csr.ufmg.br/simamazonia) e apresentado nesta quinta-feira num artigo científico na revista “Nature”.

Partindo da série histórica, o modelo apresenta dois futuros possíveis para a floresta. No primeiro, em que tudo fica como está em termos de ação do governo e do setor produtivo (“business as usual”), a área da maior floresta tropical do mundo sofre uma redução drástica, de 5,4 milhões para 3,2 milhões de quilômetros quadrados em nove países.

Nesse cenário catastrófico, dois terços da cobertura florestal de seis bacias hidrográficas amazônicas desaparecem. A situação é particularmente dramática nas florestas secas de Mato Grosso, palco da expansão recente da soja (perdem 76% da área), e nas florestas de babaçu do Maranhão (perdem 97%). Quase uma centena de mamíferos tem seu habitat reduzido em 40%.

As emissões de carbono correspondentes a tamanha perda de floresta são de deixar qualquer industrial americano do petróleo esfumaçando de inveja: são 32 bilhões de toneladas do principal responsável pelo aquecimento global lançadas na atmosfera em 2050. Isso equivale a quatro anos de emissões mundiais.

Outro mundo é possível – A principal novidade do estudo, no entanto, é a inclusão do chamado fator “governança” em um dos cenários do modelo.

Os cientistas ainda debatem o sentido da palavra. Mas segundo o ecólogo Daniel Nepstad, do Ipam – Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia e do Woode Hole Research Center, dos EUA, ela consiste basicamente da implementação de políticas públicas na Amazônia. A reserva legal é respeitada pelos produtores, a pavimentação de novas rodovias é feita segundo critérios de proteção ambiental e o programa de criação de unidades de conservação na floresta segue a toda.

“Simplesmente implementando a lei ambiental atual seria possível evitar 1 milhão de quilômetros quadrados de desmatamento” em 2050, afirma Nepstad, que juntamente com Soares-Filho é o autor principal do estudo.

Isso considerando um limite de reserva legal (o quanto se pode desmatar dentro de uma propriedade) de 50%, mais baixo do que os 80% previstos pela lei. Mas para a lei ser cumprida, diz o pesquisador, seriam necessárias pressões de mercado –que Nepstad afirma existirem– por carne e soja ambientalmente corretas.

Pague para preservar – A economia de carbono no cenário de governança é de 17 bilhões de toneladas. “Todo o Protocolo de Kyoto (acordo mundial contra as emissões de gases-estufa) prevê a redução de 2 bilhões de toneladas”, compara Nepstad. “Cumprir a lei na Amazônia evita 17 bilhões. É uma oportunidade gigantesca para o Brasil”, diz.

Tanto Nepstad quanto Soares-Filho defendem que a comunidade internacional banque essas emissões evitadas, já que o Brasil estaria deixando de lucrar domesticamente (ao reduzir a conversão de floresta em pasto e lavoura) para prestar um serviço ao planeta (a estabilização do clima).

“A inclusão do conceito de governança é muito bem-vinda”, diz Gilberto Câmara, diretor do Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e especialista em modelagem ambiental na Amazônia. Ao mesmo tempo em que elogia o estudo, Câmara afirma ter dúvidas sobre a tal “governança privada”. “Há uma grande disparidade dos atores sociais na Amazônia. Rondônia tem um perfil, a Terra do Meio tem outro.”

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário