História de Israel: das origens ao domínio romano da Palestina

Este curso de História de Israel compreende 4 horas semanais, com duração de um semestre, o primeiro dos oito semestres do curso de Teologia. Aos alunos são distribuídos um roteiro impresso do curso – não uma apostila! – e um CD com os roteiros de todos as minhas disciplinas do ano em curso. Os sistemas de avaliação e aprendizagem seguem as normas das Faculdades e são, dentro do espaço permitido, combinados com os alunos no começo do curso.

I. Ementa
Discute com o aluno os elementos necessários para uma compreensão global e essencial da história econômica, política e social do povo israelita, como base para um aprofundamento maior da história teológica desse povo. Possibilita ao aluno uma reflexão séria sobre o processo histórico de Israel desde suas origens até o século I d.C.

II. Objetivos
Oferece ao aluno um quadro coerente da História de Israel e discute as tendências atuais da pesquisa na área. Constrói uma base de conhecimentos histórico-sociais necessários ao aluno para que possa situar no seu contexto a literatura bíblica vétero-testamentária produzida no período.

III. Conteúdo Programático

1.Noções de geografia do Antigo Oriente Médio

  • O Crescente Fértil
  • A Mesopotâmia
  • A Palestina e o Egito de 3000 a 1700 A.C.
  • A Síria e a Fenícia
  • A Palestina

2. As origens de Israel

  • A teoria da conquista
  • A teoria da instalação pacífica
  • A teoria da revolta
  • A teoria da evolução pacífica e gradual

3. Os governos de Saul, Davi e Salomão

  • Nascimento e morte da monarquia a partir dos textos bíblicos
  • A ruptura do consenso
  • As fontes: seu peso, seu uso
  • Dois exemplos de fontes primárias: as estelas de Tel Dan e de Merneptah
  • A questão teórica: como nasce um Estado antigo?
  • As soluções de Lemche e Finkelstein & Silberman

4. O reino de Israel

  • A rebelião explode e divide Israel
  • Israel de Jeroboão I a Jeroboão II
  • A Assíria vem aí: para Israel é o fim
  • As conclusões de Finkelstein & Silberman

5. O reino de Judá

  • Os Reis de Judá
  • A reforma de Ezequias e a invasão de Senaquerib
  • A reforma de Josias e o Deuteronômio
  • Os últimos dias de Judá
  • Por que Judá caiu?

6. A época persa e as conquistas de Alexandre

  • A situação da Grécia e a política macedônia
  • As conquistas de Alexandre Magno (356-323 a.C.)
  • Quem é Alexandre Magno?
  • A anexação da Judeia por Alexandre
  • A situação da Judeia no momento da anexação

7. Os Ptolomeus governam a Palestina

  • Os Diádocos lutam pela herança de Alexandre
  • A situação da Palestina de 323 a 301 a.C.
  • As guerras sírias entre Ptolomeus e Selêucidas
  • Alexandria e os judeus
  • O governo dos Ptolomeus
  • A administração ptolomaica da Palestina

8. Os Selêucidas: a helenização da Palestina

  • O governo de Antíoco III, o Grande
  • Antíoco IV e a proibição do judaísmo
  • As causas da helenização

9. Os Macabeus I: a resistência

  • Matatias e o começo da revolta
  • A luta de Judas Macabeu (166-160 a.C.)
  • Jônatas, o primeiro Sumo Sacerdote Macabeu (160-143 a.C.)

10. Os Macabeus II: a independência

  • Simão consegue a independência da Judeia
  • João Hircano I e as divisões internas dos judeus
  • Aristóbulo I e a reaproximação com o helenismo
  • Alexandre Janeu, o primeiro rei macabeu
  • Salomé Alexandra e o poder dos fariseus
  • Aristóbulo II e a intervenção de Pompeu

11. O domínio romano

  • A “Pax Romana” chega a Jerusalém
  • O sistema socioeconômico da Palestina no século I d.C.
  • A organização político-religiosa da Palestina

IV. Bibliografia
Básica
DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. In: História de Israel e as pesquisas mais recentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 43-87.

DONNER, H. História de Israel e dos povos vizinhos 2v. 3. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2004.

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. The Bible Unearthed: Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts. New York: The Free Press, 2001 (paperback: 2002). Em português: A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa, 2003.

KIPPENBERG, H. G. Religião e formação de classes na antiga Judeia: estudo sociorreligioso sobre a relação entre tradição e evolução social. São Paulo: Paulus, 1997. Resumo no Observatório Bíblico.

LIVERANI, M. Oltre la Bibbia: storia antica di Israele. 4. ed. Roma-Bari: Laterza, 2005 (em espanhol: Más allá de la Biblia: historia antigua de Israel. Barcelona: Editorial Crítica, 2005).

PEREGO, G. Atlas bíblico interdisciplinar. São Paulo: Paulus/Santuário, 2001.

PIXLEY, J. A história de Israel a partir dos pobres. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

Complementar
BRIEND, J. (org.) Israel e Judá: textos do Antigo Oriente Médio. 2. ed. São Paulo: Paulus, 1997.

DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 71, p. 62-74, 2001.

DA SILVA, A. J. A história de Israel no debate atual. Artigo disponível na Ayrton’s Biblical Page.

DA SILVA, A. J. A história de Israel no debate atual. Cadernos de Teologia, Campinas, n. 9, p. 42-64, maio 2001.

DA SILVA, A. J. A origem dos antigos Estados israelitas. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 78, p. 18-31, 2003.

DA SILVA, A. J. O pentateuco e a história de Israel. In: Teologia na pós-modernidade. Abordagens epistemológica, sistemática e teórico-prática. São Paulo: Paulinas, 2003. p. 173-215.

DA SILVA. A. J. Os essênios: a racionalização da solidariedade. Artigo disponível na Ayrton’s Biblical Page.

DA SILVA, A. J. Pode uma ‘história de Israel’ ser escrita? Observando o debate atual sobre a história de Israel. Artigo disponível na Ayrton’s Biblical Page.

DA SILVA, A. J. The History of Israel in the Current Research. Journal of Biblical Studies 1:2, Apr.-Jun. 2001.

DAVIES, P. R. In Search of ‘Ancient Israel’. 2 ed. Sheffield: Sheffield Academic Press,1995 [reeditado pela T. & T. Clark: 2005]. Resenha disponível na Ayrton’s Biblical Page.

GALBIATI, E.; ALETTI, A. Atlas histórico da Bíblia e do Antigo Oriente: da pré-história à queda de Jerusalém no ano de 70 d.C. Petrópolis: Vozes, 1991.

GARCÍA MARTÍNEZ, F. Textos de Qumran: edição fiel e completa dos Documentos do Mar Morto. Petrópolis: Vozes, 1995.

GNUSE, R. K. No Other Gods: Emergent Monotheism in Israel. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1997.

GRABBE, L. L. Judaism from Cyrus to Hadrian I. Persian and Greek Periods; II. Roman Period. Minneapolis: Fortress Press, 1992.

GRABBE, L. L. (ed.) Can a ‘History of Israel’ Be Written? Sheffield: Sheffield Academic Press, 1997. Resenha disponível na Ayrton’s Biblical Page.

GRABBE, L. L. (ed.) Leading Captivity Captive: ‘The Exile’ as History and Ideology. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1998. Resenha disponível na Ayrton’s Biblical Page.

HORSLEY, R. A. Arqueologia, história e sociedade na Galileia: o contexto social de Jesus e dos Rabis. São Paulo: Paulus, 2000.

HORSLEY, R. A.; HANSON, J. S. Bandidos, profetas e messias: movimentos populares no tempo de Jesus. São Paulo: Paulus, 1995.

JOSEFO, F. História dos Hebreus: obra completa. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 1992.

LOWERY, R. H. Os reis reformadores: culto e sociedade no Judá do Primeiro Templo. São Paulo: Paulinas, 2004.

MAY, H. G. Oxford Bible Atlas. 3. ed. Oxford: Oxford University Press, 1990. CD-ROM: New Oxford Bible Maps Windows and New Oxford Bible Maps Macintosh, Oxford: Oxford University Press, 1990.

MAZAR, A. Arqueologia na terra da Bíblia: 10.000 – 586 a. C. São Paulo: Paulinas, 2003.

NAKANOSE, S. Uma história para contar… a Páscoa de Josias: metodologia do Antigo Testamento a partir de 2Rs 22,1-23,30. São Paulo: Paulinas, 2000.

REICKE, B. História do tempo do Novo Testamento: o mundo bíblico de 500 a.C. até 100 d.C. São Paulo: Paulus, 1998.

ROAF, M. Mesopotâmia e o Antigo Médio Oriente. 2v. Madrid: Edições del Prado, 1996.

ROGERSON, J. Bíblia: Os caminhos de Deus. 2v. Madrid: Edições del Prado, 1996.

SCARDELAI, D. Movimentos messiânicos no tempo de Jesus: Jesus e outros messias. São Paulo: Paulus, 1998.

SHANKS, H. (org.) Para compreender os Manuscritos do Mar Morto. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

VV.AA. Recenti tendenze nella ricostruzione della storia antica d’Israele. Roma: Accademia Nazionale dei Lincei, 2005.

Print Friendly, PDF & Email

6 comentários em “História de Israel: das origens ao domínio romano da Palestina”

  1. Boa tarde,
    Estou interessdo em estudar a história de Israel, mas preciso saber: Esse estudo seu é baseado na história secular e biblica ou só na biblia?
    Sou cristão tambem e quero aprender das duas formas pra poder comparar os fatos. Creio que assim o aprendizado será maior.
    Mais um coisa, só estou porguntando por que me interecei pelo conteúdo. Se puder me responder pelo e-mail seria melhor. alielisson@gmail.com

    Obrigado
    Aliélisson Rodrigues

    Fique com Deus

  2. este estudo é para ser comprado ou tem como baixa-lo. E se tem como baixar como devo fazer pois não estou conseguindo e para comprar não estou vendo tambem como fazer por favor me responda meu email é irmaosousa@hotmail.com fique com deus.

  3. Ola. Tive a oportunidade de assistir suas aulas na Puc em 2006. Gostaria de saber o que o sr pensa a respeito do novo livro do Papa.
    Para a teologia da libertação dizer que Jesus nao foi um revolucionário, ao meu modo de ver, é um retrocesso.
    marcio

  4. Márcio,

    Não li nada, ainda, do livro de Ratzinger sobre Jesus. Por isso não posso opinar. Mas dê uma olhada nesse artigo do teólogo jesuíta José Ignacio González Faus. Se a referência à tese de Brandon e aos zelotas estiver correta, isso esclarece a questão. Este foi um debate europeu e não latino-americano. O livro do britânico Samuel George Frederick Brandon é de 1967 e seu título é: Jesus and the Zealots : A Study of the Political Factor in Primitive Christianity.

  5. Bem, quanto a Jesus ser revolucionário, é uma tese muito marginal nos estudos históricos. Autores de primeiro calibre de diferentes acepções, como J.P.Méier, Ben Witherington, Geza Vermes, etc., se opõem veementemente. O que temos são algumas proposições sobre a congruência sóciopolítica impactante do ministério ( ditos, ações, ou ditos+ações) de Jesus para o contexto, seja em termos de despojamento das convenções sociais estabilizadoras do status quo (Crossan), ou restauração de laços agregadores e de reciprocidade das famílias e comunidades oprimidas diante do quadro desestabilizador e desagregador do Império Romano (Horsley).

    Mais do que isso é teleologia, apelos conotativos, etc.

    O cerne é realmente esse, evitar o anacronismo de colocar questões de religião e política sob paradigmas do liberalismo político, e fazer separações ou injunções que não fazem sentido para aquele tempo.

    Quanto ao Ratzinger, o que acontece é que ele firmou posição junto às teses de Martin Hengel sobre zelotes, etc. E há uma grande divisão no âmbito, sendo que linhas como a de Horsley questionam diretamente.

Deixe um comentário