Dom Oscar Romero

Atualizado em

O arcebispo de San Salvador, Dom Oscar Arnulfo Romero, foi assassinado em 24 de março de 1980.

Oscar Romero, um sinal de Deus para nosso tempo. Um depoimento de Luiz Carlos Susin

O Frei Luiz Carlos Susin está, neste momento, em El Salvador, onde participa do Simpósio “A los 30 años del martírio de Monseñor Romero: conversión y esperanza”. De lá, ele enviou, por e-mail, o artigo a seguir, publicado com exclusividade pela IHU On-Line. No texto, Frei Susin relembra momentos da vida de Dom Romero, assim rememora as causas da sua morte violenta. O legado do pensamento e da luta de Dom Romero também está presentes no depoimento. “De modo especial a juventude que nem mesmo o conheceu, e as crianças que intuem nele um pai a quem admirar, estão mobilizados para esta memória de trinta anos. Não porque a Igreja tenha instrumentos institucionais para mobilização, mas por causa desta identificação entre o bom pastor e este povo que conheceu a violência e ainda conhece formas sociais de injustiças”, destacou.

Luiz Carlos Susin é frei capuchinho, mestre e doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, Itália. Leciona na PUC-RS e na Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana (ESTEF), em Porto Alegre. É autor de inúmeras obras, dentre as quais citamos “Teologia para outro mundo possível” (Paulinas, 2006).

Confira o depoimento.

Nesse dia 24 de março, por diferentes partes do mundo irá percorrer a memória da morte violenta de Dom Oscar Arnulfo Romero há precisamente 30 anos, em 24 de março de 1980. Enquanto muitos olhares se voltam para San Salvador, a capital do pequeno país de El Salvador, na costa do Pacífico da América Central, ter o privilégio de estar aqui, junto a grupos dos diversos continentes que chegam reverentes, e olhar in loco o significado desta memória trinta anos depois é comovente porque é surpreendente: este povo não seria o que agora é se Dom Oscar Romero não tivesse sido, naqueles anos difíceis, o arcebispo que tomou a defesa do povo em meio ao fogo cruzado entre as forças violentas do Estado e a guerrilha que lutava por outra ordem pública. O próprio Dom Romero, em sua grande sensibilidade, tinha dito que “com este povo não é difícil ser um bom pastor!”

E, de fato, ver gente do povo, famílias inteiras, chegar até a cripta da catedral onde repousam os restos mortais de Dom Romero ou então aos lugares de seu martírio, na pequena casa em que morou ou na capela do “hospitalito” em que foi abatido durante a celebração de uma Eucaristia na manhã da segunda-feira após um domingo de sermão indignado e recheado de “não matarás!”, pode-se ver o quanto este povo salvadorenho tenha sentido nele uma identificação e um amparo que, trinta anos depois, só fez crescer essa aliança pelo bem e pela paz. Quando Dom Romero disse, sabendo que seu assassinato seria questão de pouco tempo, que se o matassem ele ressuscitaria no povo salvadorenho, dizia uma convicção de fé que hoje podemos ver desbordar nessa cidade de San Salvador.

A Juventude el salvadorenha e Dom Romero

De modo especial a juventude que nem mesmo o conheceu, e as crianças que intuem nele um pai a quem admirar, estão mobilizados para esta memória de trinta anos. Não porque a Igreja tenha instrumentos institucionais para mobilização, mas por causa desta identificação entre o bom pastor e este povo que conheceu a violência e ainda conhece formas sociais de injustiças. É bem verdade que, depois que o partido do próprio mandante do assassinato de Dom Romero, o major Roberto D’Aubuisson, perdeu a presidência do país, ainda que detenha a maioria do parlamento e o poder da imprensa e do empresariado mais importante, agora é o próprio novo presidente de El Salvador, casado com uma brasileira que conheceu as Comunidades Eclesiais de Base no Brasil, que se adianta e ele mesmo e seu governo organizam parte das festas em memória de Dom Oscar, algo absolutamente novo, que cria maior espaço para que se realize o que o arcebispo queria: justiça e vida digna para o povo que sofria abusos por parte das elites ricas e poderosas e das forças militares que a apoiavam. Não que ele concordasse com a violência da guerrilha, pois sabia que ela resultava da própria violência institucional e ficava presa à roda da violência da qual a maior vítima, inocente, era a população. A Comissão da Verdade, criada pelas Nações Unidas, apurou que cinco por cento dos atos de violência foram cometidos pela guerrilha enquanto oitenta e cindo por cento dos assassinatos foram cometidos pelo Exército e esquadrões da morte, apoiados financeiramente pelos Estados Unidos. Essa desproporção fala alto. (E cá entre nós, brasileiros: talvez seja esta a razão para tanta obstrução a que se crie uma Comissão da Verdade no Brasil.)

Uma luta sem fim

Mas Dom Romero, ainda que sempre tenha demonstrado sensibilidade e compaixão para com os pobres, e piedade e retidão para com a sua fé e a ética consequente, somente com as circunstâncias dolorosas caiu em si diante da realidade social conflitante e injusta e a decisão difícil a tomar: a perigosa defesa do povo, pela qual iria morrer. Ele tinha sido deslocado de uma diocese interiorana para a capital a fim de acalmar a inquietação de movimentos dentro da Igreja: alguns padres, algumas comunidades, a direção da universidade dos jesuítas. Veio para a capital como um “conservador”, assim se dizia na época. Foram a tortura e a morte violenta de um jovem jesuíta, Rutílio Grande, seguida de outros sacerdotes da diocese e do país, que fizeram Dom Oscar chorar e se indignar. Começou a comparecer a todo lugar de violência e de cadáveres a sepultar, e a preparar com força profética única suas homilias dominicais, que eram escutadas não só com catedral lotada mas em todo o país através do rádio. Hoje, estas homilias estão disponíveis tanto em uma apurada edição crítica como em CD, pois, por questão de verdade, foram todas escritas e gravadas, assim como ele deixou gravado algo como um “diário” diante da iminência contínua de violência a ele mesmo. Hoje são fontes preciosas para conhecer tanto a grandeza de alma e a sabedoria de um grande pastor caminhando em meio a um rebanho ferido como para conhecer uma época tremenda da história não só de El Salvador, mas da América Latina em geral.

Dom Oscar foi “crescendo” ao mesmo tempo em sabedoria e ternura junto com a indignação e a força profética de sua presença e palavra. Pagou o preço de solidão entre seus pares no episcopado do país, com pouco apoio, e inclusive desconfianças de Roma. Mas ganhou amizade e apoio de muitos bispos que já eram experimentados em situações parecidas pela América Latina. No entanto, foram o povo e o clero de San Salvador que o sustentaram enquanto ele se fazia “voz dos que não tem voz”. Depois de sua morte ainda muito sangue inocente foi derramado por El Salvador, sobretudo de militantes cristãos, de catequistas e evangelizadores, e inclusive massacres de centenas de pessoas – três massacres, de 600 a 800 pessoas cada, em aldeias que foram inteiramente devastadas pela violência militar e paramilitar. Outros sacerdotes e finalmente, em novembro de 1989, a comunidade jesuíta da Universidade Centroamericana inteira, seis padres, tiveram a mesma sorte numa noite de terror nesta casa em que estou escrevendo. Dom Romero tinha chegado a afirmar que se alegrava que sacerdotes estavam sofrendo o mesmo destino do povo, e, embora não escondesse a inquietação do medo da tortura, sabia certo que teria também ele o mesmo destino. Só assim a Igreja testemunhava que estava realmente identificada com o povo de Deus. A maioria desses padres, como Dom Oscar, deixou o testemunho de um perdão pessoal junto á exigência de justiça para o povo, e isso deixou marcas na capacidade de cura e de reconciliação de El Salvador.

Dom Romero vive no coração e na memória do povo

Hoje, resta uma ferida grave: a delinquência, sobretudo juvenil e adolescente, as “pandillas” de periferia, entre os pobres e os desocupados. E a tendência das elites impenitentes a tratar inclusive menores com dureza crescente sem reconhecer as causas da atual violência, as causas que são o pecado original de sempre: a apropriação e o enriquecimento de poucos junto à pobreza sem saída da maioria. Em meio a isso, as figuras de Dom Oscar e dos tantos mártires recentes de El Salvador são um contraponto de esperança e de generosidade absoluta, a generosidade da vida doada até à morte, que cria uma lógica de busca de justiça e dignidade em meio aos problemas e sofrimentos que ainda persistem. Nesses dias os jovens, inclusive certamente alguns metidos em “pandillas”, vão liderar uma multidão de povo que vai sair de diferentes pontos da capital para se concentrar e passar uma noite em vigília diante da catedral que guarda os restos mortais de um grande pai da nação, e vão se sentir família. Na cripta, apesar do belo monumento em bronze com o manto dos quatro evangelhos que orientaram as falas fortes do arcebispo, o povo insiste em colocar suas flores, seus símbolos simples e carregados de afeto. Realmente, Dom Oscar Romero vive no coração e na memória do povo de El Salvador.

E vive também na memória da Igreja latinoamericana, que o reverencia nessa data como voz dos povos ainda submetidos. A Igreja primaz dos anglicanos, em Westminster, já o “canonizou” colocando sua imagem ao lado de Martin Luther King e de Bonnhöffer no nicho dos mártires do século XX. Na África, um bispo congolês, morto ao socorrer o povo em meio ao conflito genocida de Ruanda e Burundi na fronteira do Congo, é conhecido por lá como “o Dom Romeiro da África”! E grupos em peregrinação, vindos dos Estados Unidos, do Canadá, dos diversos países da Europa além dos latino-americanos, de variadas denominações cristãos, vem ecumenicamente, como veio o grande teólogo Jürgen Moltmann, prestar homenagem a um grande profeta e mártir de nosso tempo.

Fonte: Notícias: IHU On-Line: 24/03/2010

Leia Mais:
Romero e Paulo VI. Francisco canoniza duas grandes referências da Igreja do Vaticano II
Dom Oscar Romero e sua canonização para a América Latina
Santo Oscar Romero, o martírio da fé pela opressão politiqueira

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário