A arqueologia usada como ferramenta política em Israel

Arqueólogos sionistas americanos fazem escavações em território palestino ocupado para promover suas crenças messiânicas e legitimar a ocupação israelense. Aqui é relatado o caso de Tel Shiloh, a localidade bíblica de Silo (1Sm 1,3; 4,1-11).

O arqueólogo Scott Stripling, cristão evangélico, acredita que a Bíblia deve ser lida literalmente e usada como um roteiro para sua pesquisa. “A Bíblia é um documento histórico confiável? Alguns colegas israelenses discordam, mas eu acredito que sim”, diz ele. “Por um lado, temos o Antigo Testamento e, por outro lado, artefatos arqueológicos. Existe uma verossimilhança? Isso é o que esperamos. Mas eu não ando por aí com uma Bíblia em uma mão e uma pá na outra”.

Israel usa a arqueologia como uma ferramenta política em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia para tentar justificar sua presença. Isso explica por que eles estão trabalhando com os evangélicos, que apoiam a mesma narrativa. Os evangélicos não fazem pesquisa para o benefício da comunidade local, mas para seu próprio benefício e para apoiar a ocupação, diz Yonathan Mizrachi, diretor da ONG israelense Emek Shaveh.

 

Digging in the Holy Land: Evangelicals are excavating occupied soil to help their cause, and Israel’s

American, ultra-religious archaeologists are descending on the West Bank to promote their beliefs

A day of archaeological digging by the Associates for Biblical Research always begins with a reading of the Bible, the very text of which they are trying to demonstrate the historical reliability.

“I am the light of the world. Whoever follows me will not walk in darkness, but will have the light of life,” repeated the group of twenty ideologically-driven Evangelical Christians, mostly pro-Israel Americans on the white religious right of the faith at odds with many of its strands in the Middle East.

Escavações em Tel Shiloh, Cisjordânia. Foto: Amnon GutmanIt is barely 5am in Jerusalem, and team members are just boarding a bus heading to Tel Shiloh, an archaeological site on private Palestinian land in Area C of the occupied West Bank, which is subjected to full Israeli control.

There, they say, may lie the remains of the tabernacle – the shrine that is believed to have hosted the Ark of the Covenant, a wooden chest said to have held the ten commandments on two stone tablets.

The dig site is suffused with a mild morning light. In a camel-coloured cowboy hat and sunglasses, always flashing a bright smile, team leader Dr Scott Stripling, 54, fits the Hollywood picture of an archaeologist. His work, however, is far from conventional.

A proud Evangelical Christian, he and his team believe the Bible is to be read literally and it serves as a textbook for their research.

“Is the Bible a reliable historical document? Some Israeli colleagues disagree, but I believe so,” says Mr Stripling, also arguing that many archaeologists are biased against the “holy word”.

“On the one hand, we have the Old Testament and, on the other hand, archaeological artefacts. Is there a verisimilitude? That’s what we expect.

“But I don’t walk around with a Bible in one hand and a shovel in the other.”

It is the third year of the excavation in Tel Shiloh and Mr Stripling hopes to find new clues to confirm that the elusive tabernacle was once located here. Last year, they discovered a ceramic pomegranate, a fruit symbolically associated with the holy shrine.

The pieces unearthed in Tel Shiloh are brought back to Jerusalem each day, before being analysed in collaboration with the Israeli antiquities authorities in a process critics say is disturbingly opaque. In mid-May, the Supreme Court ruled that Israel is not obligated to release information about archaeological digs in the occupied West Bank, rejecting an appeal by two non-governmental organisations.

“Everything we find is stored in Israel and if a political solution to [the Israeli-Palestinian] conflict is found, the people in charge of the territory will then have access to the objects,” Mr Stripling says.

“But I’ll be dead before that happens,” he laughs.

The inter-religious relationship between some Israeli Jews and American Evangelicals is sometimes labelled opportunistic. A subset of the Evangelical community believes that the return of the Jewish people to the land of their ancestors is necessary for the return of the Messiah and the end of times, as laid out in the Bible. Israeli authorities, meanwhile, are searching for allies to support their half-century old military occupation.

Emeline and Perry Ginhart, a newly-wed American couple, hope to make more discoveries that will help support the authenticity of their Messianic vision of Christianity. They visited Tel Shiloh last May for their honeymoon, paying thousands of dollars to be allowed to take part in the dig. Both amateurs with no professional experience in archaeology, they spent long hours clearing the tiny area of dirt they were in charge of under the scorching sun.

“By helping Israel, we are helping our cause. Our creator gave us these lands to take care of,” says Mr Ginhart.

Leah Tramer, one of the few Israelis in the team, is a former research assistant at Tel Aviv University and a self-declared “former leftist”. She says her political views changed after a particularly violent attack by Palestinian militants.

Since then, she has been working for the University of Ariel, located in a large Israeli settlement in the occupied West Bank. She helps American Evangelicals who come to the area to dig – to them, Judea and Samaria, the biblical name they give to the West Bank, is a natural extension to the current Israeli state.

“There is nothing more exciting than doing research related to the Bible,” she says.

“It is wonderful that Christians are helping us to recover our past.”

Archaeological finds are used in a political and ideological context as theoretical evidence for the importance of Jewish heritage over Palestinian links to the land.

“Israel uses archaeology as a political tool in East Jerusalem and the West Bank to try to justify its presence. This explains why they are working with Evangelicals, who support the same narrative,” Yonathan Mizrachi, director of the left-wing Israeli NGO Emek Shaveh, told The National.

“Evangelicals don’t do research for the benefit of the local community but for their own benefit and to support the occupation.”

Many other sites beside Tel Shiloh have raised controversy, in a land where archaeology is inherently political. The City of David in occupied East Jerusalem’s Palestinian neighbourhood of Silwan (also known as Wadi Hilweh) is, according to biblical references, the original site of Jerusalem at the time of King David some 3,000 years ago. It is now a popular pilgrimage site for Evangelicals from all over the world.

Last month, US Ambassador to Israel David Friedman and White House Mideast peace envoy Jason Greenblatt participated in an inaugural ceremony there to unveil the “Pilgrimage Road,” a now-subterranean stairway that is said to have served as a sacred Roman-era road for Jews to the Temple Mount.

According to local residents, underground excavations at the site, which have lasted for years, have severely damaged 15 Palestinian houses.

Mazen Aweida, 48, points to thick cracks running along the walls of his home, where the kitchen sink has half-collapsed and the bedroom floor has buckled.

“We’re miserable,” he says.

“I have young children and I’m afraid debris will fall on them. It stresses me out a lot,” the father of seven whispers, glancing at his little boy sitting next to a gaping scar running from the floor to the ceiling.

Many residents are convinced that archaeological digs are part of a broader strategy to drive Palestinians out and take control of their land.

The City of David Foundation, a nationalist Israeli organisation behind the project and known by its Hebrew initials ELAD, declined a request to comment, but it has previously denied responsibility for damage to Palestinian homes.

A European specialist who has been working in the Middle East for decades decried Biblical archaeology, questioning those who believe that all of the Bible was intended to be understood literally.

“The Israeli army must stop the archaeological massacre in the occupied territories,” said the specialist, who asked not to be named.

At 1pm, the sound of a shofar, a traditional Jewish horn, echoes through the rocky hills of Tel Shiloh to mark the end of the day’s dig. But those taking part will be back tomorrow in search of the holy tabernacle, despite the fact that they are yet to find anything decisive.

“The absence of proof,” says Mr Stripling, “is not the proof of absence.”

Fonte: Wilson Fache and Salomé Parent – The National: July 29, 2019

Um roteiro para o estudo da Septuaginta

Recomendo o artigo de Leonardo Pessoa da Silva Pinto, brasileiro, Professor no Pontifício Instituto Bíblico. Uma contribuição valiosa, escrita com clareza, em assunto pouco conhecido em nosso meio. Está disponível em pdf na ReBiblica, v. 1, n. 2, p. 186-198, jul.-dez. 2018.

Redescobrindo a Septuaginta: Itinerário para o estudo da Bíblia Grega

Leonardo Pessoa da Silva Pinto

RESUMO
Este artigo apresenta a redescoberta da Septuaginta ocorrida na pesquisa contemporânea, com o aumento considerável na produção bibliográfica e o surgimento de novos projetos, movimento que teve pouco impacto na pesquisa bíblica no Brasil. O objetivo desta contribuição é indicar as obras e tendências recentes mais importantes nos estudos sobre a Septuaginta, bem como oferecer uma avaliação das mesmas, a fim de que o biblista ou o estudante ainda não familiarizado com a literatura especializada sobre a LXX possa seguir um itinerário de aprofundamento neste campo, segundo os próprios interesses acadêmicos. Oferece-se uma bússola para que o iniciante possa se orientar na imensa bibliografia a respeito, mas também uma via para o iniciado que deseje aprofundar temas específicos relacionados à LXX. Conhecer o estado atual da pesquisa sobre a Septuaginta, bem como as perspectivas que se abrem para o futuro, é essencial para a exegese seja do Antigo, seja do Novo Testamento; a Bíblia grega não pode mais ser relegada a uma posição secundária no campo dos estudos bíblicos.

 

Na introdução do artigo, Leonardo explica:

Nas últimas décadas houve uma redescoberta da Septuaginta que provocou uma enxurrada de novas teses doutorais, projetos de pesquisa, traduções e comentários HARL, M.; DORIVAL, G.; MUNNICH, O. A Bíblia grega dos Setenta: do judaísmo helenístico ao cristianismo antigo. São Paulo: Loyola, 2007.sobre o texto da LXX. O interesse pela Septuaginta não se limita mais à sua importância para se emendar o texto hebraico, mas ela se tornou campo de pesquisa em si mesma, dentro do qual vários subcampos vão surgindo, como se verá abaixo. Não obstante esse aumento no interesse pela Septuaginta e na bibliografia a seu respeito no cenário internacional, a LXX parece ter despertado pouca atenção entre os pesquisadores brasileiros. Recentemente, ao descrever a situação da pesquisa sobre a LXX no Brasil e no restante da América do Sul para o Journal of Septuagint and Cognate Studies, Rodrigo Franklin de Sousa pôde intitular seu artigo “mapeando um território inexistente” (2018, p. 62-64). Mesmo considerando que algumas iniciativas tenham sido omitidas naquele artigo, é preciso reconhecer que a LXX permanece numa situação marginal na pesquisa e na produção bibliográfica brasileiras. Nesta situação, é possível que o pesquisador brasileiro tenha dificuldades até mesmo para saber como iniciar a pesquisa sobre a LXX. Neste artigo, serão apresentados os instrumentos para o estudo da LXX, com um comentário sobre sua qualidade e utilidade, bem como alguns dos projetos importantes em curso. Será oferecido um itinerário para o não especialista em estudos da Septuaginta, desde o completo iniciante até quem recebeu apenas noções introdutórias. Como se verá, um dos maiores problemas para o biblista de língua portuguesa é a falta de literatura no nosso idioma. Além do grego, o conhecimento do inglês, neste contexto, se torna praticamente obrigatório.

E na conclusão diz:

RAHLFS, A. ; HANHART, R. (eds.) Septuaginta. Editio altera. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2007.Para que o Brasil seja um dia colocado no mapa dos estudos da Septuaginta, é necessário que o pesquisador brasileiro se familiarize com as questões mais importantes e os estudos a seu respeito, e então os leve em consideração no seu trabalho de exegese e de interpretação bíblica. Passar de uma noção apenas geral e superficial a uma compreensão mais aprofundada sobre a LXX e o impacto que pode ter em todas as dimensões do trabalho exegético é um pré-requisito para se aproveitar todo o potencial da tradução grega. Desde boas introduções até monografias especializadas, hoje não faltam instrumentos para o estudo da LXX, embora devamos admitir que a disponibilidade de material em língua portuguesa ainda deixa muito a desejar. Muitas tendências na pesquisa bíblica chegam ao Brasil com décadas de atraso e a questão da revalorização da Septuaginta não é uma exceção. Espero que este artigo sirva de auxílio e itinerário para quem desejar entrar nesse mundo apaixonante e tão fundamental para os estudos bíblicos, e possa contribuir para que a LXX deixe de ser no nosso meio uma ilustre desconhecida.

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica – julho-dezembro 2018

Interpretação de textos bíblicos: Tendências e debates

Na esteira dos primeiros artigos da Revista Brasileira de Interpretação Bíblica – ReBiblica, este segundo fascículo continua a enfocar questões candentes e tendências na pesquisa bíblica nestes últimos anos da segunda década do século XXI. Cinco artigos formam um conjunto bastante diverso quanto às abordagens, mas muito equilibrado quanto ao material analisado: dois estudos sobre a Bíblia Hebraica, um sobre a Bíblia Grega (Septuaginta) e dois sobre o Novo Testamento.

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica – ReBiblicaIniciamos com um artigo sobre um dos salmos mais musicados da história do judeu-cristianismo. Em O Salmo 150 à luz da Análise Retórica Semítica, Waldecir Gonzaga apresenta-nos novas perspectivas da riqueza e da profundidade do texto de encerramento do Saltério, a fim de que possamos estudá-lo, rezá-lo e vivenciá-lo de modo renovado.

Em “Casa de oração para todos os povos”: O estrangeiro na sociedade pós-exílica à luz de Is 56,1-8, Heitor Carlos Santos Utrini analisa a teologia do texto isaiano, com especial destaque para a figura do estrangeiro, e situa tal oráculo em seu contexto histórico.

Neste fascículo, o artigo internacional é-nos oferecido por Leonardo Pessoa da Silva Pinto, que neste semestre leciona no Pontifício Instituto Bíblico de Roma. Em Redescobrindo a Septuaginta: Itinerário para o estudo da Bíblia Grega, Leonardo resume e avalia a discussão atual e oferece, como indicado no subtítulo, um itinerário seguro para iniciantes e iniciados no estudo da Bíblia dos judeus de Alexandria.

Passando ao Novo Testamento, a controvérsia sobre cura em Mateus 12,22-32 é analisada por Marcelo da Silva Carneiro no artigo intitulado Em nome de quem? O autor utiliza variadas ferramentas da exegese e da análise sócio-política para analisar e discutir possessões demoníacas e a autoridade de Jesus, da comunidade de Mateus e da Igreja de hoje no que se refere a curas e exorcismos.

Por fim, novo artigo sobre leitura decolonial. Em Abordagem pós-colonial e decolonial em Paulo: A Carta aos Romanos, Flávio Martinez de Oliveira nos convida a ler em nova perspectiva aquela célebre epístola paulina e ver nela “a proposta de uma sociedade alternativa com base na justiça escatológica de Deus, que não implica revolta, mas resistência em solidariedade e amor mútuo”.

Com este fascículo fechamos o primeiro volume anual de ReBiblica (2018), com a certeza de que os artigos publicados demonstram não apenas o amadurecimento da pesquisa bíblica no Brasil, mas também o amadurecimento dos leitores interessados na leitura científica do texto bíblico.

Cássio Murilo Dias da Silva – Editor

Sobre o Congresso Internacional de Estudos Bíblicos em Buenos Aires

Recebi de meu amigo e colega Cássio Murilo Dias da Silva um relato sobre o Congresso Internacional de Estudos Bíblicos realizado em Buenos Aires entre os dias 16 e 19 deste mês. Abaixo, o texto do Cássio.

 

Em comemoração aos oitenta anos da Revista Bíblica publicada na Argentina, realizou-se em Buenos Aires, na semana passada, entre os dias 16 e 19 de julho, o Congresso Internacional de Estudos Bíblicos. O evento foi uma realização conjunta de três associações de biblistas: ABA (Associação Bíblica Argentina), ABIB (Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica) e ABM (Associação de Biblistas do México). O comitê organizador teve a participação de dois brasileiros: Cássio Murilo Dias da Silva e Telmo José Amaral de Figueiredo.

O Congresso teve lugar no teatro da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Católica Argentina (UCA) e contou com a participação de mais de 400 biblistas de 23 países. Além dos países de todas as Américas (Norte, Central, Sul e Caribe), também europeus (Espanha, Itália e Áustria) e do Oriente Médio (Líbano). Os brasileiros eram 58, do norte ao sul do Brasil, e formaram o segundo grupo mais numeroso, perdendo apenas para os argentinos.

Como a motivação para o Congresso era o 80º aniversário da Revista Bíblica, o tema geral foi “A exegese na América Latina 80 anos depois”. As conferências e os trabalhos foram divididos em três grandes blocos: pessoas, temas e métodos.

O primeiro dia foi dedicado às pessoas, com três painéis sobre os pioneiros na divulgação e no estudo da Bíblia em nosso continente:Congresso Internacional de Estudos Bíblicos em Buenos Aires em 2019

1) Johannes Straubinger y la Revista Bíblica (Luis H. Rivas – Pablo Pastrone)
2) Los pioneros de la exégesis en América Latina: Brasil y Argentina (Valmor da Silva – Luis Oscar Liberti)
3) Los pioneros de la exégesis en los Países Andinos y Centro- y Norteamérica (Leif Vaage – Fernando F. Segovia – Ahida Pilarski)

O segundo dia, dedicado a temas e textos preferidos, teve três grandes conferências, cada uma delas com uma avaliação crítica:
1) El Éxodo (José E. Ramírez Kidd; avaliação crítica: Dominik Markl)
2)¿Donde están los recursos? Compartir para eliminar la desigualdad – El caso de la viuda de Sidônia – 1Reyes 17,7-16 (Paulo Ueti; avaliação crítica: Michael Floyd)
3) Hermenéutica Latinoamericana de los Evangelios (Néstor Míguez; avaliação crítica: Massimo Grilli)
Na segunda parte da tarde do segundo dia, ocorreram dez seminários e minicursos, vários deles coordenados ou com a participação de brasileiros.

O terceiro dia foi dedicado aos métodos de leitura. No período da manhã, uma grande conferência – Lectura popular de la Biblia (Ralf Huning) – seguida por dez seminários e minicursos, também com destacada atuação de brasileiros. A tarde do terceiro dia teve novo painel para todos os participantes – Hermenéutica latinoamericana (Paula Andrea García Arenas e Juan Alberto Casas Ramírez) e mais nove seminários e minicursos, com presença de brasileiros na condução dos trabalhos.

O quarto e último dia, dedicado a projetos e perspectivas para a exegese latino-americana, iniciou-se com um grande painel: Desafíos para el futuro de la exégesis en América Latina (Raúl Lugo Rodríguez, Jaldemir Vitório, Santiago Guijarro Oporto; reator externo: Rafael Francisco Luciani Rivero). Após o painel, um momento particularmente importante e denso foi o vídeo de 15 minutos com uma entrevista com o Frei Carlos Mesters, sobre sua caminhada como biblista: da academia à formação bíblica dos leigos nas comunidades. A versão apresentada no congresso é um resumo de um diálogo bem mais longo, a ser veiculada pela Rede Vida de Televisão (ainda sem data definida).

A segunda parte da manhã teve vários pequenos painéis, nos quais representantes de vários países apresentaram realizações já em andamento, tanto em nível acadêmico (cursos de especialização e pós-graduação, publicações acadêmicas), como em nível pastoral (animação bíblica da pastoral, cursos paroquiais, publicações de divulgação). O Brasil apresentou, como projeto em desenvolvimento, o periódico científico Revista Brasileira de Interpretação Bíblica – ReBiblica.

Há de se dizer que a comemoração dos 80 anos da Revista Bíblica foi, por assim dizer, apenas o pretexto para este congresso. Tanto esforço para sua realização (mais de dois anos de encontros e discussões) não tinha como objetivo único (nem principal) a reunião de biblistas em quatro dias intensos. Há outras pretensões. Em primeiro lugar, obviamente, o encontro e o intercâmbio de estudiosos da Bíblia em nosso continente, o que foi largamente efetivado nos intervalos (propositadamente longos) entre as conferências. Outro objetivo, foi incentivar o surgimento de associações de pesquisadores da Bíblia em países que ainda não as tem. Também este segundo objetivo já produziu seu primeiro fruto: ao final do congresso, os 12 biblistas peruanos anunciaram a fundação, ali mesmo, durante o congresso, da Associação Bíblica do Peru.

Mas a maior e principal pretensão do congresso é a formação da Rede de Biblistas Latino-americanos – ReBiLa. Esta rede pretende integrar todos os latino-americanos estudiosos da Bíblia. Mesmo quem não esteve no congresso pode inscrever-se e participar. Para isso, o primeiro passo é preencher o formulário online disponível aqui.

A página oficial do congresso – https://www.congresobiblico2019.org– estará disponível ainda alguns meses para quem quiser informações mais completas, bem como para baixar o material disponível (conferências, textos de seminários e minicursos).

Reunião dos Biblistas Mineiros em 2019

No dia 8 deste mês de julho os Biblistas Mineiros estiveram reunidos na FAJE – Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia -, em Belo Horizonte, MG, debatendo sobre o próximo número da revista Estudos Bíblicos.

Como não pude estar presente, retomo aqui alguns pontos do relato de nosso Coordenador/Secretário Telmo José Amaral de Figueiredo.

Estavam presentes:
Fábio Cristiano Rabelo
Gilmar Ferreira da Silva
Jacir de Freitas Faria
Jaldemir Vitório
Johan Konings
José Luiz Gonzaga do Prado
Marcus Aurélio Alves Mareano
Maria de Lourdes Augusta
Rita Maria Gomes
Telmo José Amaral de Figueiredo
Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa
Zuleica Aparecida Silvano

Ausências justificadas:
Carlos Mesters
Airton José da Silva
Cyril Suresh Periyasamy
Solange Maria do Carmo
Neuza Silveira de Souza

Temática estudada para um número de Estudos Bíblicos em 2020: Eclesiologia Bíblica

Título proposto para o próximo número da revista e de nosso estudo: Igreja: o que é?

Prazo de entrega da primeira versão: até 20 de dezembro de 2019

Propostas de artigos para os Biblistas Mineiros

  • A ekklesia pagã: Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa
  • Igreja: da elite à ralé – evolução de um conceito: José Luiz Gonzaga do Prado
  • Discurso eclesiológico de Mateus 18: Jaldemir Vitório
  • A Igreja segundo Paulo (Rm, 1Cor): Zuleica Aparecida Silvano
  • A Igreja que Paulo não pensou – Cartas Pastorais: Neuza Silveira de Souza
  • A Igreja em Atos: Maria de Lourdes Augusta
  • Espírito Santo e Igreja: Gilmar Ferreira da Silva
  • Projetos de Comunidade no pós-exílio: Jacir de Freitas Faria
  • A crítica de Oseias aos sacerdotes e ao culto: Airton José da Silva
  • A Comunidade Joanina: Johan Konings
  • Igreja: Povo Sacerdotal (1Pd 2,4-10): Telmo José Amaral de Figueiredo
  • Fora da Igreja, (não) há salvação? Fábio Cristiano Rabelo
  • A Mulher no Segundo Testamento: Solange Maria do Carmo
  • As Sete Igrejas do Apocalipse: Marcus Aurélio Alves Mareano
  • A Sinagoga e a Comunidade Cristã da Casa: Jacil Rodrigues de Brito

:: Notícias sobre a revista Estudos Bíblicos
O nosso número sobre fundamentalismo será publicado no segundo semestre deste ano, 2019.

Como já comentamos em reuniões anteriores, há a intenção de se realizar as seguintes modificações na revista Estudos Bíblicos:
. A revista passará a contar com apenas dois números anuais
. Por isso, ela será mais encorpada, isto é, com maior número de artigos
. Observará as regras para obter o selo de avaliação «QUALIS». Por isso, os artigos deverão ser submetidos, antecipadamente, a dois leitores cegos para aprovação e publicação
. Os abstracts devem ser em português e, também em inglês ou espanhol
. A revista estará disponível online

Após uma longa conversa, o nosso grupo de biblistas achou por bem sugerir a Ludovico Garmus, editor-chefe da revista, o seguinte:

a) promover uma reunião, possivelmente no mês de dezembro deste ano, após a conclusão do ano acadêmico. Para essa reunião, poderiam ser convidados os atuais membros dos comitês de Redação e Científico, bem como, os demais colaboradores da revista que integram os grupos regionais. Essa reunião teria como escopo definir melhor o que se quer, de fato, com a revista Estudos Bíblicos, as orientações sobre a publicação de artigos, bem como a definição de temáticas para os próximos números, pois isso favorece o envio de artigos por parte de interessados

b) Inclusive, os artigos que já foram publicados, no passado, poderiam ser reeditados contando com uma atualização bibliográfica e alguma outra renovação

c) Com as inovações em vista da qualificação QUALIS, ter-se-ia que montar: Comitê Editorial, Editor-Chefe, 2 ou 3 para organizar o número específico, revisor de línguas, tanto nacional como estrangeiras, e um corpo de especialistas avaliadores

d) A Tereza Virgínia destacou a importância de haver pareceristas sérios e bem preparados, pois estamos lidando com a Bíblia, algo sagrado para muitas pessoas

e) Frei Jacir relatou a experiência que teve na organização do primeiro número de uma revista do ISTA. A burocracia e o trabalho são grandes

f) Além do estilo “dossiê”, poderá haver uma sessão de “Temas Livres”, o que facilitaria a colaboração de uma maior números de estudiosos

g) No entanto, em nosso grupo surgiu uma proposta que vai em outra direção. A mesma consiste em que a revista torne-se um livro, ou um tipo de publicação como os “Cadernos Bíblicos” (em francês: Cahiers Évangiles) traduzidos do francês pela antiga Edições Paulinas. Isso nos daria mais liberdade para a produção dos artigos. Poderíamos, então, criar uma “coleção” de livros bíblicos com uma intenção mais pastoral. Alguma editora poderia assumir essa tarefa

h) Salientando, também, que há uma boa qualificação para acadêmicos que publicam capítulos em obras coletivas, como seria o caso dessa nossa proposta. Sendo que, as exigências para esse tipo de publicação são bem menores do que para revistas que aspiram a obter uma qualificação QUALIS um pouco mais elevada

i) Esse livro, mencionado acima, poderia ser publicado tanto em papel como em ebook. Ou, apenas em formato ebook ou, ainda, em formato PDF, disponível para ser baixado e impresso

:: Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB)
IX Congresso Internacional de Pesquisa Bíblica:
. Data: 24 a 27 de agosto de 2020
. Local: Instituto Teológico São Paulo – ITESP – São Paulo
. Tema: História de Israel: Arqueologia e Bíblia

:: Seminário do PIB para professores de Bíblia em 2020
Confira aqui.

:: Congresso Internacional de Estudos Bíblicos em Buenos Aires
Confira aqui.

:: Publicações recentes de integrantes do grupo dos Biblistas Mineiros

  • Johan Konings: João: O evangelho do Amor de Deus. São Paulo: Edições Loyola, 2019. 96 p. (Coleção: “A Bíblia Passo a Passo”).
  • Johan Konings; Rita Maria Gomes: Marcos: O evangelho do Reinado de Deus. São Paulo: Edições Loyola, 2018. 88 p. (Coleção: “A Bíblia Passo a Passo”).
  • Jaldemir Vitório. As Parábolas em Mateus. In: Luiz Alexandre Solano Rossi; Valmor da Silva (Orgs.). Parábolas na Bíblia. São Paulo: Paulus, 2019.
  • Jaldemir Vitório. O Evangelho Segundo Mateus. São Paulo: Paulus, 2019. (Coleção “Ler a Bíblia”) – a ser publicado em setembro do corrente ano.
  • Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa: Feita no Brasil. A Sabedoria Vulgar da Tragédia Ática Para o Povo Tupiniquim-Catrumano. Belo Horizonte (MG): Relicário, 2018. 324 p.
  • Heloísa Penna; André Araújo; Julia Avelar (Orgs.). Deus(es) na Literatura. Belo Horizonte (MG): Relicário, 2018. Nesta obra coletiva consta um artigo de Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa sobre “A devoção das Cinco Chagas de Cristo em ‘Grande Sertão: Veredas’”.
  • Zuleica Aparecida Silvano: Primeira Carta de João: Crer em Jesus Cristo e Amar Uns aos Outros. São Paulo: Paulinas, 2019. 168 p. (Coleção: “Pão da Palavra”).
  • Jacir de Freitas Farias: O Medo do Inferno e a Arte de Bem Morrer. Petrópolis (RJ): Vozes, 2019 (a ser publicado por volta de outubro) – tese de doutorado defendida junto à FAJE (18/12/2018).

:: Entrevista concedida por Carlos Mesters à Rede Vida de Televisão
O Comitê Organizador do Congresso Internacional de Estudos Bíblicos (Buenos Aires: 16-19 de julho de 2019) solicitou ao Telmo que obtivesse de Carlos Mesters duas coisas: um artigo a ser divulgado e publicado nos Anais desse evento e uma entrevista a ser exibida no último dia do mesmo.

Telmo conseguiu que Carlos Mesters redigisse um artigo, cujo tema é: «Desafios e luzes na leitura e na interpretação da Bíblia que acontece nas Comunidades Eclesiais de Base».

Telmo verá a possibilidade desse artigo vir a ser publicado pela revista brasileira Estudos Bíblicos, da Vozes.

A entrevista com Carlos Mesters foi gravada nos estúdios de Rede Vida, em Brasília (DF), no último dia 1 de julho. Telmo foi o entrevistador. Ela teve a duração de 54 minutos. E será levada ao ar, em breve, dentro da grade de programação dessa rede de televisão.

Um compacto dessa entrevista foi montado com a duração de 21 minutos, contendo legendas em português, a fim de favorecer a compreensão dos participantes de língua espanhola no Congresso de Buenos Aires.

Após a exibição deste vídeo-entrevista em Buenos Aires e a definição de sua apresentação pela Rede Vida de Televisão, o mesmo será enviado a todos os membros de nosso grupo.

:: Data da próxima reunião dos Biblistas Mineiros: 6 de julho de 2020, das 9 às 16h00 na FAJE, em Belo Horizonte, MG.

Congresso da ABIB em 2020: História de Israel

História de Israel: Arqueologia e Bíblia é o tema do IX Congresso da ABIB, que terá lugar na Instituto Teológico São Paulo (ITESP), em São Paulo, de 24 a 27 de agosto de 2020.

Com destaque para a participação de Norma Franklin, Professora de Arqueologia na Universidade de Haifa, Israel, e de Peter Dubovsky, Professor de Antigo Testamento no Pontifício Instituto Bíblico, Roma, Itália.

Seminário do PIB para professores de Bíblia em 2020

Sobre a iniciativa, leia aqui.

Sobre o seminário de 2020:
:: Tema: O livro dos Salmos e o livro de Jó
:: Data: 20-24 de janeiro de 2020
:: Coordenadores: Professores Gianni Barbiero e Luca Mazzinghi
:: Inscrição: até 10 de outubro de 2019

No site do PIB se lê em italiano [ou English]:

Seminario 2020: dal 20 al 24 gennaio 2020

Tema del seminario: Il Salterio e il libro di Giobbe

Il prossimo Seminario di aggiornamento per Docenti di Sacra Scrittura avrà luogo dal 20 al 24 gennaio 2020 e sarà diretto dai Prof. Gianni Barbiero e Luca Mazzinghi.

Rispettando l’alternanza tra Antico e Nuovo Testamento, oggetto del seminario saranno due libri importanti dell’Antico Testamento: Il libro dei Salmi e il libro di Giobbe.

Come negli anni precedenti, il Seminario prevede delle lezioni magistrali al mattino e sedute pomeridiane di approfondimento. Queste ultime saranno o in forma seminariale o in forma di lezioni frontali.

Lezioni del mattino (programma previsto):

:. Lunedì 20 gennaio
. Prof Jean-Marie Auwers (Dai Salmi al Salterio)
. Prof. Gianni Barbiero (La composizione del primo libro dei Salmi)

:. Martedì 21 gennaio
. Prof. Roberto Vignolo (Poesia, teologia, preghiera nel Salterio)
. Dr. Beat Weber (Mosè, Davide e i Salmi: il Salterio nell’orizzonte dei libri «canonici»)

:. Mercoledì 22 gennaio
. Prof. André Wénin (Salmi difficili [in particolare i Salmi imprecatori])
. Prof.ssa Susan Gillingham (Approcci ebraici e cristiani ai Salmi)

:. Giovedì 23 gennaio
. Prof. Luca Mazzinghi (due lezioni):
Stato della questione sugli studi del libro di Giobbe
Problemi generali relativi al libro: una panoramica

:. Venerdì 24 gennaio
. Prof. Maurice Gilbert (Giobbe 28 e la Sapienza)
. Prof. Ludger Schwienhorst-Schönberger (Giobbe e Qohelet, quale rapporto?)

:. Venerdì pomeriggio (lezione conclusiva)
. Card. Gianfranco Ravasi (Giobbe e i Salmi nella cultura contemporanea)

Sedute pomeridiane (in forma seminariale o di lezioni frontali)

Sono previsti contributi dei seguenti professori (le tematiche sono solo indicative):

:. Sul libro dei Salmi:
. Eleuterio Ruiz (I poveri nei Salmi)

. Jorge Blunda (Il salterio e Isaia)

. Stanislaw Bazylinski (Sal 116)

. Donatella Scaiola [tematica da precisare]

. Roland Meynet [tematica da precisare]

. Alessandro Coniglio (La ripresa della formula degli attributi divini (Es 34,6-7) nel Sal 86)

. Daniela Scialabba (Il salterio dei LXX)

. Marco Pavan (Il Salterio a Qumran)

. Jean-Pierre Sonnet (La poesia dei Salmi)

 

:. Sul libro di Giobbe:
. Bruna Costacurta [tematica da precisare]

. Luisa Almendra (Giobbe 32-37)

. Michael Kolarcik (Giobbe 38–41)

. Sebastiano Pinto [tematica da precisare]

Il programma dettagliato della settimana, che terrà conto anche del numero degli iscritti, sarà disponibile alla fine di ottobre (dopo la chiusura delle iscrizioni).

Iscrizioni

Chi fosse interessato è pregato di dare la propria adesione entro il 10 ottobre 2019, inviando una e-mail all’indirizzo: pibsegr@biblico.it

Ai partecipanti viene chiesto un contributo di € 120.

Per gli iscritti all’associazione ex-alunni PIB il contributo sarà invece di € 100.

Tale contributo potrà essere versato all’inizio del seminario. Non è necessario inviare alcuna somma al momento dell’iscrizione; si chiede però gentilmente di inviare la propria adesione solo se realmente si prevede di partecipare, proprio perché l’organizzazione finale della settimana dipenderà anche dal numero dei partecipanti.

Per ulteriori informazioni rivolgersi a: Segretario Generale PIB ( pibsegr@biblico.it)

Congresso Internacional de Estudos Bíblicos em Buenos Aires

Em comemoração ao 80o aniversário da Revista Bíblica, os membros da Associação Bíblica Argentina e outros colegas de vários países latino-americanos estão organizando o Congresso Internacional de Estudos Bíblicos, que acontecerá nos dias 16 a 19 de julho de 2019, em Buenos Aires, Argentina.

O tema geral do congresso é A exegese na América Latina 80 anos depois, tendo como motivação bíblica o texto de Dt 8,2: “Recorda-te de todo o caminho que o Senhor, teu Deus, te fez atravessar”.Congresso Internacional de Estudos Bíblicos em Buenos Aires em 2019

Seus objetivos consistem em:

  • Que os biblistas latino-americanos se vinculem em uma rede
  • Que recuperem e prolonguem a tradição bíblica da América Latina na recepção criativa
  • Tornar visível esta contribuição para a Igreja e a Academia em geral
  • Que reconheçam a contribuição da Revista Bíblica e a adotem como espaço de intercâmbio científico, comunicação e trabalho comum

As atividades são organizadas em torno de três eixos, que chamamos de Pessoas, Temas e Métodos:

  • Pessoas: uma releitura das contribuições e do significado do legado dos pioneiros da exegese na América Latina, cujo trabalho e impulso queremos continuar
  • Temas: os temas e textos mais significativos da exegese latino-americana desde o início até o presente
  • Métodos: rever quais métodos e abordagens exegéticas ou hermenêuticas se mostraram proveitosos para o trabalho bíblico em nossas terras, e como elas estão sendo trabalhadas atualmente

Tudo isso será prolongado em um quarto momento chamado de prospectivo, onde vamos dar uma olhada nos desafios e projetos que temos pela frente.

 

Os biblistas brasileiros que tomarão parte deste Congresso e os temas de suas colocações:

a) Valmor da Silva: Painel – «Los pioneros de la exégesis en América Latina: Brasil y Argentina»

b) Paulo Ueti: Conferencia – «¿Donde están los recursos? Compartir para eliminar la desigualdad – El caso de la viuda de Sidônia – 1Reyes 17,7-16»

c) Joel Antônio Ferreira: Seminário – «Opção pelos Pobres». Tema de sua exposição: «A preferência de Yahweh foi pelos detentores do poder (Esd 9-10) ou pelos humilhados (Rute)?: uma glosa que quis mudar tudo (Rt 4,17d-22)»

d) Liniker Xavier: Seminário – «Opção pelos Pobres». Tema de sua exposição: «O esmagamento do pobre a partir do Profeta Amós: violações sociais em lugar da justiça»

e) Telmo José Amaral de Figueiredo: Minicurso – «As dimensões sócio-eclesiais da fé bíblica». Tema de sua exposição: «Um direito pioneiro: a justiça aos pobres no Antigo Testamento»

f) Matthias Grenzer: Minicurso – «As dimensões sócio-eclesiais da fé bíblica». Tema de sua exposição: «A libertação dos egípcios (Ex 3,21-22; 12,35-36)». Seminário – «¿Una lectura latino/americana de los Salmos?». Tema de sua exposição: «Salmodiar e dançar»

g) Gilvan Leite de Araujo: Minicurso – «As dimensões sócio-eclesiais da fé bíblica». Tema de sua exposição: «A Eclesiologia participativa a partir da Literatura Joanina»

h) Boris Agustín Nef Ulloa: Minicurso – «As dimensões sócio-eclesiais da fé bíblica». Tema de sua exposição: «A igreja pobre para os pobres na obra lucana»

i) Paulo de Souza Nogueira: Seminário – «O cristianismo primitivo como cultura popular do mundo Mediterrâneo». Seminário – «Biblia, literatura y cultura». Seminário – «La recepción y transmisión de la Biblia desde perspectivas artísticas latinoamericanas – II». Tema de sua
exposição: «Apocalipse e literatura: Formas narrativas de articulação de imagens em tempos de sofrimento».

j) José Adriano Filho: Seminário – «O cristianismo primitivo como cultura popular do mundo Mediterrâneo». Seminário – «Biblia, literatura y cultura»

k) Cássio Murilo Dias da Silva: Seminário – «Método histórico-crítico y lectura latinoamericana de la Biblia». Tema de sua exposição: «Crítica textual do Novo Testamento e hermenêutica latino-americana: estudo de casos»

l) Leonardo Agostini Fernandes: Seminário – «Método histórico-crítico y lectura latinoamericana de la Biblia». Tema de sua exposição: «Crítica dos gêneros literários e hermenêutica latino-americana: a forma literária e a relevância social de Am 2,6-16»

m) Francisca Oliveira: Seminário – «Método narrativo». Tema de sua exposição: «O narrador em Gênesis 38»

n) Eduardo Sales de Lima: Seminário – «Método Sêmio-discursivo»

o) José Ademar Kaefer: Seminário – «El Cercano Oriente Antiguo y los Estudios Bíblicos: ayer y hoy de un diálogo posible – I». Tema de sua exposição: «El libro de Nehemías a partir de la perspectiva maximalista, minimalista y arqueológica». Minicurso – «La Biblia y la Nueva
Arqueología. Excavaciones en Israel y Palestina y los recientes descubrimientos»

p) Carolina Bezerra de Souza: Seminário – «Escritura, violencia y género». Tema de sua exposição: «As mulheres entre os discursos de Marcos, Mateus e Lucas»

q) Sue’Hellen Monteiro de Matos: Seminário – «Escritura, violencia y género». Tema de sua exposição: «Reforma de Josias e a legitimação da violência: Considerações exegéticas e hermenêuticas na perspectiva de gênero a partir de 2Rs 23,1-25»

r) Luiz José Dietrich: Seminario – «La descolonización de la Biblia en las hermenéuticas poscoloniales y latino-americanas»

s) Denilson da Silva Matos: Seminário – «Biblia, literatura y cultura». Tema de sua exposição: «Religiosidad popular en la Passio Sanctorum Perpetuae et Felicitatis»

t) Emivaldo Silva Nogueira: Seminário – «Biblia, literatura y cultura». Tema de sua exposição: «A justiça social na arquitetura do livro de Amós»

u) Jaldemir Vitório: Painel – «Desafíos para el futuro de la exégesis en América Latina»

1177 a.C.: o ano em que a civilização entrou em colapso

CLINE, E. H. 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. Princeton: Princeton University Press, 2014, 264 p. – ISBN 978691168388.

CLINE, E. H. 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. Princeton: Princeton University Press, 2014O livro de Eric H. Cline, da Universidade George Washington, Washington, D.C., é muito interessante. Embora não seja especificamente sobre os filisteus, o livro nos coloca no contexto da chegada dos “povos do mar”, dos quais os filisteus fazem parte, e oferece um panorama dos acontecimentos do Antigo Oriente Médio no final da Idade do Bronze.

Diz a editora:

Em 1177 a.C., grupos de saqueadores, que hoje chamamos de “povos do mar”, invadiram o Egito. As forças militares egípcias, sob o comando do faraó Ramsés III, conseguiram derrotá-los, mas a vitória enfraqueceu tanto o Egito que logo o então poderoso reino caiu em declínio, assim como a maioria das civilizações vizinhas. Depois de séculos de existência de brilhantes civilizações, o mundo da Idade do Bronze chegou a um fim abrupto e cataclísmico. Os reinos caíram como dominós ao longo de apenas algumas décadas. Não havia mais minoicos ou micênios. Não havia mais troianos, hititas ou babilônios. A prosperidade econômica e cultural do final do segundo milênio a.C., que se estendia da Grécia ao Egito e à Mesopotâmia, deixou repentinamente de existir, junto com sistemas de escrita, tecnologia e arquitetura monumental. Mas os povos do mar sozinhos não poderiam ter causado um colapso tão generalizado. Como isso aconteceu?

Neste novo e importante relato das causas desta “primeira idade das trevas”, Eric H. Cline conta a emocionante história de como o fim foi causado por múltiplos fatores interligados, desde invasão e revolta até terremotos, seca e bloqueio das rotas do comércio internacional. Trazendo à vida o vibrante mundo multicultural dessas grandes civilizações, ele desenha um panorama abrangente dos impérios e povos globalizados da Idade do Bronze Recente e mostra que foi sua própria interdependência que apressou seu colapso dramático e inaugurou uma idade das trevas que durou séculos.

Em uma atraente combinação de narrativa e pesquisa mais recente, 1177 a.C. lança nova luz sobre os processos complexos que deram origem, e finalmente destruíram, as florescentes civilizações do final da Idade do Bronze. E que prepararam o terreno para o surgimento da Grécia clássica.

 

In 1177 B.C., marauding groups known only as the “Sea Peoples” invaded Egypt. The pharaoh’s army and navy managed to defeat them, but the victory so weakened Egypt that it soon slid into decline, as did most of the surrounding civilizations. After centuries of brilliance, the civilized world of the Bronze Age came to an abrupt and cataclysmic end. Kingdoms fell like dominoes over the course of just a few decades. No more Minoans or Mycenaeans. No more Trojans, Hittites, or Babylonians. The thriving economy and cultures of the late second millennium B.C., which had stretched from Greece to Egypt and Mesopotamia, suddenly ceased to exist, along with writing systems, technology, and monumental architecture. But the Sea Peoples alone could not have caused such widespread breakdown. How did it happen?

In this major new account of the causes of this “First Dark Ages,” Eric Cline tells the gripping story of how the end was brought about by multiple interconnected failures, ranging from invasion and revolt to earthquakes, drought, and the cutting of international trade routes. Bringing to life the vibrant multicultural world of these great civilizations, he draws a sweeping panorama of the empires and globalized peoples of the Late Bronze Age and shows that it was their very interdependence that hastened their dramatic collapse and ushered in a dark age that lasted centuries.

A compelling combination of narrative and the latest scholarship, 1177 B.C. sheds new light on the complex ties that gave rise to, and ultimately destroyed, the flourishing civilizations of the Late Bronze Age―and that set the stage for the emergence of classical Greece.

Sobre o autor: Eric H. Cline is professor of classics and anthropology and director of the Capitol Archaeological Institute at George Washington University, Washington, D. C. An active archaeologist, he has excavated and surveyed in Greece, Crete, Cyprus, Egypt, Israel, Jordan, and the United States.

 

 

Eric H. Cline diz no prólogo de 1177 a.C.: o ano em que a civilização entrou em colapso, nas páginas 1-6:

Os guerreiros entraram no cenário mundial e se moveram rapidamente, deixando a morte e a destruição por onde passaram. Os estudiosos modernos referem-se a eles coletivamente como “povos do mar”, mas os egípcios que registraram seu ataque ao país nunca usaram esse termo, identificando-os como grupos independentes em empreitada comum: os Peleset, Tjekker, Shekelesh, Shardana, Danuna e Weshesh – nomes estranhos de pessoas com aparência estrangeira para os egípcios [nota: o nome “povos do mar” foi cunhado por Emmanuel de Rougé em 1867].

Nós sabemos pouco sobre eles, além do que os registros egípcios nos dizem. Não sabemos ao certo de onde veem os povos do mar: talvez da Sicília, Sardenha e Itália, de acordo com um cenário; talvez do Egeu ou da Anatólia ocidental, ou possivelmente até de Chipre ou do Mediterrâneo Oriental. Nenhuma localidade antiga foi identificada como sua origem ou ponto de partida. Pensamos neles como se movendo implacavelmente de um lugar para outro, vencendo países e reinos à medida que avançavam. De acordo com os textos egípcios, eles montaram acampamento na Síria antes de seguirem pela costa de Canaã (que inclui partes da moderna Síria, Líbano e Israel) e para o delta do Nilo, no Egito.

O ano era 1177 a.C. Era o oitavo ano do reinado do faraó Ramsés III. De acordo com os antigos egípcios, e segundo evidências arqueológicas mais recentes, alguns dos povos do mar vieram por terra, outros por mar. Não há vestígios de uniformes ou ferramentas. Imagens antigas retratam um grupo com elmos emplumados, enquanto outro grupo usava turbantes; outros ainda tinham capacetes com chifres ou tinham a cabeça descoberta. Alguns tinham barbas curtas e pontiagudas e estavam vestidos com saiotes curtos, com torso nu ou com túnica; outros não tinham barba e usavam saias mais compridas. Essas observações sugerem que os povos do mar compreendiam grupos diversos de diferentes geografias e culturas. Armados com afiadas espadas de bronze, lanças de madeira com pontas reluzentes de metal, e arcos e flechas, eles vieram em barcos, carroças, carros de boi e carruagens. Embora eu tenha tomado 1177 a.C. como uma data crucial, sabemos que os invasores vieram em ondas sucessivas durante um considerável espaço de tempo. Às vezes os guerreiros vinham sozinhos e às vezes as famílias os acompanhavam.

De acordo com as inscrições de Ramsés III, nenhum país foi capaz de se opor a essa massa de homens. A resistência foi inútil. As grandes potências da época – os Povos do mar retratados como prisioneiros em Medinet Habuhititas, os micênios, os cananeus, os cipriotas e outros – caíram uma a uma. Alguns dos sobreviventes fugiram da carnificina; outros se amontoavam nas ruínas de suas outrora orgulhosas cidades; outros ainda se uniram aos invasores, aumentando suas fileiras e a complexidade da horda de migrantes. Cada grupo dos povos do mar estava em movimento, cada um aparentemente motivado por razões individuais. Talvez tenha sido o desejo de despojos ou escravos que estimulou alguns; outros podem ter sido compelidos pelas pressões populacionais a migrar para o leste de suas próprias terras no Ocidente.

Nas paredes do seu templo mortuário em Medinet Habu, perto do Vale dos Reis, disse Ramsés III de maneira concisa:

“Os países estrangeiros fizeram uma conspiração em suas ilhas. De uma só vez as terras foram eliminadas e as pessoas dispersas no conflito. Nenhum país foi capaz de resistir às suas armas, de Hatti, Qode, Karkemish, Arzawa e Alashiya eles foram [eliminados] imediatamente. Um acampamento foi montado em uma localidade de Amurru. Humilharam seu povo, e sua terra nunca tinha enfrentado uma situação como essa. Eles se moveram em direção ao Egito e uma barreira de fogo foi colocada diante deles. Sua confederação era formada pelos Peleset, Tjekker, Shekelesh, Danuna e Weshesh, terras que se uniram. Eles puseram suas mãos sobre estas terras, com corações confiantes e esperançosos”.

Conhecemos as terras por conquistadas pelos povos do mar, até porque algumas delas eram famosas naquela época, mas a identidade étnica dos 6 grupos que fizeram isso é bem mais problemática. Por exemplo: Danuna devem ser os Danaos de Homero, os Shekelesh podem ter vindo da Sicília e os Shardana [citados em outro documento] da Sardenha. Mas não há acordo sobre isso entre os estudiosos. E, então, diz Eric H. Cline:

De todos os grupos estrangeiros ativos em cena, apenas um foi identificado com certeza. O Peleset dos povos do mar quase certamente coincide com os filisteus, que, segundo a Bíblia, vieram de Creta.

(…)

Embora não saibamos com precisão as origens ou a motivação dos invasores, sabemos como eles se parecem – podemos ver seus nomes e rostos gravados nas paredes do templo mortuário de Ramsés III em Medinet Habu. Este sítio antigo é rico tanto em imagens quanto em textos gravados em hieróglifos. As armaduras, armas, roupas, barcos e carros de bois dos invasores carregados de pertences são claramente visíveis nas representações, tão detalhadas que os estudiosos publicaram análises das pessoas individuais e até mesmo dos diferentes barcos mostrados nas cenas.

(…)

Embora o debate acadêmico continue, a maioria dos especialistas concorda que as batalhas terrestres e marítimas descritas nas paredes de Medinet Habu foram provavelmente travadas quase simultaneamente no delta egípcio ou nas proximidades. É possível que elas representem uma única grande batalha, tanto no mar quanto em terra. Alguns estudiosos sugeriram que os exércitos dos povos do mar foram emboscados, sendo pegos de surpresa pelos egípcios. Em qualquer caso, o resultado final não está em questão. Em Medinet Habu, o faraó egípcio diz claramente:

“Eles alcançaram talvez a fronteira de minhas terras, mas não sua semente, e seus corações e almas terminaram para sempre e definitivamente. Aqueles que se reuniram do outro lado do mar tinham uma chama brilhante diante deles na foz do rio, e toda uma barreira de lanças os cercava na praia. Eles foram arrastados para a praia, cercados e vencidos, mortos e despedaçados da cabeça aos pés. Os navios afundaram e as mercadorias caíram na água. Eu me certifiquei de que essas terras evitassem (até mesmo) mencionar o Egito: porque quando pronunciam meu nome em suas terras, então eles são imediatamente queimados”.

Ramsés continua, em um famoso documento conhecido como Papiro Harris, novamente nomeando seus inimigos derrotados:

“Eu derrotei aqueles que os invadiram de suas terras. Eu matei os Danuna [que estão] em suas ilhas, os Tjekker e os Peleset foram incinerados. O Shardana e a Weshesh do mar, eles foram feitos como aqueles que não existem, todos aprisionados, trazidos como cativos para o Egito, como a areia da praia. Eu os estabeleci em fortalezas sujeitas a meu nome. Numerosos eles eram, como se fossem centenas de milhares. Eu taxava todos eles, em tecidos e grãos dos armazéns e celeiros, todos os anos”.

 

The warriors entered the world scene and moved rapidly, leaving death and destruction in their wake. Modern scholars refer to them collectively as the “Sea Peoples,” but the Egyptians who recorded their attack on Egypt never used that term, instead identifying them as separate groups working together: the Peleset, Tjekker, Shekelesh, Shardana, Danuna, and Weshesh—­foreign-­sounding names for foreign-­looking people.

We know little about them, beyond what the Egyptian records tell us. We are not certain where the Sea Peoples originated: perhaps in Sicily, Sardinia, and Italy, according to one scenario, perhaps in the Aegean or western Anatolia, or possibly even Cyprus or the Eastern Mediterranean. No ancient site has ever been identified as their origin or departure point. We think of them as moving relentlessly from site to site, overrunning countries and kingdoms as they went. According to the Egyptian texts, they set up camp in Syria before proceeding down the coast of Canaan (including parts of modern Syria, Lebanon, and Israel) and into the Nile delta of Egypt.

The year was 1177 BC. It was the eighth year of Pharaoh Ramses III’s reign. According to the ancient Egyptians, and to more recent archaeological evidence, some of the Sea Peoples came by land, others by sea. There were no uniforms, no polished outfits. Ancient images portray one group with feathered headdresses, while another faction sported skullcaps; still others had horned helmets or went bareheaded. Some had short pointed beards and dressed in short kilts, either barehested or with a tunic; others had no facial hair and wore longer garments, almost like skirts. These observations suggest that the Sea Peoples comprised verse groups from different geographies and different cultures. Armed with sharp bronze swords, wooden spears with gleaming metal tips, and bows and arrows, they came on boats, wagons, oxcarts, and chariots. Although I have taken 1177 BC as a pivotal date, we know that the invaders came in waves over a considerable period of time. Sometimes the warriors came alone, and sometimes their families accompanied them.

According to Ramses’s inscriptions, no country was able to oppose this invading mass of humanity. Resistance was futile. The great powers of the day—­the Hittites, the Mycenaeans, the Canaanites, the Cypriots, and others—­fell one by one. Some of the survivors fled the carnage; others huddled in the ruins of their once-­proud cities; still others joined the invaders, swelling their ranks and adding to the apparent complexities of the mob of invaders. Each group of the Sea Peoples was on the move, each apparently motivated by individual reasons. Perhaps it was the desire for spoils or slaves that spurred some; others may have been compelled by population pressures to migrate eastward from their own lands in the West.

On the walls of his mortuary temple at Medinet Habu, near the Valley of the Kings, Ramses said concisely:

The foreign countries made a conspiracy in their islands. All at once the lands were removed and scattered in the fray. No land could stand before their arms, from Khatte, Qode, Carchemish, Arzawa, and Alashiya on, being cut off at [one time]. A camp [was set up] in one place in Amurru. They desolated its people, and its land was like that which has never come into being. They were coming forward toward Egypt, while the flame was prepared before them. Their confederation was the Peleset, Tjekker, Shekelesh, Danuna, and Weshesh, lands united. They laid their hands upon the lands as far as the circuit of the earth, their hearts confident and trusting.

(…)

Of all the foreign groups active in this arena at this time, only one has been firmly identified. The Peleset of the Sea Peoples are generally accepted as none other than the Philistines, who are identified in the Bible as coming from Crete.

(…)

While we do not know with any precision either the origins or the motivation of the invaders, we do know what they look like—­we can view their names and faces carved on the walls of Ramses III’s mortuary temple at Medinet Habu. This ancient site is rich in both pictures and stately rows of hieroglyphic text. The invaders’ armor, weapons, clothing, boats, and ox-carts loaded with possessions are all clearly visible in the representations, so detailed that scholars have published analyses of the individual people and even the different boats shown in the scenes.

(…)

Although scholarly debate continues, most experts agree that the land and sea battles depicted on the walls at Medinet Habu were probably fought nearly simultaneously in the Egyptian delta or nearby. It is possible that they represent a single extended battle that occurred both on land and at sea, and some scholars have suggested that both represent ambushes of the Sea Peoples’ forces, in which the Egyptians caught them by surprise. In any event, the end result is not in question, for at Medinet Habu the Egyptian pharaoh quite clearly states:

Those who reached my frontier, their seed is not, their heart and soul are finished forever and ever. Those who came forward together on the sea, the full flame was in Batalha naval dos egípcios contra os povos do mar em imagem de Medinet Habufront of them at the river-­mouths, while a stockade of lances surrounded them on the shore. They were dragged in, enclosed, and prostrated on the beach, killed, and made into heaps from tail to head. Their ships and their goods were as if fallen into the water. I have made the lands turn back from (even) mentioning Egypt: for when they pronounce my name in their land, then they are burned up.

Ramses then continues, in a famous document known as the Papyrus Harris, again naming his defeated enemies:

I overthrew those who invaded them from their lands. I slew the Danuna [who are] in their isles, the Tjekker and the Peleset were made ashes. The Shardana and the Weshesh of the sea, they were made as those that exist not, taken captive at one time, brought as captives to Egypt, like the sand of the shore. I settled them in strongholds bound in my name. Numerous were their classes like hundred-­thousands. I taxed them all, in clothing and grain from the store-­houses and granaries each year.

 

Mais para o final do livro, no final do capítulo 5, em um item chamado A Review of Possibilities and Complexity Theory, Eric H. Cline resume da seguinte forma o que foi discutido ao longo do livro:

Não existe consenso sobre quem ou o que provocou o colapso de inteiras civilizações no final da Idade do Bronze. Pois certo é que havia importantes civilizações como os minoicos, micênios, hititas, egípcios, babilônios, assírios, cananeus e cipriotas, independentes uma das outras, mas interligadas por rotas de comércio. Certo é também que muitas cidades foram destruídas e as civilizações que floresceram do século XV ao século XIII chegaram ao fim em 1177 a.C. ou pouco depois.

Até hoje não existe uma prova definitiva do que provocou este colapso. Há muitas possibilidades, mas nenhuma parece ter sido capaz de provocar tal catástrofe sozinha. Talvez tenha ocorrido uma “tempestade perfeita” de calamidades? Terremotos? Fome? Seca? Mudanças climáticas? Rebeliões internas? Invasões?

Enfim, ele vai sugerir um conjunto de fatores para explicar o colapso.

 

There is still no general consensus as to who, or what, caused the destruction or abandonment of each of the major sites within the civilizations that came to an end in the twilight of the Bronze Age. The problem can be concisely summarized as follows:

Major Observations

1. We have a number of separate civilizations that were flourishing during the fifteenth to thirteenth centuries BC in the Aegean and Eastern Mediterranean, from the Mycenaeans and the Minoans to the Hittites, Egyptians, Babylonians, Assyrians, Canaanites, and Cypriots. These were independent but consistently interacted with each other, especially through international trade routes.

2. It is clear that many cities were destroyed and that the Late Bronze Age civilizations and life as the inhabitants knew it in the Aegean, Eastern Mediterranean, Egypt, and the Near East came to an end ca. 1177 BC or soon thereafter.

3. No unequivocal proof has been offered as to who or what caused this disaster, which resulted in the collapse of these civilizations and the end of the Late Bronze Age.

Discussion of Possibilities

There are a number of possible causes that may have led, or contributed, to the collapse at the end of the Late Bronze Age, but none seems capable of having caused the calamity on its own.A “Perfect Storm” of Calamities?

A. Clearly there were earthquakes during this period, but usually societies can recover from these.

B. There is textual evidence for famine, and now scientific evidence for droughts and climate change, in both the Aegean and the Eastern Mediterranean, but again societies have recovered from these time and time again.

C. There may be circumstantial evidence for internal rebellions in Greece and elsewhere, including the Levant, although this is not certain. Again, societies frequently survive such revolts. Moreover, it would be unusual (notwithstanding recent experience in the Middle East to the contrary) for rebellions to occur over such a wide area and for such a prolonged period of time.

D. There is archaeological evidence for invaders, or at least newcomers probably from the Aegean region, western Anatolia, Cyprus, or all of the above, found in the Levant from Ugarit in the north to Lachish in the south. Some of the cities were destroyed and then abandoned; others were reoccupied; and still others were unaffected.

E. It is clear that the international trade routes were affected, if not completely cut, for a period of time, but the extent to which this would have impacted the various individual civilizations is not altogether clear—­even if some were overly dependent upon foreign goods for their survival, as has been suggested in the case of the Mycenaeans.

(…)

However, despite my comments above, systems collapse might be just too simplistic an explanation to accept as the entire reason for the ending of the Late Bronze Age in the Aegean, Eastern Mediterranean, and Near East. It is possible that we need to turn to what is called complexity science, or, perhaps more accurately, complexity theory, in order to get a grasp of what may have led to the collapse of these civilizations.

 

 

Pode ser útil ler uma entrevista com Eric H. Cline, publicada, em espanhol, em 28 de março de 2015, em Mediterráneo Antiguo. Autor: Mario Agudo Villanueva.

Entrevista con Eric H. Cline: “estamos afrontando una situación muy parecida a la que tuvieron que hacer frente en 1177 a.C.”

El final de la Edad del Bronce en el Mediterráneo es uno de los acontecimientos más enigmáticos de nuestra historia. La irrupción de los Pueblos del Mar, sumada a otra serie de acontecimientos, provocó el colapso de los que hasta entonces eran los centros de poder más importantes de la civilización. Hemos querido conocer con más profundidad el problema de la mano de Eric H. Cline, profesor de Historia Antigua y Arqueología de la Universidad George Washington, autor de 1177 a.C. El año que la civilización se derrumbó, editado en castellano por Crítica.

Pregunta – Tras siglos de esplendor, el mundo civilizado se sumergió en una profunda crisis que afectó a todos los ámbitos de la vida cotidiana. Parece improbable que fuera desencadenada únicamente por los Pueblos del Mar. ¿Cuántas causas concurrieron en este cataclismo?
Respuesta – Hay al menos cinco, o quizás seis, que yo ordenaría siguiendo este orden de importancia: cambio climático, sequía, hambruna, terremotos, invasores y rebeliones internas. Uno podría optar por combinar el cambio climático con la sequía, en este caso serían cinco.

Pregunta – ¿Por qué sitúa este momento en el año 1177 a.C.? ¿No deberíamos hablar de un proceso largo y complejo que condujo al final de esta época?
Respuesta – Efectivamente, el proceso de colapso se tomó un siglo, desde alrededor del 1225 al 1125 a.C. , pero 1177 a.C. es un buen punto de referencia, porque es en este año cuando se produjo la segunda invasión de los Pueblos del Mar y también es cuando muchas de las ciudades iniciaron su declive, si no estaban ya destruidas. Entonces, he usado esa fecha como clave del colapso total, así como usamos el 476 como clave de la caída del Imperio Romano, incluso aunque sabemos que no cayó exactamente ese año.

Pregunta – ¿Cuál era el origen de los Pueblos del Mar?
Respuesta – Esta es una excelente pregunta, pero no sabemos la respuesta con certeza. Pienso que el origen de algunos de ellos fue la region de Sicilia, Sardinia, y el sur de Italia (algunos de estos grupos llamados los Shekelesh y los Shardana suenan similares), pero es más que probable se unieran al camino iniciado por otros, pues sabemos que se movieron desde el oeste al este a lo largo del Mediterráneo. Entonces, entre los Pueblos del Mar pueden haber también gentes procedentes de las actuales Grecia y Turquía. Pero no hemos identificado de forma definitiva una tierra de procedencia para ellos.

Pregunta – ¿Cuál fue el legado de los Pueblos del Mar?
Respuesta – Su principal legado ha sido los filisteos y su cultura. El grupo entre los Pueblos del Mar que los egipcios llamaron Peleset es probablemente el grupo que nosotros conocemos como los filisteos de la Biblia. Parece que se asentaron en la region de Canaán y quizás se asimilaron con los locales, antes del auge de Israel.

Pregunta – ¿Podría encontrar paralelismos entre el final de la Edad del Bronce y nuestra crisis actual?
Respuesta – En efecto, actualmente estamos afrontando una situación muy parecida a la que tuvieron que hacer frente en 1177 a.C. – cambio climático, hambruna, sequía, rebeliones y terremotos. Lo único que no tenemos en el escenario actual son los Pueblos del Mar – los misteriosos invasores del otro lado del mar – aunque uno puede sugerir que ISIS o ISIL es nuestra versión de los Pueblos del Mar. Deberíamos agradecer, sin embargo, que estamos lo suficientemente desarrollados como para entender qué está pasando y dar pasos para solucionar las cosas, en vez de aceptar simple y pasivamente que tienen que ocurrir.

Os filisteus e a crise da idade do bronze

Nestes dias os filisteus estão novamente nas manchetes.

Sobre o colapso das grandes civilizações do Antigo Oriente Médio no final da Idade do Bronze e sobre o papel dos “povos do mar” nesta crise – época e contexto em que os filisteus começam a ser citados – há incontáveis bons estudos.

Entretanto, um alerta: graças às descobertas arqueológicas sobre os filisteus feitas nos últimos anos, muitos dos argumentos arqueológicos em obras com mais de uma década estão ultrapassados.

Diz Carl S. Ehrlich, no artigo Philistines, em Oxford Bibliographies, com data de 28 de agosto de 2018:

Escavações no cemitério filisteu de AscalonOs filisteus eram um povo com raízes no mundo Egeu ou na Anatólia. Eles se estabeleceram no sul da faixa costeira de Canaã por volta do ano 1200 a.C., durante o período de transição entre a Idade do Bronze Recente e a Idade do Ferro.

Nas fontes egípcias que datam desta época, eles são um dos chamados “povos do mar” que entraram em conflito com o Egito.

Embora sejam mencionados anacronicamente na Bíblia hebraica tanto nas narrativas patriarcais quanto nas tradições do êxodo, é apenas nas narrativas que tratam da época dos Juízes – particularmente no ciclo de Sansão, em Jz 13–16 – e com a ascensão da monarquia israelita, correspondendo respectivamente à Idade do Ferro Ib e IIa, que eles desempenham o papel de antagonistas dos israelitas. Particularmente de Sansão e do primeiro rei, Saul.

Apesar da atitude negativa do texto em relação a eles, Davi parece ter passado algum tempo como um vassalo filisteu antes de assumir a realeza israelita após a morte de Saul e de seus filhos nas mãos dos filisteus.

Depois da suposta neutralização da ameaça filisteia por Davi, os filisteus aparecem apenas esporadicamente nos textos bíblicos, principalmente nos oráculos proféticos contra as nações.

Segundo os textos bíblicos, os filisteus eram organizados em uma confederação de cinco cidades, a pentápole filisteia: Ashdod, Ascalon e Gaza na costa mediterrânea, e Ekron e Gat mais para o interior. Do ponto de vista dos textos bíblicos, os filisteus eram o “outro” por excelência, distintos dos outros habitantes da Palestina por não serem circuncidados.

Nossa compreensão da história e da cultura filisteias foi grandemente ampliada: primeiro por uma série de textos do Antigo Oriente Médio, particularmente do período do Reino Novo no Egito (séculos XIII-XII a.C.) e do período neoassírio (séculos VIII a VII a.C.); e, segundo, pelos resultados de escavações arqueológicas em sítios filisteus.

Embora um estilo específico de cerâmica bicromática fosse associado aos filisteus já no final do século XIX, foi somente na década de sessenta do século XX que começaram a ser realizadas intensas escavações em cidades da pentápole filisteia – com exceção de Gaza, que está sob a cidade moderna do mesmo nome – e em locais menores e mais periféricos. Isso nos permitiu traçar um quadro muito mais consistente da história, da sociedade e da cultura material dos filisteus.

 

The Philistines were a people with roots in the Aegean or Anatolian world who settled on the southern coastal strip of Canaan around the year 1200, during the transitional period between the Late Bronze Age and the Early Iron Age. In Egyptian sources dating to this time, they are one among a number of so-called Sea Peoples who came into conflict with Egypt. Although they are mentioned anachronistically in the Hebrew Bible in both the ancestral (i.e., patriarchal) narratives and the exodus traditions, it is only in narratives dealing with the period of the judges (particularly in the Samson cycle: Judges 13–16) and with the rise of the Israelite monarchy, corresponding respectively to Iron Age Ib and IIa, that they play a more central role as antagonists: particularly of Samson and of the first Israelite king, Saul. In spite of the text’s negative attitude toward them, David appears to have spent some time as a Philistine vassal before assuming the mantle of Israelite kingship following the deaths of Saul and most of his sons at Philistine hands. After David’s supposed neutralization of the Philistine threat, the Philistines appear only sporadically in the biblical text, most noticeably in prophetic oracles against the nations. According to biblical literature, the Philistines were organized in a loose confederation of five city-states (the Philistine Pentapolis): Ashdod, Ashkelon, and Gaza along the coast, and Ekron and Gath farther inland, although the latter city does not appear in later texts. From the perspective of the biblical text, the Philistines were the quintessential “other,” distinguished from the other inhabitants of the Levant through their uncircumcised state. Our picture of Philistine history and culture is greatly expanded first by a number of ancient Near Eastern texts, particularly from the late New Kingdom Period in Egypt (13th–12th centuries BCE) and from the neo-Assyrian period (8th–7th centuries BCE), and second by the results of archaeological excavations at Philistine sites. Although a distinctive style of bichrome pottery was associated with the Philistines already at the end of the 19th century, it was not until the 1960s that intensive excavations began to be carried out both at cities of the Philistine Pentapolis (with the exception of Gaza, which is covered by the modern city of the same name) and at smaller and more peripheral sites. These have allowed us to draw a much more nuanced picture of Philistine history, society, and material culture, which oftentimes provides a corrective to the witness of the biblical text.

Para saber mais sobre os filisteus e os “povos do mar”, recomendo o livro de CLINE, E. H. 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. Princeton: Princeton University Press, 2014, 264 p. – ISBN 978691168388. Vou apresentá-lo no post seguinte. E há uma bibliografia, que cita também recursos online, aqui.