Ultraconservadores em estado de choque com o Papa Francisco

A insatisfação dos católicos ultraconservadores começou na noite de quarta-feira, no mesmo instante em que o nome de Jorge Mario Bergoglio foi anunciado como Papa Francisco. Desde então, fóruns tradicionalistas na internet veem como apocalíptico o futuro da Igreja nas mãos do argentino.

A reportagem de Andrei Netto foi publicada em O Estado de S. Paulo, hoje, 19/03/2013. O título: Estilo informal do papa revolta ultraconservadores.

O mesmo papa que será celebrado por milhares de pessoas na Praça São Pedro na manhã de hoje já é desprezado por grupos ultraminoritários da Igreja. Cristãos que romperam com Roma desde a aprovação do Concílio Vaticano II, há 50 anos, os “tradicionalistas” estão em estado de choque com a escolha de Francisco como novo líder católico.

A reportagem é de Andrei Netto e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 19-03-2013.

Para eles, um papa que se define como “bispo de Roma”, e não como sumo pontífice, que pede a bênção dos fiéis antes de lhes conceder a sua, que troca a cruz de ouro pela de ferro e prega uma Igreja “pobre e para os pobres” não é digno de ser o sucessor de Pedro.

A insatisfação dos católicos ultraconservadores começou na noite de quarta-feira, no mesmo instante em que o nome de Jorge Mario Bergoglio foi anunciado como papa Francisco. Desde então, fóruns tradicionalistas na internet veem como apocalíptico o futuro da Igreja nas mãos do argentino. Entre os mais moderados, as palavras são de decepção profunda. Para os mais radicais, Bergoglio não será jamais reconhecido como papa, por ser visto como reformador, progressista e ligado à Teologia da Libertação.

Francisco também é criticado por sua disposição ao diálogo com judeus, muçulmanos e por supostamente ser “amigo” dos “sectos” maçônico e protestante. Não bastasse, o novo pontífice tem sido acusado de ser “inimigo da Santa Missa” e da “santa doutrina católica” por ser defensor do Concílio Vaticano II, o verdadeiro vilão aos olhos dos tradicionalistas.

Nos fóruns online, os textos não falam Habemus Papam, mas Habent Papam (“Eles têm um papa”). “O trono de Pedro continua vago”, diz o site Catholique Sedevacantiste, da França, em um artigo denominado Bergoglio, amigo íntimo dos judeus, inimigo de Nosso Senhor. Tradicionalista francês, Clément Lecuyer se refere a Francisco como “João Paulo IV”, herdeiro de uma linhagem de “falsos papas” formada por João XXIII, Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI.

“Não é só sua linguagem, mas todo o seu passado. O problema é de adesão aos valores do catolicismo. O que é grave é sua linha miserabilista e terceiro-mundista, que é inaceitável. Na Itália e na Europa vamos viver em breve uma fuga imensa de fiéis”, disse ao Estado Maurizio Ruggiero, secretário do Comitata Antirisorgimentali, um grupo ultraconservador italiano.

Ruggiero é um dos porta-vozes de um movimento chamado Sedevacantista, uma referência à Sé Vacante, o período em que o Vaticano não tem papa.

Para esses ultraconservadores, nenhum papa desde o Concílio Vaticano II é reconhecido como tal, por “violarem” os ritos do catolicismo tradicional, como a missa em latim. A cada novo conclave, grupos como o Comitata Antirisorgimentali esperam pela nomeação com a esperança de que o novo pontífice suspenda as regras do Concílio e encerre o diálogo com outras religiões.

Para eles, Francisco é o oposto do que se espera do líder católico. “É impossível não ser um sedevacantista com Francisco no Vaticano”, afirma Ruggiero. “Se pensar que um papa católico vai se encontrar com judeus e muçulmanos, como nos representará, se está escrito no nosso evangelho que só a Igreja Católica salva?”

A desilusão com Francisco é compartilhada por Michael Brendan Dougherty, jornalista e correspondente da revista The American Conservative. Para ele, Francisco é um retrocesso em relação a Bento XVI, que liberou a missa tradicional em latim. “As medidas não foram aplicadas na diocese do cardeal Bergoglio.”

O vaticanista italiano Marco Politi adverte para o fato de que os grupos mais tradicionalistas estão perdendo a paciência. “Eles já ficaram extremamente irritados quando Bento XVI renunciou, já que reduziu a imagem do papa, transformando-o em apenas mais um dos cardeais”, lembrou. “Agora, Francisco mantém a tendência de se mostrar mais próximo do povo, dispensando e mudando ritos.”

Fonte: Estadão: 19/03/2013. O texto pode ser lido também em IHU On-Line – 19/03/2013.

Leituras possíveis sobre o Papa Francisco

Jung Mo Sung: sobre a entrevista de Clodovis Boff

A fé cristã nasce em Cristo, mas a teologia não é fé, é uma reflexão sistemática sobre a nossa experiência de fé. As melhores teologias são aquelas que não tomam o lugar da fé e nem deixam que esta tome o seu.

Artigo publicado na Adital em 11.03.2013.

Cristo e os pobres: sobre a entrevista de C. Boff na Folha

O jornal Folha de São Paulo publicou nesta segunda-feira, 11/03/2013, uma entrevista com Clodovis Boff criticando a Teologia da Libertação (TL) no contexto da eleição do novo papa (…) Vou propor algumas breves reflexões sobre 3 pontos da entrevista. Uma das críticas que ele faz à TL é que suas correntes hegemônicas não teriam entendido “a primazia da libertação espiritual, perene, sobre a libertação social, que é histórica” e por preferir não entender essa distinção se degeneraram em ideologia. Como essa distinção está explicitada no livro “Teologia da Libertação” de Gutiérrez, é difícil imaginar quais seriam essas correntes hegemônicas. Em todo caso, uma das novidades da TL não foi negar ou afirmar a primazia da libertação espiritual sobre a histórica, mas propor uma nova forma de compreender a relação entre as duas. O que os principais teólogos/as da libertação sempre afirmaram é que, em situações de tanta injustiça e morte, a fé em Jesus se torna concreta, se encarna, na experiência espiritual de encontrar na face do pobre a face de Jesus, conforme nos ensina o evangelho de Mateus, cap. 25. Isso nos leva a outra crítica C. Boff: “Jon Sobrino diz: ‘A teologia nasce do pobre’. Roma simplesmente responde: ‘Não, a fé nasce em Cristo e não pode nascer de outro jeito’. Assino embaixo.” Na forma como está escrito é facilmente perceptível que há dois temas em discussão: de onde nascem a teologia e a fé. É claro que a fé cristã nasce em Cristo, mas a teologia não é fé, é uma reflexão sistêmica sobre a nossa experiência de fé e, portanto, não necessariamente precisa começar com Cristo. Eu não sou especialista no pensamento de Sobrino, mas pelo que estudei dele posso afirmar que para ele o ponto de partida da reflexão teológica – que é diferente da fé – é o pobre enquanto nele encontramos a face de Cristo entre nós. Em outras palavras, o ponto de partida de teologia é a relação entre Cristo e o pobre (…) Por fim, C. Boff diz: “O ‘cristianismo anônimo’ constituía uma ótima desculpa para, deixando de lado Cristo, a oração, os sacramentos e a missão, se dedicar à transformação das estruturas sociais” e endossa a afirmação de dom Rommer de que “Não basta fazer o bem para ser cristão. A confissão da fé é essencial”. Eu realmente tenho dificuldade em achar que alguém tenha usado a tese rahneriana de “cristianismo anônimo” como desculpa, mas concordo que não basta fazer o bem para ser cristão. Pois, isso negaria que um budista ou um ateu pudesse fazer o bem sendo budista ou ateu, sem querer ser cristão, muito menos cristão anônimo. Aliás, na parábola do “juízo final” (Mt 25) a identidade religiosa ou ideológica das pessoas nem entra em discussão.

:: Quem é Jung Mo Sung? Veja aqui e aqui.

O primeiro e-reader a gente nunca esquece

Há pouco mais de um ano, 70% dos brasileiros nunca tinham ouvido falar em livros digitais. O mercado digital muda, porém, de maneira veloz. É um caminho sem volta.

Estou gostando demais das novas possibilidades de leitura oferecidas por meu Kindle, adquirido recentemente.

Estou apreciando, sem custo algum, textos clássicos das literaturas alemã, inglesa, norte-americana, francesa, árabe, escandinava antiga, latina, irlandesa, italiana etc. E a maioria nas línguas originais. Textos que eu lera, muitos deles, a partir de meus 11 anos de idade – quando tive acesso a uma boa biblioteca – em tradução apenas.

Pois acabei de ler este artigo na CartaCapital, de 11.03.2013 08:42, escrito por Samantha Maia: Meu primeiro e-book.

Que começa assim:

Há pouco mais de um ano, 70% dos brasileiros nunca tinham ouvido falar em livros digitais. A experiência com essa leitura, em geral de obras disponibilizadas em PDF gratuitamente na internet, era considerada uma opção de segunda linha, incapaz de superar o papel. O mercado digital muda, porém, de maneira veloz. A aposta recente das grandes empresas vendedoras de e-books no Brasil – Amazon, Apple e Google – e a movimentação das maiores redes de livrarias brasileiras – Livraria Cultura e Saraiva – para não ficarem atrás no negócio marcam a entrada de vez do novo produto no País. “É um caminho sem volta”, diz Hubert Alqueres, da Câmara Brasileira do Livro (CBL), representante das editoras. A Apple iniciou as vendas de e-books brasileiros em outubro de 2012, por meio da iTunes. Em dezembro foi a vez do Google, com o Google play, e da Amazon, com seu site brasileiro. Alex Szapiro, vice-presidente do Kindle da Amazon do Brasil, conta que a empresa estudou o mercado durante um ano e meio. “Viemos pelo potencial brasileiro de ser um dos maiores mercados do mundo.” A Livraria Cultura e a Saraiva já comercializavam livros digitais desde 2010, mas o volume de obras disponíveis equivalia a 10% do que existe hoje. O acervo continua pequeno comparado a mercados maduros. São 15 mil títulos em português, diante de 1 milhão de obras nos Estados Unidos, onde as vendas de e-books começaram nos primórdio dos anos 2000. No mercado de livro impresso, 58 mil títulos foram lançados apenas em 2011. Os investimentos das editoras para a conversão dos arquivos devem, no entanto, impulsionar rapidamente o número de obras brasileiras disponíveis em formato digital. Uma novidade importante foi o governo federal publicar, há duas semanas, um edital para a compra de 80 milhões de livros digitais didáticos, com entrega prevista a partir de 2015. A iniciativa casa com a aquisição recente de 600 mil tablets para professores. Pelo fato de 30% do faturamento do setor editorial brasileiro vir de encomendas governamentais, a primeira compra pública de e-books é um passo decisivo para organizar esse mercado e derrubar o custo de produção. A difusão dos tablets e dos smartphones no Brasil foi importante para aumentar a atratividade dos e-books com o ganho da mobilidade. Em 2012, cerca de 3 milhões de tablets foram vendidos no País. O livro eletrônico tem, porém, um instrumento próprio que ainda não é comum entre os brasileiros: o e-reader, ou leitor digital. São aparelhos leves, com menos de 200 gramas, dimensão em média de 6 polegadas e tela sem brilho, que cansa menos a vista. Custam de 300 a 400 reais, têm memória para armazenar mais de mil livros e bateria que dura até 30 dias. É em torno de tais dispositivos que está centrada a disputa no mercado local.

Clodovis Boff reafirma postura conservadora

Está em entrevista de Clodovis Boff, mais conhecido pela mídia como irmão de Leonardo Boff, à Folha de S. Paulo de hoje.

Leia Irmão de Leonardo Boff defende Bento 16 e critica Teologia da Libertação

Fonte: Alexandre Gonçalves – Folha de S. Paulo: 11/03/2013 – 04h48

Leia Mais:
Clodovis Boff e a Teologia da Libertação
O texto de Clodovis Boff sobre a TdL e a pastoral 

Obs.: estou considerando, até prova em contrário, a possibilidade da Folha ter reproduzido a entrevista corretamente, o que não teria ocorrido em casos recentes com Leonardo Boff e José Oscar Beozzo.

O Chavismo além de Chávez

O presidente da Venezuela e líder da ‘revolução bolivariana’, Hugo Chávez Frias, morreu nesta terça (5 de março de 2013), aos 58 anos, vítima de câncer. Agora que Chávez não existe mais, o que permanece é o chavismo. Até então, o oposicionismo venezuelano enfrentava um líder carismático de carne e osso. A partir de agora, enfrentará uma lenda.

:: Leia o especial de Carta Maior
O Chavismo além de Chávez

:: Também o especial de Brasil de Fato
Hugo Chávez (1954-2013)

:: E do Opera Mundi
Especial Venezuela: A Era Chávez

A história registrará, com justiça, o papel que Chávez desempenhou na integração latino-americana e sul-americana, e a importância de seu governo para o povo pobre de seu país, diz Luiz Inácio Lula da Silva.

Precisamos de um Papa como São Francisco

O cardeal de Buenos Aires, Argentina, Jorge Mario Bergoglio, eleito Papa hoje, adotou o nome de Francisco.

Fratelli e sorelle, buonasera! Voi sapete che il dovere del Conclave era di dare un Vescovo a Roma. Sembra che i miei fratelli Cardinali siano andati a prenderlo quasi alla fine del mondo… ma siamo qui… Vi ringrazio dell’accoglienza.

Explode o caso Vatileaks. Os cardeais querem saber

Na manhã de ontem foram três cardeais que manifestaram o desejo de saber o que consta na “Relatio” preparada pela comissão dos cardeais que fizeram a investigação. O conteúdo do relatório, até o momento, é secreto. O pedido foi feito pelo cardeal alemão Walter Kasper (…), pelo austríaco Cristoph Schönborn, arcebispo de Viena (…), e [pelo] húngaro Peter Erdö, arcebispo de Budapeste (…) Não por acaso também os cardeais de Washington e de Chicago, Donald Wuerl e Francis George, afirmaram, depois da primeira congregação geral, que o caso Vatileaks precisa ser discutido e “que algumas perguntas serão feitas aos cardeais envolvidos na investigação” (…). Sabe-se que Bento XVI não quis divulgar o relatório, mas permitiu que os três cardeais que investigaram o caso – Herranz, Jozef Tomko e Salvatore De Giorgi – forneçam informações de caráter geral (…) Mas seria um erro considerar que escândalos e Vatileaks tenham sido o tema principal do primeiro dia de trabalho: a preocupação da maioria dos presentes é encontrar um novo Papa que saiba falar ao mundo, anunciar o Evangelho de maneira positiva. “Seria preciso um Papa como São Francisco [sublinhado meu] – diz um cardeal influente no final dos trabalhos de ontem – um homem que saiba sorrir como João Paulo I, que possa mostrar o rosto da misericórdia de Deus. E que saiba reformar a Cúria para torná-la mais crível e transparente”.

Leia o texto completo.

A reportagem é de Andrea Tornielli e foi publicada pelo jornal La Stampa [Vatican Insider] em 05/03/2013. Fonte: Notícias: IHU On-Line – 05/03/2013.

Esplode il caso Vatileaks. Le porpore vogliono sapere – Andrea Tornielli – Vatican Insider/La Stampa: 05/03/2013

Tre cardinali di peso chiedono di conoscere i segreti dell’ultimo scandalo. La richiesta è stata avanzata dal tedesco Walter Kasper, ottant’anni appena compiuti, in conclave per un soffio, appartiene all’ala dei vecchi curiali più critici verso la gestione della Segreteria di Stato degli ultimi anni. Stessa domanda anche da due «papabili» europei di peso. Il primo è l’austriaco Cristoph Schönborn, arcivescovo di Vienna, che nel 2010 criticò pubblicamente l’ex Segretario di Stato Angelo Sodano per come erano stati gestiti i casi di abusi nell’ultimo periodo wojtyliano. Il secondo è l’ungherese Peter Erdö, arcivescovo di Budapest, considerato un possibile candidato europeo al Soglio di Pietro (…) Sarebbe però un errore considerare scandali e Vatileaks come il segno distintivo della prima giornata di dibattito: la preoccupazione della maggior parte dei presenti è quella di trovare un nuovo Papa che sappia parlare al mondo, annunciare il Vangelo in modo positivo. «Ci vorrebbe un Papa come San Francesco – confida a La Stampa un porporato influente a fine giornata – un uomo che sappia sorridere come Giovanni Paolo I, che possa mostrare il volto della misericordia di Dio. E che sappia riformare la Curia per renderla più credibile e trasparente».

Israelenses x Palestinos: ninguém acredita mais em paz

Maioria dos israelenses se sente confortável o suficiente para ignorar seus vizinhos

Um dos ministros da equipe que está deixando o governo de Israel após as últimas eleições me disse, sem rodeios, durante uma recente visita que fiz ao país: “Pela primeira vez, os palestinos não influenciaram as eleições”. A maioria dos israelenses se sente confortável o suficiente para ignorar seus vizinhos. É como se eles estivessem no Titanic e preferissem não pensar no assunto. É um fato aceito e conhecido por todos na Casa Branca, e para além dela também, que a atual situação é insustentável – a ocupação da Cisjordânia por Israel, que já dura 46 anos, as fronteiras indefinidas, o conflito latente, a opressão. Mas pensar que essa situação poderá ser resolvida pode não ser nada além de uma ilusão. Israel sente que sua situação é sustentável. O milagre econômico que faz com que regiões do país se pareçam com o sul da Califórnia poderá continuar: o isolamento diplomático de Israel não equivale a isolamento comercial. A ocupação militar vai crescer com o apoio dos Estados Unidos. Uma forte corrente nacionalista israelense – nós ganhamos todos os territórios no campo de batalha e, por isso, ele é nosso! – vai prevalecer sobre a fadiga gerada pelas negociações de paz entre os israelenses liberais e um fragmentado movimento palestino (…) Sim, Israel, país que se estende por todas as terras de Eretz Israel (um termo bíblico usado para fazer referência à área localizada entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão e que abrange toda a Cisjordânia), é sustentável. O status quo não é estático. Em suma, apesar dos padrões demográficos, que favorecem os palestinos, o poder pende para o lado de Israel. A vitalidade supera a demografia. “Muitos anos vão se passar sem que haja nenhuma definição”, disse-me Tom Segev, ilustre historiador israelense. “Vamos continuar oprimindo; Eles vão continuar tentando lutar. Atualmente, a maioria dos israelenses sente que sua segurança está garantida sem ter que abrir mão de nada. Esse é o problema. A opressão dos palestinos é terrível. Mas a situação está calma. Por isso, os israelenses não percebem essa opressão cotidiana. Ninguém acredita mais em paz”. Do lado palestino também ficou mais difícil de encontrar quem acredite em um acordo de paz baseado em dois estados. A expansão dos assentamentos com a aquiescência dos EUA levou à convicção de que não haverá um estado palestino viável na Cisjordânia e em Gaza (…) Eu disse que a situação de Israel é sustentável. E ela é, em termos físicos. Mas não é em termos éticos. Israel é um estado cuja Declaração de Independência, de 1948, diz que ele seria “fundado com base nos princípios da liberdade, da justiça e da paz de acordo com o espírito das visões dos profetas de Israel; que implementará a igualdade total de direitos sociais e nacionais para todos os seus cidadãos sem distinção de raça, religião e sexo; prometerá a liberdade de culto, opinião, língua, educação e cultura”. A ocupação da Cisjordânia, onde vivem mais de 2,6 milhões de palestinos humilhados, contraria cada palavra dessa declaração. Em breve, o presidente Barack Obama visitará Israel e a Cisjordânia. Ele não tem nenhum motivo para ter esperanças. A paz está além de uma solução funcional, mas capenga. A falta de limites para a força de Israel e para a vitimização palestina estreitaram o caminho para que se chegasse aos conhecidos compromissos necessários para acabar com o conflito. 

Leia o texto completo.  O artigo é de Roger Cohen, colunista do jornal The New York Times. Foi reproduzido pelo portal Uol em 02/03/2013. O autor do texto se define como um sionista liberal.

Fonte: Notícias: IHU On-Line – 05/03/2013