Carta do II Encontro dos Blogueiros Progressistas

Carta do II BlogProg – Brasília – Junho de 2011

Desde o I Encontro Nacional dos Blogueir@s Progressistas, em agosto de 2010, em São Paulo, nosso movimento aumentou a sua capacidade de interferência na luta pela democratização da comunicação, e se tornou protagonista da disseminação de informação crítica ao oligopólio midiático.

Ao mesmo tempo, a blogosfera consolidou-se como um espaço fundamental no cenário político brasileiro. É a blogosfera que tem garantido de fato maior pluralidade e diversidade informativas. Tem sido o contraponto às manipulações dos grupos tradicionais de comunicação, cujos interesses são contrários a liberdade de expressão no país.

Este movimento inovador reúne ativistas digitais e atua em rede, de forma horizontal e democrática, num esforço permanente de construir a unidade na diversidade, sem hierarquias ou centralismo.

Na preparação do II Encontro Nacional, isso ficou evidenciado com a realização de 14 encontros estaduais, que mobilizaram aproximadamente 1.800 ativistas digitais, e serviram para identificar os nossos pontos de unidade e para apontar as nossas próximas batalhas.

O que nos une é a democratização da comunicação no país. Isso somente acontecerá a partir de intensa e eficaz mobilização da sociedade brasileira, que não ocorrerá exclusivamente por conta dos governos ou do Congresso Nacional.

Para o nosso movimento, democratizar a comunicação no Brasil significa, entre outras coisas:

a) Aprovar um novo Marco Regulatório dos meios de comunicação. No governo Lula, o então ministro Franklin Martins preparou um projeto que até o momento não foi tornado público. Nosso movimento exige a divulgação imediata desse documento, para que ele possa ser apreciado e debatido pela sociedade. Defendemos,entre outros pontos, que esse marco regulatório contemple o fim da propriedade cruzada dos meios de comunicação privados no Brasil.

b) Aprovar um Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) que atenda ao interesse público, com internet de alta velocidade para todos os brasileiros. Nos últimos tempos, o governo tem-se mostrado hesitante e tem dado sinais de que pode ceder às pressões dos grandes grupos empresariais de telecomunicações, fragilizando o papel que a Telebrás deveria ter no processo. Manifestamos, ainda, nosso apoio à PEC da Banda Larga que tramita no Congresso Nacional (propõe que se inclua, na Constituição, o acesso à internet de alta velocidade entre os direitos fundamentais do cidadão).

c) Ser contra qualquer tipo de censura ou restrição à internet. No Legislativo, continua em tramitação o projeto do senador tucano Eduardo Azeredo de controle e vigilância sobre a internet – batizado de AI-5 Digital. Ao mesmo tempo, governantes e monopólios de comunicação intensificam a perseguição aos blogueiros em várias partes do país, num processo crescente de censura pela via judicial. A blogosfera progressista repudia essas ações autoritárias. Exige a total neutralidade da rede e lança uma campanha nacional de solidariedade aos blogueiros perseguidos e censurados, estabelecendo como meta a criação de um “Fundo de Apoio Jurídico e Político” aos que forem atacados.

d) Lutar pelo encaminhamento imediato do Marco Civil da Internet, pelo poder executivo, ao Congresso Nacional.

e) Defender o Movimento Nacional de Democratização da Comunicação, no qual nos incluímos, dando total apoio à luta pela legalização das rádios e TVs comunitárias, e exigindo a distribuição democrática e transparente das concessões dos canais de rádio e TV digital.

f) Democratizar a distribuição de verbas públicas de publicidade, que deve ser baseada não apenas em critérios mercadológicos, mas também em mecanismos que garantam a pluralidade e a diversidade. Estabelecer uma política pública de verbas para blogs.

g) Declarar nosso repúdio às emendas aprovadas na Câmara dos Deputados ao projeto de Lei 4.361/04 (Regulamentação das Lan Houses), principais responsáveis pelos acessos à internet no Brasil, garantindo o acesso à rede de 45 milhões de usuários, segundo a ABCID (Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital).

h) Fortalecer o movimento da blogosfera progressista, garantindo o seu caráter plural e democrático. Com o objetivo de descentralizar e enraizar ainda mais o movimento, aprovamos:

– III Encontro Nacional na Bahia, em maio de 2012.

– Que a Comissão Organizadora Nacional passará a contar com 15 integrantes:

– Altamiro Borges, Conceição Lemes, Conceição Oliveira, Eduardo Guimarães, Paulo Henrique Amorim, Renato Rovai e Rodrigo Vianna (que já compunham a comissão anterior);

– Leandro Fortes (representante do grupo que organizou o II Encontro em Brasília);

– um representante da Bahia (a definir), indicado pela comissão organizadora local do III Encontro;

– Tica Moreno (suplente – Julieta Palmeira), representante de gênero;

– e mais um representante de cada região do país, indicados a partir das comissões regionais (Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte). As comissões regionais serão formadas por até dois membros de cada estado, e ficarão responsáveis também por organizar os encontros estaduais e estimular a formação de comissões estaduais e locais.

Os blogueir@s reunidos em Brasília ainda sugerem que, no próximo encontro na Bahia, a Comissão Organizadora Nacional passe por uma ampla renovação.

Brasília, 19 de junho de 2011.

Leia Mais:
Galeria de Fotos: os blogueiros sujos em Brasília – Paulo Henrique Amorim: Conversa Afiada – 19/06/2011
Os debates de alta qualidade do #2blogprog – Luiz Carlos Azenha: Vi o Mundo – 18/06/2011
Um balanço inicial do II BlogProg – Altamiro Borges: Blog do Miro – 20/06/2011

Google digitaliza acervo da Biblioteca Britânica

Biblioteca Britânica e Google fecham acordo para digitalizar 250 mil livros de acervo

A Biblioteca Britânica e o Google anunciaram nesta segunda-feira uma parceria para ditigalizar 250 mil livros do acervo da biblioteca. Os artigos que serão digitalizados não possuem restrições relativas a direitos autorais. Os títulos, que abrangem um total de 40 milhões de páginas, datadas de 1700 a 1870, foram selecionados pela Biblioteca Britânica e digitalizados pelo Google, que irá arcar com todos os custos do processo. Entre os primeiros itens a ser digitalizados estão panfletos feministas a respeito da rainha Maria Antonieta, de 1791, um documento sobre o primeiro submarino movido por um motor de combustão, de 1858, e um texto que oferece um relato detalhado de um hipopótamo empalhado do príncipe de Orange, de 1775. Uma vez digitalizados, os textos poderão ser consultados na íntegra, baixados e lidos por meio do programa Google Books. Pesquisadores e estudantes em qualquer parte do mundo poderão ter acesso aos itens digitalizados e copiá-los e compartilhá-los desde que o façam sem fins comerciais. A parceria com o Google é o mais recente acordo firmado pela Biblioteca Britânica com entidades privadas para digitalizar a coleção da biblioteca. Recentemente, a instituição anunciou uma parceria com a editora online britânica brightsolid para digitalizar 40 milhões de páginas de sua coleção de periódicos e já havia firmado anteriormente um acordo com a Microsoft para digitalizar 65 mil livros do século 19, alguns dos quais estão disponíveis atualmente por meio de aplicativos do iPad, da Apple.

Fonte: BBC Brasil/Folha.com – 20/06/2011 – 08h44

Mística e Razão: dialética no pensamento judaico

A Editora Perspectiva e a Livraria da Vila convidam para o lançamento, hoje, 20 de junho de 2011, das 19h00 às 22h00, do livro de Alexandre Leone, Mística e Razão: Dialética no Pensamento Judaico.

Local: Livraria da Vila – Lorena – Piso Térreo – Alameda Lorena, 1731

LEONE, A. Mística e Razão: Dialética no Pensamento Judaico. São Paulo: Perspectiva, 2011, 200 p. – ISBN 9788527309127

Diz a editora:
“Abraham Joshua Heschel (1906-1972), notável filósofo judeu, voltou sua atenção diretamente para a literatura rabínica tradicional em Torá min ha-Shamaim be-Aspaklaria shel ha-Dorot (A Torá Revelada Apreendida Através das Lentes das Gerações de Sábios), em especial para aquela contida no Talmud, no Midrash e nos comentaristas medievais. Dessa leitura emerge uma visão dialética das correntes de pensamento que animaram os debates das primeiras interpretações rabínicas sobre questões como o elemento humano e o divino na revelação; a imanência versus a transcendência de Deus; a relação entre observância religiosa e o espírito por trás da observância; a noção de milagre versus a ideia de uma natureza autônoma; e muitos outros temas do debate judaico que têm atravessado os séculos. Heschel identifica, a partir de duas escolas de pensamento rabínico dos primeiros séculos da era comum – a escola de rabi Akiva, de tendência mística, e a escola de rabi Ishmael, de tendência racionalista –, dois grandes paradigmas que tensionaram dialeticamente o pensamento rabínico desde o final da Antiguidade e durante a Idade Média. Essas tendências têm permeado o pensamento judaico e, desde então, contribuído para uma abordagem única no trato da contradição. A leitura dialética das fontes rabínicas redimensiona a relação entre razão e misticismo na experiência religiosa judaica e, para além de aprofundar o debate moderno sobre a natureza da experiência religiosa, é também uma poderosa crítica contra as leituras fundamentalistas dos textos tradicionais judaicos. Este pensamento e esta leitura são o objeto de reflexão do rabino e pesquisador Alexandre Leone, em Mística e Razão: Dialética no Pensamento Judaico, que a Perspectiva leva ao leitor em mais um volume da coleção Estudos”.

Alexandre Leone: graduado em ciências sociais, tornou-se mestre e doutor em cultura judaica pela FFLCH-USP. Ordenou-se rabino e recebeu o Master of Arts (Jewish Philosophy) pelo Jewish Theological Seminary of America-JTS, de Nova York. É professor da Escola Dominicana de Teologia, do Colégio Bialik e pesquisador do Centro de Estudos Judaicos da USP. É rabino da comunidade judaica de Alphaville. Estudioso do pensamento e da filosofia judaica medieval e moderna, sua pesquisa está centrada no aspecto ético e humanizante do judaísmo.

Conheci Alexandre Leone no Congresso da SOTER de 1999, quando, partindo do relato de Gênesis 1, apresentou a interpretação judaica da criação baseado em três fontes rabínicas: o Midrash, o sábio medieval Maimônedes e, especialmente, a interpretação mística baseada no Zohar, que vê a criação como um processo constante e o ser humano como parceiro de Deus na criação.

Observando o Twitter em noite de domingo