Livros da Biblioteca da Universidade Complutense estarão disponíveis na web

Proyecto de digitalización Biblioteca Complutense-Google

La Biblioteca de la Universidad Complutense de Madrid y Google firmaron en 2006 un acuerdo de cooperación para digitalizar la totalidad de las colecciones de la Biblioteca Complutense libres de derechos de autor. Se realizan dos copias digitales de estas obras que pueden ser recuperadas libremente desde Google y desde los diferentes sistemas de la Biblioteca, además de Hathi Trust, la mayor biblioteca digital mundial, y de Europeana, el mayor portal cultural europeo.

La Biblioteca de la Universidad Complutense fue la primera biblioteca no anglosajona que realiza un acuerdo de colaboración con Google dentro del Google Library Project. Hasta la fecha se han digitalizado más de 150.000 libros de las colecciones complutenses.

Gracias a este acuerdo la misión de preservación y difusión del patrimonio bibliográfico de la biblioteca de la UCM se ha mejorado significativamente al digitalizar y difundir sin coste una parte sustancial de su patrimonio, liberando recursos para acometer proyectos de digitalización propios más especializados.

El proceso de digitalización conlleva un respeto total a la integridad material e intelectual de las obras por lo que toda la que pueda correr el más mínimo riesgo es excluida de este proceso. Además, el sistema utilizado permite manipular los libros de manera que no son forzados en absoluto y tampoco es necesario desencuadernarlos.

Fonte: Universidad Complutense de Madrid

 

Universidade de Madri integra livros ao Google Books

O gigante do mundo das buscas Google anunciou nesta terça-feira que sua coleção virtual de livros acessíveis na internet (https://books.google.com) incluirá os trabalhos literários da maior biblioteca universitária da Espanha, a da Universidade Complutense de Madri.

A biblioteca desta universidade se tornará, assim, a primeira coleção em castelhano a se somar ao projeto Google Books, segundo a companhia.

“Livros com direitos vencidos que antes eram só acessíveis para pessoas que pudessem ir à biblioteca da Universidade Complutense de Madri, ou tivessem o dinheiro para viajar, agora serão acessíveis para todos os que tiverem conexão à internet, onde quer que vivam”, disse o reitor da universidade, Carlos Berzosa, em um comunicado.

“Estamos literalmente abrindo nossa biblioteca ao mundo. As oportunidades para a educação são fenomenais e estamos felizes de trabalhar com o Google neste projeto”, acrescentou.

A coleção da biblioteca inclui edições de autores espanhóis e latino-americanos como Miguel de Cervantes, Francisco de Quevedo, Pedro Calderón de la Barca, Sor Juana Inés de la Cruz e Garcilaso de la Vega. A instituição informou ainda que sua coleção inclui livros em francês, alemão, latim, italiano e inglês.

O Google e a universidade de Madri trabalharão em conjunto para digitalizar as centenas de milhares de trabalhos de domínio público e colocá-los inteiros na internet, informaram em um comunicado conjunto.

O projeto Google Books também inclui a Biblioteca Bodleian de Oxford e a Biblioteca Pública de Nova York, além de coleções de quatro grandes universidades americanas.

O site de buscas inaugurou no mês passado um serviço que permite aos internautas baixar e imprimir a totalidade de alguns livros cujos direitos autorais tiverem expirado, de obras de Dante e Victor Hugo a de Simón Bolívar.

Fonte: Folha Online – 26/09/2006

O que interessa aos americanos, aos europeus, a mim, a você? O Oriente Médio

Está nas bancas uma edição especial de Caros Amigos sobre o Oriente Médio.

Não deixe de ver o retrato da região e de acompanhar o relato dramático do repórter Fernando Evangelista na Guerra do Líbano.

Hoje eu li metade da revista nas três horas de viagem de Campinas para Brodowski. E fiquei muito impressionado!

Sumário

  • As lições que ninguém aprende: história do Oriente Médio – Renato Pompeu
  • O Oriente Médio hoje – Renato Pompeu
  • Quem controla o petróleo? – José Arbex Jr.
  • Tariq Ali: “A religião não é o problema” – Entrevista a Guilherme Manechini e Marília Neustein
  • Uma guerra preparada mais de um ano antes do primeiro tiro – Renato Pompeu
  • Mil perguntas no inferno – Enviados Especiais à Guerra do Líbano: Fernando Evangelista e Matt Corner
  • Efeito Colateral. A morte de civis em massa é “legitimada” por “eliminar um mal maior” – Sérgio Kalili
  • Líbano: as brechas abertas no muro da desinformação – José Arbex Jr.
  • “Política dos EUA e Israel é ingênua e estúpida” – Sérgio Kalili entrevista Stephen M. Walt
  • Miniara, minha aldeia – Georges Bourdoukan
  • Questão de identidade. O que é ser árabe? O que é ser judeu? Dois expoentes das comunidades árabe e judaica no Brasil enfrentam essas perguntas que não admitem respostas fáceis nem neutras – Marina Amaral
  • Guerra pela paz – Sílvio Tendler
  • Os legionários do Oriente Médio. Vemos os palestinos na mira do fuzil e os palestinos nos vêem como soldados nas barreiras – Gershon Knispel
  • Em São Paulo, língua do trabalho une filhos de Abraão – Marcos Zibordi; fotos: Victor Costales
  • As raízes comuns das artes judaicas e árabes