Os refinados caminhos dos estudos bíblicos

Por ser um campo de pesquisa cujo principal foco é um conjunto fixo e finito de dados, os estudos bíblicos inovam menos por descobrir novos objetos de estudo do que encontrando novas maneiras – ou refinando velhos caminhos – de examinar seu tema básico. Estudiosos investigam através da elaboração de categorias de análise e interpretação que levam à compreensão. A avaliação regular do valor dessas categorias – que podem parecer obscuras para aqueles que não são da área – provoca a autoconsciência acadêmica e, assim, reforça a qualidade da investigação e o conhecimento avança.

As a field of research whose primary focus is a fixed and finite set of data, biblical studies innovates less by discovering new objects of study than by finding fresh ways—or refining old ways—to examine its basic subject matter. Scholars investigate by designing categories of analysis and interpretation to achieve understanding. Regular assessment of the value of these categories—however recondite it may appear to a field’s outsiders—provokes scholarly self-consciousness and thereby strengthens the quality of research and advances knowledge.

Este texto está na Introdução de CALLENDER JR., D. E. (ed.) Myth and Scripture: Contemporary Perspectives on Religion, Language, and Imagination. Atlanta: SBL Press, 2014, 322 p. – ISBN 9781589839618. 

A introdução Scholarship between Myth and Scripture é assinada por Dexter E. Callender Jr. and William Scott Green.

Vejo, entre os autores, nomes muito interessantes como J. W. Rogerson, Mark S. Smith, Susan Ackerman, Marvin A. Sweeney, Adela Yarbro Collins…

Corrupção não é fruto de crise moral

Devemos rejeitar a noção corrente de corrupção como fruto de uma crise moral.

Na verdade, esta noção fica na aparência da realidade social, porque pressupõe uma visão harmônica de sociedade, que não seria constituída por classes sociais, mas apenas conteria divisões sociais. Daí bastar uma “reforma moral” para resolver a crise.

A noção de crise moral não coloca em xeque a estrutura social. Ela permite representar a sociedade como invadida por contradições e, simultaneamente, tomá-las como um acidente, um desarranjo, pois a harmonia é pressuposta como sendo de direito, reduzindo a crise a uma desordem fatual, provocada por enganos, voluntários ou involuntários, dos agentes sociais, ou por mau funcionamento de certas partes do todo.

Na verdade, a crise moral nomeia os conflitos para melhor ocultá-los.

Discursos autoritários de governos reacionários e ditatoriais sempre privilegiam a noção de crise moral.

Por um lado, ela justifica a desordem social e, por outro, mobiliza a sociedade temerosa de perder sua identidade coletiva, reagindo contra a mudança revolucionária, salvando, assim, a ordem constituída dos riscos a que estava submetida.

Donde ser necessária uma abordagem da questão da corrupção que considere a complexidade e as contradições da sociedade…

Diz um ditado que quando se aponta o dedo para alguém outros três ficam voltados para você.

 

A hipocrisia de quem aponta o dedo

 

Leia sobre isso em:
CHAUÍ, M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
DA SILVA, A. J. A denúncia profética da corrupção (Salmo 12). Vida Pastoral, São Paulo, n. 141, p. 2-6, 1988.

Isto faz parte de um artigo sobre Jeremias que estou escrevendo nestes dias. E que será publicado na revista Estudos Bíblicos proximamente.

Jeremias: estratégias para lidar com o poder imperial

Aos nossos olhos os textos do livro de Jeremias brotam do passado no contexto da irrupção do império babilônico e podem ser lidos como estratégias para lidar com a inevitabilidade do poder imperial e a experiência do exílio.

The historical context of the book of Jeremiah is that of the Babylonian E mpire: the texts in Jeremiah emerged against  the  background  of  a  disrupting  empire and can  be  read  as strategies for coping with the inevitability of imperial power and the experience of exile.

É o que escreve Bob Becking, na resenha de Steed Vernyl DAVIDSON, Empire and Exile: Postcolonial Readings of the Book of Jeremiah. London: Bloomsbury T & T Clark, 2011, publicada na RBL em 20.01.2013.

Resenhas na RBL – 12.06.2015

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

George Aichele
The Letters of Jude and Second Peter: Paranoia and the Slaves of Christ
Reviewed by Andrew Mbuvi

Warren Carter
Seven Events That Shaped the New Testament World
Reviewed by Richard Johnson

Bruce Chilton
Visions of the Apocalypse: Receptions of John’s Revelation in Western Imagination
Reviewed by Ian Boxall

Louis H. Feldman, James L. Kugel, and Lawrence H. Schiffman, eds.
Outside the Bible: Ancient Jewish Writing Related to Scripture
Reviewed by Igal German

Michael Graves
The Inspiration and Interpretation of Scripture: What the Early Church Can Teach Us
Reviewed by Kenneth D. Litwak

A. Kirk Grayson and Jamie Novotny
The Royal Inscriptions of Sennacherib, King of Assyria (704–681 BC), Part 2
Reviewed by Michael S. Moore

Lowell K. Handy
Psalm 29 through Time and Tradition
Reviewed by Wojciech Wegrzyniak

Franz D. Hubmann; ed. Werner Urbanz
Prophetie an der Grenze: Studien zum Jeremiabuch und zum Corpus Propheticum
Reviewed by Mark E. Biddle

Michael B. Hundley
Keeping Heaven on Earth: Safeguarding the Divine Presence in the Priestly Tabernacle
Reviewed by Nevada L. DeLapp

Craig S. Keener
Acts: An Exegetical Commentary (3:1–14:28)
Reviewed by Joshua L. Mann
Reviewed by Justin A. Mihoc

Amy-Jill Levine
Short Stories by Jesus: The Enigmatic Parables of a Controversial Rabbi
Reviewed by Jessica Tinklenberg

Shelly Matthews
The Acts of the Apostles: Taming the Tongues of Fire
Reviewed by Brian LePort

David Miano
Shadow on the Steps: Time Measurement in Ancient Israel
Reviewed by Trent C. Butler

Heinz-Dieter Neef
Die Prüfung Abrahams: Eine exegetisch-theologische Studie zu Gen 22,1–19
Reviewed by Thomas Hieke

C. Marvin Pate
Apostle of the Last Days: The Life, Letters, and Theology of Paul
Reviewed by James Hanson

Daniel Patte, ed.
The Cambridge Dictionary of Christianity
Reviewed by Valeriy Alikin

Daniel Patte and Vasile Mihoc, eds.
Greek Patristic and Eastern Orthodox Interpretations of Romans
Reviewed by Michael F. Bird

Abraham Sung-Ho Oh
Oh, That You Would Rend the Heavens and Come Down! The Eschatological Theology of Third Isaiah (Isaiah 56–66)
Reviewed by Klaus Koenen

Eric D. Reymond
Qumran Hebrew: An Overview of Orthography, Phonology, and Morphology
Reviewed by Emanuel Tov

Brian C. Small
The Characterization of Jesus in the Book of Hebrews
Reviewed by Felix H. Cortez

Joan E. Taylor, ed.
The Body in Biblical, Christian and Jewish Texts
Reviewed by Joshua Schwartz

Alexander J. M. Wedderburn
The Death of Jesus: Some Reflections on Jesus-Traditions and Paul
Reviewed by Peter Frick

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Resenhas na RBL – 05.06.2015

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Pablo R. Andiñach
Introducción hermenéutica al Antiguo Testamento
Reviewed by Diego Pérez Gondar
Reviewed by Edesio Sánchez-Cetina

Bradley Beach and Matthew Powell, eds.
Interpreting Abraham: Journeys to Moriah
Reviewed by Simon Lasair

Katell Berthelot, Joseph E. David, and Marc Hirshman, eds.
The Gift of the Land and the Fate of the Canaanites in Jewish Thought
Reviewed by Joshua Schwartz

James V. Brownson
Bible, Gender, Sexuality: Reframing the Church’s Debate on Same-Sex Relationships
Reviewed by Hermias van Zyl

Walter Brueggemann
Reality, Grief, Hope: Three Urgent Prophetic Tasks
Reviewed by H. F. Van Rooy

Peter W. Flint
The Dead Sea Scrolls
Reviewed by Daniel K. Falk

R. Michael Fox
Reverberations of the Exodus in Scripture
Reviewed by Jordan M. Scheetz

Matthias Henze and Gabriele Boccaccini, eds.
Fourth Ezra and Second Baruch: Reconstruction after the Fall
Reviewed by Kai Akagi

Detlef Jericke
Die Ortsangaben im Buch Genesis: Ein historisch-topographischer und literarisch-topographischer Kommentar
Reviewed by Bálint Károly Zabán

Simon J. Joseph
The Nonviolent Messiah: Jesus, Q, and the Enochic Tradition
Reviewed by Sarah E. Rollens

Henk Leene
Newness in Old Testament Prophecy: An Intertextual Study
Reviewed by J. Michael Thigpen

Gerd Lüdemann
The Earliest Christian Text: 1 Thessalonians
Reviewed by Trevor J. Burke

M. Pina Scanu, ed.
Alla luce delle Scritture: Studi in onore di Giovanni Odasso
Reviewed by Andrea Ravasco

Werner H. Schmidt
Das Buch Jeremia: Kapitel 21–52
Reviewed by Bob Becking

Marty E. Stevens
Leadership Roles of the Old Testament: King, Prophet, Priest, Sage
Reviewed by Daniel S. Diffey

N. T. Wright
Paul and the Faithfulness of God
Reviewed by Russell Morton

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Resenhas na RBL – 01.06.2015

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Moshe Bar-Asher; Aaron Koller, ed.
Studies in Classical Hebrew
Reviewed by Jerome A. Lund

Sungho Choi
The Messianic Kingship of Jesus: A Study of Christology and Redemptive History in Matthew’s Gospel with Special Reference to the “Royal Enthronment” Psalms
Reviewed by Robert L. Foster

S. Min Chun
Ethics and Biblical Narrative: A Literary and Discourse-Analytical Approach to the Story of Josiah
Reviewed by Benjamin J. M. Johnson

Lutz Doering
Ancient Jewish Letters and the Beginnings of Christian Epistolography
Reviewed by B. J. Oropeza

Joel B. Green, Lee Martin McDonald, eds.
The World of the New Testament: Cultural, Social, and Historical Contexts
Reviewed by Kathleen E. Mills

Minna Heimola
Christian Identity in the Gospel of Philip
Reviewed by Tavis A. Bohlinger

Jan Willem van Henten
Judean Antiquities 15: Translation and Commentary
Reviewed by Arie W. Zwiep

Ulrich Huttner
Early Christianity in the Lycus Valley
Reviewed by John C. Poirier

Amy Kalmanofsky
Dangerous Sisters of the Hebrew Bible
Reviewed by Glenn Pemberton

Craig S. Keener, Jeremy S. Crenshaw, and Jordan Daniel May, eds.
But These Are Written…: Essays on Johannine Literature in Honor of Professor Benny C. Aker
Reviewed by Phillip J. Long

Kai Lämmerhirt
Die sumerische Königshymne Šulgi F
Reviewed by Niek Veldhuis

Josef Lössl and John W. Watt, eds.
Interpreting the Bible and Aristotle in Late Antiquity: The Alexandrian Commentary Tradition between Rome and Baghdad
Reviewed by Siam Bhayro

Bieke Mahieu
Between Rome and Jerusalem: Herod the Great and His Sons in Their Struggle for Recognition
Reviewed by Frank E. Dicken

Emanuel Pfoh and Keith W. Whitelam, eds.
The Politics of Israel’s Past: The Bible, Archaeology and Nation-Building
Reviewed by Pekka Pitkanen

Stanley E. Porter
How We Got the New Testament: Text, Transmission, Translation
Reviewed by Pheme Perkins
Reviewed by Sylvie Raquel

John R. Spencer, Robert A. Mullins, and Aaron J. Brody, eds.
Material Culture Matters: Essays on the Archaeology of the Southern Levant in Honor of Seymour Gitin
Reviewed by Raz Kletter

David Stacey and Gregory Doudna
Qumran Revisted: A Reassessment of the Archaeology of the Site and Its Texts
Reviewed by Ian Werrett
Reviewed by James H. Charlesworth

Markus Zehnder and Hallvard Hagelia, eds.
Encountering Violence in the Bible
Reviewed by Paul Middleton

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Reagir ao conservadorismo é tarefa urgente

O ambiente de tolerância, de convivência democrática e de construção dos avanços pelas instituições, que se conquistou no Brasil nos últimos anos, hoje está ameaçado. Se essa onda der certo (…) o País poderá virar uma republiqueta de bananas, onde as instituições são manipuladas por interesses imediatos e menores (Juca Ferreira).

 

Juca Ferreira: Direita quer que o Brasil retroceda à Idade Média

A onda conservadora bateu no teto e o a sociedade brasileira já começa a reagir. Quem aposta nisso é o ministro da Cultura, Juca Ferreira. Em entrevista exclusiva ao 247, ele aponta o que seria o início de um processo de “tomada de consciência” por parte da elite pensante.

“A direita encontrou uma base social, que lhe dá uma coerência nessa agenda conservadora. Uma agenda que envolve flexibilização dos direitos dos trabalhadores, redução da maioridade penal, ataques aos direitos civis dos gays e da população LGBT, além de intolerância religiosa. Há um ataque a todo o ambiente de costumes bastante tolerantes no Brasil. Isso tudo assusta a sociedade e mostra que a movimentação não é apenas contra o PT e contra o governo. É contra as conquistas que foram afiançadas pelo governo Lula, pelo governo Dilma e pelo PT”, diz ele.

Segundo Juca Ferreira, as bancadas “da bala, da bola, da bíblia e do boi” não representam a tradição brasileira. No depoimento a Tereza Cruvinel, Paulo Moreira Leite e Leonardo Attuch, ele enfrentou temas polêmicos. Disse, por exemplo, que Cristo aprovaria o gesto da transexual Viviany Beleboni, que se manifestou numa cruz, na última Parada LGBT, em São Paulo. Afirmou ainda que irá enfrentar as grandes corporações de tecnologia, como o Google, na luta para preservar os direitos autorais dos artistas. E afirmou que a Lei Rouanet, “ovo da serpente do neoliberalismo”, tem que acabar.

 

Leia, abaixo, a íntegra.

247 – Gilberto Gil e Caetano Veloso se declararam na semana passada assustados com o momento político e o avanço do conservadorismo. Como o sr. vê a onda conservadora e a posição do mundo artístico?

Juca Ferreira – Esse avanço conservador está batendo no teto. Até porque a agenda programática desse movimento é assustadora não apenas para Caetano e Gil, como para o Brasil inteiro. Eles querem fazer com que o Brasil retroceda à Idade Média, época em que o Brasil não existia.

Existe uma agenda programática?

A direita encontrou uma base social, que lhe dá uma coerência nessa agenda conservadora. Uma agenda que envolve flexibilização dos direitos dos trabalhadores, redução da maioridade penal, ataques aos direitos civis dos gays e da população LGBT, além de intolerância religiosa. Há um ataque a todo o ambiente de costumes bastante tolerantes no Brasil. Isso tudo assusta a sociedade e mostra que a movimentação não é apenas contra o PT e contra o governo. É contra as conquistas que foram afiançadas pelo governo Lula, pelo governo Dilma e pelo PT. Se não bastasse, há ainda os ataques ao Estado laico e às conquistas institucionais da democracia brasileira.

O principal artífice dessa agenda é o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados?

Juca Ferreira – Hoje o deputado Cunha diz com todas as letras que a proposta do “distritão” tinha como objetivo inviabilizar o PT. Ou seja: manipula-se a cena política com metas muito pequenas.

Na semana passada, a Folha de S. Paulo publicou um editorial de página inteira contra o suposto obscurantismo representado por Cunha. A sociedade começa a acordar?

Juca Ferreira – Não só a Folha. Na área cultural, muitos começam a acordar. Tivemos a entrevista muito importante da Marieta Severa, o artigo do Aldir Blanc, o posicionamento do Chico Buarque sobre a maioridade penal, além de manifestações de vários artistas, como Gil e Caetano. A sociedade já começa a enxergar os objetivos mesquinhos e menores que estão por trás de toda essa mobilização conservadora.

Esse projeto conservador pode prosperar?

Esse projeto é inviável. Quebraria todas as tradições e todos os processos brasileiros. Além disso, esse programa não representa a grande maioria do povo brasileiro. Eles são estridentes, mas são minoritários, embora contem com o apoio de parte da mídia, que tem ajudado na construção dessa onda conservadora.

O mau momento enfrentado pelo PT não ajuda a manter a classe artística na defensiva?

Juca Ferreira – Os escândalos de corrupção impactaram muito fortemente a sociedade. Isso criou uma certa perplexidade e uma inibição. Mas com essa explicitação de um programa conservador, a sociedade começa a perceber que é preciso resistir. Já estamos vivendo o momento de tomada de consciência, que é o início de uma reação. Veja o que aconteceu na tentativa de se inviabilizar a indicação do ministro Luiz Fachin para o Supremo Tribunal Federal. Os conservadores gritaram, mas a sociedade organizada reagiu. Além disso, começou a ficar claro, de tempos pra cá, que o PT não seria o único a ser afetado. Toda a estrutura político-institucional corria o risco de ser engolida por essa onda, inclusive o PSDB. Tem ainda um outro aspecto: esse ambiente não contribui para a retomada do crescimento no Brasil.

Os empresários também devem reagir?

Juca Ferreira – Se eu fosse empresário, também estaria preocupado com o avanço dessa onda conservadora. O ambiente de tolerância, de convivência democrática e de construção dos avanços pelas instituições, que se conquistou no Brasil nos últimos anos, hoje está ameaçado. Se essa onda der certo, o que eu não acredito que aconteça, o País poderá virar uma republiqueta de bananas, onde as instituições são manipuladas por interesses imediatos e menores.

O ambiente de tolerância, que é uma das marcas do Brasil, corre risco?

Juca Ferreira – Sempre fomos um país paradoxal. Ao mesmo tempo em que há essa violência constante, o país sempre foi muito tolerante, muito aberto. É um país que tem possibilidade de, na democracia, construir uma sociedade de iguais. Mas tudo isso está sendo questionado por essa onda conservadora. Quando fui ministro pela primeira vez, recebi a visita de uma ministra da Bélgica, que veio nos convidar para uma homenagem feita ao Brasil. Ela disse algo incrível: que, na Europa, o máximo que conseguiram foi a tolerância com as diferenças. E afirmou que o Brasil compartilharia as diferenças com prazer. Isso me fez refletir no caráter autoritário da palavra tolerância. A tolerância é sempre uma atitude de superioridade do que está tolerando. Nos interagimos, convivemos e sentimos prazer com as diferenças. O Brasil que vai vencer é o da diversidade e que vinha experimentando com alegria a redemocratização. Esse Brasil reacionário, discriminatório e violento, que se faz representar na política institucional pelas bancadas da bala, da bola, da bíblia e do boi, será derrotado.

Por falar em bancada da bíblia, como o sr. viu o episódio da transexual Viviany Belebony que se manifestou numa cruz, durante a mais recente Parada LGBT em São Paulo?

Juca Ferreira – A crucificação de Cristo é uma imagem que não pertence só aos cristãos. A apropriação por parte de um segmento que sofre discriminação, onde muitos são assassinados, é perfeitamente legítima.

Cristo aprovaria?

Aprovaria, sem dúvida.

O sr. não tem ser chamado de ‘cristófobo’?

Juca Ferreira – Não. Eu tenho o maior respeito pelas religiões e pela fé, que é algo grandioso. O que estamos assistindo é a manipulação da fé por interesses menores. A religião deve se manter distante da política, respeitando o caráter laico do estado e a diversidade da sociedade brasileira. Nós temos todas as religiões do mundo aqui no Brasil, convivendo de forma pacífica. Mas o germe da intolerância pode nos conduzir a uma experiência negativa, que não podemos subestimar.

Há esse risco?

O Líbano era uma sociedade aberta e que convivia pacificamente com todas as religiões. No entanto, o país foi inoculado de fora para dentro pelo germe da intolerância, com o objetivo de desestabilizar politicamente o país. Hoje, o Líbano é um inferno de guerras sectárias e de conflitos entre segmentos religiosos.

Como o sr. viu o episódio da criança apedrejada após sair de um culto de umbanda?

Juca Ferreira – Inaceitável, assim como os traficantes evangélicos que estão expulsando os candomblés dos morros que dominam. Isso é muito simbólico da inversão total de valores. Cristo não apoiaria nem se sentiria representado por esses traficantes evangélicos.

Qual é a sua posição sobre o ensino religioso nas escolas, tema que será apreciado pelo Supremo Tribunal Federal em breve?

Juca Ferreira – O ensino religioso é um problema. Temos que constituir uma sociedade que aceite a multiplicidade cultural. Ele valeria se fosse no sentido de informar o que são as religiões, como parte da história e da cultura. Aliás, isso já está no Plano Nacional da Educação. É preciso ter um tratamento generoso a todas as crenças, com respeito às religiões de origem afro. Se houver catequese dentro das escolas, o Brasil ficará menor.

Mas também não se deve chegar ao extremo francês, onde ninguém pode usar um véu, concorda?

O modelo brasileiro. Cada um se manifesta da maneira que quiser, sem imposição. E as pessoas aceitam. Por exemplo, na Bahia, quem usa branco nas sextas-feira não são apenas os seguidores do candomblé.

Qual a sua posição sobre o fato de dois grandes ídolos da música brasileira, que são Gil e Caetano, aceitarem cantar em Israel, a despeito do apartheid promovido contra os palestinos?

Juca Ferreira – Gil disse que está indo lá não tocar para os que discriminam os palestinos nem para o estado de Israel, mas sim para uma sociedade plural, em que parte significativa aceita o povo palestino e condena a política de Israel. Mas eu, se estivesse no lugar deles, não iria. Mas não julgo a posição dos dois.

Na área cultural, o sr. tem demonstrado muita preocupação com o direito autoral, diante das novas tecnologias. O que o Minc pode fazer a respeito disso?

JNós estamos preparando novas políticas para as artes. Vamos falar sobre a música, onde houve uma desorganização da indústria fonográfica, pelo desenvolvimento das novas tecnologias e facilidade de reprodução. A internet praticamente detonou a economia da música. Hoje, há uma aparência de que a música popular brasileira está em crise, mas essa imagem é falsa. Nunca se produziu tanto música de qualidade no Brasil – e no Brasil inteiro.

Mas os artistas se mantêm?

Juca Ferreira – Esse é o problema. Alguns só. E que são poucos. Os artistas estão sendo lesados pelas grandes corporações que atuam na internet, como o Google e YouTube, que não pagam direito autoral no Brasil.

E por que não pagam?

Juca Ferreira – Dizem que não existe legislação. Essas empresas ganham trilhões e não pagam nada. Nunca foi tão fácil medir a audiência, como na era da internet. Então é perfeitamente possível criar mecanismos para obrigá-las a remunerar os artistas. O problema é que essas empresas pairam nas nuvens, acima dos estados nacionais.

O que pode ser feito?

Juca Ferreira – O Marco Civil da Internet foi o primeiro passo. Agora, o Ministério da Cultura vai liderar um esforço, debatido com artistas e produtores culturais, para formatar uma legislação que obrigue o pagamento. Tem que ser assim: tocou, pagou.

O órgão arrecadador será o Ecad?

Juca Ferreira – Não, a lei não protege o Ecad e os artistas não querem o mesmo modelo na internet. Deve ser criada uma nova instituição arrecadadora. Hoje, os artistas não ganham porque essas empresas, como Google, Facebook e Youtube, se relacionam apenas com o tribunal da Califórnia. Isso precisa mudar. E às vezes acontecem coisas inacreditáveis, como quando o Facebook censurou uma foto de uma índia, de 1904, que havia sido retirada da página do Minc. Foi aí que eu soube que eles só se relacionam com a justiça americana.

Como obrigar as empresas supranacionais a seguir uma lei nacional do direito autoral?

Juca Ferreira – Nós iremos aos foros internacionais, porque essa ação necessita de uma articulação global para que dê certo. Todos os países europeus já estão enfrentando o Google. Ou seja: há uma reação.

Mas os europeus se movem mais na defesa do direito autoral dos jornais, e não dos artistas.

JOs jornais são mais fortes que os artistas, têm mais advogados, mas já há uma reação em defesa dos artistas. Não se pode permitir que essas empresas vampirizem os conteúdos e ganhem bilhões. Hoje, o maior desequilíbrio da balança comercial brasileira, em termos proporcionais, diz respeito ao direito autoral. Nós pagamos todos os direitos autorais em relação ao que vem de fora e não recebemos quase nada. Não há possibilidade de mover a indústria cultural brasileira se não formos capazes de regular a internet.

A política do vale-cultura começa a pegar entre empresas e trabalhadores?

Juca Ferreira – Está funcionando. No início, o vale-refeição teve dificuldade para ser implantado e hoje está disseminado. O vale-cultura está naquela fase inicial, pela qual o vale-refeição passou também. As centrais sindicais já estão propondo colocá-lo nos dissídios, muitos empresários já aceitam, mas nesse período de certa dificuldade econômica, é natural que haja um pouco de cautela. A primeira pesquisa feita sobre a nova classe média revelou que eles não se sentem classe média porque não têm o mesmo acesso à cultura.

Como diriam os Titãs, “a gente não quer só comida, quer comida, diversão e arte”?

Juca Ferreira – Exatamente. Todos querem acesso a bens culturais de qualidade. As pessoas querem crescer e se tornar cidadãos mais complexos. Quem não quer um bônus que dê possibilidade de comprar CDs, livros, entrar no teatro, no cinema? Esse é um benefício facilmente compreensível.

Por que o Ministério da Cultura pretende acabar com a Lei Rouanet?

Juca Ferreira – A Lei Rouanet é o ovo da serpente neoliberal no Brasil. O José Sarney, quando foi presidente, criou a Lei Sarney, que era baseada na renúncia fiscal, mas não permitia 100% de dedução. Teve o mérito de iniciar um processo de ampliação dos recursos para a cultura. Com ele, o empresário tinha que pagar pelo menos 20% para associar sua marca. O Fernando Collor veio e encomendou ao eminente diplomata Sergio Paulo Rouanet uma nova lei. Com ele, surgiu essa renúncia de 100%. Ou seja, a lei que pretendia criar um mecenato garantiu isenção total ao empresário. Ele não coloca nada e fortalece a sua marca. Além disso, há um outro subsídio, que é o volume gasto pelo Ministério para acompanhar esses processos da Lei Rouanet.

Qual é o impacto disso?

Juca Ferreira – A gente gasta cerca de R$ 300 milhões do ano na análise dos pedidos e no acompanhamento das contas dos projetos já aprovados. O governo não só renuncia fiscalmente, como gasta. O que acontece é o seguinte: o Minc aprova, e os que conseguem as cartas de crédito saem para captar. Mas só cerca de 20% conseguem captar. E quem são esses? Os que podem dar retorno de imagem para as empresas. E como a lei é muito ampla, você acaba patrocinando peça da Broadway, ou seja, os que menos precisam. Um dia participei de um evento com diretores de bancos franceses no Brasil. Sabe que me disseram? Que país generoso esse de vocês, que patrocina todos os nossos eventos.

Mas por que é o ovo da serpente do neoliberalismo?

Juca Ferreira – Você pega um dinheiro público e permite que os departamentos de marketing das empresas ditem a política cultural. Eles investem no que pode dar retorno de imagem. Artista que pode ter repercussão na pobreza não interessa. Artista de vanguarda, que está inovando e saindo do gosto majoritário, não interessa. Artistas de estados onde o poder aquisitivo é menor também não interessa. Há uma seleção natural, implícita no modelo, que se confirma nas estatísticas.

O que mostram os números?

Dados alarmantes. Cerca de 90% do dinheiro fica no Sudeste. Destes 90%, 10% em Minas e os outros 80% no Rio e em São Paulo. Desses 80%, 60% ficam nas capitais. E nas capitais são sempre os mesmos que captam.

O sr. vai comprar esta briga?

A briga já está comprada. Uma vez fui ao Senado e um senador do PSDB me questionou. Perguntei de que estado ele era e depois mostrei que sua região recebia ‘0,00alguma coisa’ da Lei Rouanet.

O que será colocado no lugar?

JO que existe no mundo inteiro. Um fundo cultural, que recebe este dinheiro, e o aplica seguindo critérios públicos. Ou seja: o Ministério vai aprovar os projetos e também os patrocínios. É preciso lembrar que os recursos da Lei Rouanet representam 80% dos gastos em cultura. Estamos falando de um dinheiro público, aplicado com critérios privados. E isso, obviamente, tem que mudar.

Qual é o volume anual?

Estamos falando de R$ 1,3 bilhão em renúncia fiscal.

Quem é que sustenta politicamente a Lei Rouanet?

Juca Ferreira – Os poucos que têm acesso, assim como os institutos de grandes empresas. Vale lembrar, também, que, graças à Rouanet, as empresas também reduzem seus investimentos próprios em marketing. Porque já fazem marketing com dinheiro público, associando-se aos artistas. Lá atrás, quando falamos pela primeira vez em mudar, o Gil falou uma coisa importante. Disse que, como artista, se sentia privilegiado, porque nunca teve qualquer projeto que enfrentasse dificuldade para captar. Mas afirmou que, como homem público, não poderia defender a continuidade da lei.

Qual é a sua proposta?

A criação de um fundo nacional, com fundos setoriais, e que tenha esses recursos garantidos no orçamento. A área econômica não gosta, porque entra no cálculo do superávit. Mas estamos falando de recursos ínfimos, e que geram negócios. O que eles fazem é uma hipocrisa contábil.

E as empresas? Como participam do financiamento cultural?

Se quiserem associar suas marcas, terão que investir, com recursos próprios, 20% do total do projeto. Acaba a renúncia fiscal. Vamos supor que isso crie uma má vontade e os empresários não invistam. Nesse caso, não perderão nada. Como hoje não investem nada, vão continuar não investindo nada. Zero menos zero é igual a zero. Se quiser ter exposição de marca, paga. É uma lógica capitalista, clara e transparente.

Essa proposta vai para a rua quando?

Já passou pela Câmara, colocaram ali umas jabuticabas, mas a minha expectativa é que o Senado as retire. Daqui pro fim do ano, a gente consegue resolver essa questão.

Fonte: Brasil 247

Sugestões ao Papa Francisco

Este é o tema de capa da REB vol 75, n. 297, Jan/Mar. 2015, que acabo de receber.

As sugestões contemplam vários aspectos ou níveis, como o sociológico, o administrativo e o espiritual, sendo este último de caráter identitário e orientativo. Aparecem, pois, análises socioadministrativas e representações do imaginário ideal a respeito da Igreja católica, do Reino de Deus enquanto realização histórica e utopia. Por isso temos a convicção de que as contribuições aqui registradas poderão ajudar na busca e na fidelização a Jesus Cristo, no pensar a conjugação entre o evangelho e as pessoas, inseridas em culturas evolutivas, no pensar aspectos administrativos, em todos os níveis, diz o editorial.

Escrevem João Décio Passos, João da Silva Mendonça Filho, Luís González-Quevedo, Maria Cecília dos Santos Ribeiro Simões, Mário de França Miranda, Maria Clara Lucchetti Bingemer, Carlos Francisco Signorelli, José Silvio Botero Giraldo e Nicolau João Bakker.

Sobre a encíclica ecológica de Francisco

«LAUDATO SI’, mi’ Signore – Louvado sejas, meu Senhor», cantava São Francisco de Assis. Neste gracioso cântico, recordava-nos que a nossa casa comum se pode comparar ora a uma irmã, com quem partilhamos a existência, ora a uma boa mãe, que nos acolhe nos seus braços: «Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra, que nos sustenta e governa e produz variados frutos com flores coloridas e verduras». Esta irmã clama contra o mal que lhe provocamos por causa do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou.

O Vaticano divulgou na manhã de ontem, 18 de junho de 2015, a nova Encíclica do papa Francisco, “Laudato Si’ – sobre o cuidado da casa comum”. O texto trata da ecologia humana e o clima está no centro das preocupações apresentadas pelo pontífice. Além disso, são apontadas as problemáticas e desafios de preservação e prevenção, como também aspectos da proteção à criação e questões como a fome no mundo, pobreza, globalização e escassez.

:: Leia a encíclica em português – ou em outras línguas