Chile de Allende

Atualizado em

Dois especiais sobre os 40 anos do golpe militar no Chile.

 

:: Chile de Allende: 40 anos do Golpe – Carta Maior

“Porque desta vez no se trata
de cambiar un presidente
será el pueblo que construya
un Chile ben diferente”

Desta vez não se tratava de trocar um presidente, seria o povo chileno, organizado e politizado, que estava disposto a construir um Chile bem diferente. Uma cultura popular explodia com uma radicalidade que, como dizia Victor Jara, não era apenas música de protesto, mas música popular que nascia da identidade compartilhada com o povo e suas lutas. E se a esquerda abraçou o povo e seus anseios, o povo abraçou as bandeiras da esquerda e o socialismo tornou-se um fenômeno de massa. O Partido Comunista, por iniciativa e trabalho do próprio Jara, chegou a organizar vários conjuntos musicais, entre eles o Quilapayun e o Inti-Illimani.

 

:: 40 anos de Golpe no Chile – Opera Mundi

Antes do atentado às torres do World Trade Center, em 2001, o dia 11 de setembro já havia passado por outro ataque aéreo histórico: o bombardeio do Palácio de La Moneda, que marcou o golpe de estado no Chile, em 1973, episódio conhecido mundialmente como um dos momentos mais importantes da Guerra Fria.

As bombas atiradas pelos aviões Hawker Hunter destruíram uma das primeiras experiências democráticas de socialismo do mundo, enquanto abriam o caminho para uma ditadura que impôs ao país o modelo econômico neoliberal, algo que também era inédito no planeta.

Deixaram um país e o mundo divididos entre o presidente deposto e o general golpista. Salvador Allende e Augusto Pinochet. Democracia e ditadura. Direitos sociais contra economia de mercado. Naquele dia, segundo a jornalista canadense Naomi Klein (autora do best-seller “A Doutrina do Choque”), o Chile se transformou num refrator da História, refletindo as batalhas ideológicas travadas desde o início da Guerra Fria e, ao mesmo tempo, projetando as que seriam travadas décadas mais tarde e ainda estavam vigentes.

Neste mês, o Chile viverá o 40º aniversário do golpe de estado. Allende e Pinochet, os ícones da dicotomia surgida naqueles anos, ainda são presença constante na vida política do país. Fazem parte de cada discurso, retaliação ou crítica. Estão presentes nos debates políticos, nas marchas dos movimentos sociais e definem boa parte dos votos durante as eleições, tanto os de esquerda e os de direita, em uma sociedade que parece viver um eterno 11 de setembro.

Em seu especial sobre os 40 anos do golpe de estado chileno, Opera Mundi começa nesta sexta-feira (06/09) a publicar matérias que mostram causas e consequências daquele dia fatídico, além de recriar os eventos daquela data histórica.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário