A Bíblia e suas traduções

A UFMG realizou nos dias 22 a 24 de agosto de 2007, na Faculdade de Letras, o I Colóquio Internacional “A Bíblia e suas Traduções”. Os ensaios decorrentes do evento foram compilados no livro A Bíblia e suas traduções, lançado recentemente pela Editora Humanitas, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

GOHN, C.; NASCIMENTO, L. (orgs.) A Bíblia e suas traduções. São Paulo: Humanitas, 2009, 300 p. – ISBN 9788577321087.

Diz a editora:
Os textos reunidos neste livro são uma pequena amostra dos estudos bíblicos na contemporaneidade. A partir de uma perspectiva comparatista, cultural e linguística, organizam-se e aproximam-se o cinema, a literatura, a música e a arte em geral, às reflexões sobre a língua, a tradução e a semiótica. A escritura dá-se a ler, revela-se, ilumina-se a partir das análises desses novos hermeneutas. Também propõe novos enigmas e desafios: como uma biblioteca infinita não é totalmente apreensível, não se deixa esgotar, e, ao dobrar-se sobre si mesma, faz-se labirinto. A multiplicidade do texto bíblico, sua beleza fundamental, adquire, na abordagem de cada pesquisador, luz própria. Assim, no cadinho do estudioso, a poesia bíblica alcança a todos; a hermenêutica sagrada põe em relevo leituras quase profanas e a tradição da interpretação acaba por se configurar no que poderíamos chamar de semiose infinita.

Egito quer reaver a Pedra de Rosetta

Egito afirma que vai pedir a Museu Britânico Pedra de Rosetta de volta: Reuters 14/12/2009

The Rosetta Stone - British Museum EA24 - From Fort St Julien, el-Rashid (Rosetta), Egypt - Ptolemaic Period, 196 BC

O chefe do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito disse que pretende pedir ao Museu Britânico que entregue a Pedra de Rosetta ao seu país.

A antiga pedra foi a chave para decifrar hieróglifos das tumbas dos faraós egípcios e é uma das seis relíquias que o chefe arqueólogo do Egito, Zahi Hawass, quer recuperar de museus do mundo todo.

“Ainda não escrevi para o Museu Britânico, mas o farei. Direi a eles que precisamos que a Pedra de Rosetta volte ao Egito para sempre”, disse Hawass à Reuters.

“O Museu Britânico tem centenas de milhares de artefatos, tanto em seu porão quanto em exposição. Eu preciso de apenas uma peça, a Pedra de Rosetta. É um ícone da nossa identidade egípcia e ela deve ficar no Egito”.

A Pedra de Rosetta foi desenterrada pelo exército de Napoleão em 1799 e data de 196 a.C. Tornou-se propriedade britânica depois da derrota de Napoleão, sob o Tratado de Alexandria de 1801.

Hawass, que já foi comparado ao personagem Indiana Jones por conta de seu estilo exagerado, inclui na lista de relíquias que deseja ver de volta ao Egito o busto de Nefertiti no Neues Museum de Berlim, uma estátua do arquiteto Hemiunu do Roemer-Pelizaeus Museum em Hildesheim, na Alemanha, o zodíaco retirado do Templo de Dendera, exposto no Louvre, em Paris, o busto de Ankhaf do Museu de Belas Artes de Boston, nos EUA, e uma estátua de Ramsés II do Museo Egizio em Turim, na Itália.

A Pedra de Rosetta, que tem inscrições em hieróglifo, demótico e grego, está no Museu Britânico desde 1802 e é a peça central da coleção de arte egípcia da instituição, atraindo milhões de visitantes por ano.

O Museu Britânico disse em comunicado que sua coleção deve permanecer intacta, mas que consideraria um empréstimo para o Egito.

 

Stolen treasures – By Henry Huttinger: Cairo Magazine – July 28, 2005

Zahi Hawass wants the Rosetta Stone back—among other things

Egypt is once again calling for the return of several celebrated antiquities currently on display in museums across Europe and America, including the Rosetta stone, the famous granite slab that was crucial in deciphering hieroglyphics.

The campaign to recuperate priceless artifacts taken by colonial powers is not new. But in recent weeks Zahi Hawass, Secretary General of the Supreme Council of Antiquities and the public face of archaeology in Egypt, has grown more strident in his demands in a campaign that coincides with a world tour of Egyptology’s favorite son, King Tutankhamun. Hawass has even threatened to shut down British and Belgian archaeological digs in Egypt if the artifacts are not returned.

“The Rosetta stone is one of the most important pieces in the British Museum, but it is more important for Egypt,” Hawass said. “It is an essential piece of our Egyptian national and historical identity and was disgracefully smuggled out of the country.”

The Rosetta stone—a dark slab on which a Ptolemaic decree is written in Greek, hieroglyphics and Demotic script—was discovered in 1799 by the French military. When the French surrendered to British forces in 1801, they tried to smuggle the 1,609-pound stone out of the country. It was intercepted by British troops and promptly delivered to the British Museum, where it has remained on display ever since.

Past efforts to retrieve Egyptian antiquities on display abroad have proven largely ineffective. Speaking at the 250th anniversary of the British Museum in London in 2003, Hawass demanded the return of the Rosetta stone. His call fell on unsympathetic ears, and he expressed his indignation to reporters following the event.

“If the British want to be remembered, if they want to restore their reputation, they should volunteer to return the Rosetta Stone because it is the icon of our Egyptian identity,” he said at the time.

Hawass has appealed to UNESCO to mediate the dispute and has encouraged 21 other countries also seeking the return of plundered artifacts to do the same.

“Our previous attempts at returning the Rosetta stone were ineffectual, but we hope that by organizing an international lobby, we can pressure with greater force the countries and museums in possession of such artifacts,” Hawass said.

In London, British Museum Communications Manager Hanna Bolton told Cairo, “The British Museum has not received an official request for the return of the Rosetta Stone.” Bolton refused to elaborate further, saying she was “confused” by Hawass’ statement.

Even with the backing of UNESCO and the collective voices of two dozen states, Egypt’s ability to convince Western museums to return priceless artifacts taken long before the concept of international property rights is uncertain.

There have, however, been some successes. On 19 July, the Australian government handed over several 2,500-year-old funerary statuettes, a bronze axe head and amulets that were confiscated in Melbourne. The artifacts had been smuggled out of Egypt under false papers as reproductions and were subsequently sold.

The Greek government and numerous international action groups have been campaigning for decades for the return of the Elgin marbles from the British Museum. The collection of marble sculptures was removed from the Parthenon in Athens in 1801 and taken to the British Museum, where it has been housed ever since. The museum has been notoriously unresponsive to Greece’s and other countries’ appeals, perhaps because artifacts such as the Rosetta stone and the Elgin marbles are a major draw for the British Museum’s five million annual visitors.

The principal obstacle facing countries like Egypt and Greece is the lack of any international legal framework that would allow countries to file suit against museums in possession of such artifacts.

UNESCO mainly serves as a negotiating forum. It lacks the teeth necessary to force governments to return plundered antiquities. “It is not an international court of justice or arbitration court,” said Mounir Bouchenaki, assistant director general of UNESCO’s Culture Sector.

Hawass, ever the flamboyant face of Egyptian archeology, is undeterred. He told Cairo, “If UNESCO fails, I will do it without them!”

 

Repatriation: The Rosetta Stone: Egyptology News – Andie: December 11, 2009

This week’s melodrama is the question of whether or not the British Museum should/will loan the Rosetta Stone to Egypt and whether or not Egypt will try to claim it on a permanent basis. There are some interesting opinions being floated. Unlike Nefertiti the question of the repatriation of the Rosetta Stone seems, at least in some cases, to generate serious consideration of the issues, not merely emotional responses. I am sure that all readers are familiar with the Rosetta Stone but if not, you can find a description, here, on the British Museum’s website.

Jim West defende a necessidade dos biblioblogs

Jim West publicou recentemente um artigo na revista online The Bible and Interpretation: Blogging the Bible.

No qual ele justifica a afiliação dos biblioblogueiros como grupo à SBL, que criou neste ano a SBL Blogger and Online Publication Section. E onde faz um veemente apelo para que os biblistas criem biblioblogs e bloguem sobre a Bíblia, como uma das formas de enfrentar o forte fundamentalismo presente na Internet, informando corretamente as pessoas que não têm acesso aos estudos acadêmicos mais sofisticados.

Ele constata o avanço do fundamentalismo com as seguintes palavras:
Biblical scholarship is being hijacked by tech savvy fundamentalists who long since have made use of the internet in order to propagate their ideology. Just as archaeology has been taken over (in the public eye) by pseudo-archaeologists such as Jim Barfield and Simcha Jacobovici doing junk archaeology, so too the primary repositories of biblical scholarship are found among fundamentalists (and a simple googling of nearly any biblical book or personality will prove this point– the top hits are not exactly the most reliable). Scholars are once again lagging behind the curve. Ensconced in towers away from the masses of people who are interested in the Bible, scholars publish in journals that only specialists read, while the lay folk are left in the clutches of misinformation. And all the while, good scholarship actually is being disseminated to a wider public in only some far corners of the world. To put it bluntly, for too long scholars have turned their noses up at lay folk, and consequently they have not benefited from scholarly expertise. But now that situation can easily be corrected.

E aponta: Blogging the Bible is the best way for scholars to get scholarship to the mass of consumers.

Para dizer no final:
The internet isn’t a fad, and constructing an online presence will be, in the not too distant future, a requirement for all those wishing to propagate information. Blogging the Bible is no longer a fringe pastime for a few; it is a means by which scholars of repute and of no repute at all are sharing the field they love with others who also love it. Every biblical scholar ought to blog, because every blogger out there isn’t a biblical scholar.

Jesus nasceu em Belém ou em Nazaré?

Sempre que o Natal se aproxima, a discussão retorna. O que nos mostra ser este um nó difícil de ser desatado!

Veja a discussão que percorre nestes dias os biblioblogs:

:: NT Pod 19: Was Jesus Born in Bethlehem? Programme Notes: NT Blog – Mark Goodacre – 9 de dezembro de 2009

:: Jesus from Nazareth: Exploring our Matrix – James F. McGrath – 9 de dezembro de 2009


:: Messianic Cause and Effect: Exploring our Matrix – James F. McGrath – 14 de dezembro de 2009

:: The Birthplace of Jesus: Bethlehem or Nazareth? Near Emmaus: Christ and Text – Brian LePort – 10 de dezembro de 2009

Faleceu Dom Arnaldo Ribeiro (1930 – 2009)

“A Arquidiocese de Ribeirão Preto com pesar, informa o falecimento nesta manhã, dia 15, às 8h30, no Hospital Madre Teresa, em Belo Horizonte, MG, do arcebispo emérito de Ribeirão Preto, Dom Arnaldo Ribeiro.

O corpo será velado em Belo Horizonte, MG, até a tarde de quarta-feira, dia 16 de dezembro, seguindo à noite para Ribeirão Preto. Da noite da quarta-feira, dia 16, até sexta-feira, dia 18, será velado na Catedral Metropolitana de São Sebastião, onde será celebrada a Missa de corpo presente, às 9 horas, seguido de sepultamento” (da página da Arquidiocese de Ribeirão Preto).

Dom Arnaldo foi nomeado arcebispo da Arquidiocese de Ribeirão Preto em 28 de dezembro de 1988, tendo tomado posse no dia 4 de março de 1989. Tornou-se emérito em 2006.

 

A nota da CNBB:
Morre dom Arnaldo Ribeiro, arcebispo emérito de Ribeirão Preto – 15/12/2009 11:40:18
Faleceu, às 8:30h da manhã de hoje, 15, de falência múltipla dos órgãos, no Hospital Madre Teresa, em Belo Horizonte (MG), o arcebispo emérito de Ribeirão Preto (SP), dom Arnaldo Ribeiro. O corpo será velado em Belo Horizonte, até a tarde de quarta-feira, 16, seguindo à noite para Ribeirão Preto. De quarta-feira, dia 16, até sexta-feira, dia 18, será velado na Catedral Metropolitana de São Sebastião, onde será celebrada a Missa de corpo presente, às 9 horas, seguido de sepultamento. Segundo o arcebispo de Ribeirão Preto, dom Joviano de Lima Júnior, o arcebispo emérito esteve internado por muito tempo, com problemas cardíacos, de diabetes, entre outros, chegando a ficar em coma por vários dias, culminando, hoje, com a morte do emérito. Dom Arnaldo Ribeiro nasceu em Belo Horizonte, em 7 de janeiro de 1930, filho de Gastão Severo Ribeiro e de Florentina Ferraz Ribeiro. Em 1948, foi enviado a Roma, onde, na Universidade Gregoriana, cursou filosofia e teologia, concluindo-as em 1954… Foi eleito arcebispo metropolitano de Ribeirão Preto, em 28 de dezembro de 1988, e sua posse se deu a 04 de março de 1989, cumprindo sua função até 2006, quando se tornou arcebispo emérito.

Leia o texto completo na página da CNBB.

Na página da Arquidiocese de Belo Horizonte leio:
“Faleceu hoje, dia 15 de dezembro, o Arcebispo Emérito de Ribeirão Preto (SP), Dom Arnaldo Ribeiro. Dom Walmor Oliveira de Azevedo, Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, expressa sua solidariedade aos familiares e amigos de Dom Arnaldo Ribeiro e à Arquidiocese de Ribeirão Preto. O velório será realizado nos dias 15 e 16 de dezembro, na Paróquia Nossa Senhora das Dores – Rua Silva Jardim, 100 – Floresta – telefones (31) 3222-6972/3224-6275. Hoje, o Cardeal Dom Serafim celebrará a missa de corpo presente, às 19 horas, e Dom Aloísio Vitral, às 22 horas. Amanhã, dia 16, as celebrações serão feitas por Dom José Maria Pires – Arcebispo Emérito de João Pessoa, às 8 horas, por Dom Geraldo Vieira Gusmão – Bispo Emérito de Porto Nacional, às 9 horas, e por Dom Walmor Oliveira de Azevedo, às 13 horas. O corpo de Dom Arnaldo Ribeiro seguirá esta quarta-feira, dia 16, para Ribeirão Preto (SP) com previsão de chegada às 16h30. Na Catedral Metropolitana de São Sebastião ele será velado até sexta-feira, dia 18, pela manhã. O sepultamento será realizado logo após a Celebração Eucarística marcada para as 9 horas. Dom Arnaldo Ribeiro nasceu em Belo Horizonte (MG), no dia 7 de janeiro de 1930, e aos onze anos de idade ingressou no Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus. Com seus estudos parcialmente concluídos, em 1948 foi cursar Filosofia e Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, onde permaneceu vários anos e foi ordenado padre na Basílica de São João do Latrão, no dia 13 de março de 1954. De volta ao Brasil, foi Capelão do Hospital Vera Cruz e, posteriormente, Reitor no mesmo Seminário que havia frequentado em Belo Horizonte. Ordenado Bispo na Matriz de Nossa Senhora das Dores, no dia 27 de dezembro de 1975, foi nomeado Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte. Coordenou as atividades da Comissão de organização da vinda de Sua Santidade o Papa João Paulo II ao Brasil, em 1980. No dia 4 de março de 1989, em Missa solene realizada no Ginásio da Cava do Bosque para aproximadamente 10 mil pessoas, Dom Arnaldo assumiu a Arquidiocese de Ribeirão Preto, em São Paulo, onde, imprimiu uma dinâmica pessoal e sempre fiel ao seu lema ‘Preparar os Caminhos para o Senhor’. Durante seu ministério em Ribeirão Preto ordenou mais de 100 presbíteros e trabalhou para incentivar as vocações sacerdotais. Em 2006, ele renunciou à Arquidiocese de Ribeirão Preto e foi sucedido por Dom Joviano de Lima Júnior tornando-se Arcebispo Emérito da mesma Arquidiocese. No dia 21 de janeiro de 2007, na Solenidade de São Sebastião, foi homenageado na Catedral Metropolitana de São Sebastião, em Ribeirão Preto”.