Os 50 anos do Vaticano II na REB

O fascículo 288 da REB, de outubro de 2012, é dedicado aos 50 anos do Vaticano II.

Destaco os artigos de:

  • Antonio José de Almeida: Critérios básicos para a interpretação do Vaticano II
  • Francisco de Aquino Júnior: Igreja dos pobres. Do Vaticano II a Medellín e aos dias atuais
  • Paulo Suess: A “virada popular” inibida. Proposta missionária do Vaticano II no cinquentenário de sua abertura à luz da pastoral latino-americana
  • Agenor Brighenti: Sinodalidade eclesial e colegialidade episcopal. A relevância ofuscada das conferências episcopais nacionais
  • Antonio Luiz Catelan Ferreira: A noção eclesiológica de comunhão na obra de Jean Jérôme Hamer

Na seção de comunicados:

  • Demétrio Valentini: 50 anos de recepção do Concílio na Igreja da América Latina

Em apreciações:

  • FAGGIOLI, M. Vatican II: The Battle for Meaning. Mahwah, NJ: Paulist Press, 2012, 224 p. – ISBN 9780809147502 – Resenha escrita por Rodrigo Coppe Caldeira (disponível online aqui)

Leia Mais:
Livros e artigos sobre o Vaticano II
O Vaticano II no Observatório Bíblico

Resenhas na RBL: 23.12.2012

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Frederick Dale Bruner
The Gospel of John: A Commentary
Reviewed by Sonya S. Cronin

Georg Fischer and Dominik Markl
Das Buch Exodus
Reviewed by Paul Sanders

Peter Hon Wan Lau
Identity and Ethics in the Book of Ruth: A Social Identity Approach
Reviewed by Timothy Stone

Nancy C. Lee
Lyrics of Lament: From Tragedy to Transformation
Reviewed by Ulrich Berges
Reviewed by Leonard Mare

Mikeal C. Parsons
Body and Character in Luke and Acts: The Subversion of Physiognomy in Early Christianity
Reviewed by Stephan Witetschek

Matthew S. Rindge
Jesus’ Parable of the Rich Fool: Luke 12:13-34 among Ancient Conversations on Death and Possessions
Reviewed by Matthew Hauge

John H. Sailhamer
The Meaning of the Pentateuch: Revelation, Composition and Interpretation
Reviewed by Andrew Steinmann

Simon P. Stocks
The Form and Function of the Tricolon in the Psalms of Ascents: Introducing a New Paradigm for Hebrew Poetic Line-form
Reviewed by Gert T. M. Prinsloo

Klaus Wachtel and Michael W. Holmes, eds.
The Textual History of the Greek New Testament: Changing Views in Contemporary Research
Reviewed by James Leonard

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Rumo a um paradigma pós-religional?

Fala-se cada vez mais do declínio do cristianismo no Ocidente. Suspeita-se, entretanto, que a crise não seja apenas do cristianismo, mas da própria natureza das religiões e de sua crescente incapacidade de se adaptarem às profundas mudanças culturais em curso. Surge a hipótese do advento de um paradigma pós-religional, no qual as religiões neolíticas seriam inviáveis quando se tornar dominante a sociedade do conhecimento. Parece que se as religiões não se libertarem de seus condicionamentos religionais ancestrais, ver-se-ão relegadas como elementos puramente residuais nas margens da história.

A revista da ASETT/EATWOTAssociação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo / Ecumenical Association Of Third World TheologiansVOICES, publicou em seu número de janeiro-março de 2012, a Consulta Teológica Latino-Americana sobre Religião. Com a colaboração da PUC-Minas, a consulta foi realizada em Belo Horizonte, MG, de 12 a 14 de setembro de 2011, no Simpósio Internacional da ASETT/EATWOT.

O texto está diponível para download, em formato pdf, em inglês e espanhol, no site de VOICES: Toward a Post-religional Paradigm? EATWOT’s Latin American Consultation on Religion. São 16 autores e 310 páginas.

Para muitos leitores pode ser interessante ir direto para o texto que traz a proposta teológica de um paradigma pós-religional, o que facilitará a compreensão do tema de capa da revista. Este texto está disponível para download, também em separado, no mesmo site de VOICES, em inglês, espanhol e italiano. Além disso, a revista REB, fascículo 288, de outubro de 2012, traz uma versão do texto em português nas p. 944-957.

Transcrevo os dois primeiros parágrafos da proposta teológica de um paradigma pós-religional. Em espanhol, inglês e italiano.

Hacia un paradigma Pos-religional: Propuesta teológica – Comisión Teológica Internacional de la EATWOT

Cada vez se está hablando más del declive del cristianismo en Occidente. El catolicismo y el protestantismo por igual, atraviesan una grave crisis, tanto en Europa como en América del Norte. Son cada vez más los observadores que pronostican que a continuación la crisis va a afectar también a otras religiones. Se sospecha que la crisis no parece deberse a un problema propio del cristianismo, sino a la naturaleza misma de «las religiones», y la incapacidad creciente que éstas experimentan para acomodarse al profundo cambio cultural que está en curso. La hipótesis del advenimiento de un «paradigma pos-religional» quiere plantear la posibilidad de que estemos ante una transformación socio-cultural de hondo calado, en la que las «religiones neolíticas» van a dejar de ser viables cuando se implante a fondo la adveniente de «sociedad del conocimiento», que será una sociedad «pos-religional», y que las religiones que no se liberen de sus condicionamientos «religionales» ancestrales se verán abocadas a los márgenes residuales del curso de la historia. Es obvio que este paradigma-hipótesis estaría conviviendo con fenómenos bien contrarios de conservadurismo religioso, revivals espirituales, carismatismo y neopentecostalismo. Sólo en algunos sectores geográficos puede estarse dando mayoritariamente, pero algunos observadores afirman que crecen los síntomas de que en las capas urbanas, cultas, tanto de jóvenes como de adultos, con acceso a cultura y tecnología… estaría empezando a hacerse presente este paradigma, también en América Latina (¿también en África y Asia?). Prescindiendo de sondeos cuantificadores de campo, nos queremos concentrar en la elaboración teórica de una primera presentación reflexiva e indagatoria de lo que aquí queremos llamar «paradigma pos-religional», que proponemos a debate y contraste de la comunidad de estudiosos de la teología y de las ciencias de la religión, así como de los «pastores» y de todas las personas preocupadas por la evolución actual de lo religioso.

Towards a Post-Religional Paradigm: Theological proposal – EATWOT’s International Theological Commission

There is more talk about the decline of Christianity in the West every day. Both Catholicism and Protestantism are in a deep crisis, in Europe and in North America. But more observers are foreseeing that after the crisis of Christianity other religions will undergo a crisis. There is the suspicion that the present crisis is not due to a problem of Christianity itself, but more to the nature of “religions” as we know them, and the growing incapacity of these to accommodate to the deep cultural changes that are under way. The hypothesis of the advent of a so-called “post-religional paradigm” wishes to express the possibility of our facing a very deep socio-cultural transformation, in which “neolithic religions” will stop being viable when the “society of knowledge” gets rooted, which will be a “post-religional” society, and in which religions that have been unable to free themselves from ancestral “religional” conditionings will be relegated to residual margins of the course of present history. It is obvious that this paradigm-hypothesis would coexist with very opposed phenomena of religious conservatism, spiritual revivals, charismatism and neo-pentecostalism. This new paradigm may be present mostly in some specific geographical sectors, but some observers state that the symptoms are growing in urban sectors that are educated, both young and adult, with access to culture and technology… it might be starting to appear also in Latin America (also in Africa and Asia?). Without taking into account quantitative field investigations, we want to concentrate on the theorising of a first reflexive and inquisitive presentation of what we want to call “post-religional paradigm,” which we present to be debated and contrasted by the community of students of theology and of the sciences of religion, as well as pastors and all people concerned about the present evolution of the religious.

Verso un paradigma post-religionale: Proposta teologica – Commissione Teologica Internazionale dell’EATWOT

Si parla sempre più del declino del cristianesimo in Occidente. Il cattolicesimo e il protestantesimo attraversano entrambi una grave crisi, tanto in Europa quanto in America del Nord. Sono sempre di più gli osservatori che prevedono che la crisi colpirà successivamente anche altre religioni. Si sospetta che essa non sia dovuta a un problema proprio del cristianesimo, bensì alla natura stessa delle religioni, e all’incapacità crescente di queste a far fronte al profondo cambiamento culturale in corso. L’ipotesi dell’avvento di un paradigma post-religionale delinea la possibilità che si stia dinanzi a una trasformazione socio-culturale di grande profondità, in cui le religioni neolitiche siano destinate a segnare il passo nella misura in cui si insedierà la nascente società della conoscenza, che sarà una società post-religionale, e che le religioni che non si liberino dei propri condizionamenti religionali ancestrali si vedranno sospinte ai margini della storia. È ovvio che l’ipotesi di questo paradigma stia convivendo con fenomeni opposti di conservatorismo religioso, revival spirituali, crescita carismatica e neopentecostale. Ma ciò si registra in maniera massiccia solo in alcuni settori geografici, mentre, secondo alcuni osservatori, nelle fasce urbane, colte, di giovani e di adulti con accesso a cultura e tecnologia comincerebbe a farsi presente questo paradigma, anche in America Latina (pure in Africa e in Asia?). Prescindendo dalle indagini sul campo, vorremmo concentrarci sull’elaborazione teorica di una prima presentazione di ciò che qui intendiamo chiamare paradigma post-religionale, su cui invitiamo a dibattere la comunità di studiosi di teologia e di scienze della religione, come pure i pastori e tutte le persone interessate all’evoluzione attuale della dimensione religiosa.

Morreu o biblista frei Gorgulho

Morreu hoje cedo, dia 26 de dezembro, às 6h20, frei Gilberto da Silva Gorgulho, aos 79 anos de idade. O corpo está sendo velado na Igreja São Domingos, na Rua Caiubi, 164, nas Perdizes, São Paulo. O cardeal dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano, preside missa de corpo presente, hoje às 19h00. Amanhã, 27, haverá outra missa às 6h45. Às 8h00 o corpo segue para o Cemitério Santíssimo Sacramento, Avenida Doutor Arnaldo, 1200.

Frade dominicano, nasceu em Cristina – MG, na diocese de Campanha, em 9 de julho de 1933. Frei Gorgulho fez seus estudos de exegese na École Biblique et Archéologique Française de Jérusalem.

Formou gerações no pós-concilio na fidelidade ao espírito da “Dei Verbum”, sempre trabalhando com a exegeta norte-americana Anne Florence (Ana Flora) Anderson. Além de suas muitas publicações, vale lembrar que, junto com Ivo Storniolo e Ana Flora Anderson, Gorgulho coordenou a tradução da Bíblia de Jerusalém para o português.

Lecionou em vários institutos e faculdades de Teologia de São Paulo. Nos últimos anos esteve ligado ao programa de pós-graduação de Ciências da Religião da PUC-SP.

Gorgulho foi um dos colaboradores do cardeal dom Paulo Evaristo Arns, então arcebispo de São Paulo, na assistência aos frades dominicanos presos durante o regime militar.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Netanyahu: o que a ONU diz não me interessa

Uma solução justa, pacífica e duradoura só será possível quando
Israel abandonar os territórios ocupados e se implementarem as
resoluções pertinentes do Conselho de Segurança e da Assembleia Geral
das Nações Unidas
(Manuel Quintero Pérez: Terrorismo versus segurança)


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou na noite desta sexta-feira  (21/12) que Israel tem o direito de construir assentamentos na região oriental de Jerusalém, área reivindicada pelos palestinos, mesmo com a desaprovação de boa parte da comunidade internacional e da ONU (Organização das Nações Unidas). Em entrevista ao Canal 2 da televisão local, o premiê, que é favorito na eleição legislativa marcada para janeiro de 2013, ele afirmou que trata-se de uma questão de princípios, e pouco importa o que as Nações Unidas pensam a respeito. “Vivemos em um estado judeu e Jerusalém é a capital de Israel. O Muro das Lamentações não é território ocupado. Construímos em Jerusalém porque é nosso direito. O que a ONU diz não me interessa”, manifestou o chefe do Governo israelense (…) Um dia após o reconhecimento da Palestina como estado observador não membro da ONU no dia 29 de novembro, Israel anunciou planos para construir 3.000 novas unidades de moradia em assentamentos judaicos e avançar o polêmico projeto de edificação na zona E-1, que conectaria o grande assentamento de Maaleh Adumim com Jerusalém e minaria a continuidade territorial do Estado palestino. Esse anúncio foi duramente criticado por 14 dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU. Seu principal aliado, os Estados Unidos, afirmaram que Israel “está provocando um padrão de ações provocativas” que vão contra a Resolução de Dois Estados e desacreditam as manifestações dos dirigentes israelenses a favor da paz.

Fonte: Opera Mundi: Netanyahu: “Não me interessa o que a ONU diz sobre assentamentos” – 22/12/2012  11h05

 

Amid increasing international criticism of Israel’s recent approval of construction plans in the West Bank and East Jerusalem, Prime Minister Benjamin Netanyahu said in a television interview Friday that he is not interested in what the UN has to say about the subject. Following the UN vote granting the Palestinians non-member status, Israel announced plans to advance a long-frozen project for the E-1 corridor, which links the city of Jerusalem with the settlement of Ma’aleh Adumim. The Netanyahu government also announced plans to build 3,000 new residential units beyond the green line. Criticism of these reached as far as the UN this week, when on Wednesday fourteen members of the UN Security Council condemned Israel for its intention to move ahead with construction in E-1, as well as with building new settler homes. On Tuesday the U.S. State Department accused Israel of engaging in a “pattern of provocative action” that runs counter to statements from Israeli leaders that they are committed to peace. In Friday’s Channel 2 interview, Netanyahu said construction is a matter of principle. “We live in a Jewish state, and Jerusalem is the capital of Israel. The Western Wall is not occupied territory. We will build in Jerusalem because this is our right. What the UN says doesn’t interest me.”

Fonte: Haaretz: Netanyahu: I’m not interested in what UN says about settlement construction – Dec.21, 2012 | 9:56 PM

Precisa comentar?

Resenhas na RBL: 16.12.2012

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Moshe Bar-Asher and Devorah Dimant, eds.
Meghillot [Hebrew]: Studies in the Dead Sea Scrolls, VIII-IX
Reviewed by George Brooke

Radcliffe G. Edmonds III, ed.
The “Orphic” Gold Tablets and Greek Religion: Further along the Path
Reviewed by Timothy Pettipiece

Craig A. Evans, ed.
The World of Jesus and the Early Church: Identity and Interpretation in the Early Communities of Faith
Reviewed by Judith Lieu

Jonathan Knight
Revelation
Reviewed by Michael Naylor

Te-Li Lau
The Politics of Peace: Ephesians, Dio Chrysostom, and the Confucian Four Books
Reviewed by Minna Shkul

Abigail Pelham
Contested Creations in the Book of Job: The-World-as-It-Ought- and-Ought-Not-to-Be
Reviewed by Norman Habel

Michael Peppard
The Son of God in the Roman World: Divine Sonship in its Social and Political Context
Reviewed by Matthew Forrest Lowe

Daniel B. Wallace, ed.
Revisiting the Corruption of the New Testament: Manuscript, Patristic, and Apocryphal Evidence
Reviewed by J. K. Elliott

Beat Weber
Werkbuch Psalmen III: Theologie und Spiritualität des Psalters und seiner Psalmen
Reviewed by Mark Elliott

Ina Willi-Plein
Das Buch Genesis: Kapitel 12-50
Reviewed by Wolfgang Zwickel

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

A velha cara da nova direita brasileira

O  Instituto Millenium é a versão contemporânea, mas não moderna, dos golpistas do passado.

Leia a reportagem de Leandro Fortes na CartaCapital – edição 727, de 12/12/2012*, p. 24-28.

Escreve Leandro Fortes em Saudades de 1964:

Em 1º de março de 2010, uma reunião de milionários em luxuoso hotel de São Paulo foi festejada pela mídia nacional como o início de uma nova etapa na luta da civilização ocidental contra o ateísmo comunista e a subversão dos valores cristãos. Autodenominado 1º Fórum Democracia e Liberdade de Expressão, o evento teve como anfitriões três dos maiores grupos de mídia nacional: Roberto Civita, dono da Editora Abril, Otávio Frias Filho, da Folha de S.Paulo, e Roberto Irineu Marinho, da Globo.

O evento, que cobrou dos participantes uma taxa de 500 reais, foi uma das primeiras manifestações do Instituto Millenium, organização muito semelhante ao Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (Ipes), um dos fomentadores do golpe de 1964. Como o Ipes de quase 50 anos atrás, o Millenium funda seus princípios na liberdade dos mercados e no medo do “avanço do comunismo”, hoje personificado nos movimentos bolivarianos de Hugo Chávez, Rafael Correa e Evo Morales. Muitos de seus integrantes atuais engrossaram as marchas da família nos anos 60 e sustentaram a ditadura. Outros tantos, mais jovens, construíram carreiras, principalmente na mídia, e ganharam dinheiro com um discurso tosco de criminalização da esquerda, dos movimentos sociais, de minorias e contra qualquer política social, do Bolsa Família às cotas nas universidades.

Há muitos comediantes no grupo. No seminário de 2010, o “democrata” Arnaldo Jabor arrancou aplausos da plateia ao bradar: “A questão é como impedir politicamente o pensamento de uma velha esquerda que não deveria mais existir no mundo?” Isso, como? A resposta é tão clara como a pergunta: com um golpe. No mesmo evento brilhou Marcelo Madureira, do Casseta & Planeta. Como se verá ao longo deste texto, há um traço comum entre vários “especialistas” do Millenium: muitos se declaram ex-comunistas, ex-esquerdistas, em uma tentativa de provar que suas afirmações são fruto de uma experiência real e não da mais tacanha origem conservadora. Madureira não foge à regra: “Sou forjado no pior partido político que o Brasil já teve”, anunciou o “arrependido”, em referência ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), o velho Partidão. Após a autoimolação, o piadista atacou, ao se referir ao governo do PT de então: “Eu conheço todos esses caras que estão no poder, eram os caras que não estudavam”. Eis o nível.

O símbolo do Millenium é um círculo de sigmas, a letra grega da bandeira integralista, aquela turma no Brasil que apoiou os nazistas. Jabor e Madureira estão perfilados em uma extensa lista de colaboradores no site da entidade, quase todos assíduos freqüentadores das páginas de opinião dos principais jornais e de programas na tevê e no rádio. Montado sob a tutela do suprassumo do pensamento conservador nacional e financiado por grandes empresas, o instituto vende a imagem de um refinado clube do pensamento liberal, uma cidadela contra a barbárie. Mas a crítica primária e o discurso em uníssono de seus integrantes têm pouco a oferecer além de uma narrativa obscura da política, da economia e da cultura nacional. Replica, às vezes com contornos acadêmicos, as mesmas ideias que emanam do carcomido auditório do Clube Militar, espaço de recreação dos oficiais de pijama.

Meio empresa, meio quartel, o Millenium funciona sob uma impressionante estrutura hierárquica comandada e financiada por medalhões da indústria. Baseia-se na disseminação massiva de uma ideia central, o liberalismo econômico ortodoxo, e os conceitos de livre-mercado e propriedade privada. Tudo bem se fosse só isso. No fundo, o discurso liberal esconde um freqüente flerte com o moralismo udenista, o discurso golpista e a des-qualificação do debate público. Criado em 2005 com o curioso nome de “Instituto da Realidade”, transformou-se em Millenium em dezembro de 2009 após ser qualificado como Organização Social de Interesse Público (Oscip) pelo Ministério da Justiça. Bem a tempo de se integrar de corpo e alma à campanha de José Serra, do PSDB, nas eleições presidenciais de 2010. Em pouco tempo, aparelhado por um batalhão de “especialistas”, virou um bunker antiesquerda e principal irradiador do ódio de classe e do ressentimento eleitoral dedicado até hoje ao ex-presidente Lula…

Leia o texto completo em Notícias: IHU On-Line: Saudades de 1964. A nova direita – 19/12/2012.

* 12/12/2012 é a data da edição impressa. No site consta 07/12/2012.

O fim do fim do mundo

Lamento comunicar aos interessados que foi decretado o fim do fim do mundo.

Éschaton, em grego, significa “último”, éschata “as últimas coisas”. O termo hebraico correspondente é aharît: “fim”, “conclusão”, “resultado”, “desfecho”.

Éschaton como “fim do tempo do mundo”, “destruição total do mundo” é um conceito que a Bíblia Hebraica (= AT) ignora. É que para o pensamento hebraico, mesmo um acontecimento intra-histórico tem o valor de definitivo, é aharît. A escatologia é, na Bíblia Hebraica, a transformação do mundo e da história, atingindo um “novo estado de coisas”, sem um encerramento definitivo das coisas. A escatologia está, assim, ligada à história.

Para o pensamento apocalíptico desenvolvido em Israel  a partir do século II a.C., a história não é uma série de acontecimentos isolados, mas um todo unificado, um processo contínuo do começo ao fim do mundo. Seu tempo é mítico: início e fim (do mundo) encontram-se em um lugar teórico – mítico -, onde tudo começa enquanto tudo termina. O mundo está sempre nascendo como novo. A morte deste mundo, para o surgimento de um mundo novo, assegura a existência do mundo. A oposição, ou melhor, a continuidade entre “este mundo” e o “mundo que virá”, a passagem de um mundo para o outro é típico da apocalíptica.

Chega? Talvez mais coisas possam ser lidas.

O verbo grego kalýpto significa “cobrir”, “esconder”, “ocultar”, “velar”. Neste sentido ele é usado, por exemplo, em Lc 23,30 ou 2Cor 4,3. Aqui, Paulo diz: “Por conseguinte, se o nosso evangelho permanece velado (kekalymménon) está velado (kekalymménon) para aqueles que se perdem…”.

Na LXX (= Setenta ou Septuaginta) – tradução grega da Bíblia Hebraica feita a partir do século III a.C. – kalýpto é usado no mesmo sentido em Ex 24,15;27,2; Nm 9,15; 1Rs 19,13 e em muitos outros lugares. Ex 24,14 diz: “Depois, Moisés e Josué subiram à montanha. A nuvem cobriu (ekálypsen) a montanha”. Nm 9,15 diz: “No dia em que foi levantada a Habitação, a Nuvem cobriu (ekálypsen) a Habitação, ou seja, a Tenda da Reunião…”. O verbo hebraico assim traduzido é khâsah, “cobrir”, “ocultar”.

A preposição grega apó indica um movimento de afastamento ou retirada de algo que está na parte externa de um objeto. Assim é usada em Mt 5,29: “Caso o teu olho direito te leve a pecar, arranca-o e lança-o para longe de ti (apó sou)”.

Em hebraico, o verbo gâlâh é usado com o significado de “despir”, “descobrir”, “revelar”, “desvelar”. Ex 20,26 diz: “Nem subirás o degrau do meu altar, para que não se descubra (thigâleh) a tua nudez”. E 1Sm 2,27: “Um homem de Deus veio a Eli e lhe disse: ‘Assim diz Iahweh. Eis que me revelei (nighlêthî) à casa de teu pai…'”.

Dn 2,29 usa o verbo gâlâh para a revelação do que deve acontecer: “Enquanto estavas sobre o teu leito, ó rei, acorriam-te os pensamentos sobre o que deveria acontecer no futuro, e aquele que revela (weghâlê‘) os mistérios te deu a conhecer o que deve acontecer”.

A LXX traduz o verbo gâlâh pelo grego apokalýptô, que significa “descobrir”, “revelar”, “desvelar”, “retirar o véu”.

O NT usa o mesmo verbo neste sentido. Mt 10,26, por exemplo: “Não tenhais medo deles, portanto. Pois nada há de encoberto que não venha a ser descoberto (apokalyfthêsetai)”. Ou Lc 10,22: “Tudo me foi entregue por meu Pai e ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, e quem é o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar (apokalýpsai)”.

Deste verbo deriva o substantivo feminino grego apokálypsis, “revelação”, “apocalipse”. Em Gl 2,2 Paulo diz a propósito de sua ida a Jerusalém: “Subi em virtude de uma revelação (apokálypsin)…”. E o livro do Apocalipse começa assim: “Revelação (apokálypsis) de Jesus Cristo…”.

De “apocalipse” deriva “apocalíptica” e é exatamente com esse nome que designamos uma corrente de pensamento e uma literatura surgidas em Israel entre os anos 200 a.C. e 100 d.C., mais ou menos.

Sobre isto, mais coisas podem ser lidas em meu artigo Apocalíptica: Busca de um Tempo sem Fronteiras.

Leia Mais:
Paideia grega e Apocalíptica judaica

Manuscritos do Mar Morto estão online

The Leon Levy Dead Sea Scrolls Digital Library

Sobre este projeto eu já falei aqui e aqui, pois, desde o ano passado, 5 manuscritos já estavam online. Agora, no site The Leon Levy Dead Sea Scrolls Digital Library, estão online vários dos Manuscritos do Mar Morto. São cerca de 5 mil imagens de fragmentos dos manuscritos.

>> Atualização em 09.02.2014 – 12h10:
Agora, em fevereiro de 2014, são cerca de 10 mil imagens de fragmentos dos manuscritos

Leio no site da IAA – Israel Antiquities Authority:

“On the occasion of the 65th anniversary of the discovery of the Dead Sea Scrolls, the Israel Antiquities Authority and Google are pleased to launch today the Leon Levy Dead Sea Scrolls Digital Library website.  The public is invited to experience, view, examine, and explore this collection of over 5000 images of Dead Sea Scrolls, in a quality never seen before.

The library was assembled over the course of two years, in collaboration with Google, using advanced technology first developed by NASA. It includes some 1000 new images of scroll fragments; 3500 scans of negatives from the 1950s; a database documenting about 900 manuscripts, two-thousand years old, comprising thousands of scroll fragments; and interactive content pages. It enables scholars and millions of users worldwide to reveal and decipher details hence invisible to the naked eye. The site displays infra-red and color images at a resolution of 1215 dpi, at a 1:1 scale, equivalent in quality to the original scrolls. Google has provided hosting services and use of Google Maps, image technology and YouTube. The project was made possible by an exceptionally generous grant from the Leon Levy Foundation, and further contribution by the Arcadia Fund, as well as the support of the Yad Hanadiv Foundation.

One of the earliest known texts is a copy of the Book of Deuteronomy, which includes the Ten Commandments; part of chapter 1 of the Book of Genesis, dated to the first century BCE, which describes the creation of the world; a number of copies of Psalms scrolls; tiny texts of tefillin from the Second Temple period; letters and documents hidden by refugees fleeing the Roman army during the Bar Kochba Revolt; and hundreds of additional 2000-year-old texts, shedding light on biblical studies, the history of Judaism and the origins of Christianity”…

E leio no Official Google Blog:

A little over a year ago, we helped put online five manuscripts of the Dead Sea Scrolls—ancient documents that include the oldest known biblical manuscripts in existence. Written more than 2,000 years ago on pieces of parchment and papyrus, they were preserved by the hot, dry desert climate and the darkness of the caves in which they were hidden. The Scrolls are possibly the most important archaeological discovery of the 20th century.


Today, we’re helping put more of these ancient treasures online. The Israel Antiquities Authority is launching the Leon Levy Dead Sea Scrolls Digital Library, an online collection of some 5,000 images of scroll fragments, at a quality never seen before. The texts include one of the earliest known copies of the Book of Deuteronomy, which includes the Ten Commandments; part of Chapter 1 of the Book of Genesis, which describes the creation of the world; and hundreds more 2,000-year-old texts, shedding light on the time when Jesus lived and preached, and on the history of Judaism.


Millions of users and scholars can discover and decipher details invisible to the naked eye, at 1215 dpi resolution. The site displays infrared and color images that are equal in quality to the Scrolls themselves. There’s a database containing information for about 900 of the manuscripts, as well as interactive content pages. We’re thrilled to have been able to help this project through hosting on Google Storage and App Engine, and use of Maps, YouTube and Google image technology.


This partnership with the Israel Antiquities Authority is part of our ongoing work to bring important cultural and historical materials online, to make them accessible and help preserve them for future generations. Other examples include the Yad Vashem Holocaust photo collection, Google Art Project, World Wonders and the Google Cultural Institute.


We hope you enjoy visiting the Dead Sea Scrolls Digital Library, or any of these other projects, and interacting with history.

Posted by Eyal Miller, New Business Development, and Yossi Matias, Head of Israel Research and Development Center – December 18, 2012. 

Leia Mais:
Google creates online archive of 5,000 massively detailed Dead Sea Scrolls images
Upgraded Version of Leon Levy Dead Sea Scrolls Digital Library Launched – February 9, 2014

A luta pela terra e sua representação na mídia

Agronegócio procura regiões vulneráveis para se desenvolver. Entrevista especial com Tiago Cubas

O crescimento do agronegócio no Brasil está vinculado às “mudanças neoliberais nas leis de política agrária”, que possibilitaram a expansão exorbitante do setor sucroalcooleiro, especialmente em São Paulo, diz Tiago Cubas à IHU On-Line (…) Autor da dissertação “São Paulo Agrário: representações da disputa territorial entre camponeses e ruralistas de 1988 a 2009”, Tiago Cubas é membro do grupo de pesquisa do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária – NERA, e analisa os limites de desenvolvimento social em regiões onde cresce a produção do agronegócio. Na semana passada sua dissertação foi comentada na imprensa, e algumas matérias “distorceram o que foi de fato nosso objetivo”, avalia. A pesquisa se propôs a “expor a luta pela terra e a luta para se manter na terra produzindo a favor da soberania alimentar, consequentemente o protagonismo camponês no enfrentamento com o capital no estado de São Paulo, bem como sua representação, principalmente na grande mídia. Esse é um detalhe perdido ironicamente na cobertura da dissertação recentemente defendida”, lamenta.

(…) É impossível o diálogo entre qualquer tipo de conceito que remeta a equilíbrio no interior do sistema capitalista agrário do agronegócio. Assim como a falácia do aquecimento global e os créditos de carbono, a sustentabilidade é outro projeto de marketing que envolve grandes corporações capitalistas ligadas também ao agronegócio no intuito de mascarar o que, de fato, é a sua essência: a concentração, segregação e desigualdade. É importante aí entendermos os conceitos de essência do território e aparência do território. O território do capital se situa em aparentar a realidade como discurso único, e essa é a sua essência, a razão de não se explicar por completo, e assim ele se torna forte. Esse território é legitimado então quando o que está posto é a resolução para todas as coisas. Contudo, a imagem territorial (aparência) não pode ser atribuída à totalidade, ela apenas faz parte de uma realidade muito mais complexa do que vemos, o invisível (ou aquilo que ainda não foi escancarado). O território do agronegócio vive de sua aparência, porque a sua essência é não se explicar, é ser uma propaganda ambulante de si mesmo e do seu “bem”. Esse projeto publicitário, que envolve a imprensa corporativista, tenta convencer a sociedade de que o desmatamento histórico – agora mais evidente na área da Fronteira Legal da Amazônia –, as queimadas, os agrotóxicos, os transgênicos e a exploração do trabalhador urbano e rural não são resultados do sistema do agronegócio. Dessa forma ele propõe o discurso de que tem procurado se estabelecer “sustentável”.

(…) Em Ribeirão Preto [a capital do agronegócio brasileiro] o agronegócio de cana destruiu toda sua proteção florestal para fazer seus “mares” de cana, expulsou o campesinato do campo para a cidade, acabando com a diversidade que prevaleceu até os anos 1960. Impediu todos os planos de implantação de outras indústrias e brigou ferozmente para comprometer os sindicatos e não deixar o MST se organizar…

Leia a entrevista publicada em Notícias: IHU On-Line. Reproduzida também em Carta Maior.

Pesquisa demonstra a pobreza gerada com o avanço do agronegócio

Uma pesquisa de mestrado da Universidade Estadual Paulista (Unesp) mostrou que existe uma relação entre a expansão de atividades do agronegócio e o crescimento da pobreza em áreas específicas do estado de São Paulo. Segundo o estudo, regiões reconhecidas pela força agroindustrial estão passando por um processo de concentração de renda, de terras e de pobreza.

A reportagem é de Aline Scarso e publicada pelo Brasil de Fato, 17/12/2012.

O levantamento sinaliza ainda que o agronegócio aproveita a vulnerabilidade das regiões para se instalar e criar raízes. Intitulado São Paulo Agrário: representações da disputa territorial entre camponeses e ruralistas de 1988 a 2009, o estudo é do pesquisador do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (Nera), Tiago Cubas. Ele trabalha com dados como o Índice de Pobreza Relativa, Índice de Gini e de Concentração de Riqueza para revelar uma situação de contradição.

Hoje a população rural do estado é de 1,7 milhões de habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 1980 era de 2,9 milhões. De acordo com a pesquisa, a região do entorno da cidade de Ribeirão Preto, a chamada Califórnia Brasileira, é uma das que mais aumentaram o abismo econômico entre a população durante os anos de 1988 a 2009. Situação semelhante também ocorreu no entorno das cidades de Araraquara e Campinas e nas regiões do Pontal do Parapanema – principalmente no entorno dos municípios de Presidente Prudente e Araçatuba, e do Vale do Ribeira, entorno do litoral sul paulista e de Itapetininga (veja mapa abaixo). Dos 645 municípios paulistas cadastrados para mapeamento, apenas 228 municípios conseguiram amenizar a intensidade da pobreza no período pesquisado. No restante, a miséria aumentou.

O autor mostra que as regiões onde isso ocorreu são espaços do desenvolvimento do agronegócio, especialmente da monocultura da cana-de-açúcar. É o caso da Região da Alta Mogiana (Ribeirão Preto, Araraquara e Campinas), onde a cana é preponderante. A área do Pontal do Parapanema, tradicionalmente reduto da pecuária no estado paulista, também sofreu com a expansão da monocultura. “Isso pode significar que o agronegócio escolhe as áreas mais vulneráveis para se instalar e, assim por diante, acirrar as desigualdades sociais e degradar o meio ambiente”, explica o pesquisador.

Leia o texto completo, reproduzido também em Notícias: IHU On-Line e na Carta Maior em 18/12/2012.