Entrevista de Thomas L. Thompson

Por ocasião de sua aposentadoria, Thomas L. Thompson, Professor no Instituto de Exegese Bíblica da Universidade de Copenhague, Dinamarca, deu uma entrevista a Jim West, que a publicou hoje em seu blog.

 

Thomas Thompson: The Interview

On the occasion of his retirement, I asked Professor Thompson a few questions and those questions and his answers follow:

JW- Thank you, Professor Thompson, for ’sitting down’ with us and offering your point of view. Let me start with the basics. Do you mind telling us a little bit about your academic background and training?

TLT- I took my BA at Duquesne University in Pittsburgh with a triple major in history, classical languages and philosophy, graduating in 1962. I studied philosophy and theology at Oxford University in 1962/3 and then studied first philosophy and then theology at the University of Tuebingen from 1963-1972. I received a Summa cum laude for my dissertation on the historicity of the patriarchal narratives in 1971, but did not receive my degree as I failed the graduate examinations in systematic theology with Joseph Ratzinger in February, 1972. In 1975/6 I studied and graduated with my PhD at Temple University’s department of religion with the central fields of Old Testament, New Testament and ancient Near Eastern literature and religion. During the time that I was in Tuebingen I was employed as a research associate on the Tuebinger Atlas des vorderen Orients from 1969-1976 and was responsible for the Bronze Age maps of Sinai, the Negev and Palestine. My work on this project was published in two monographs and seven maps.

JW- What inspired you to enter into a career in biblical / historical studies?

TLT- I was a graduate student in Philosophy in Tuebingen in 1963 with intentions to write a PhD thesis on Hegel’s historical romanticism, when I saw an announcement of a course by Kurt Galling (editor of the 3rd edition of RGG) which announced a course at the Biblical Archaeological Institute dealing with gods and goddesses in the ancient Near East. With the course was a one-week tour to Paris and the Louvre all expenses paid for the price of 45 DM ($11.25). I went to Paris, became Kurt Galling’s student and never thought about Hegel again.

JW- Now to turn to some rather serious questions. Do you think that the figures of Abraham, Saul, David, and Solomon were historical in the same sense that you and I are?

TLT- Today, it is hard to remember these as serious questions. You and I are not figures of stories and can not be compared with Abraham, Saul, David and Solomon. These are figures in stories and the there is no evidence whatever to suggest that these stories can be attributed any historicity. On the historical principle that history must be written on the basis of evidence, we can not write anything about these figures in history. All of these figures have what I refer to as cue names, (Abraham = the father of many nations; Saul = echoes she’ol; David = “the beloved” of Jahve and Solomon’s name derives from Uru-salimu or the city of peace, reflecting the peace that David wanted. I see, in this, some grounds for arguing that, to the extent that our knowledge of them is limited to their roles as figures of story, they are fictive.

JW- What do you make of the Tel Dan inscription?

TLT- The subject of a badly handled scholarly dispute. The early evaluation and publication of the inscriptions remained the definitive and only understanding which Israeli and conservative American scholarship would consider. As a result, many questionable aspects of both the discovery and condition of the stelae were never examined and all arguments that differed from the earliest considerations have been dismissed. This is shoddy scholarship at best. I think there is reason to suspect the inscription as a forgery, even as I myself think that the fragmented inscriptions reflect two genuine inscriptions. I also think it likely that they refer to a place-name or patronage somewhere in Palestine called “house of David” (though the possibility that it refers to the “temple of the beloved” has not been adequately explored. Finally, I see a possibility that the figure of David could well be a legendary figure of this patronage’s eponymous founder.

If the inscription, however, is a fake–and this possibility which has been raised by several very competent scholars has not been adequately investigated–then the inscription certainly refers to the dynasty of Jerusalem founded by David.

Is it a forgery? I have never thought it ´to be a forgery, but I have been convinced that the questions raised by Garbini, Cryer, Gmirkin, Lemche and others are quite serious grounds for suspecting it to be a forgery.

JW- Did the Israel portrayed in the pages of the Old Testament ever exist?

TLT- There are a lot of pages! Historically speaking, Israel is one name for the patronage kingdom also know as Bit Humri. That certainly existed in the 9th-8th centuries. Israel also existed after the Assyrians conquered Samaria in 722 and took over the region but continued as an Assyrian province. I see serious reasons to consider the modern nation of Samaritans to have been continuous with this Iron Age entity.. However, your question is directed to the stories of the Old Testament, especially those in Kings, Chronicles and the prophets. These stories I believe are largely fictive and theologically allegorical in their essence and not reflective of historical events.

JW- What can we know of the history of Israel?

TLT- You need to rephrase the question. I wrote a great deal about the history of Palestine, which included the patronage kingdom of Israel, but I am not sure that that is what you are referring to when you use the phrase “history of Israel.” I think Philip Davies distinctions about the many different ways we think about Israel, quite important here. I do think that a history of Israel can and is being written, but I do not think that has direct relationship with biblical exegesis.

JW- Turning to a different subject, you’ve just retired. How does it feel?

TLT- Yesterday, I had all kinds of new ideas for books and articles. Today I am tired and feeling very ambivalent about it. It is too much like being unemployed for me to be comfortable. I don’t want to go back to housepainting the way I did in the 70s.

JW- Do you have any publications coming out that you might tell us of?

TLT- Look for the Davies Festschrift–if they ever decide to publish it. My retirement lecture is going to come out in the Dansk teologisk Tidsskrift, but then you will have to learn Danish.

JW- Do you have a ‘regular schedule’ for writing or do you do it as the muse moves?

TLT- Mornings are best, and very late at night.

JW- What are your plans for journal essays?

TLT- Accumulating.

JW- Will you be delivering a paper at the New Orleans SBL?

TLT- Not yet. I always find it very difficult to offer to give a paper at SBL as their call for papers come so early, when I am planning my summer congress and projects. Also, my suggestions for papers are refused some 60% of the time; so I am very uncertain that my papers are welcome there.

JW- On to another topic, what do you enjoy doing in your free time?

TLT- I listen to opera, especially Wagner. Mozart and Verdi; I work in the garden, read Danish novels and write silly letters to the biblical studies list.

JW- Have you any unusual hobbies or past-times that our readers might find, well, odd?

TLT- I don’t know. I do Sudoku and like to cook.

JW- Finally, is Niels Peter as easy to get along with as has been my experience? What’s he really like as a colleague?

TLT- Niels Peter is an engaging, exciting colleague. He is provocative, challenging and always trustworthy. I have learned so much from him over these past fifteen years. He speaks his mind and he listens. He has an immense knowledge in intellectual history and in the history of biblical scholarship.

JW- Thanks, Thomas, for spending this time with us. Your work is always provocative and I for one look forward to what’s next.

Kurumin NG foi descontinuado em janeiro de 2009

Kurumin NGSó hoje pude ler com mais calma sobre o tumultuado fim do projeto Kurumin NG, episódio que se deu no final de janeiro de 2009.

Muito ruim. Era o Linux que eu usava.

 

Sobre a (des)continuidade do Kurumin NG – Por Carlos E. Morimoto: Hardware.com.br – 29 janeiro 2009

Em um tópico na sala do fórum, Jqueiroz e Carlos Morimoto esclareceram a descontinuidade do projeto Kurumin NG, que foi tema de discussão em diversos sites ao longo do dia.

Leia no: https://www.hardware.com.br/comunidade/projeto-continuidade/944469/

Atualização, linha do tempo da crise e desfecho: O projeto do Kurumin NG surgiu em março de 2008, como uma proposta de continuação do Kurumin 7, chefiada por Leandro Soares e acabou de maneira tumultuada.

– Em dezembro de 2008, Leandro Soares, mantenedor do Kurumin NG, anuncia no fórum interno de desenvolvimento “Tomei a decisão de parar pois a sensação que estou tendo é que sou obrigado a trabalhar no projeto“. O anúncio é postado apenas no grupo fechado de desenvolvimento do Kurumin NG, sem ser levado a público, o que mais tarde causa protestos entre os usuários.

– Em janeiro de 2009 é criado um tópico no fórum oficial questionando a continuidade da distribuição. Até o momento, nenhum anúncio foi feito.

– Em um tópico antigo, com o anúncio do encerramento do Kurumin 7, Henrique – RJ questiona sobre a continuidade do Kurumin NG. Duas respostas de Carlos Morimoto, afirmando que o Kurumin NG havia sido “abandonado” com a saída do último desenvolvedor ativo são reproduzidas no tópico aberto anteriormente na sala do Kurumin NG.

– Publicado artigo do Marcos Elias, discutindo o tema: Chegou o fim do Kurumin NG?.

– Post no Br-Linux leva a notícia a público.

– Artigo do MeioBit: Descanse em paz, Kurumin.

– Leandro Soares volta atrás no pronunciamento anterior e classifica os comentários como asneiras.

– Novo post no Br-Linux leva as declarações a público, criando polêmica.

– Em entrevista ao MeioBit Leandro Soares declara que o projeto “Continua até que o mantenedor diga que acabou“.

– Jqueiroz e Carlos Morimoto publicam notas esclarecendo o status do projeto. A mensagem original de Leandro Soares é divulgada e é explicada a saída de Jqueiroz, o último colaborador ativo do projeto. Carlos Morimoto retira o apoio ao projeto e “encerra qualquer vínculo relacionado a ele“.

– Quatro horas após conceder a entrevista, Leandro Soares muda de idéia novamente e anuncia o encerramento do projeto: “Olá a todos, infelizmente terei que voltar atrás da minha decisão de continuar o projeto Kurumin NG, estou reconhecendo publicamente o meu erro em noticiar que o mesmo iria ser continuado e poucas horas depois anunciar que o mesmo acabou“.

– Artigo do MaxRaven: Dizer o que? Eu já sabia!?

– Artigo do Linux Essential: Fim definitivo do Kurumin NG

– Post no fórum do Kalango: A história se repete: Fim do Kurumin NG!

– Post no BR-Linux sobre o anúncio final atrai um grande número de comentários.

– Post no fórum: O Fiasco do Projeto Kurumin NG

– A página do Kurumin 7 (o projeto original) é atualizada com um comentário final sobre a crise: “Entre março de 2008 e janeiro de 2009 foi feita uma desastrada tentativa de continuação por parte do Leandro Soares, que acabou ridicularizando o nome do projeto. Devido a isso, novas propostas de continuidade passaram a ser polidamente rejeitadas. Com o encerramento do projeto, recomendamos o uso de distribuições bem estabelecidas, como o Ubuntu, o Kubuntu e o Mandriva, além do próprio Debian estável, que pode ser usado de maneira bastante eficiente em desktops, depois de configurado.“

Biblioblog Top 50 – Fevereiro de 2009

Como o blog de N. T. Wrong foi descontinuado, o novo endereço dos 50 biblioblogs mais frequentados está em The Biblioblog Top 50.

Veja a lista dos 50 biblioblogs mais frequentados no mês de fevereiro em Biblioblog Top 50 – February 2009.

Em dezembro o Observatório Bíblico foi o sexto colocado. Em janeiro foi o terceiro. Caiu três pontos, sendo novamente o sexto em fevereiro.

Observo que há uma lista bastante significativa de biblioblogs que eu desconhecia e que foi acrescentada aos comentários desta postagem.

Já foram todos listados em minha página, em Biblioblogs, figurando também no Google Reader do Observatório Bíblico.

OpenOffice Portátil agora também em português

A partir da versão 3.0.1, lançada em 18/02/2009, o OpenOffice.org Portátil vem também em língua portuguesa. Mas é português de Portugal. E com grafia anterior à definida pelo Acordo Ortográfico que está em vigor no Brasil desde o início de janeiro deste ano.

Mesmo assim já é uma boa coisa para nós, usuários do português brasileiro (Brazilian Portuguese), e excelente para os usuários do português lusitano (Portuguese).

Além do que, em Ferramentas > Personalizar > Modificar é possível mudar alguns itens do menu para o português do Brasil.

O que disse sobre as extensões vale também para o BrOffice.org 3.0.1.

Todas as explicações necessárias para a instalação e uso estão nas páginas indicadas.

Leia mais em Aplicativos Portáteis – Portable Applications.

A ciência e as religiões

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo de 22/02/2009 e reproduzido por Notícias – IHU On-Line no mesmo dia, Marcelo Gleiser, professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover, NH, USA, reflete sobre a relação entre a ciência e as religiões por ocasião das comemorações que lembram os feitos de Darwin e Kepler. E Galileu.

No início do artigo, ele diz:
Como escrevi em colunas recentes, neste ano celebramos dois grandes aniversários. O primeiro, o bicentenário do nascimento de Charles Darwin e o sesquicentenário da publicação de seu revolucionário “A Origem das Espécies”. O segundo, os quatrocentos anos da publicação do livro “Astronomia Nova”, em que Johannes Kepler mostrou que a órbita de Marte é elíptica, inferindo que todas as outras seriam também. No mesmo ano, 1609, Galileu Galilei apontou o seu telescópio para os céus mudando a astronomia para sempre. Em ambos os casos, as descobertas científicas criaram sérios atritos com as autoridades religiosas. Atritos que, infelizmente, sobrevivem de alguma forma até hoje, principalmente com as religiões monoteístas que dominam o mundo ocidental e o Oriente Médio: judaísmo, cristianismo e islamismo. O momento é oportuno para iniciarmos uma reavaliação das suas causas e apontar, talvez, resoluções.

E termina assim:
Fechar os olhos para os avanços da ciência é escolher um retorno ao obscurantismo medieval, quando homens viviam suas vidas assombrados por espíritos e demônios, subjugados pelo medo a aceitar a proteção de Deus. A escolha por uma devoção religiosa – se é essa a sua escolha – não deveria ser produto do medo. No fim de semana passado, a catedral de São Paulo em Melbourne, Austrália, ofereceu um simpósio sobre Darwin. Nos EUA, outro simpósio reuniu cerca de 800 pastores e rabinos para discutir modos de reconciliação entre ciência e religião. Parece que finalmente um novo diálogo está começando. Já era tempo.

 

O artigo

Como escrevi em colunas recentes, neste ano celebramos dois grandes aniversários. O primeiro, o bicentenário do nascimento de Charles Darwin e o sesquicentenário da publicação de seu revolucionário “A Origem das Espécies”. O segundo, os quatrocentos anos da publicação do livro “Astronomia Nova”, em que Johannes Kepler mostrou que a órbita de Marte é elíptica, inferindo que todas as outras seriam também.

No mesmo ano, 1609, Galileu Galilei apontou o seu telescópio para os céus mudando a astronomia para sempre.

Em ambos os casos, as descobertas científicas criaram sérios atritos com as autoridades religiosas. Atritos que, infelizmente, sobrevivem de alguma forma até hoje, principalmente com as religiões monoteístas que dominam o mundo ocidental e o Oriente Médio: judaísmo, cristianismo e islamismo. O momento é oportuno para iniciarmos uma reavaliação das suas causas e apontar, talvez, resoluções.

Simplificando, pois temos apenas algumas linhas, o problema maior não começa no embate entre a ciência e a religião. Começa no embate entre as religiões. Existe uma polarização cada vez maior já dentro das religiões entre correntes mais ortodoxas e aquelas mais liberais. As diferenças são enormes. Por exemplo, no caso do judaísmo, podemos hoje encontrar rabinas liderando congregações, algo que enfureceria ao meu avô e a seus amigos.

Nos EUA, algumas correntes protestantes, como os episcopélicos, têm pastores e bispos abertamente homossexuais. Nessas correntes mais liberais dentre as religiões se vê também uma relação completamente diferente com a ciência.

Em vez do radicalismo imposto por uma interpretação liberal da Bíblia, as correntes mais liberais tendem a ver o texto bíblico de forma simbólica, como uma representação metafórica de acontecimentos e fatos passados com o intuito -dentre outros- de fornecer uma orientação moral para a população. (A questão da necessidade de um código moral de origem religiosa deixo para outro dia.)

Escuto pastores e rabinos afirmarem regularmente que é absurdo insistir que a Terra tenha menos de 10 mil anos ou que Adão e Eva surgiram da terra. Para um número cada vez maior de congregações, é fútil fechar os olhos para os avanços da ciência.

Para eles, a preservação dos valores religiosos, da coesão de suas congregações depende de uma modernização de suas posições de modo que possam refletir o mundo em que vivemos hoje e não aquele em que pessoas viviam há dois mil anos.

O mundo mudou, a sociedade mudou, a religião também deve mudar.

Insistir na rigidez da ortodoxia é condenar a congregação a viver no passado, numa realidade incompatível com a sociedade moderna. Se o pastor ou rabino ortodoxo tem câncer e recebe terapia de radiação, ele deve saber que é essa mesma radiação que permite a datação de fósseis com centenas de milhões de anos. É hipocrisia aceitar a cura da radiação nuclear e ainda assim negar os seus outros usos.

Fechar os olhos para os avanços da ciência é escolher um retorno ao obscurantismo medieval, quando homens viviam suas vidas assombrados por espíritos e demônios, subjugados pelo medo a aceitar a proteção de Deus. A escolha por uma devoção religiosa -se é essa a sua escolha- não deveria ser produto do medo.

No fim de semana passado, a catedral de São Paulo em Melbourne, Austrália, ofereceu um simpósio sobre Darwin. Nos EUA, outro simpósio reuniu cerca de 800 pastores e rabinos para discutir modos de reconciliação entre ciência e religião. Parece que finalmente um novo diálogo está começando. Já era tempo.

Fonte: Notícias – IHU On-Line: 22/02/2009

Ditabranda? Existe isso?

O conceito de “ditabranda”, tão falso quanto uma nota de R$ 3, foi repudiado por centenas leitores da Folha e personalidades como a professora Maria Victória Benevides e o jurista Fábio Konder Comparato.

Pois é. Confira aqui

 

Folha classifica regime militar como “ditabranda”

Publicado por Paulo Kautscher em 20 fevereiro 2009

Limites a Chávez, diz Folha em editorial

Editorial da Folha de S. Paulo (*)

Apesar da vitória eleitoral do caudilho venezuelano, oposição ativa e crise do petróleo vão dificultar perpetuação no poder

O ROLO compressor do bonapartismo chavista destruiu mais um pilar do sistema de pesos e contrapesos que caracteriza a democracia. Na Venezuela, os governantes, a começar do presidente da República, estão autorizados a concorrer a quantas reeleições seguidas desejarem.

Hugo Chávez venceu o referendo de domingo, a segunda tentativa de dinamitar os limites a sua permanência no poder. Como na consulta do final de 2007, a votação de anteontem revelou um país dividido. Desta vez, contudo, a discreta maioria (54,9%) favoreceu o projeto presidencial de aproximar-se do recorde de mando do ditador Fidel Castro.

Outra diferença em relação ao referendo de 2007 é que Chávez, agora vitorioso, não está disposto a reapresentar a consulta popular. Agiria desse modo apenas em caso de nova derrota. Tamanha margem de arbítrio para manipular as regras do jogo é típica de regimes autoritários compelidos a satisfazer o público doméstico, e o externo, com certo nível de competição eleitoral.

Mas, se as chamadas “ditabrandas” -caso do Brasil entre 1964 e 1985- partiam de uma ruptura institucional e depois preservavam ou instituíam formas controladas de disputa política e acesso à Justiça-, o novo autoritarismo latino-americano, inaugurado por Alberto Fujimori no Peru, faz o caminho inverso. O líder eleito mina as instituições e os controles democráticos por dentro, paulatinamente.

Em dez anos de poder, Hugo Chávez submeteu, pouco a pouco, o Legislativo e o Judiciário aos desígnios da Presidência. Fechou o círculo de mando ao impor-se à PDVSA, a gigante estatal do petróleo.

A inabilidade inicial da oposição, que em 2002 patrocinou um golpe de Estado fracassado contra Chávez e depois boicotou eleições, abriu caminho para a marcha autoritária; as receitas extraordinárias do petróleo a impulsionaram. Como num populismo de manual, o dinheiro fluiu copiosamente para as ações sociais do presidente, garantindo-lhe a base de sustentação.

Nada de novo, porém, foi produzido na economia da Venezuela, tampouco na sua teia de instituições políticas; Chávez apenas a fragilizou ao concentrar poder. A política e a economia naquele país continuam simplórias -e expostas às oscilações cíclicas do preço do petróleo.

O parasitismo exercido por Chávez nas finanças do petróleo e do Estado foi tão profundo que a inflação disparou na Venezuela antes mesmo da vertiginosa inversão no preço do combustível. Com a reviravolta na cotação, restam ao governo populista poucos recursos para evitar uma queda sensível e rápida no nível de consumo dos venezuelanos.

Nesse contexto, e diante de uma oposição revigorada e ativa, é provável que o conforto de Hugo Chávez diminua bastante daqui para a frente, a despeito da vitória de domingo.

(*) Editorial da Folha de S. Paulo publicado na edição de 17/02/09

 

Em resposta ao editorial da Folha, publicado no último dia 17, em que classificou o regime militar vigente no Brasil entre 1965 e 1984 como uma “ditabranda”, um grupo de intelectuais lançou, no último sábado (21), um manifesto e abaixo-assinado em “repúdio à arbitrária e inverídica revisão histórica”

Diversidade linguística ameaçada

Metade das mais de 6 mil línguas do mundo está ameaçada, diz Unesco – DW: 21.02.2009

Unesco lançou nova edição do Atlas Mundial de Línguas em Perigo de Desaparecimento. No Dia Internacional da Língua Materna, linguista alemão vê relação entre pluralidade linguística e preservação da biodiversidade.

Atlas Mundial de Línguas em Perigo de DesaparecimentoNeste sábado (21/02) comemora-se o Dia Internacional da Língua Materna. O dia foi instituído em 1999 pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) para a chamar a atenção sobre a importância da diversidade cultural e linguística no planeta.

A preocupação da Unesco se volta principalmente para as línguas faladas por menos de 10 mil pessoas. Na última quinta-feira, na sede da organização da ONU em Paris, foi lançada a nova edição do Atlas Mundial de Línguas em Perigo de Desaparecimento. O atlas contém informações atualizadas sobre mais de 2.500 idiomas ameaçados em todo o mundo.

O Atlas da Unesco classifica as línguas ameaçadas em cinco diferentes categorias: mortas, fracas, seriamente em perigo, em perigo ou em situação precária. Sua realização foi possível graças à contribuição financeira do governo da Noruega, informou a organização.

 

Mais de 200 línguas desapareceram

Segundo a Unesco, metade das 6.700 línguas faladas em todo o mundo está ameaçada. Dessas, 199 são faladas hoje por menos de uma dúzia de pessoas, como o wichita, língua de 10 habitantes do estado norte-americano de Oklahoma. Na Indonésia vivem os últimos quatro falantes de lengilu.

A organização da ONU informou que, durante as três últimas gerações, mais de 200 línguas desapareceram, tais como o ubykh, uma língua da região do Cáucaso extinta em 1992, quando o último falante do idioma, o fazendeiro turco Tefvic Esenc, faleceu.

Na Europa, o Reino Unido tem 12 línguas em perigo; a Alemanha, 13; e a França, 26. De acordo com a nova edição do Atlas da Unesco, no topo da lista dos países com maior número de línguas ameaçadas aparecem a Índia (196), os Estados Unidos (192) e, em terceiro lugar, o Brasil (190).

 

Apoio governamental à diversidade linguística

A Unesco constatou também que algumas línguas antes em perigo vivenciam hoje uma renascença. Entre essas está o córnico, idioma celta da região da Cornualha, sul da Inglaterra, e o sishee, da Nova Caledônia, arquipélago da Oceania.

O linguista australiano Cristopher Moseley, que dirigiu o grupo de 25 pessoas responsável pelo Atlas, constatou que países com rica diversidade linguística, como a Índia, os EUA e o Brasil, também sofrem o maior perigo de extinção de idiomas.

A Unesco saúda os esforços de países como Peru, Nova Zelândia, Estados Unidos e México que, com sucesso, têm impedido a extinção de línguas indígenas. A vice-diretora de Cultura da Unesco, Françoise Rivière, reconhece o apoio governamental à diversidade linguística, mas acresce que “as pessoas têm que ter orgulho do idioma que falam” para que esse floresça.

 

Biodiversidade e a pluralidade linguística

No arquipélago da Nova Guiné é onde se falam o maior número de línguas no mundo. Papua-Nova Guiné, país da Oceania e que faz parte do arquipélago, é uma exceção entre aqueles com grande diversidade lingüística, pois, segundo o Atlas da Unesco, somente 98 idiomas estariam ali ameaçados.

O linguista alemão Harald Haarmann vê aí uma relação entre a preservação da biodiversidade e a pluralidade linguística. Ele explica que, com a devastação da natureza, segue-se a destruição dos povos indígenas – e de sua língua.

Segundo Haarmann, no arquipélago de Nova Guiné existiriam mais de mil línguas e uma grande variedade de espécies da fauna e da flora. A razão, segundo o cientista, estaria no fato de que a região não é atraente para estrangeiros nem tem recursos naturais. Lá existiriam duas estações: no verão chove e no inverno chove mais ainda, afirmou.

Em consequência, durante séculos, o arquipélago de Nova Guiné permaneceu isolado. O efeito foi a preservação das espécies vegetais e animais, como também da cultura e das línguas dos pequenos povos, disse Haarmann.

 

O Brasil tem 190 línguas indígenas em perigo de extinção – Leticia Mori: BBC – 4 março 2018

Moradores da fronteira do Brasil com a Bolívia, o casal Känä́tsɨ, de 78 anos, e Híwa, de 76, são os dois últimos falantes ativos da língua warázu, do povo indígena Warazúkwe.

Os dois se expressam mal em castelhano e português, e conversam entre si somente em warázu – embora seus filhos e netos que moram com eles falem em português e espanhol.

“Aquela casa desperta, para quem entra nela, uma sensação incômoda de estranheza, como se o casal idoso que vive nela viesse de outro planeta, de um mundo que eles nunca poderão ressuscitar”, escrevem os pesquisadores Henri Ramirez, Valdir Vegini e Maria Cristina Victorino de França em um estudo publicado na revista Liames, da Unicamp.

Com ajuda do casal idoso, esses linguistas da Universidade Federal de Rondônia descreveram pela primeira (e possivelmente a última) vez o idioma do povo Warazúkwe.

Känä́tsɨ (à esq.) e Híwa falam entre si uma língua que só eles conhecem | Foto: Liames/Unicamp O casal nasceu em Riozinho, em Rondônia, mas a comunidade warazúkwe em que viviam foi abandonada nos anos 1960, forçando os dois a se mudar diversas vezes entre Brasil e Bolívia até terem se estabelecido em Pimenteiras (RO).

Segundo o estudo, além de Känä́tsɨ e Híwa, ainda haveria três pessoas que poderiam conhecer o idioma. Um deles, o irmão mais velho Känä́tsɨ, sumiu há anos. Os outros dois, Mercedes e Carmelo, vivem na Bolívia, mas já não conversam mais em warázu.

“Parece que a ‘vergonha étnica’ que os warazúkwe experimentaram foi tão intensa que Mercedes não gosta de proferir palavra alguma no seu idioma e Carmelo afirma que esqueceu tudo”, diz o estudo.

 

País multilíngue

Da família linguística tupi-guarani, o warázu é apenas uma de dezenas de línguas brasileiras em perigo de extinção.

Segundo o Atlas das Línguas em Perigo da Unesco, são 190 idiomas em risco no Brasil.

O mapa reúne línguas em perigo no mundo todo – e o Brasil é o segundo país com mais idiomas que podem entrar em extinção, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

Adauto Soares, coordenador do setor de Comunicação e Informação da Unesco no Brasil, explica que o mapa foi feito com a colaboração de pesquisadores especialistas em cada região e entidades governamentais e não governamentais.

No Brasil, as principais entidades que colaboraram foram o Iphan, a Funai, a Unaids e o Museu do Índio.

Soares explica que foram usados diversos critérios para definir se uma língua está em risco: o número absoluto de falantes, a proporpoção dentro do total da população do país, se há e como é feita a transmissão entre gerações, a atitude dos falantes em relação à língua, mudanças no domínio e uso da linguagem, tipo e qualidade da documentação, se ela é usada pela mídia, se há material para educação e alfabetização no idioma.

“Essa quadro (de línguas em perigo) pode ser revertido, e é por isso que a gente atua”, diz Soares.

A morte de uma língua não é apenas uma questão de comunicação no dia a dia: a preservação da cultura de um povo depende da preservação do seu idioma. “Se a língua se perde, se perde a medicina, a culinária, as histórias, o conhecimento tradicional. No idioma estão a questão da identidade, o conhecimento do bosque, do mato, dos bichos”, explica o linguista Angel Corbera Mori, do Instituto de Estudos da Linguagem, da Unicamp.

 

Mais ainda

O número de idiomas em risco pode ser ainda maior do que o apontado pela Unesco, porque é possível que algumas línguas, que nunca foram estudadas, tenham ficado de fora – o warázu, por exemplo, não está incluso no mapa.

Além disso, é possível que existam dezenas de línguas em perigo em comunidades isoladas, que nunca foram descritas.

Estima-se que, antes da colonização portuguesa, existissem cerca de 1,1 mil línguas no Brasil, que foram desaparecendo ao longo dos séculos, segundo Corbera.

Ele explica que durante o período colonial, os jesuítas começam a usar o tupi como uma espécie de língua geral – o que foi visto pela Coroa portuguesa como uma ameaça. O tupi – e posteriormente outras línguas indígenas – foram proibidos. E quem desobedecesse era castigado.

A perseguição continuou por séculos. Na era Vargas, por exemplo, o português era obrigatório nas escolas, e quem desrespeitasse também estava sujeito a punição.

“A situação só melhorou a partir da Constituição de 1988”, diz Corbera.

Segundo ele, uma das principais ameaças à língua hoje é a invasão dos territórios indígenas. “Políticas de preservação e registro da língua são importantes, mas não adiantam nada se eles não têm território, se são expulsos de suas terras”, diz Corbera.

Alguns grupos que foram perseguidos têm o único registro escrito de suas línguas em trabalhos em naturalistas que visitam o país nos séculos passados. É o caso da língua dos povos do grupo Panará – nomeados pelos colonizadores de Caiapós do Sul – do aldeamento de São José de Mossâmedes, em Goiás, no século 18.

A única descrição linguística dos povos que ocupavam esse aldeia é encontrada em listas de palavras dos europeus Emmanuel Pohl (1782-1834) e Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853), como descreve o linguista Eduardo Alves Vasconcelos em um artigo publicado no ano passado.

 

Os últimos

Uma das línguas que sobreviveram, ainda que em estado crítico, é o guató. O idioma tinha, em 2006, apenas cinco falantes, de acordo com a Unesco.

Os Guatô ocupavam praticamente toda a região sudoeste do Mato Grosso, na fronteira com a Bolívia, até começaram a ser expulsos de suas terras entre 1940 e 1950, segundo o Intituto Sócio Ambiental (ISA), por causa do avanço da agropecuária.

Chegaram a ser considerados extintos pelo governo, por isso foram excluídos de programas de ajuda e políticas públicas, até meados dos anos 1970, quando missionários identificaram índios Guatô e o grupo começou a se reorganizar e lutar por reconhecimento.

Há línguas tidas como vulneráveis – possuem um número maior de falantes, mas ainda são consideradas em perigo. É o caso da língua guajajara, falada por um dos povos mais numerosos.

Há mais de 27 mil guajajaras no Brasil, segundo o sistema de informações do Ministério da Saúde. O guajajara é usado como primeira língua em muitas aldeias, mas nem todos os índios Guajajara falam o idioma. A língua guajajara pertence à família tupi-guarani e é subdividida em quatro dialetos.

 

Extintas

Das 190 línguas citadas pela Unesco, 12 já são consideradas extintas, ou seja, não têm mais nenhum falante vivo.

Uma das que foram extintas mais recentemente foi língua dos Umutina, povo indígena que vive no Mato Grosso.

Quando o Museu do Índio iniciou um trabalho de documentação de línguas, em 2009, ela ainda tinha falantes. Hoje está extinta, segundo a Unesco.

Os Umutina tiveram seu território invadido violentamente no início do século passado, segundo o ISA. Por isso acabaram perdendo sua terra tradicional e sua língua, que era do tronco linguístico Macro-Jê, da família Bororo.

Além disso, centenas de umutinas morreram devido a doenças levadas pelos brancos.

Os que sobreviveram às epidemias tiveram contato com o antigo SPI (Serviço de Proteção ao Índio, antecessor da Funai extinto em 1967). Eles foram educados em uma escola para índios que os proibia de falarem sua língua materna e de praticar qualquer tipo de atividade relacionada à sua cultura, segundo o ISA.

Hoje são 515 pessoas, de acordo com a Secretaria Especial de Saúde Indígena, que falam predominantemente português e tentam recuperar a língua com ajuda de idosos e universitários indígenas. Segundo Corbera, o muitas vezes não se consegue recuperar a língua toda, às vezes só o léxico.

“Mas é muito importante, até por questões de identidade”, conta ele.

Resenhas na RBL – 12.02.2009

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

John M. G. Barclay and Simon Gathercole, eds.
Divine and Human Agency in Paul and His Cultural Environment
Reviewed by Stephan Joubert

George J. Brooke and Thomas Römer, eds.
Ancient and Modern Scriptural Historiography/L’Historiographie Biblique, Ancienne et Moderne
Reviewed by Ernst Axel Knauf

Maurice Casey
The Solution to the ‘Son of Man’ Problem
Reviewed by Paul Owen

David J. Chalcraft, ed.
Sectarianism in Early Judaism: Sociological Advances
Reviewed by Boris Repschinski

Martin Ebner, ed.
Herrenmahl und Gruppenidentität
Reviewed by Christoph Stenschke

Mary Ann Getty-Sullivan
Parables of the Kingdom: Jesus and the Use of Parables in the Synoptic Tradition
Reviewed by Dan O. Via

Rowan A. Greer and Margaret M. Mitchell
The “Belly-Myther” of Endor: Interpretations of 1 Kingdoms 28 in the Early Church
Reviewed by Thomas J. Kraus

Stefanie Ulrike Gulde
Der Tod als Herrscher in Ugarit und Israel
Reviewed by Matthew Suriano

Yigal Levin, ed.
A Time of Change: Judah and Its Neighbours in the Persian and Early Hellenistic Periods
Reviewed by Oded Lipschits

J. G. McConville and Karl Möller, eds.
Reading the Law: Studies in Honour of Gordon J. Wenham
Reviewed by Eckart Otto

Benjamin Edidin Scolnic
Thy Brother’s Blood: The Maccabees and Dynastic Morality in the Hellenistic World
Reviewed by Lester L. Grabbe

V. George Shillington
An Introduction to the Study of Luke-Acts
Reviewed by Nils Neumann

Stanley D. Walters
Go Figure! Figuration in Biblical Interpretation
Reviewed by Paul Elbert
Reviewed by Richard S. Briggs

Timothy L. Walton
Experimenting with Qohelet: A Text-Linguistic Approach to Reading Qohelet as Discourse
Reviewed by Andreas Wagner

Visite:
Review of Biblical Literature Blog

Charles Darwin Bicentenário

‘Salvem Darwin dos extremos’, afirma centro de pesquisas em teologia
Apenas 37% das pessoas no Reino Unido acreditam que a teoria da evolução de Darwin está “além de qualquer dúvida racional”, afirma o Theos, um centro de pesquisa público em teologia (…) Dos entrevistados, 32% acreditam que o Criacionismo da Terra Jovem (CTJ, “a crença de que Deus criou o mundo em algum momento dos últimos 10 mil anos) é tanto “definitivamente ou provavelmente verdadeiro”, e 51% dizem o mesmo a respeito do Design Inteligente (que o Theos define como “a idéia de que a evolução sozinha não é suficiente para explicar as complexas estruturas de algumas formas de vida, então a intervenção de um designer é necessária em estágios-chave”) (…) O fato de que esses dados não fazem sentido mostra como a população está confusa e geralmente se contradiz em suas opiniões, afirmam os autores do relatório “Rescuing Darwin” [Resgatando Darwin], Nick Spencer, diretor de estudos do Theos, e Denis Alexander, diretor do Faraday Institute for Science and Religion. Eles descrevem-no como um “triste estado das coisas”, em uma época em que a teoria é agora incontestável em círculos científicos e quando os avanços na genética fortaleceram-na. Os autores dizem que as razões para isso são complexas, mas parece estar na má-interpretação de que a ciência e a religião são, de alguma forma, descrições rivais da forma como o mundo funciona, ou explicações concorrentes para o mistério da vida. Eles chamam a atenção para o agnosticismo autoproclamado de Darwin, a rejeição explícita da idéia de que a evolução necessitaria do ateísmo e o comprometimento respeitoso com todos no debate – um espírito que descrevem como “muito em falta” nas discussões atuais. “A posição de Darwin e o seu espírito de engajamento precisam ser resgatados do fogo cruzado da batalha entre os religiosos militantes e os ateus militantes, que, apesar de serem pólos opostos em tantas questões, parecem concordam que a evolução ameaça a crença em Deus”…

Fonte: IHU – 15/02/2009

Leia também:
:: Conferência no Vaticano fará estudo crítico sobre design inteligente – Notícias – IHU On-Line: 15/02/2009
Uma conferência organizada pelo Vaticano sobre evolução irá incluir um estudo crítico da teoria do design inteligente, que, dizem os organizadores, representa uma teologia e ciência pobres.

:: Um feliz aniversário cristão-progressista para Charles Darwin – Notícias – IHU On-Line: 15/02/2009
Susan Brooks Thistlethwaite, professora e ex-presidente do Chicago Theological Seminary e membro sênior do Center for American Progress, publicou artigo em que analisa o amplo legado de Darwin e critica a postura dos “cristãos conservadores”, cujo enfoque na evolução “é muito mais político do que puramente teológico”.

:: Brasil tem comemorações darwinianas; saiba onde e quando – Folha Online: 12/02/2009

:: Acompanhe passo a passo como foi a viagem de Darwin pelo mundo – Folha Online: 12/02/2009