Antropologia 4

Páginas 1 | 2 | 3 | 4

 15. Observações finais

Por último, quero lembrar que uma das maiores dificuldades da leitura socioantropológica vem de seu interior mesmo, das opções de seus teóricos. A partir da II Guerra Mundial aconteceu a burocratização do trabalho do sociólogo e o comprometimento cada vez maior de seus teóricos com a defesa da sociedade capitalista contra a expansão do socialismo. Passou-se a confundir a sociologia crítica, não conservadora e não funcionalista, com um comunismo a ser combatido a todo o custo. Na sociedade norte-americana, a sociologia, vinculada ao meio universitário, caracterizou-se por um acentuado reformismo, investigando temas relacionados com a desorganização social, com as questões urbanas, com a integração das minorias etc, mas perdeu de vista a totalidade social.

A avalanche empirista que tomou conta das ciências sociais nos Estados Unidos chegou também aos países periféricos, como o Brasil, representando uma profunda ruptura com as tendências de clássicos como Weber e Marx. O fenômeno da pós-modernidade, com a suposta falência das grandes teorias explicativas da história, agravou mais ainda o fenômeno.

Não é difícil perceber também como o funcionalismo é a referência mais comum dos estudos bíblicos analisados nestas páginas. A postura conservadora, inerente ao funcionalismo, preocupado com a ordem social é que, apesar das características de cada um, talvez tenha unido pensadores tais como Durkheim, Malinowski, Radcliffe-Brown, Talcott Parsons e tantos outros.

No Brasil a coisa se agrava mais ainda, pois numa sociedade em transição do rural para o urbano como a nossa persiste em muitos meios uma ordem patrimonial que sufoca o pensamento racional livre, considerado incompatível com seus interesses. A justificação moral existente emanava, ainda há pouco, do poder dos costumes, e a “explicação racional do comportamento humano e da origem ou do funcionamento das instituições, como a sociológica, encontrava natural resistência”, já dizia Florestan Fernandes[61].

Mas, como nos lembrava Carlos B. Martins na década de 80, “ao lado de uma sociologia que estendeu suas mãos ao poder, não se pode deixar de mencionar as importantes contribuições proporcionadas por uma sociologia orientada por uma perspectiva crítica [como a da Escola de Frankfurt e a de seus seguidores]. Em boa medida, esta sociologia tem permitido a compreensão da sociedade capitalista atual, das suas políticas de dominação e dos processos históricos que buscam alterar a sua ordem existente”[62]. Cabe aos especialistas investigar as atuais condições do pensamento socioantropológico e aos biblistas retomar este veio crítico dos grandes clássicos que nunca secou de verdade. Recomendo, neste sentido, especialmente as obras de Robert Kurz[63].

 

Bibliografia

ARENS, E. Ásia Menor nos tempos de Paulo, Lucas e João: aspectos sociais e econômicos para a compreensão do Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 1998.

BELO, F. Lecture matérialiste de l’évangile de Marc: Récit-pratique-idéologie. 3. ed. Paris: Du Cerf, [1974] 1976.

CLÉVENOT, M. Enfoques materialistas da Bíblia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

DA SILVA, A. J. Do campo para a cidade: o evangelho de Paulo. Vida Pastoral, São Paulo, n. 152, p. 13-18, 1990.

DE STE. CROIX, G. E. M. The Class Struggle in the Ancient Greek World from the Archaic Age to the Arab Conquests. London: Duckworth, 1997.

DIAS DA SILVA, C. M. com a colaboração de especialistas, Metodologia de Exegese Bíblica. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2009.

ELLIOTT, J. H. A Home for the Homeless: A Sociological Exegesis of 1 Peter, Its Situation and Strategy. With a New Introduction. Eugene, OR: Wipf & Stock Publishers, [1981] 2005. Em português: Um lar para quem não tem casa: Interpretação sociológica da primeira carta de Pedro. São Paulo: Academia Cristã/Paulus, 2011.

ELLIOTT, J. H. Social-scientific Criticism of the New Testament: An Introduction. London: SPCK Publishing, 1995.

ELLIOTT, J. H. What is Social-Scientific Criticism? Minneapolis: Fortress Press, 1993.

ESLER, Ph. F. Community and Gospel in Luke-Acts: The Social and Political Motivations of Lucan Theology. New York: Cambridge University Press, 1989.

ESLER, Ph. F. Conflict and Identity in Romans: The Social Setting of Paul’s Letter. Minneapolis: Fortress Press, 2009.

FITZMYER, J. A. A Bíblia na Igreja. São Paulo: Loyola, 1997.

GIBSON, J. B. The Disciples’ Prayer: The Prayer Jesus Taught in Its Historical Setting. Minneapolis: Fortress Press, 2015.

HANSON, K. C.; OAKMAN, D. E. Palestine in the Time of Jesus: Social Structures and Social Conflicts. 2. ed. Minneapolis: Augsburg Fortress, 2008.

JEREMIAS, J. Jerusalém no tempo de Jesus: Pesquisas de história econômico-social no período neotestamentário. São Paulo: Academia Cristã/Paulus, 2010.

KEE, H. C. Christian Origins in Sociological Perspective: Methods and Resources. Louisville: Westminster John Knox Press, 1980. Em português: As origens cristãs em perspectiva sociológica. São Paulo: Paulus, 1983.

MACDONALD, M. Y. The Pauline Churches: A Socio-Historical Study of Institutionalization in the Pauline and Deutrero-Pauline Writings. New York: Cambridge University Press, 2004.

MALHERBE, A. J. Social Aspects of Early Christianity. 2. ed. Eugene, OR : Wipf & Stock Publishers, 2003.

MALINA, B. J. Christian Origins and Cultural Anthropology: Practical Models for Biblical Interpretation. Eugene, OR: Wipf & Stock Publishers, 2010.

MALINA, B. J. On the Genre and Message of Revelation: Star Visions and Sky Journeys. Grand Rapids: Baker Academic, 1995.

MALINA, B. J. The Gospel of John in Sociolinguistic Perspective. Berkeley: Center for Hermeneutical Studies, 1985.

MALINA, B. J. The New Testament World: Insights from Cultural Anthropology. 3. ed. Louisville: Westminster John Knox Press, 2001.

MALINA, B. J. The Social Gospel of Jesus: The Kingdom of God in Mediterranean Perspective. Minneapolis: Fortress Press, 2000. Em português: O evangelho social de Jesus. O reino de Deus em perspectiva mediterrânea. São Paulo: Paulus, 2004.

MALINA, B. J. The Social World of Jesus and the Gospels. London: Routledge, 1996.

MALINA, B. J. Windows on the World of Jesus: Time Travel to Ancient Judea. Louisville: Westminster John Knox Press, 1993.

MALINA, B. J.; NEYREY, J. H. Calling Jesus Names: The Social Value of Labels in Matthew. Sonoma, Calif.: Polebridge Press, 1988.

MALINA, B. J.; NEYREY, J. H. Portraits of Paul: An Archaeology of Ancient Personality. Louisville: Westminster John Knox Press, 1996.

MALINA, B. J.; PILCH, J. J. Social-Science Commentary on the Book of Acts. Minneapolis: Fortress Press, 2008.

MALINA, B. J.; PILCH, J. J. Social-Science Commentary on the Book of Revelation. Minneapolis: Fortress Press, 2000.

MALINA, B. J.; PILCH, J. J. Social-Science Commentary on the Deutero-Pauline Letters. Minneapolis: Fortress Press, 2013.

MALINA, B. J.; PILCH, J. J. Social-Science Commentary on the Letters of Paul. Minneapolis: Fortress Press, 2006.

MALINA, B. J.; ROHRBAUGH, R. L. Social-Science Commentary on the Synoptic Gospels. 2. ed. Minneapolis: Fortress Press, 2003.

MALINA, B. J.; ROHRBAUGH, R. L. Social-Science Commentary on the Gospel of John. Minneapolis: Fortress Press, 1998.

MEEKS, W. A. The First Urban Christians: The Social World of the Apostle Paul. 2. ed. New Haven: Yale University Press, [1983] 2003. Em português: Os primeiros cristãos urbanos: O mundo social do apóstolo Paulo. São Paulo: Academia Cristã/Paulus, 2011.

MOXNES, H. The Economy of the Kingdom: Social Conflict and Economic Relations in Luke’s Gospel. Eugene, OR: Wipf & Stock Publishers, 2004. Em português: A economia do Reino: Conflito social e relações econômicas no Evangelho de Lucas. São Paulo: Paulus, 1997.

MYERS, C. Binding the Strong Man: A Political Reading of Mark’s Story of Jesus. Maryknoll, NY: Orbis Books, [1988] 2008. Em português: O evangelho de São Marcos. São Paulo: Paulus, 1992.

NEYREY, J. H. (ed.) The Social World of Luke-Acts: Models for Interpretation. Grand Rapids: Baker Academic, 1999.

NEYREY, J. H. ; STEWART, E. C. (eds.) The Social World of the New Testament: Insights and Models. Grand Rapids: Baker Academic, 2008.

OAKMAN, D. E. Jesus, Debt, and the Lord’s Prayer: First-Century Debt and Jesus’ Intentions. Eugene, OR: Cascade Books, 2014.

OAKMAN, D. E. The Political Aims of Jesus. Minneapolis: Fortress Press, 2012.

OVERMAN, J. A. Matthew’s Gospel and Formative Judaism: The Social World of the Matthean Community. Minneapolis: Fortress Press, 1990. Em português: O Evangelho de Mateus e o Judaísmo Formativo: O Mundo Social da Comunidade de Mateus. São Paulo: Loyola, 1997.

PONTIFÍCIA COMISSÃO BÍBLICA A Interpretação da Bíblia na Igreja. 8. ed. São Paulo: Paulinas, 2009. Disponível online.

PUNT, J. Postcolonial biblical interpretation: Reframing Paul. Leiden: Brill, 2015.

ROHRBAUGH, R. L. (ed.) The Social Sciences and New Testament Interpretation. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

SCHOTTROFF, L.; STEGEMANN, W. Jesus von Nazareth, Hoffnung der Armen. 3. ed. Stuttgart: Kohlhammer, 1990.

STAMBAUGH, J. E.; BALCH, D. L. The New Testament in Its Social Environment. Louisville: Westminster John Knox Press, 1986.

STEGEMANN, W. ; MALINA, B. J. ; THEISSEN, G. (eds.) The Social Setting of Jesus and the Gospels. Minneapolis: Fortress Press, 2002.

STILL, T. D.; HORRELL, D. G. (eds.) After the First Urban Christians: The Social-Scientific Study of Pauline Christianity Twenty-Five Years Later. London: Bloomsbury T & T Clark, 2009.

THEISSEN, G. O Movimento de Jesus: História social de uma revolução de valores. São Paulo: Loyola, 2008. [Esta é uma revisão do livro de Gerd Theissen, Sociologia do Movimento de Jesus – original alemão: 1977. São Leopoldo: Sinodal/Vozes, 1989].

THEISSEN, G. Social Reality and the Early Christians: Theology, Ethics, and the World of the New Testament. London: T & T Clark, 2001.

THEISSEN, G. Sociologia da cristandade primitiva: Estudos. São Leopoldo: Sinodal, 1987.

VV.AA. Sociologia das comunidades paulinas. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 25, 1990.

WALSH, B. J.; KEESMAAT, S. C. Colossians Remixed: Subverting the Empire. Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2004.

WATSON, F. Paul, Judaism and the Gentiles: Beyond the New Perspective. Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2007.

>> Bibliografia atualizada em 02.12.2015

Artigos


 

[61]. FERNANDES, F.  A sociologia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1977, p. 30.

[62]. MARTINS, C. B. O que é sociologia. 57 ed. São Paulo: Brasiliense, 2001, p. 91.

[63]. KURZ, R. O Colapso da Modernização. Da Derrocada do Socialismo de Caserna à Crise da Economia Mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1992] 2004; Idem, Os Últimos Combates. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

 

 

Print Friendly, PDF & Email