A escavação arqueológica da cidade de Babilônia

Reproduzo aqui alguns trechos do livro de THELLE, R. Discovering Babylon. Abingdon: Routledge, 2019, p. 77-83.

Li o capítulo V do livro e gostei bastante do relato sobre a descoberta arqueológica da antiga Mesopotâmia.

Estes trechos traduzidos são deste capítulo e contam a história da escavação da cidade de Babilônia por Robert Koldewey, de 1899 a 2017.

As notas de rodapé (números 14-32) foram omitidas. O original inglês vem logo após a tradução em português.

 

A cidade de Babilônia

Em 1887 um arquiteto alemão chamado Robert Koldewey viajou para a Babilônia junto com o arabista Bruno Moritz e H.F. Ludwig Meyer, um comerciante. Koldewey jáTHELLE, R. Discovering Babylon. Abingdon: Routledge, 2019 havia participado como arquiteto na escavação americana de Assos na costa oeste da Turquia (1882-1883) e em 1885-1886 escavou na ilha de Lesbos em nome do Instituto Imperial Alemão de Arqueologia. Na viagem pelo sul do Iraque, Moritz e Kodelwey realizaram escavações experimentais em Surghul e El-Hibba (Lagash), mas Koldewey não ficou impressionado. Muitos anos depois, ele comentou que se alguém lhe tivesse dito em 1887 que 20 anos depois ele escavaria a cidade de Babilônia, ele teria pensado que eles eram loucos.

Dez anos depois, após ter concluído vários outros projetos, Koldewey foi convidado a participar de uma pré-expedição à Mesopotâmia em busca de locais apropriados para as escavações alemãs. Nesta viagem, ele foi acompanhado pelo orientalista Eduard Sachau. Durante um período de seis meses, eles cobriram a área da Índia no leste ao Egito no oeste, de Aden no sul até Khorsabad e Aleppo no norte. No local da antiga Babilônia, eles encontraram vários fragmentos de tijolos vitrificados coloridos. Além de ser um linguista de línguas semíticas, Sachau era um especialista no estudioso muçulmano Al-Biruni, que viveu no século XI no atual Afeganistão e na Índia. Quando Sachau e Koldewey apresentaram suas descobertas perante a comissão em Berlim, Babilônia foi escolhida como o local para escavar, e Koldewey foi contratado para dirigir a escavação.

Chegam os alemães: escavando Babilônia

No final, foram os fragmentos de tijolos vitrificados coloridos que os franceses também descreveram quase 50 anos antes que convenceram as autoridades alemãs de que Babilônia merecia se tornar o foco de um grande projeto. Esta foi a primeira escavação em grande escala da Alemanha na Mesopotâmia. Em comparação com a Inglaterra e a França, os exploradores alemães procuravam objetos para seus museus nacionais no Oriente Médio há pouco tempo. Embora eles tivessem começado a explorar o Egito, a Grécia e algumas partes da Turquia, como Troia e até a Palestina em 1899, eles não o haviam feito na Mesopotâmia.

Desde a primeira época de descobertas em Nínive entre 1842 e 1852, grandes mudanças também aconteceram na Europa no cenário político. A Alemanha foi unificada como nação em 1871, após a guerra franco-prussiana. No início, a Alemanha, sob o chanceler Bismarck, optou por uma política externa bastante moderada que mantinha o equilíbrio de poder na Europa. Mas com o imperador Wilhelm II, uma nova época começou. Wilhelm II substituiu Bismarck por outro chanceler dois anos após sua ascensão ao trono imperial em 1888, e começou um período caracterizado por uma política externa cada vez mais ampliada que ele chamou de Weltpolitik. A Alemanha desenvolveu fortes laços com o Império Otomano, o que os ajudou a garantir boas condições para as escavações. A construção da ferrovia Berlim-Bagdá é um exemplo das grandes ambições do Império Alemão na Ásia Ocidental, o que acabou prejudicando seu relacionamento com a Rússia, França e Inglaterra.

 Robert Koldewey: 1855-1925Quando a escavação de Babilônia começou em 1899, os métodos arqueológicos já eram muito mais desenvolvidos e refinados do que quando Botta e Layard cavaram túneis para obter esculturas de pedra 50 anos antes. Além disso, em comparação com as escavações de Nippur e Lagash (Girshu-Telloh), a expedição alemã foi muito mais cuidadosa e sistemática. De muitas maneiras, a escavação da Babilônia estabeleceu o padrão para a metodologia arqueológica moderna. Além disso, como Koldewey era arquiteto, ele dirigiu a escavação sabendo como era importante obter uma visão geral da extensão dos edifícios e documentar o plano da cidade. Os métodos empregados na escavação da Babilônia passaram a servir de modelo para a metodologia de escavação nas ruínas desta área. O termo tell é usado para falar dessas elevações no Oriente Médio. Vem do hebraico e refere-se a uma colina artificial que é o resultado de séculos de camadas de ocupação humana. Os métodos usados ​​pelo pessoal de Koldewey foram transmitidos de geração em geração de trabalhadores contratados localmente, levando ao desenvolvimento de técnicas especializadas para localizar muralhas e traçar os contornos de edifícios nos tijolos de barro antigos e delicados ou nos tijolos secos ao sol. Foi dada atenção à estratigrafia (um método que requer a documentação das várias camadas de terra através das quais se cava) e à documentação do contexto de pequenos achados. As escavações no Iraque após a Primeira Guerra Mundial seguiram o que passou a ser chamado de “método alemão”, quer fossem lideradas por americanos, britânicos ou outros.

A escavação da Babilônia foi o primeiro projeto da recém-formada Sociedade Oriental Alemã (Deutsche Orient-Gesellschaft). Representantes dos Museus Reais de Berlim foram os comissários do projeto. Eles negociaram com as autoridades otomanas para obter as autorizações necessárias, contrataram Koldewey como diretor e deram à Sociedade Oriental Alemã a responsabilidade de supervisionar o projeto. Inicialmente, o empresário judeu James Simon disponibilizou o financiamento, que mais tarde foi continuado pelo próprio imperador. Simon era um personagem importante na Berlim da época; ele dirigia uma das maiores empresas de algodão da Europa e era o maior contribuinte de Berlim. Ele também apoiava a expansão da cultura alemã e era amigo do imperador Wilhelm. Simon dirigia muitos projetos filantrópicos para judeus na Alemanha e apoiava a presença judaica na Palestina.

A Porta de Ishtar, a Via Processional e o Templo de Marduk

Os restos encontrados pelos escavadores de Babilônia vieram principalmente do último período de grandeza da Babilônia, quando ela era o centro do império de Nabucodonosor II no século VI a.C. Nabucodonosor restaurou Babilônia ao seu antigo status de maior cidade do Oriente Médio. Essa foi a Babilônia que ameaçou, destruiu e devastou Jerusalém, pondo fim à monarquia da Judeia. Os escavadores também encontraram vestígios da primeira Babilônia, a cidade que fora a capital do primeiro reino real na Mesopotâmia – o Antigo Reino da Babilônia – com Hammurabi como seu rei mais famoso (1792–1750 a.C).

A descoberta mais espetacular da expedição alemã foi a Porta de Ishtar com a Via Processional que atravessa a porta e entra na cidade. Os pedaços de tijolos vitrificados coloridos que foram encontrados anteriormente vieram dessas estruturas. E as muralhas da cidade acabaram sendo tão maciças quanto Heródoto havia afirmado. As muralhas de Babilônia formavam um complexo sistema defensivo com uma muralha externa e outra interna, com espessura total de 22 metros. Em alguns lugares, as muralhas incluíam outras estruturas defensivas, tornando sua espessura ainda mais próxima da medida de Heródoto de 26 metros.

Os escavadores começaram com a maior elevação, chamado Kasr, o “monte do palácio”. Eles fizeram uma trincheira a partir do leste e estabeleceram uma ligação com a Via Processional, que corria na direção sul da Porta de Ishtar, ao longo do lado leste deste enorme complexo palaciano. No monte Kasr, os escavadores descobriram um dos palácios de Nabucodonosor, o Palácio Sudoeste, o maior edifício da Babilônia. Uma das salas do Palácio Sudoeste era a sala do trono de Nabucodonosor, cujas paredes também haviam sido cobertas com tijolos vitrificados e decorações coloridas. No canto noroeste do palácio, os escavadores descobriram um edifício com muitos arcos. Koldewey sugeriu que este poderia ser o local dos Jardins Suspensos da Babilônia.

A Porta de Ishtar foi completamente escavada apenas em 1909-1910. Descobriu-se que tinha sido construída em várias etapas. A camada superior, construída porPorta de Ishtar da cidade de Babilônia - Pergamonmuseum, Berlin Nabucodonosor, consistia em tijolos cobertos por esmalte colorido e era parcialmente visível acima do atual nível do solo. Sob o solo, havia restos de uma camada intermediária e um nível inferior completamente preservado. Os níveis inferiores da porta foram construídos em tijolos, com relevos de touros e uma criatura parecida com um dragão – chamada de mushhushu. Esses animais foram associados a dois dos deuses mais importantes da Babilônia: o touro com o deus da tempestade Adad e a criatura dragão com o deus da cidade da Babilônia, Marduk. Nabucodonosor havia construído sua porta sobre as fundações de construções anteriores.

Koldewey e sua equipe descobriram que a Via Processional havia sido elevada várias vezes, devido ao aumento contínuo das águas subterrâneas. A inundação é a principal razão pela qual resta tão pouco da cidade da Antiga Babilônia, da época de Hammurabi. Algumas seções do nível neobabilônico da Via Processional foram pavimentadas com grandes pedras de calcário colocadas em um material semelhante ao asfalto chamado betume (o material descrito na história bíblica da Torre de Babel). Imediatamente ao sul da Porta de Ishtar, algumas dessas pedras ainda estavam intactas. Em seguida, a rua cruzava uma área frequentemente inundada por águas que corriam para oeste até o braço do Eufrates. Nabucodonosor restaurou este trecho da rua, incluindo os sistemas de canais que levavam a água a fluir ao redor do Palácio Sul. Mais adiante, ao sul do monte Kasr, uma parte da rua pavimentada com calcários duros ainda estava intacta, com inscrições de Nabucodonosor. Alguns deles tinham o nome do rei assírio Senaquerib por baixo, e haviam sido reutilizados por Nabucodonosor. Senaquerib claramente acrescentou melhorias à cidade que acabou arrasando e, dessa forma, deixou sua marca em Babilônia quando a conquistou cerca de 100 anos antes da época de Nabucodonosor. Onde corre ao longo das muralhas externas do complexo Etemenanki (o complexo que incluía o antigo zigurate), a Via Processional tinha camadas de tijolos cozidos com o carimbo de Nabucodonosor. Koldewey descreve uma inscrição de construção que encontraram, afirmando que Nabucodonosor havia construído a via e dando uma data para a atividade de construção.

Os fragmentos de tijolos vitrificados que convenceram os financiadores a realizar escavações em Babilônia vieram dos relevos de touro e mushhushu da Porta de Ishtar, e também de relevos de leão que decoraram as muralhas paralelas ao longo da Via Processional. O leão era o símbolo da deusa Ishtar.

A maior elevação de Babilônia, com mais de 25 metros, tinha o nome de Tel Amran Ibn Ali e ficava a uma curta distância ao sul de Kasr. Neste monte estavam os restos do edifício mais importante da Babilônia, o Eságil, o templo de Marduk. Eságil é sumério e significa “a casa da cabeça erguida”. A elevação envolveu a escavação de poços através de mais de 20 metros de entulho e a remoção de enormes quantidades de entulho. O templo principal é quase quadrado, medindo aproximadamente 80 por 86 metros e com um pátio interno de cerca de 30 por 38 metros. Um dos edifícios mais antigos da Babilônia, partes dele podem ser datadas da época do Rei Hammurabi no período da Antiga Babilônia. O complexo do templo havia sido restaurado por Nabucodonosor e também continha pelo menos dois outros templos, talvez um para o deus Ea.

Entre Kasr e o Eságil estavam os restos do zigurate da Babilônia, o Etemenanki, “a casa do fundamento do céu e da terra”. Provavelmente era uma torre de sete ou oito andares, o edifício que inspirou a narrativa da Torre de Babel (Gn 11). O Etemenanki ficava dentro de uma grande construção retangular de tijolos, que incorporava vários edifícios associados à torre. Podem ter sido depósitos, salas para reuniões públicas e aposentos para os sacerdotes e outras pessoas associadas ao complexo do templo. Chegava-se a esta área por um portão na muralha leste do recinto, que fornecia uma entrada pela Via Processional. Em direção ao sul provavelmente havia uma porta que levava ao Eságil, que ficava a cerca de 251 metros ao sul do complexo Etemenanki.

No início, George Smith descreveu um texto descoberto na cidade de Uruk, no sul, que fala do Etemenanki. Este texto fala de uma torre de sete andares. O texto foi usado para orientar o trabalho de escavação e interpretação na Babilônia; infelizmente, porém, acabou não sendo de muita ajuda. Além disso, o texto real havia se perdido na época em que a escavação estava em andamento, e Koldewey e seu pessoal só tinham a descrição temporária feita por George Smith. Existem outros textos que descrevem os edifícios e bairros de Babilônia. Às vezes, isso gerou mais confusão do que clareza, mas também forneceu informações que ajudaram na identificação de estruturas e na elaboração de um plano da cidade.

Koldewey escavou vários outros templos na Babilônia, uma cidade que pode ter tido mais de 100 templos, incluindo os templos de Nabu, Ishtar e Ninmah. Os escavadores também investigaram uma área residencial e descobriram partes das maciças muralhas externas e internas da Babilônia. Cerca de 400 metros ao norte da Porta de Ishtar, fora das muralhas internas da cidade, mas dentro das muralhas externas, o Palácio de Verão dos reis neobabilônicos também foi escavado.

A escavação alemã forneceu uma visão geral detalhada da planta de uma antiga cidade mesopotâmica, disponibilizando essas informações pela primeira vez. Os novos métodos que os alemães desenvolveram permitiram traçar os contornos de edifícios e paredes construídas com tijolos crus de argila. Nenhuma escavação anterior havia registrado todas as descobertas com tanto cuidado. Os achados foram numerados, seu contexto anotado e tudo foi desenhado ou fotografado. Nos primeiros anos da escavação, especialistas em cuneiforme também participaram. Mais tarde, o próprio Koldewey assumiu a responsabilidade pelos achados textuais, que somam cerca de 5.000 tabuinhas. As escavações continuaram virtualmente sem interrupção por 17 anos, de 1899 a 1917. O próprio Koldewey permaneceu no Iraque continuamente desde o início em 1899. Após a derrota alemã na Primeira Guerra Mundial, a Grã-Bretanha assumiu o poder na região e os alemães tiveram que se retirar de Babilônia.

 

 

The city of Babylon

In 1887 a German architect by the name of Robert Koldewey journeyed to Babylon together with the Arabist Bruno Moritz and H.F. Ludwig Meyer, a merchant oldewey had previously participated as an architect in the American excavation of Assos on the west coast of Turkey (1882–1883) and in 1885–1886 had dug on the island of Lesbos on behalf of the German Imperial Institute of Archaeology. On the trip around the south of Iraq, Moritz and Kodelwey conducted trial digs in Surghul and El-Hibba (Lagash), but Koldewey was not impressed. Many years later he commented that if anyone had told him in 1887 that 20 years later he would be excavating Babylon he would have thought that they were insane.

Ten years later, after he had completed several other projects, Koldewey was invited to join a pre-expedition to Mesopotamia to look for appropriate places for German excavations. On this trip he was joined by the Orientalist Eduard Sachau. Over a period of six months, they covered the area from India in the east to Egypt in the west, from Aden in the south to Khorsabad and Aleppo to the north. At the site of ancient Babylon, they had come across numerous fragments of colored glaze. In addition to being a linguist of Semitic languages, Sachau was an expert on the Muslim scholar Al-Biruni, who had lived in the 11th century in present-day Afghanistan and India. When Sachau and Koldewey presented their findings before the commission in Berlin, Babylon was chosen as the place to excavate, and Koldewey was commissioned to direct the excavation.

The Germans arrive: excavating Babylon

In the end, it was the fragments of colored glazed brick that the French had also described almost 50 years earlier that convinced the authorities that Babylon deserved to become the focus of a major project. This was Germany’s fi rst large-scale excavation in Mesopotamia. Compared to England and France, German explorers had been searching for objects for their national museums in the Middle East only for a short time. While they had begun to explore in Egypt, Greece, and some parts of Turkey, such as Troy, and even Palestine by 1899, they had not done so in Mesopotamia.

In the time since the first epoch of discoveries in Nineveh between 1842 and 1852, major changes had also happened in Europe on the political stage. Germany had been unifi ed as a nation in 1871 following the Franco-Prussian war. At first, Germany, under Chancellor Bismarck, chose a fairly restrained foreign policy which maintained the balance of power in Europe. But with Emperor Wilhelm II, a new epoch began. Wilhelm II replaced Bismarck with another chancellor two years after he ascended to the Imperial throne in 1888, and a period began characterized by an increasingly expansive foreign policy that he called Weltpolitik . Germany developed strong ties to the Ottoman Empire, which aided them in securing good terms for excavations. The building of the Berlin–Baghdad Railroad is one example of the German Empire’s great ambitions in Western Asia, which eventually came to damage its relationship with Russia, France, and England.

When the excavation of Babylon began in 1899, archaeological methods were much more developed and refi ned than they had been when Botta and Layard tunneled for stone reliefs over 50 years earlier. Further, compared to the excavations of Nippur and Lagash (Girshu-Telloh), the German expedition was much more careful and systematic. In many ways, the excavation of Babylon came to set the standard for modern archaeological methodology. In addition, because Koldewey was an architect, he directed the excavation with an understanding of how important it was to get an overview of the extent of the buildings and to document the city plan. The methods employed in the Babylon excavation came to serve as the model for excavation methodology in the ruin mounds of this area. The term tell is used to speak of these mounds in the Middle East. It comes from the Hebrew (Arabic tal ) and refers to an artificial mound that is the result of centuries of layers of human occupation. The methods used by Koldewey’s people were passed down from generation to generation of workers who were locally hired, leading to the development of specialized techniques for finding walls and tracing the contours of buildings in the ancient, delicate mudbrick or sun-dried bricks. Attention was paid to stratigraphy (a method which requires documentation of the various layers of earth through which one digs) and to documenting the context of small fi nds. Excavations in Iraq after World War I all followed what had begun to be called “the German method”, whether they were led by Americans, British, or others.

The Babylon excavation was the fi rst project of the newly formed German Oriental Society ( Deutsche Orient-Gesellschaft ). Representatives of the Royal Museums of Berlin were the commissioners of the project. They negotiated with the Ottoman authorities to obtain the necessary permits, hired Koldewey as the director, and gave the German Oriental Society the responsibility of overseeing the project. Initially, the Jewish businessman James Simon put up the funding, which was later continued by the Emperor himself. Simon was a high-profi le character in contemporary Berlin; he ran one of Europe’s largest cotton businesses and was the biggest taxpayer of Berlin. He was also a supporter of expanding German culture, and a friend of Emperor Wilhelm. Simon ran many philanthropic projects for Jews in Germany and was a supporter of a Jewish presence in Palestine.

The Ishtar Gate, the Processional Way, and the temple of Marduk

The remains found by the excavators of Babylon came mainly from Babylon’s last period of greatness, when it was the center of Nebuchadnezzar II’s empire in the 6th century bce. Nebuchadnezzar restored Babylon to its former status as the greatest city in the Middle East. This was the Babylon that had threatened, destroyed, and devastated Jerusalem, bringing an end to the Judean monarchy. The excavators also found traces of the fi rst Babylon, the city that had been the capital city of the fi rst royal kingdom in Mesopotamia—The Old Babylonian Kingdom—with Hammurabi as its most famous king (1792–1750 BCE).

The German expedition’s most spectacular discovery was the Ishtar Gate with the Processional Way that leads through the gate and into the city ( Figure 5.5 ). The pieces of colored glazed brick that had been found earlier came from these structures. And the city walls turned out to be just as massive as Herodotus had claimed. The walls of Babylon made up a complex defensive system with an outer and an inner wall, with a total thickness of 24 yards. In some places the walls included further defensive structures, making their thickness even closer to Herodotus’ measurement of 28.5 yards.

Excavators began with the largest mound, called Kasr, the “palace mound”. They cut a trench from the east, and came into contact with the Processional Way, which ran inEságil: templo de Marduk em Babilônia. Pergamonmuseum, Berlin a southerly direction from the Ishtar Gate, along the eastern side of this enormous palace complex. In the Kasr mound, the excavators uncovered one of Nebuchadnezzar’s palaces—the South-West Palace—the largest building in Babylon. One of the rooms in the South-West Palace was the throne room of Nebuchadnezzar, the walls of which had also been covered with colored glaze and decorations. Off the northwestern corner of the palace, excavators uncovered a building with many arches. Koldewey suggested that this could have been the site of the Hanging Gardens.

The Ishtar Gate was completely excavated only in 1909–1910. It turned out that it had been constructed in several layers. The top layer, which had been built by Nebuchadnezzar, consisted of bricks covered by colored glaze, and was partly visible above the present-day ground level. Under ground level, there were remains of a middle layer and a completely preserved lower level. The lower levels of the gate had been built in brick, with reliefs of bulls and a dragon-like creature—called mushhushu . These animals were associated with two of the most important gods of Babylon: the bull with the weather god Adad and the dragon creature with Babylon’s city god, Marduk. Nebuchadnezzar had built his gate on the foundations of earlier constructions.

Koldewey and his team discovered that the Processional Way had been raised several times, due to the continually rising ground water. The rising water is the main reason why there is so little left of the Old Babylonian city. Some sections of the Neo-Babylonian level of the Processional Way had been paved with large limestone stones laid down into the asphalt-like material called bitumen (the material described in the Bible’s story of the Tower). Immediately south of the Ishtar Gate some of these stones were still intact. Next, the street crossed an area often flooded by water fl owing west to the branch of the Euphrates. Nebuchadnezzar had restored this section of the street, including the channel systems that led the water to fl ow around the South Palace. Further on, south of the Kasr mound, a portion of the street paved with hard limestones were still intact, which had dedicatory inscriptions of Nebuchadnezzar. Some of these had the name of the Assyrian king Sennacherib on the underneath, and had been reused by Nebuchadnezzar. Sennacherib had clearly added improvements to the city that he ultimately razed, and had in this way set his mark on Babylon when he conquered it about 100 years before Nebuchadnezzar’s time . Where it runs along the outer walls of the Etemenanki complex (the complex that included the ancient ziggurat), the Processional Way had layers of baked bricks with Nebuchadnezzar’s stamp. Koldewey describes a building inscription they found, stating that Nebuchadnezzar had built the road and giving a date for the building activity.

The fragments of glazed brick that convinced the funders to dig in Babylon had come from the bull and mushhushu reliefs of the Ishtar Gate, and also from lion reliefs that had decorated the parallel walls along the Processional Way. The lion was the symbol of the goddess Ishtar.

The tallest mound in Babylon, standing over 25 meters, went under the name of Tel Amran Ibn Ali; it lay a short distance south of Kasr. In this mound lay the remains of the most important building in Babylon, the Esagil, the temple of Marduk. Esagil is Sumerian and means “the house of the lifted head”. Surveying it involved digging shafts down through over 20 meters of debris and removing enormous amounts of rubble. The main temple is almost quadratic, measuring approximately 80 by 86 meters and with an inner court about 30 by 38 meters. One of the oldest buildings in Babylon, parts of it may date back to the time of King Hammurabi in the Old Babylonian period. The temple complex had been restored by Nebuchadnezzar, and also contained at least two other temples, perhaps one for the god Ea.

Between Kasr and the Esagil lay the remains of Babylon’s ziggurat , the temple tower of Etemenanki, “the house of the foundation of heaven and earth”. This had likely been a tower of seven or eight stories, the inspiration for the Tower of Babel. The Etemenanki stood inside a large rectangular brick construction, that incorporated several buildings associated with the tower. These may have been storage rooms, rooms for public gatherings, and living quarters for the priests and other personnel associated with the temple complex. One arrived at this area through a gate in the eastern wall of the enclosure, which provided an entry from the Processional Way. Toward the south there had most likely been a gate which led toward the Esagil, which lay around 275 yards south of the Etemenanki complex.

Early on, George Smith had described a text discovered in the southern city of Uruk, which speaks of the Etemenanki. This text describes a tower of seven stories. The text was used to direct the work of excavating and interpreting in Babylon; unfortunately, however, it turned out not to be of much help. Moreover, the actual text had been lost by the time the excavation was underway, and Koldewey and his people only had the temporary description of it that George Smith had made. There are other texts that describe the buildings and town quarters of Babylon. These have sometimes led to confusion rather than clarity, but they have also given information that has helped in the identifi cation of structures and in delineating a plan of the city.

Koldewey excavated several other temples in Babylon, a city that may once have had over 100 temples, including the temples of Nabo, Ishtar, and Ninmah. Excavators also investigated an area of living quarters, and uncovered parts of Babylon’s massive outer and inner walls. Around one quarter of a mile north of the Ishtar Gate, outside the inner city walls but within the outer walls, the Neo-Babylonian kings’ Summer Palace was also excavated.

The German excavation provided a detailed overview of the city plan of an ancient city in Iraq, making this information available for the first time. The new methods they had developed allowed them to trace the contours of buildings and walls built with unfired clay bricks. No previous excavator had recorded all the finds so carefully before. The finds were numbered, their context noted, and everything was drawn or photographed. In the first few years of the excavation, cuneiform experts also participated. Later, Koldewey himself took on the responsibility for the textual finds, which amount to a total of around 5000 inscribed tablets. The excavations continued virtually without a break for 17 years, from 1899 to 1917. Koldewey himself stayed in Iraq continuously from the beginning in 1899–1914. After the German defeat in World War I, Great Britain took power in the newly created mandate area of Iraq, and the Germans had to pull out of Babylon.

Ensaios sobre os livros históricos da Bíblia Hebraica

KELLE, B. E. ; STRAWN, B. A. (eds.) The Oxford Handbook of the Historical Books of the Hebrew Bible. New York: Oxford University Press, 2021, 616 p. – ISBN 9780190261160.

Uma coleção de ensaios com recursos para a interpretação dos livros de Josué, Juízes, Samuel, Reis, Crônicas, Esdras e Neemias. O volume não é exaustivo emKELLE, B. E. ; STRAWN, B. A. (eds.) The Oxford Handbook of the Historical Books of the Hebrew Bible. New York: Oxford University Press, 2021 sua cobertura, mas examina aspectos desses livros que são considerados essenciais para a interpretação ou que são representativos de tendências significativas na pesquisa atual e futura.

The Oxford Handbook of Historical Books of the Hebrew Bible is a collection of essays that provide resources for the interpretation of the books of Joshua, Judges, Samuel, Kings, Chronicles, Ezra, and Nehemiah. The volume is not exhaustive in its coverage, but examines interpretive aspects of these books that are deemed essential for interpretation or that are representative of significant trends in present and future scholarship. The individual essays are united by their focus on two guiding questions: (1) What does this topic have to do with the Old Testament Historical Books? and (2) How does this topic help readers better interpret the Old Testament Historical Books? Each essay critically surveys prior scholarship before presenting current and prospective approaches.

Taking into account the ongoing debates concerning the relationship between the Old Testament texts and historical events in the ancient world, data from Assyrian, Babylonian, and Persian culture and history are used to provide a larger context for the content of the Historical Books. Essays consider specific issues related to Israelite/Judean history (settlement, state formation, monarchy, forced migration, and return) as they relate to the interpretation of the Historical Books. This volume also explores the specific themes, concepts, and content that are most essential for interpreting these books. In light of the diverse material included in this section of the Old Testament, the Handbook further examines interpretive strategies that employ various redactional, synthetic, and theory-based approaches. Beyond the Old Testament proper, subsequent texts, traditions, and cultures often received and interpreted the material in the Historical Books, and so the volume concludes by investigating the literary, social, and theological aspects of that reception.

 

Table of Contents

Preface
Abbreviations
List of Contributors
Introduction, Brad E. Kelle and Brent A. Strawn

I. Contexts: Sources, History, Texts
1. Historiography and History Writing in the Ancient World, Richard D. Nelson
2. Assyrian and Babylonian Sources, Martti Nissinen
3. Achaemenid Political History and Sources, Amélie Kuhrt
4. Text-Critical Issues with Samuel and Kings, Julio Trebolle Barrera and Eugene Ulrich
5. Text-Critical Issues in Ezra-Nehemiah and 1 Esdras, Lisbeth S. Fried
6. Early Israel’s Origins, Settlement, and Ethnogenesis, Ann E. Killebrew
7. Israelite State Formation and Early Monarchy in History and Biblical Historiography, Walter Dietrich
8. The Later Monarchy in History and Biblical Historiography, Paul S. Evans
9. New Perspectives on the Exile in Light of Cuneiform Texts, Laurie Pearce
10. New Perspectives on the Return from Exile and Persian-Period Yehud, Mary Joan Winn Leith

II. Content: Themes, Concepts, Issues
1. Israelite and Judean Society and Economy, Roger S. Nam
2. Politics and Kingship in the Historical Books, with Attention to the Role of Political Theory in Interpretation, Geoffrey Parsons Miller
3. The Distinctive Roles of the Prophets in the Deuteronomistic History and the Chronicler’s History, Marvin A. Sweeney
4. The Various Roles of Women in the Historical Books, Mercedes L. García-Bachmann
5. Exogamy and Divorce in Ezra and Nehemiah, Herbert R. Marbury
6. Yahwistic Religion in the Assyrian and Babylonian Periods, Richard S. Hess
7. Yahwistic Religion in the Persian Period, Melody D. Knowles
8. A Theological Comparison of the Deuteronomistic History and Chronicles, Matthew J. Lynch
9. Divine and Human Violence in the Historical Books, Douglas S. Earl

III. Approaches: Composition, Synthesis, Theory
1. The So-called Deuteronomistic History and Its Theories of Composition, Thomas Römer
2. Reading the Historical Books as Part of the Primary History, Richard S. Briggs
3. Synchronic Readings of Joshua-Kings, Serge Frolov
4. The Rise and Fall of the So-Called Chronicler’s History and the Current Study of the Composition of Chronicles, Ezra, and Nehemiah, Ralph W. Klein
5. 1 Esdras: Structure, Composition, and Significance, Kristin De Troyer
6. Synthetic and Literary Readings of Chronicles and Ezra-Nehemiah, Steven J. Schweitzer
7. The Role of Orality and Textuality, Folklore and Scribalism in the Historical Books, Susan Niditch
8. Feminist and Postcolonial Readings of the Historical Books, Cameron B. R. Howard
9. The Deuteronomistic History as Literature of Trauma, David Janzen

IV. Reception: Literature, Traditions, Figures
1. Joshua in Reception History, Zev I. Farber
2. Deborah in Reception History, Joy A. Schroeder
3. Samson in Reception History, Kelly J. Murphy
4. Saul in Reception History, Barbara Green
5. David in Reception History, Dominik Markl
6. Solomon in Reception History, Sara M. Koenig
7. Ezra and Nehemiah in Reception History, Armin Siedlecki
8. The Historical Books in the New Testament, Steve Moyise

Morreu Hershel Shanks (1930-2021)

Morreu no dia 5 de fevereiro de 2021, aos 90 anos de idade, o fundador da Biblical Archaeology Society e da Biblical Archaeology Review, Hershel Shanks.

Leia sobre o legado de Hershel Shanks:Hershel Shanks (1930-2021)

:: In Memory of Hershel Shanks – Biblical Archaeology Society

Esta semana, a Biblical Archaeology Society relembra a vida e as realizações do fundador e editor emérito da Biblical Archaeology Review, Hershel Shanks, que faleceu em 5 de fevereiro de 2021 aos 90 anos.

Coletamos reflexões sobre o legado de Hershel de alguns de seus colegas e amigos queridos. Muitos deles apareceram originalmente em Festschrift: A Celebration of Hershel Shanks [disponível online], a edição dupla especial da Biblical Archaeology Review, publicada em 2018. Leia essas memórias e celebre as contribuições de Hershel para os campos da arqueologia bíblica e dos estudos bíblicos.

Hershel Shanks fundou a Biblical Archaeology Society em 1974 e publicou a primeira edição da Biblical Archaeology Review em 1975. Ele serviu como editor da BAR até sua aposentadoria em 2017. Na primeira edição, Hershel escreveu: “O objetivo da Biblical Archaeology Review é disponibilizar em linguagem compreensível as percepções atuais da arqueologia profissional no que se refere à Bíblia. ” Em seus 43 anos como editor, ele não se desviou dessa missão.

 

This week, the Biblical Archaeology Society remembers the life and achievements of Biblical Archaeology Review’s founder and Editor Emeritus, Hershel Shanks, who passed away February 5, 2021 at the age of 90.

We have collected reflections on Hershel’s legacy from some of his colleagues and dear friends. Many of these originally appeared in Festschrift: A Celebration of Hershel Shanks, the special double issue of Biblical Archaeology Review, published in 2018. Please enjoy these memories and celebrate Hershel’s contributions to the fields of biblical archaeology and biblical studies.

Hershel Shanks founded the Biblical Archaeology Society in 1974 and published the first issue of Biblical Archaeology Review in 1975. He served as the editor of BAR until his retirement in 2017. In the very first issue, Hershel wrote, “The aim of The Biblical Archaeology Review is to make available in understandable language the current insights of professional archaeology as they relate to the Bible.” In his 43 years as editor, he did not deviate from this mission.

Descobrindo Babilônia

THELLE, R. Discovering Babylon. Abingdon: Routledge, 2019, 208 p. – ISBN 978-0367496753.THELLE, R. Discovering Babylon. Abingdon: Routledge, 2019

Este livro trata da Babilônia como ela foi representada pela cultura ocidental: por meio da Bíblia, de textos clássicos, de relatos de viagens medievais e de representações do tema da torre [de Babel] na arte. Em seguida, detalha a descoberta dos vestígios da cultura material da Babilônia desde meados do século XIX e através da grande escavação de 1899-1917, e enfoca o encontro entre a Babilônia da tradição e a Babilônia desenterrada pelos arqueólogos.

Este livro é único em sua abordagem multidisciplinar, combinando experiência em estudos bíblicos e assiriologia com perspectivas sobre história, história da arte, história intelectual, estudos de recepção e questões contemporâneas.

Diz a autora no prefácio:

Três visitas à região no início do século XXI foram o ponto de partida para minha descoberta da Babilônia. Mesmo antes dessas viagens, porém, eu já tinha certas expectativas sobre o que encontraria ao embarcar em minha “Grande Jornada Mesopotâmica”. Vários fatores levaram a essa expectativa. Há muito eu acompanhava os relatórios arqueológicos sobre a Babilônia, ficando fascinada pelas várias apropriações culturais da “Babilônia” ao longo dos séculos e impressionada com a forma como a política moderna do Oriente Médio refletia o passado. Devo confessar que os romances de Agatha Christie também contribuíram para a mística que criei sobre a Babilônia.

Este livro é baseado em meu livro em norueguês de 2014, Oppdagelsen av Babylon (A descoberta da Babilônia), publicado pela Spartacus. A editora Nina Castracane Selvik gentilmente me cedeu os direitos para retrabalhar o livro para uma versão em inglês. Para este livro, removi material voltado especificamente para o público norueguês. Também adicionei referências à literatura e traduções que estão disponíveis em inglês e fiz um esforço para encontrar material de referência acessível ao leitor em geral. A partir dessas fontes mais gerais, os leitores podem prosseguir com os tópicos sobre os quais estão particularmente interessados. Mais trabalhos acadêmicos foram citados, embora eu não tenha tentado incluir todos os estudos técnicos. Eu incorporei alguma literatura que apareceu desde 2014, mas não de uma forma abrangente.

Rannfrid Thelle

Veja uma apresentação do livro no vídeo Discovering Babylon – Prof. Rannfrid Thelle: Judaic Studies University of Arizona – 6 de nov. de 2018.

 

This volume presents Babylon as it has been passed down through Western culture: through the Bible, classical texts, in Medieval travel accounts, and through depictions of the Tower motif in art. It then details the discovery of the material culture remains of Babylon from the middle of the 19th century and through the great excavation of 1899-1917, and focuses on the encounter between the Babylon of tradition and the Babylon unearthed by the archaeologists. This book is unique in its multi-disciplinary approach, combining expertise in biblical studies and Assyriology with perspectives on history, art history, intellectual history, reception studies and contemporary issues.

Rannfrid Thelle is Assistant Professor in the Department of Women’s Studies and Religion at Wichita State University in Wichita, Kansas, USA.

Revistas de Teologia online

Uma lista com centenas de links para revistas de teologia e áreas adjacentes. Revistas online, com acesso gratuito. A maioria em português, algumas em espanhol e Publicações onlineoutras línguas.

Confira no site da Faculdade Teológica Batista de São Paulo.

Revistas de Teologia

Diz:

Revistas eletrônicas de Teologia e áreas adjacentes

Neste espaço mantemos os links de revistas eletrônicas de acesso gratuito de Teologia e áreas adjacentes. As revistas ligadas a instituições de ensino apresentam artigos atuais, fruto de pesquisas recentes, constituindo boa fonte de pesquisa.

O livro de Josué na pesquisa recente

Thomas B. Dozeman, professor de Bíblia Hebraica no United Theological Seminary, Dayton, Ohio, USA, publicou, em 2017, na revista Currents in Biblical Research, um artigo sobre o livro de Josué na pesquisa recente.

DOZEMAN, T. B. The Book of Joshua in Recent Research. Currents in Biblical Research, Vol. 15(3), p. 270­–288, 2017.

O artigo analisa estudos sobre Josué nos últimos dez anos.

Este texto é um resumo e uma tradução livre minha. Os autores citados no texto e suas obras podem ser consultados na bibliografia do artigo, que está disponível para download gratuito aqui.

 

Resumo

A pesquisa sobre o livro de Josué está se desenvolvendo significativamente em uma variedade de áreas diferentes.DOZEMAN, T. B. The Book of Joshua in Recent Research. Currents in Biblical Research, Vol. 15(3), p. 270­–288, 2017.

O artigo resume os estudos atuais em seis diferentes abordagens metodológicas:
1. Crítica textual
2. Composição e contexto literário
3. História, arqueologia e geografia
4. Violência, genocídio e conquista
5. Estudos literários e ideológicos
6. História da recepção

O artigo será concluído com um breve resumo de obras coletivas e comentários recentes sobre Josué.

O foco da interpretação serão os últimos dez anos, sendo assim um complemento para o artigo de GREENSPOON, L. J. The Book of Joshua – Part 1: Texts and Versions. Currents in Biblical Research, Vol. 3 (2), p. 229-261, 2005.

Abstract

Research on the book of Joshua is developing significantly in a variety of different areas. The review summarizes current scholarship in six distinct methodological approaches: (1) textual criticism; (2) composition and literary context; (3) history, archaeology and geography; (4) violence, genocide and conquest; (5) literary and ideological studies; and (6) reception history. The article will conclude with a brief summary of recent collected studies and commentaries on Joshua. The focus of interpretation will be the last ten years supplementing Greenspoon (2005).

 

1. Crítica textual

O estudo das versões antigas de Josué continua, especialmente os trabalhos que abordam o texto grego antigo [LXX], como De Troyer 2006; van der Meer 2006; Tov 2007; den Hertog 2009; Krause 2012c; Sipilå 2013; o texto dos Manuscritos do Mar Morto, como García Martinez 2008, 2011; Feldman 2013; mas também o latim antigo (Ulrich 2012), a Vulgata (Sipilå 2011) e o Targum de Josué (Van Staaldune-Sulman 2010).

Há diferenças entre as versões: o texto grego (LXX) é cerca de 4 a 5 por cento mais curto do que o texto massorético (TM), mas também há passagens em que o texto grego é mais detalhado do que o texto massorético. Além do que há cerca de 600 diferenças entre eles, que T. C. Butler (Joshua. Waco, TX: Word Books,1983) classificou nas categorias de erros mecânicos de cópia; incompreensão de significado, forma ou sintaxe; melhorias literárias; uso de frases familiares; interpretação homilética e exegese; corte de linguagem inaceitável [trecho lido em L. J. Greenspon, 2005, p. 234].

A visão tradicional sobre estas diferenças textuais sustenta que o tradutor do hebraico para o grego trabalhou com uma versão antiga semelhante ao texto massorético, de maneira literal, sem se preocupar com a audiência grega. Isto, somado às omissões e aos erros de tradução, explicaria as diferenças entre o texto grego e o texto massorético.

O problema desta visão é que tanto o texto massorético quanto o texto grego são textos expandidos, com acréscimos, harmonização e desenvolvimentos feitos por escribas, mas independente um do outro. Donde se percebe que as diferenças entre o grego e o hebraico não são devidas apenas às características da versão antiga e do texto massorético do livro de Josué, mas também ao desenvolvimento textual de cada um deles.

Assim, hoje se pensa que:
1. O tradutor grego do livro de Josué não fez uma versão literal, mas foi criativo, oferecendo novas interpretações do texto hebraico, que usou como fonte, para sua audiência grega (van der Meer 2009, 2012)
2. O texto hebraico que o tradutor usou é diferente e mais antigo do que o TM (Auld 2012)
3. As diferenças entre a LXX, o TM e os Manuscritos do Mar Morto de Josué representam tradições textuais distintas e não relacionadas, ou seja, não provêm de um único texto original (Sanders 2005).

O resultado desta teoria é uma visão pluralista do desenvolvimento literário de Josué, com diferentes versões independentes surgidas em comunidades distintas.

 

2. Composição e contexto literário

A identificação do(s) autor(es) do livro de Josué desempenhou um papel significativo na interpretação do livro desde o século XIX. Os intérpretes há muito observam conflitos em temas e motivos, o que sugere uma obra composta por mais de um autor. O tema central da conquista, por exemplo, permanece sem solução no livro, com alguns textos indicando o extermínio completo de reis, cidades e pessoas (11,21-23), enquanto outros textos afirmam que nações originais permanecem na terra (Js 23).

O problema da composição é agravado pelo contexto literário de Josué, que é um livro que faz a ligação entre o Pentateuco e os Profetas Anteriores. Por isso, há quem o veja como parte de um Hexateuco (Gênesis – Josué) e há quem o veja como parte de uma Obra Histórica Deuteronomista (Josué – Reis). E há também, no debate atual, quem defenda uma autoria independente para o livro ou, por outro lado, uma inclusão em um possível Eneateuco (Gênesis- Reis).

Pesquisas recentes tendem a se afastar da identificação de fontes [J, E, P] no texto, e tentam explicar a composição de Josué como um processo de suplementação textual ou sucessivas redações.

Os contextos literários distintos do Hexateuco, da Obra Histórica Deuteronomista e, mais recentemente, do Eneateuco, influenciam as pesquisas atuais, embora a data de composição tenha tendido, em todos elas, a se mover para o período pós-exílico.

Blum (2006, 2012), Ausloos (2012), Achenbach (2014) e Rösel (2009) exploram o papel de uma redação do Hexateuco no estágio final da composição de Josué.

Becker (2006), Römer (2005, 2010), Bieberstein (2011), Koorevaar (2012) e Krause (2014) pesquisam a composição de Josué no contexto literário da Obra Histórica Deuteronomista, ao mesmo tempo em que defendem modificações para a proposta de Martin Noth de um só autor e falem de vários autores.

Albertz (2007) e Boorer (2011) examinam a função da literatura sacerdotal, não como uma fonte, mas como uma redação mais recente na formação de Josué.

Rösel (2008) avalia criticamente a hipótese da Obra Histórica Deuteronomista como o contexto literário para interpretar Josué, enquanto Dozeman (2012) argumenta que Josué foi composto inicialmente como um livro independente.

Knauf (2012) muda o foco para explorar a composição de Josué com base em seu público-alvo, observando três estágios de desenvolvimento: (1) o Josué pré-canônico vinculado ao Pentateuco e voltado para as elites intelectuais; (2) o Josué deuterocanônico separado do Pentateuco, mas ainda voltado apenas para as elites intelectuais; e (3) a versão canônica disponível para todos os judeus por meio de cópias destinadas ao culto na sinagoga.

Muitos estudos exploram a composição de passagens particulares como uma oportunidade para explicar a formação do livro de Josué (Bartfeld 2008a, 2008b; Krause 2012a). Assim, a repetição da notícia da morte de Josué em Js 24,29-34 e em Jz 2, 6-9, que já era um problema central para Martin Noth (1981) ao defender a hipótese da Obra Histórica Deuteronomista, continua a ser um tópico de pesquisa (Römer 2006; Frolov 2008).

Pesquisas recentes também exploram a relação de Josué com outros livros dos Profetas Anteriores como um recurso para avaliar a sua composição. Assim, Auld (2011) vê Samuel como uma fonte para a composição de Josué; Hamiel e Rösel (2012) focam mais especificamente nas narrativas de conquista em Josué 6-11 como sendo moldadas por tradições presentes em Juízes, Samuel e Reis; Edenburg compara Josué 9 com o Deuteronômio (2012a) e Josué 7–8 com a o Código Deuteronômico (2015); Nihan (2007) compara os relatos da leitura da Lei em Siquém em Josué 8 com relatos semelhantes no Deuteronômio, enquanto Seebass (2012) examina a relação de Josué e Números.

 

3. História, arqueologia e geografia

A reconstrução histórica do Israel tribal e o exame histórico-crítico das tradições de conquista desempenharam um papel significativo na interpretação de Josué ao longo do século XX (por exemplo, Albright 1961 e Alt 1953). Pesquisadores atuais continuam a refinar as reconstruções anteriores da geografia histórica.

Farber (2012), por exemplo, explora o papel etiológico de Timnat Heres na formação das tradições de Josué. Hess (2008a) examina os relatos de Jericó e Ai em relação ao início da história tribal, assim como Briggs (2005). Knauf (2010) avalia criticamente a recuperação da história por trás do livro de Josué.

A geografia do livro de Josué continua sendo um importante tópico de pesquisa.

Tappy (2008) examina as planícies mencionadas em Js 15,33-47. Saur (2012) explora o significado de Sídon e Tiro (Js 19,24-31). de Vos (2003) fornece um estudo abrangente das fronteiras geográficas de Judá em Js 15.

O estudo da geografia também foi ampliado da geografia histórica para a avaliação do papel dos territórios, cidades e fronteiras na historiografia antiga (Curtis 2007) e na descrição das terras conquistadas e não conquistadas (Levin 2012).

A ideologia da representação geográfica está se tornando uma área de estudo especialmente importante.

Younger (2008) explora a construção retórica das narrativas de conquista. Wazana (2013) examina o papel da geografia nas descrições de limites do antigo Oriente Médio como uma ampla estrutura para interpretar Josué, e Damien (2012) investiga o conflito entre a geografia histórica e as narrativas de conquista. Ballhorn (2011, 2012) avalia a topografia do livro de Josué e a travessia do Jordão como exemplos de heterotopia – a teoria da geografia humana desenvolvida por Michel Foucault segundo a qual os espaços podem ter camadas múltiplas e simultâneas de significado que vão desde o lugar físico até as construções mentais. Havrelock (2007a, 2007b, 2011) estende essa mesma linha de pesquisa para os mapas panorâmicos da terra prometida (por exemplo, Js 1,3-4) e para a função do rio Jordão como um lugar de divisão.

 

4. Violência, genocídio e conquista

A guerra e a legitimação divina para o extermínio de todos os cananeus sempre foram um desafio na interpretação de Josué. A pesquisa atual pode ser resumida em três tópicos sobrepostos: a. o problema teológico da violência associada ao monoteísmo; b. o problema ético do genocídio; c. o desafio da guerra santa e suas implicações contemporâneas.

a. O problema da violência no livro de Josué é teológico (Douglas 2005), pois é o Deus de Josué que exige genocídio (Collins 2014). Albertz (2009) explora como a concepção religiosa do monoteísmo pode reforçar a intolerância religiosa em Josué; Jacobs (2009) amplia a análise para debater o problema do monoteísmo nas três principais tradições religiosas: judaísmo, cristianismo e islamismo. Hawk defende uma leitura que postula a presença de vários autores debatendo a violência divina no livro de Josué (2008a), no qual a representação da divindade pode ter sido modificada em redações posteriores do livro (2008b). Wolterstorff (2011) sugere que o relato é hagiográfico, enquanto Brueggemann (2009) contextualiza a violência como a luta divina contra monarcas opressores para apoiar o projeto de uma sociedade igualitária.

b. O papel central do anátema em Josué levanta a questão ética do genocídio. Cowles, Merrill, Gard e Longman (2010) apresentam quatro visões concorrentes sobre a violência como genocídio, todas elas em perspectiva cristã. As reflexões variam amplamente de genocídio em Josué originado de um mal-entendido entre Josué e Deus (Cowles), à necessidade de genocídio por causa da relação exclusiva entre Deus e Israel (Merrill), chegando até à reinterpretação do genocídio como guerra espiritual para os cristãos (Gard e Longman). Davies analisa uma série de abordagens literárias e éticas anteriores para interpretar o problema da violência e do genocídio (2010). Earl (2011) amplia a leitura cristã do problema do genocídio, com foco em Orígenes, enquanto Scheinhorst-Schönberger (2012) oferece uma reflexão aprofundada sobre a natureza do poder associado a histórias como Josué 6.

c. A violência em Josué também alimentou uma ampla gama de pesquisas sobre a guerra e a guerra santa no mundo antigo e sua influência nos leitores contemporâneos. Hess (2008b) e Schmitt (2011) analisam o significado e a função da guerra santa no mundo antigo. Kim (2004) e Kuan (2009) focam mais especificamente na retórica da violência em textos sobre a guerra santa. Levin (2011) examina a retórica da guerra dentro da tradição judaica. Jenkins (2011) avalia a ética da guerra santa e da violência nas origens da tradição cristã, e argumenta que deve ser rejeitada na vida contemporânea. Handy (2009) e Warrior (2006) exploram os efeitos da violência da guerra santa na tradição ocidental contemporânea.

 

5. Estudos literários e ideológicos

O estudo literário de Josué floresceu na última década, com autores fornecendo leituras perspicazes de muitas narrativas do livro. Os estudos vão desde a análise de técnica literária e crítica narrativa até estudos mais orientados ideologicamente, incluindo formas de análise feministas, queer e pós-coloniais.

Thomas B. DozemanEstudos literários detalhados de Josué incluem Assis (2012), que fornece uma análise do complexo relato da travessia do Jordão (Josué 3-4); Marcus (2007) retorna à narrativa de Raab e os espiões enfocando a função da história dentro do plano maior do livro; Strba (2008) fornece um estudo exaustivo do confronto entre Josué e o comandante do exército de Iahweh (Js 5,13-15); Ska (2010) interpreta a cerimônia em Siquém (Js 8,30-35) como indicando a posse da terra por Israel; Popović (2009) explora a função de Josué 24 dentro do livro, e Wénin (2012) fornece uma análise literária de toda a primeira metade do livro (Js 1-12). Outros estudos exploram a relação literária de Josué com Abraão (Gosse 2012), com Ester (Leder 2012) e com Reis (Van Wieringen 2012).

Os personagens centrais, Josué e Raab, continuam atraindo a atenção dos intérpretes.

Hall (2010) fornece uma ampla interpretação do personagem Josué, enfocando seu papel em Josué 1-11. Outras interpretações mais focadas de Josué incluem Chapman (2009), que destaca o papel profético de Josué, assim como Oeste (2013). Dozeman (2010) avalia criticamente a interpretação de Josué como representante do rei ideal modelado a partir do papel de Josias na Obra Histórica Deuteronomista, argumentando que Josué representa um líder antimonárquico.

Leith (2007) fornece um resumo do papel de Raab em Josué 2; Sherwood (2006) reexamina o papel de Raab como prostituta, enquanto Scholz (2013) explora a complexa história da interpretação de Raab como uma convertida, uma prostituta e uma traidora – todos papéis do anti-herói. Benjamin (2013) e Davidson (2013) comparam e contrastam Raab e Jael como personagens que funcionam dentro do contexto do império.

Interpretações ideológicas adicionais de Josué exploram a ambivalência da narrativa em Josué (Brueggeman 2013), a apresentação do ‘outro’ (Hawk 2013), bem como leituras críticas feministas (Kirk-Duggan 2013; Creanga 2007), queer (Carden 2006) e pós-coloniais (Butler 2013).

 

6. História da recepção

A recepção do livro de Josué é hoje uma área de destaque na pesquisa.

A metodologia da história da recepção traça a influência do livro de Josué na formação da religião, política e cultura ocidentais. Hans Georg Gadamer (1975: 263) fornece o objetivo da história da recepção, quando afirma que o objetivo da interpretação não é reproduzir o significado objetivo de um texto, mas esclarecer as condições em que a compreensão ocorre. Essa definição amplia as lentes de interpretação do estudo de Josué como um objeto isolado no passado para a interação entre Josué e o leitor ao longo do tempo. Gadamer caracteriza a relação dinâmica entre o texto e o leitor como Wirkungsgeschichte, “a história dos efeitos” de um texto oficial sobre os leitores. A interpretação da “história dos efeitos” requer o estudo do texto bíblico, mas também a localização social e os preconceitos dos leitores subsequentes, uma vez que ambos são necessários para descrever “as condições em que o entendimento ocorre” (p. 263).

A relação inerente entre o livro de Josué e as circunstâncias sociais dos leitores garante que a interpretação sempre mudará com o tempo, uma vez que o horizonte ou ponto de encontro entre o texto e diferentes leitores nunca é o mesmo. Interpretações recentes exploram o impacto do livro ao longo da história ocidental, desde o período antigo, passando pelo medieval, até chegar no cenário contemporâneo.

Begg fornece uma interpretação abrangente da recepção de Josué no período antigo, focando particularmente na interpretação de Raab (2005a), a queda de Jericó (2005b) e as campanhas de Josué (2007) em Josefo, bem como a reescrita de Josué no Pseudo-Fílon (2012). Corley dedica dois estudos à interpretação de Josué no Eclesiástico, o primeiro explorando a função de Josué como guerreiro (2010) e o segundo comparando a interpretação de Josué e Samuel (2011). Earl (2010) fornece um extenso exame da interpretação de Josué feita por Orígenes. Nissan (2011) interpreta Josué no Pseudo Ben-Sira. Schnocks (2012) visa a função de Josué no livro dos Macabeus e Avemarie (2007) fornece um estudo mais amplo de Josué em todo o judaísmo antigo. Koch (2012) e de Vos (2012) focalizam a interpretação de Josué em o Novo Testamento. Noort (2006) também traça a história da recepção de Josué por meio de Josefo e do Pseudo-Fílon, mas depois amplia para incluir as Crônicas Samaritanas, onde o oponente de Josué o descreve como um “lobo voraz”.

A influência de Josué na tradição ocidental posterior também é objeto de estudo. Elssner (2008) resume a influência da guerra em Josué em autores do período antigo (por exemplo, Eclesiástico e Macabeus), mas também estende o estudo para incluir os primeiros cristãos (por exemplo, Clemente, Justino Mártir, Orígenes, Agostinho), os medievais (por exemplo, Tomás de Aquino) e autores renascentistas (por exemplo, Hugo Grotius). Houtman (2009) traça o uso de Josué em pensadores livres ateus, como Jean Meslier (1664-1729), que cita a violência no livro para repudiar o cristianismo. Noort (2007a, 2007b) concentra-se na história de Josué parando o sol (Josué 10) para descrever o conflito entre as cosmovisões heliocêntricas e geocêntricas que entram em foco com a publicação do De Revolutionibus de Copérnico (1508) e a reescrita de Josué no oratório de Händel sobre Josué (1747).

O impacto de Josué na guerra e nas reivindicações de terras é forte em escritores contemporâneos. O padre palestino Ateek (2006) critica o uso de Josué nas reivindicações israelenses de terra. Rohde (2012) avalia a teologia do pastor palestino Mitri Raheb no que diz respeito às reivindicações contemporâneas da “terra sagrada”. Havrelock (2007b) avalia o papel do rio Jordão como uma fronteira nas mitologias de pátria israelense e palestina contemporâneas. Wacker (2012) avalia o papel de Josué na liderança de Davi Ben-Gurion, enquanto Warrior (2006) avalia criticamente a aplicação do mito da conquista em Josué à experiência americana de posse da terra do ponto de vista de um nativo americano.

 

Obras coletivas e comentários recentes

Este resumo da pesquisa sobre Josué está limitado à última década (2006– 2016). Noort fornece um resumo exaustivo da pesquisa sobre Josué em Das Buch Josua: Forschungsgeschichte und Problemfelder (1998). Este estudo é complementado com uma revisão da pesquisa até o presente no artigo, “Josua im Wandel der Zeiten: Zu Stand und Perspektiven der Forschung am Buch Josua” (2012). O artigo fornece a introdução para uma obra coletiva sobre Josué no volume The Book of Joshua (2012).

A última década também incluiu um número significativo de comentários sobre Josué que variam tanto na metodologia quanto no público-alvo. Os comentários são listados em ordem cronológica de publicação.

Abadie (2005) fornece um estudo histórico-crítico de Josué, avaliando a historicidade e os desafios teológicos do livro, especialmente no que diz respeito à violência.

Knauf (2008) escreveu uma análise completa da história da composição do livro, do período monárquico tardio ao helenístico, juntamente com uma interpretação das mudanças no cenário social e do público-alvo de cada revisão.

Robert L. Hubbard Jr. (2009) escreve para um público evangélico em geral, com o objetivo de traduzir a mensagem chocante de violência no livro de uma forma que possa falar sobre a vida de fé hoje.

Pitkänen (2010) investiga os antecedentes históricos de Josué com foco nas evidências arqueológicas que auxiliam na interpretação da conquista israelita.

Hawk (2010) lê Josué como um espelho da experiência humana em geral, um mito das origens, e como uma história que influencia o mito norte-americano do destino manifesto.

Earl (2010) faz um comentário genérico sobre Josué, com o objetivo mais de recuperar a leitura de Orígenes do que fornecer uma nova leitura.

McConville e Williams (2010) fornecem uma interpretação cristã de Josué, colocando sua história violenta no contexto mais amplo do cânone cristão e da teologia cristã.

Rösel (2011) resume uma vida inteira de pesquisas sobre Josué em um comentário histórico-crítico.

Matties (2012) aborda a mensagem violenta de Josué propondo uma conversa teológica.

Butler (2014) apresenta uma revisão exaustiva da pesquisa sobre Josué nesta reedição em dois volumes de seus primeiros trabalhos (1983). Embora o público-alvo sejam leitores evangélicos, o exame cuidadoso do texto irá beneficiar a todos.

Dozeman (2015) explora a relação entre a crítica textual e literária na evolução do livro de Josué, prestando especial atenção à mudança de apresentação da violência na história textual do livro.

Laughlin (2015) revê a história da interpretação e da arqueologia para condenar a ideologia violenta do livro de Josué.

João Batista: tema de mais uma conferência Nangeroni

Aconteceu de 11 a 14 de janeiro de 2021 uma conferência Nangeroni online sobre João Batista, organizada pelo Seminário Henóquico em colaboração com o Journal for São João Batista - Candido Portinari: 1957the Study of the Historical Jesus. Todos os maiores especialistas internacionais em João Batista participaram.

Um bom relato pode ser lido em Religion Prof: The Blog of James F. McGrath.

Ele começa dizendo:

Gabriele Boccaccini começou com uma visão geral da história da recepção de João Batista, incluindo literatura e cinema, bem como a pesquisa acadêmica. No processo, ele destacou a incrível riqueza de informações sobre este assunto disponíveis na enciclopédia online 4Enoch…

O que é o Enoch Seminar?

O Enoch Seminar, fundado em 2001, é um grupo acadêmico de especialistas internacionais dedicados ao estudo do Judaísmo do Segundo Templo e às origens cristãs, que compartilham os resultados de suas pesquisas no campo e se reúnem para discutir temas de interesse comum. O site Enoch Seminar Online é um arquivo de todos os estudos apresentados nas reuniões do Enoch Seminar, e uma revista online de notícias, comentários e outras contribuições originais.

Uma gramática de copta

ALLEN, J. P. Coptic: A Grammar of Its Six Major Dialects. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 2020, 144 p. – ISBN 9781646020645

O copta é o estágio final da antiga língua egípcia, escrito em um alfabeto derivado principalmente do grego, em vez de hieróglifos. Ele incorpora um pouco do vocabulário ALLEN, J. P. Coptic: A Grammar of Its Six Major Dialects. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 2020do grego antigo e era usado principalmente para escrever escrituras e tratados cristãos. Não existe uma linguagem copta uniforme, mas sim seis dialetos principais.

Ao contrário das gramáticas anteriores, que se concentram em apenas dois dos dialetos coptas, este volume, escrito pelo egiptólogo James P. Allen, descreve a gramática da língua de cada um dos seis dialetos principais. Também inclui exercícios com gabarito, crestomatia e um dicionário, podendo ser utilizada sem o acompanhamento de um professor.

James P. Allen, especialista em língua e religião egípcias, é Professor de Egiptologia na Universidade Brown, Providence, Rhode Island, USA.

Coptic is the final stage of the ancient Egyptian language, written in an alphabet derived primarily from Greek instead of hieroglyphs. It borrows some vocabulary from ancient Greek, and it was used primarily for writing Christian scriptures and treatises. There is no uniform Coptic language, but rather six major dialects.

Unlike previous grammars that focus on just two of the Coptic dialects, this volume, written by senior Egyptologist James P. Allen, describes the grammar of the language in each of the six major dialects. It also includes exercises with an answer key, a chrestomathy, and an accompanying dictionary, making it suitable for teaching or self-guided learning as well as general reference.

 

James P. Allen is Charles Edwin Wilbour Professor of Egyptology at Brown University. His research focuses on ancient Egyptian religion and on the grammar and literature of the ancient Egyptian language.

Literatura Deuteronomista 2021

Lecionar Literatura Deuteronomista é um desafio e tanto. Enquanto as questões da formação do Pentateuco são discutidas há séculos, a noção da existência de uma Obra Histórica Deuteronomista (= OHDtr) só foi formulada muito recentemente, como se pode ver aqui.

Além disso, há dois problemas com a disciplina: carga horária exígua para estudar textos de livros tão complexos como, por exemplo, Josué ou Juízes – a disciplina tem apenas 2 horas semanais durante o primeiro semestre do segundo ano de Teologia – e uma bibliografia ainda insuficiente em português. Há excelente debate acadêmico hoje, contudo está em inglês e alemão, principalmente.

Para completar, prefiro estudar o livro do Deuteronômio aqui e não no Pentateuco, também por duas razões: a disciplina Pentateuco já é por demais sobrecarregada e o Deuteronômio é a chave que abre o significado da OHDtr. Por isso, ele faz muito sentido aqui.

Por outro lado, há uma integração muito grande da Literatura Deuteronomista com três outras disciplinas bíblicas: com a História de Israel, naturalmente; com a Literatura Profética, irmã gêmea; com o Pentateuco, através do elo deuteronômico.

I. Ementa
A Obra Histórica Deuteronomista (OHDtr) tentará responder aos desafios do presente repensando o passado no final da monarquia e na situação de exílio e pós-exílio. Faz isso percorrendo toda a história da ocupação da terra, desde as vésperas da entrada em Canaã até a derrocada final da monarquia em Israel e Judá.

II. Objetivos
Pesquisar a arquitetura, as ideias basilares e a teologia da Literatura Deuteronomista como uma obra globalizante, e de cada um de seus livros, a fim de dar fundamentos para sua interpretação e atualização.

III. Conteúdo Programático
1. O contexto da Obra Histórica Deuteronomista
2. O Deuteronômio
3. O livro de Josué
4. O livro dos Juízes
5. Os livros de Samuel
6. Os livros dos Reis

IV. Bibliografia
Básica
FINKELSTEIN, I. ; SILBERMAN, N. A. A Bíblia desenterrada: A nova visão arqueológica do antigo Israel e das origens dos seus textos sagrados. Petrópolis: Vozes, 2018.

RÖMER, T. A chamada história deuteronomista: Introdução sociológica, histórica e literária. Petrópolis: Vozes, 2008.

SKA, J.-L. Introdução à leitura do Pentateuco: chaves para a interpretação dos cinco primeiros livros da Bíblia. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

Complementar
DA SILVA, A. J. O Código Deuteronômico: levantamento de dados. Post publicado no Observatório Bíblico em 25.06.2020.

DA SILVA, A. J. O contexto da Obra Histórica Deuteronomista. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 88, p. 11-27, 2005. Disponível na Ayrton’s Biblical Page. Última atualização: 28.01.2020.

GONZAGA DO PRADO, J. L. A invasão/ocupação da terra em Josué: duas leituras diferentes. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 88, p. 28-36, 2005.

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: história antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008.

STORNIOLO, I. Como ler o livro do Deuteronômio: escolher a vida ou a morte. 5. ed. São Paulo: Paulus, 1997.