Livro de John Day sobre Gênesis 1-11

DAY, J. From Creation to Babel: Studies in Genesis 1-11. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015, 248 p. – ISBN 9780567664211.

John Day, From Creation to Babel: Studies in Genesis 1-11

The stories of Genesis 1-11 constitute one of the better known parts of the Old Testament, but their precise meaning and background still provide many debated questions for the modern interpreter. In this stimulating, learned and readable collection of essays, which paves the way for his forthcoming ICC commentary on these chapters, John Day attempts to provide definitive solutions to some ofthese questions. Amongst the topics included are the background and interpretation of the seven-day Priestly Creation narrative, problems in the interpretation of the Garden of Eden story, the relation of Cain and the Kenites, the strange stories of the sons of God and daughters of men and of Noah’s drunkenness and the curse of Canaan, the precise ancient Near Eastern background of the Flood story and the preceding genealogies, and the meaning and background of the story of the tower and city of Babel. Throughout this volume John Day constantly seeks to determine the original meaning of these stories in the light of their ancient Near Eastern background, and to determine how far this original meaning has been obscured by later interpretation.

Leia The Serpent in the Garden of Eden and its Background, texto que faz parte deste livro, modificado e publicado pelo autor em The Bible and Interpretation em abril de 2015.

John Day é Professor Emérito de Estudos de Antigo Testamento na Universidade de Oxford, Reino Unido.

Jessé Souza tenta explicar o Brasil

Leia, ou veja em vídeo, uma interessante entrevista que aconteceu no Brasilianas.org, da TV Brasil, em 16/11/2015:

Jessé Souza: O desafio de desconstruir os intérpretes do Brasil

O sociólogo Jessé Souza, atual presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), está lançando um livro, chamado A tolice da inteligência brasileira, que traz argumentos apontando que os grandes intérpretes da sociedade brasileira estiveram durante todo esse tempo errados.

Em Luis Nassif Online – 23/11/2015.

Resenhas na RBL – 16.10.2015

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Daniel I. Block
Beyond the River Chebar: Studies in Kingship and Eschatology in the Book of Ezekiel
Reviewed by Corrine Carvalho

Tony Burke
Secret Scriptures Revealed: A New Introduction to the Christian Apocrypha
Reviewed by Julia Snyder

N. Clayton Croy
Prima Scriptura: An Introduction to New Testament Interpretation
Reviewed by Valeriy A. Alikin

Eugen J. Pentiuc
The Old Testament in Eastern Orthodox Tradition
Reviewed by Antonios Finitsis

Mark Reasoner
Roman Imperial Texts: A Sourcebook
Reviewed by Ulrich Busse

Yvonne Sherwood
Biblical Blaspheming: Trials of the Sacred for a Secular Age
Reviewed by Hector Avalos

Christopher R. Seitz and Kent Harold Richards, eds.
The Bible as Christian Scripture: The Work of Brevard S. Childs
Reviewed by Jason A. Bembry
Reviewed by H. F. Van Rooy

Michael E. Stone and Matthias Henze
Fourth Ezra and Second Baruch: Translations, Introductions, and Notes
Reviewed by Johann Cook
Reviewed by Karina Martin Hogan

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Livro de John Van Seters sobre o Pentateuco

Mais um clássico reeditado na coleção Cornerstones (= pedras angulares) da Bloomsbury T & T Clark.

VAN SETERS, J. The Pentateuch: A Social-Science Commentary. 2. ed. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015, 224 p. – ISBN 9780567658791.

John Van Seters, The Pentateuch: A Social-Science Commentary

Diz a editora:

“In this magisterial overview of the Pentateuch John Van Seters reviews the various historical-critical attempts to read it that arise from notions about the social evolution of Israel’s religion and culture. Is the Pentateuch an accumulation of folk traditions, a work of ancient historiography, a document legitimizing religious reform? In dialogue with competing views, Van Seters advocates a compositional model that recognizes the social and historical diversity of the literary strata. Van Seters argues that a proto-Pentateuchal author created a comprehensive history from Genesis to Numbers that was written as a prologue to the Deuteronomistic History (Deuteronomy to 2 Kings) in the exilic period and later expanded by a Priestly writer to make it the foundational document of the Jerusalem temple community.

This social-science commentary on the Pentateuch is renowned as one of the most influential volumes on this group of texts. For the new edition Van Seters has revised several sections of the text, updating and integrating new bibliographical items, and refining the text where necessary. A reflective preface summarizes these changes and developments for the reader’s convenience”.

Livro de Larry W. Hurtado foi reeditado

HURTADO, L. W. One God, One Lord: Early Christian Devotion and Ancient Jewish Monotheism. 3. ed. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015, 288 p. – ISBN 9780567657718.

Larry W. Hurtado, One God, One Lord

Em seu blog, Larry W. Hurtado escreveu em 19.08.2015:

The major addition to this edition is a 53-page Epilogue, in  which I first explain briefly how the book arose (key influences, etc.), and how it fits into the research program in which it was an early and important step, and then I spend most of the Epilogue underscoring major results argued for in the book and discussing the “Ongoing Debate,” that is, how scholarly discussion has proceeded since the book’s appearance in 1988 (and especially since the 1998 2nd edition).

I can’t claim to have read or referenced everything that may have been published on the broader clutch of topics and questions involved in what is typically called the origins and early development of “Christology.” Instead, I’ve aimed to note and discuss briefly what seem to me important works that more specifically engage the questions and major areas of focus in the book.

Livros de Davies e Lemche sobre História de Israel

Dois clássicos reeditados e um novo.

DAVIES, P. R. In Search of ‘Ancient Israel’: A Study in Biblical Origins. 2. ed. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015, 192 p. – ISBN  9780567662972.

Davies, In Search of 'Ancient Israel': A Study in Biblical Origins

DAVIES, P. R. The History of Ancient Israel: A Guide for the Perplexed. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015, 200 p. – ISBN 9780567655851.

Davies, The History of Ancient Israel: A Guide for the Perplexed

LEMCHE, N. P. Ancient Israel: A New History of Israel. 2. ed. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015, 296 p. – ISBN 9780567662781.

Lemche, Ancient Israel: A New History of Israel

Leia artigos dos dois autores sobre os 2 livros reeditados (In Search of ‘Ancient Israel’ e Ancient Israel: A New History of Israel)  e também sobre o novo (The History of Ancient Israel) em The Bible and Interpretation:

:: A Guide for the Perplexed – Philip R. Davies – November 2015
What makes me a disciple of von Rad is that for me too the stories count for more than the “facts”. I have no commitment to “scripture”, but if I want to understand “ancient Israelites” or any other human groups or individuals from the past, I will do so better by coming to terms with what they thought about the past than what had actually transpired. If, as I think was most often the case, the writers of these biblical stories did not actually know what had happened, then the actual events have a restricted relevance to them: it would have made no difference to these writers whether what they narrated had happened or not.

:: Ancient Israel: A New History of Israel: Thoughts about a reissue – Niels Peter Lemche – November 2015
“In any case, I firmly believe that by the beginning of the twenty-second century, the Minimalists will be remembered and respected as worthy exemplars and forebears of the best current thought” (Sara Mandell).

Teólogos divulgam carta de apoio a Francisco

Teólogos querem fortalecer apoio ao Papa Francisco contra oposição da Cúria conservadora – Cristina Fontenele –  Adital: 11/11/2015

Em carta aberta de apoio ao Papa Francisco, teólogos/as de todo o mundo se dizem “perplexos” com a oposição de alguns cardeais ao modo de Francisco conduzir o Sínodo e a Igreja. Tais grupos estariam postulando uma volta ao “modelo de Igreja do passado”, em uma espécie de campanha mundial contra o Sumo Pontífice, especialmente dentro da Cúria Romana. O principal objetivo é desestabilizar o modo de ser Papa, “despojado dos símbolos de poder”. Aderiram à carta cerca de 300 pessoas do Brasil, de toda América Latina, Caribe e representantes da Europa, do Canadá e dos Estados Unidos (…)

O texto foi apresentado pelo teólogo brasileiro Leonardo Boff durante o II Congresso Continental de Teologia, realizado de 26 a 30 de outubro, em Belo Horizonte (Estado de Minas Gerais), pela rede Ameríndia. Em entrevista à Adital, Boff explica que 15 dias antes do Congresso ele estava em Roma, onde teve a oportunidade de conversar com o embaixador argentino junto a Santa Sé, muito próximo ao Papa.

Boff teria, então, recebido um pedido pessoal do Papa para apoiá-lo na defesa contra as agressões que estaria sofrendo a partir de duas frentes – internamente, pelas oposições de bispos, da Cúria Romana, inclusive, com difamações; e externamente, por grupos de leigos conservadores, pessoas que o consideram, como os Estados Unidos, um comunista, marxista, porque ele exige transformações na economia, na política, na defesa dos pobres.

“Ele está numa situação altamente crítica e pediu o apoio dos cristãos e das pessoas do mundo inteiro, de boa vontade, interessadas no bem na humanidade, para que deem apoio explícito a ele.”, revela Boff. Segundo o teólogo, o objetivo é lançar a carta nas grandes mídias mundiais, para que do mundo inteiro as pessoas possam subscreverem o documento. O texto já foi traduzido para seis idiomas: português, espanhol, alemão, inglês, francês e italiano.

Leia a carta aqui.

Leia Mais:
II Congresso Continental de Teologia

Sítios arqueológicos do ANE no Google Earth

Veja ANE Placemarks for Google Earth.

ANE.kmz works with Google Earth, which has to be downloaded. When opened inside Google Earth, ANE.kmz gives, to the left, an alphabetic list of ancient sites and, to the right, on the satellite photo the same sites marked. For the moment, there are some 2500 sites with modern names; among them some 400 have ancient names. Additions of more sites are planned.

Israel Finkelstein fala sobre as origens de Israel

Demorei para ver, mas quando Israel Finkelstein esteve no Brasil, em outubro de 2015, ele deu uma entrevista para Reinaldo José Lopes, que a publicou na Folha de S. Paulo em 19/10/2015.

Leia:

Mudanças ambientais podem explicar o surgimento do povo israelita

Amostras de pólen obtidas no leito do mar da Galileia e do mar Morto podem ser a pista que faltava para explicar como surgiu o povo israelita, cuja religião deu origem aoIsrael Finkelstein judaísmo e ao cristianismo.

Segundo pesquisadores israelenses, os dados sugerem que, a partir de 1250 a.C., várias ondas prolongadas de seca devastaram a Terra Santa ao longo de um século e meio, fazendo com que bandos de refugiados fundassem novas comunidades na zona montanhosa da região. Esses novos vilarejos acabariam levando à formação dos antigos reinos de Israel e Judá.

Um dos que propõem essa tese é o arqueólogo Israel Finkelstein, da Universidade de Tel Aviv. O trabalho dele tem ajudado a repensar a relação entre os relatos da Bíblia, de um lado, e os dados históricos e arqueológicos, de outro.

Finkelstein conversou com a Folha durante sua visita ao Brasil na primeira semana de outubro, quando participou de conferências organizadas pela Universidade Metodista de São Paulo e pela Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica.

 

Resolução

“O grande diferencial desse nosso novo trabalho é a resolução”, explica o arqueólogo. “Normalmente as amostras possuem uma resolução de uns 200 anos por camada. Nós conseguimos obter dados detalhados que se referem apenas à transição entre a Idade do Bronze e a Idade do Ferro [grosso modo, entre 1300 a.C. e 1000 a.C.], com resolução de 25 anos a 40 anos.”

São dados, portanto, que funcionam como uma espécie de cápsula do tempo. Conforme o pólen ia sendo depositado no fundo do mar da Galileia e do mar Morto, numa ordem que vai do mais antigo ao mais recente, ele passou a formar um registro das mudanças ambientais pelas quais o Oriente Médio estava passando ao longo das décadas.

A análise do pólen permite determinar tanto o tipo quanto a quantidade de vegetação que existia no entorno desses corpos d’água (apesar do apelido de “mar”, eles não passam de grandes lagos). E foi assim que Finkelstein e seus colegas arqueobotânicos (que estudam as plantas do passado) acharam indícios de secas prolongadas numa região que já não é célebre pela abundância de água. Uma palavra resume as consequências das ondas de secura: caos.

Como os arqueólogos já sabiam, entre 1250 a.C. e 1100 a.C. os grandes impérios do Mediterrâneo na Idade do Bronze entram em colapso. Deixam de existir o Império Hitita, na atual Turquia, os reinos micênicos, na atual Grécia, e até o poderoso Egito mal consegue escapar.

Antes da catástrofe, os faraós dominavam todo o atual território israelense, palestino e libanês, além de vastas áreas da Síria e da Jordânia modernas.

Tudo indica que as alterações climáticas geraram tanto rebeliões internas (muito provavelmente ligadas às colheitas que não estavam vingando) quanto estimularam o ataque de tribos bárbaras (e famintas) às cidades do Oriente Médio.

“A ideia é que isso desestabilizou totalmente tanto as populações que viviam em áreas de estepe, a leste do rio Jordão, quanto muitos dos moradores das cidades-Estado do litoral”, conta Finkelstein. De quebra, algumas dessas cidades estavam sendo atacadas e destruídas por invasores, como os filisteus.

A região montanhosa no centro da Terra Santa, hoje correspondente, grosso modo, à Cisjordânia, era o lugar ideal para fugir do caos e da fome porque era uma área pouco povoada na época, além de relativamente fértil e não tão seca quanto outras áreas da vizinhança.

De fato, nas fases finais do colapso dos impérios da Idade do Bronze, é ali que começam a pipocar centenas de vilarejos rurais, com localizações associadas ao que seria, segundo a Bíblia, o território original das tribos israelitas.

Segundo esse cenário, hoje aceito pela maioria dos arqueólogos, o povo de Israel teria surgido dentro da própria Terra Santa (ou Canaã, como era conhecida na Antiguidade), como uma espécie de dissidência dos moradores originais da região, os cananeus.

Argumentos em favor dessa ideia são o fato de que os artefatos dos primeiros vilarejos da região montanhosa são quase idênticos aos dos cananeus que viveram antes ali, além do detalhe de que o hebraico é um dialeto cananeu, muito próximo do fenício (que era falado no atual Líbano).

Ou seja, tanto o êxodo liderado por Moisés quanto a conquista de Canaã liderada por Josué seriam quase totalmente lendários.

 

Cadê o Salomão?

Finkelstein também defendeu outra de suas ideias polêmicas que tem ganhado cada vez mais aceitação entre os pesquisadores: a de que as narrativas sobre um glorioso “Reino Unido” israelita, governado inicialmente por David e depois por seu filho Salomão, também é lendária.

O arqueólogo diz que David e Salomão provavelmente são personagens reais, mas que seus feitos foram muito exagerados por seus descendentes como forma de fortalecer os interesses políticos da monarquia de Jerusalém.

“Certamente havia um pequeno núcleo urbano em Jerusalém na época deles [entre 1000 a.C. e 930 a.C.], mas os dois não passavam de chefes militares tribais”, argumenta o pesquisador.

Os críticos do trabalho do pesquisador afirmam que ele ignora dados que indicariam a presença de um Estado centralizado na antiga capital de Judá durante a era salomônica.

“O problema de Jerusalém, na minha opinião, é que o núcleo mais antigo da cidade não está na chamada Cidade de David, onde as pessoas conseguem escavar hoje, mas na região do Templo, hoje ocupada pelo Domo da Rocha”, diz Finkelstein.

Como se trata de uma das áreas mais sagradas do islamismo, é improvável que os arqueólogos recebam permissão para escavar lá algum dia, afirma ele.

Leia Mais:
Israel Finkelstein: uso três importantes chapéus