Sociologia 4

Páginas 1 | 2 | 3 | 4

9. Robert R. Wilson e Thomas Overholt: e o profetismo?

Na área dos estudos sobre as instituições israelitas, constituiu-se uma ampla discussão em torno dos estudos de Robert R. Wilson e de Thomas Overholt que aplicaram modelos transculturais no estudo da profecia israelita.

Robert Wilson trabalha questões relativas ao profeta visto como intermediário e as forças sociais que o sustentam, distinguindo duas vertentes naRobert R. Wilson, Profecia e sociedade no antigo Israel profecia israelita: a vertente efraimita e a vertente judaíta.

Os profetas efraimitas, apoiados socialmente pelo grupo levítico, sempre atuaram na periferia da sociedade, denunciando o poder monárquico como destruidor das estruturas sociais javistas. Sua visão é a de que o profeta é o único intermediário legíti­mo entre Iahweh e Israel. Visão esta bem assentada na teologia do Deuteronômio, de origem levítica (cf. Dt 18). O seu modelo de profeta: Moisés.

Já a profecia judaíta tinha função de manutenção da ordem social central. Quan­do Isaías, por exemplo, profeta judaíta da ordem social central, prega a conversão e a reforma é para preservar a ordem davídica que se fragmentava sob governos incompe­tentes ou corruptos. Daí que sua articulação teológica se fundava em Davi e em Sião[39].

Thomas Overholt trabalha um modelo de profecia orientado pela cultura nativa norte-americana e enfatiza a relação entre o profeta, a divindade e a comunidade para a qual o profeta fala, mostrando que o “feedback” dado pela comunidade é fundamental para a constituição da autoridade profética[40].

 

10. Paul Hanson e a aurora da apocalíptica

Paul Hanson, na tradição do conflito, vai buscar as raízes da apocalíptica dentro da profecia, mostrando que no Trito-Isaías (Is 56-66) há um confronto entre grupos visionários herdeiros do profetismo e grupos sacerdotais sadoquitas conservadores, na definição dos papéis sociais que se reconstroem na comunidade pós-exílica.

Ele diz: “A literatura apocalíptica do século segundo e posteriores é o resultado de um longo desenvolvimento que começa no pré-exílio, e não um recém-nascido filho de pais estrangeiros do século segundo. Não somente suas origens, mas também a própria natureza das obras apocalípticas mais recentes só podem ser compreendidas através da reconstrução de seu longo desenvolvimento através dos séculos, no qual a escatologia apocalíptica nasce da profecia e até mesmo de outras raízes mais arcaicas”[41].

 

11. H. G. Kippenberg: religião e formação de classes na antiga Judeia

O alemão Hans G. Kippenberg publicou em 1978 um estudo interessantíssimo sobre a formação do judaísmo pós-exílico chamado Religião e formação de classes na antiga Judeia: estudo sociorreligioso sobre a relação entre tradição e evolução social, “uma tentativa de interpretar social e antropologicamente os temas da história religiosa da antiga Judeia”, tarefa possível graças aos “consideráveis progressos da antropologia social anglo-saxônica e da etnologia francesa”[42].

Hans G. Kippenberg, Religião e formação de classes na antiga JudeiaO objetivo da obra: relacionar o conteúdo das tradições religiosas judaicas com a vida social dos judeus. O motivo da obra: os movimentos judaicos de resistência contra gregos e romanos tiveram interpretações divergentes por parte dos autores.

Por exemplo: M. Hengel (1961) defende que o movimento zelota de resistência tem, como dominantes, razões religiosas, afirmando, assim, a independência e a prioridade do religioso sobre o político-social, enquanto H. Kreissig (1970) defende que foram as contradições sociais, criadas por condições socioeconômicas, que possibilitaram o processo de resistência contra Roma, sendo os camponeses e sacerdotes das camadas mais baixas os seus motores principais. Percebe-se que Hengel e Kreissig trabalham dentro da dicotomia Religião e Sociedade: para um, são as motivações religiosas que dominam a história; para outro, são as motivações sociais que contam.

Mas, neste meio tempo, avançou a sociologia etnológica em três áreas: etnologia do parentesco, antropologia econômica e antropologia política. Daí o presente livro: ele interpreta a antiga literatura judaica em relação aos conceitos e métodos da etnologia – ou antropologia social. A etnologia tenta reconstruir o tipo de ordem social da Judeia antiga, comparando-o com os de outras sociedades do Antigo Oriente Médio.

Os movimentos judaicos de resistência levantam a seguinte questão: existia uma relação intrínseca entre determinados conteúdos da tradição religiosa e as lutas de resistência, ou a relação era extrínseca ou, até mesmo, casual?

A hipótese do autor é a seguinte: a tradição se uniu com duas tendências antagônicas: a tendência à formação de classes e a tendência à solidariedade, formando, assim, dois complexos divergentes de tradição que fundamentam os conteúdos religiosos dos movimentos judaicos de resistência.

Publiquei um resumo deste livro na revista Estudos Bíblicos, em 2013, e, antes disso, no blog Observatório Bíblico, em 2007. Confira aqui.

 

12. Leitura socioantropológica do livro de Rute

Ouso citar aqui minha contribuição: Leitura socioantropológica do Livro de Rute. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 98, p. 107-120, 2008.

O meu artigo começa assim:

Ao fazer a proposta de uma leitura socioantropológica, estou sugerindo que estas duas ciências sociais, entre outras, podem contribuir hoje de maneira eficaz para o estudo dos textos bíblicos. Mas também estou pressupondo como necessária a abordagem literária dos mesmos textos bíblicos, para evitar a armadilha da leitura do texto como relato fidedigno da realidade social subjacente.

Qual seria, porém, a contribuição específica da leitura socioantropológica? Penso que pode ser o fato desta abordagem examinar não somente a literatura bíblica, mas também as forças sociais subjacentes à produção desta literatura, onde se distingue a sociedade que está por trás do texto da sociedade que aparece dentro do texto. O desafio maior, neste caso, será combinar, sem reducionismos, as abordagens socioantropológica e literária.

Vou utilizar o livro de Rute para visualizar esta proposta. Este livro é uma estória que usa lugares reais e pessoas fictícias situadas em determinado espaço e tempo para construir a sua narrativa. Daí que três níveis conectados pela perspectiva conferida ao texto pelo autor/a da estória devem ser considerados:
· o imaginário do autor/a que gera a narrativa
· o mundo real fora do livro
· a construção social e ideológica deste mundo pelo autor/a para atingir um objetivo.

É preciso, portanto, como sugeri, olhar em duas direções:
· para a sociedade que aparece dentro do texto, observando quem são os personagens, o mundo no qual se movem e quais são suas práticas econômicas, políticas e sociais
· para a sociedade que aparece por trás do texto, investigando a situação na qual e para a qual o livro foi escrito.

Deste modo deveria ser possível mostrar que o modo como os personagens organizam sua visão de mundo são, na verdade, ferramentas literárias utilizadas pelo autor/a na construção de uma estória totalmente fictícia, mas que, sem dúvida, produz uma mensagem que é considerada pelo autor/a de Rute como um caminho a ser buscado, estruturando o livro como uma narrativa orientada por uma proposta séria.

O artigo pode ser desenvolvido da seguinte maneira:
1. Olhando a estória com os olhos do autor/a, pergunto: o que diz o livro de Rute?
2. Olhando para além do livro, pergunto: o que é possível saber da época em que foi escrito o livro de Rute?
3. Olhando a estória com os olhos do leitor atual, pergunto: qual é a proposta do livro de Rute?[43].


Finalmente sou obrigado a admitir que o artigo vai ficar com muitas lacunas. Atualmente (2015) há centenas de importantes estudos socioantropológicos sobre a Bíblia Hebraica. O que apresentei aqui é apenas uma pequena amostra. E ainda há mais. Temas nos quais nem toquei, como os estudos feministas, as abordagens pós-coloniais e tantos outros[44].

Lembro, para terminar, que o leitor pode conferir, com proveito, recente estudo de Roland Boer sobre a economia do antigo Israel, do qual acabei de tomar conhecimento: BOER, R. The Sacred Economy of Ancient Israel. Louisville: Westminster John Knox Press, 2015. Confira minha apresentação aqui.

 

Bibliografia

ALT, A. Terra Prometida: ensaios sobre a história do povo de Israel. São Leopoldo: Sinodal, 1987.

BOER, R. The Sacred Economy of Ancient Israel. Louisville: Westminster John Knox Press, 2015.

BOER, R. Tracking “The Tribes of Yahweh”: On the Trail of a Classic. London: Bloomsbury T & T Clark, 2002.

BOER, R. (ed.) Postcolonialism and the Hebrew Bible: The Next Step. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2013. Disponível online.

CARTER, C. E.; MEYERS, C. L. (eds.) Community, Identity and Ideology: Social Sciences Approaches to the Hebrew Bible. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 1996.

CHALCRAFT, D. J. (ed.) Social Scientific Old Testament Criticism: A Sheffield Reader. London: Bloomsbury T & T Clark, 2006.

CLEMENTS, R. E. (org.) O mundo do antigo Israel: perspectivas sociológicas, antropológicas e políticas. São Paulo: Paulus, 1995.

DA SILVA, A. J. Leitura Socioantropológica. In: DIAS DA SILVA, C. M. com a colaboração de especialistas, Metodologia de Exegese Bíblica. 3. ed. São Paulo: Paulinas, [2000] 2009, p. 355-450.

DA SILVA, A. J. Leitura socioantropológica do Livro de Rute. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 98, p. 107-120, 2008.

DA SILVA, A. J. Leitura sociológica da Bíblia. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 32, p. 74-84, 1991.

DA SILVA, A. J. Notas sobre alguns aspectos da leitura da Bíblia no Brasil hoje. REB, Petrópolis, v. 50, n. 197, p. 117-137, 1990.

DAVIES, P. R. In Search of ‘Ancient Israel’: A Study in Biblical Origins. 2. ed. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015.

ESLER, P. F. (ed.) Ancient Israel: The Old Testament in Its Social Context. Minneapolis, MN: Fortress Press, 2005.

FINKELSTEIN, I. O reino esquecido: arqueologia e história de Israel Norte. São Paulo: Paulus, 2015.

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. The Bible Unearthed. Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts. New York: The Free Press, 2001 [em português: A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa, 2003].

FRITZ, V. Die Entstehung Israels im 12. und 11. Jahrhundert v. Chr. Stuttgart: Kohlhammer, 1996. Em inglês: The Emergence of Israel in the Twelfth and Eleventh Centuries B.C.E. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2011. Disponível online em inglês.

FRITZ, V. ; DAVIES, P. R. (eds.) The Origins of the Ancient Israelite States. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1996.

GNUSE, R. K. No Other Gods: Emergent Monotheism in Israel. Sheffield: Sheffield Academic Press, 1997.

GOTTWALD, N. K. As tribos de Iahweh: uma sociologia da religião de Israel liberto 1250-1050 a.C. 2. ed. São Paulo: Paulus, [1986] 2004.

GRABBE, L. L. (ed.) Can a ‘History of Israel’ Be Written? London: Bloomsbury T & T Clark, 2005.

HANSON, P. The Dawn of Apocalyptic: The Historical and Sociological Roots of Jewish Apocalyptic Eschatology. Revised Edition. Minneapolis, MN: Fortress Press, 1983.

KAEFER, J. A. A Bíblia, a arqueologia e a história de Israel e Judá. São Paulo: Paulus, 2015.

KIPPENBERG, H. G. Religião e formação de classes na antiga Judeia: estudo sociorreligioso sobre a relação entre tradição e evolução social. São Paulo: Paulus, 1997. Há um resumo no Observatório Bíblico.

LARA, V. L. A Bíblia e o desafio da interpretação sociológica. São Paulo: Paulus, 2009.

LEMCHE, N. P. Early Israel: Anthropological and Historical Studies on the Israelite Society before the Monarchy. Leiden: Brill, 1985.

LEMON, J. M. ; RICHARDS, K. H. (eds.) Method matters : essays on the interpretation of the Hebrew Bible in honor of David L. Petersen. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2009.

NOTH, M. Das System der zwölf Stämme Israels. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft [1930], 1980.

NOTH, M. Geschichte Israels. 10. ed. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, [1950] 1986.

OLYAN, S. M. (ed.) Social Theory and the Study of Israelite Religion: Essays in Retrospect and Prospect. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2012.

PERDUE, L. G.; CARTER, W. Israel and Empire: A Postcolonial History of Israel and Early Judaism. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015.

PUNT, J. Postcolonial biblical interpretation: Reframing Paul. Leiden: Brill, 2015.

SUGIRTHARAJAH, R. S. Exploring Postcolonial Biblical Criticism: History, Method, Practice. Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell, 2012.

THIEL, W. A sociedade de Israel na época pré-estatal. São Leopoldo/São Paulo: Sinodal/Paulus, 1993.

WEBER, M. Ancient Judaism. New York: Free Press, [1952] 1967.

WEBER, M. Economia e Sociedade: Fundamentos da Sociologia Compreensiva, 2 vol. 4. ed. Brasília: Editora da UnB, 2015.

WHITELAM, K. The Invention of Ancient Israel: The Silencing of Palestinian History. London: Routledge, 1996.

WILSON, R. R. Profecia e Sociedade no Antigo Israel. 2. ed. revista. São Paulo: Targumim/Paulus, 2006.

>> Bibliografia atualizada em 20.11.2015

Artigos


 [39]. Cf. WILSON, R. R. Profecia e Sociedade no Antigo Israel. 2. ed. revista. São Paulo: Targumim/Paulus, 2006. O original inglês é Prophecy and Society in Ancient Israel. Minneapolis, MN: Fortress Press, 1980.

[40].  Cf. OVERHOLT, T. Prophecy: The Problem of Cross-Cultural Comparison. In: CARTER, C. E.; MEYERS, C. L. (eds.) Community, Identity and Ideology: Social Sciences Approaches to the Hebrew Bible. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 1996, p. 423-447. O estudo original é de 1982.

[41]. HANSON, P. The Dawn of Apocalyptic: The Historical and Sociological Roots of Jewish Apocalyptic Eschatology. Revised Edition. Minneapolis, MN: Fortress Press, 1983, p. 6. A obra foi publicada pela primeira vez em 1975. Cf. também meu artigo Apocalíptica: busca de um tempo sem fronteiras.

[42]. KIPPENBERG, H. G. Religião e formação de classes na antiga Judeia: estudo sociorreligioso sobre a relação entre tradição e evolução social. São Paulo: Paulus, [1988] 1997, p. 7. A obra original em alemão, fruto de uma tese de livre-docência apresentada na Faculdade de Filosofia e Sociologia da Universidade Livre de Berlim, Alemanha, em 1975, chama-se Religion und Klassenbildung im antiken Judäa: eine religionswissenschaftliche Studie zum Verhältnis von Tradition und gesellschaftlicher Entwicklung. 2. ed., erw. Aufl. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, [1978] 1982.

[43]. Cf. o post Leitura socioantropológica do livro de Rute no blog Observatório Bíblico. E, a partir dele, siga os links para os outros posts sobre Rute.

[44]. Sobre a leitura bíblica pós-colonial, conferir PERDUE, L. G.; CARTER, W. Israel and Empire: A Postcolonial History of Israel and Early Judaism. London: Bloomsbury T & T Clark, 2015; PUNT, J. Postcolonial biblical interpretation: Reframing Paul. Leiden: Brill, 2015; BOER, R. (ed.) Postcolonialism and the Hebrew Bible: The Next Step. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2013; SUGIRTHARAJAH, R. S. Exploring Postcolonial Biblical Criticism: History, Method, Practice. Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell, 2012. Sobre a teologia pós-colonial, veja meu post Teologia pós-colonial na Concilium.

Print Friendly, PDF & Email